AQUECIMENTO LEVA ANIMAIS E PLANTAS A FUGIR PARA ÁREAS FRIAS

AQUECIMENTO LEVA ANIMAIS E PLANTAS A FUGIR PARA ÁREAS FRIAS

 

REINALDO JOSÉ LOPES
EDITOR DE CIÊNCIA E SAÚDE

Não é uma fuga alucinada, ao menos do ponto de vista humano, mas o fato é que animais e plantas estão tentando se proteger do aumento das temperaturas globais subindo montanhas e se distanciando do Equador.

Em média, a coisa ainda está acontecendo a passo de tartaruga: a cada década, as espécies se mudam para altitudes 11 m maiores e rumam em direção aos polos mais 16,9 km, afirma pesquisa da Universidade de York (Reino Unido) na revista “Science”.

Pode parecer pouco, mas é um ritmo entre duas e três vezes maior de “retirada rumo ao frio” do que o verificado por pesquisas anteriores.

Além disso, o estudo coordenado por Chris Thomas e I-Ching Chen também é o primeiro a verificar que a fuga tem correlação com o nível de aumento da temperatura na região habitada pelos animais e plantas em retirada.

Ou seja: quanto mais uma região do globo esquentava, mais longe (ou mais alto) as espécies afetadas fugiam, já que tanto a proximidade dos polos quanto as altitudes mais elevadas ajudariam os animais e plantas a encontrar climas mais frescos.

A conclusão veio depois que a equipe estudou dados disponíveis na literatura científica sobre 764 espécies.

Entre as mais fujonas estão as libélulas britânicas, que recuaram 104 km rumo ao norte por década, e as borboletas da Espanha, que estão subindo encostas de montanhas a uma taxa de 108,6 metros a cada dez anos.

No geral, escrevem os pesquisadores, cerca de três quartos das espécies estudadas mostraram algum movimento rumo a áreas mais altas e mais frias, embora também haja casos de plantas e animais indo na direção oposta, ou “estacionados”.

Uma limitação do estudo é que ele levou em conta principalmente criaturas que vivem em regiões temperadas.

Apenas áreas da Malásia e de Madagáscar representam as regiões tropicais do globo.

Por isso mesmo, os pesquisadores admitem que mais estudos serão necessários para entender o que a mudança forçada significará para o destino das espécies.

ESPÉCIES PODEM NÃO TER PARA ONDE CORRER

Não é nem um pouco simples entender a dinâmica da mudança de espécies para regiões mais frias. O ritmo não é uniforme, em parte por causa das características de cada animal ou planta, em parte por peculiaridades do terreno de cada região.

O estudo da Universidade de York mostra que 22% das espécies estudadas foram para mais perto do Equador em vez de se afastar dele, e 25% foi para áreas mais baixas, e não mais elevadas.

Pode ser que, nesses casos, uma encosta mais baixa, porém voltada para o polo Norte ou Sul, fosse mais fresca do que outra mais alta.

E há, claro, o pior dos mundos: alguns animais e plantas não conseguem viajar muito longe por causa de barreiras geográficas (um rio largo, digamos).

Ou então, quando o fazem, não encontram habitat adequado na nova “casa”, por algum outro motivo, como desmatamento. Nesse caso, a tendência é que essas espécies sumam.

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: http://www.folha.com

Anúncios

Sobre Junior

Cristão, amante da Natureza, de bem com a vida, feliz por trabalhar com prazer
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s