PROGRAMA ABC PROMOVE A FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE NITROGÊNIO NOS SOLOS

PROGRAMA ABC PROMOVE A FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE NITROGÊNIO NOS SOLOS


Embrapa Cerrados – Juliana Caldas

 

Considerado o mais importante processo biológico do planeta, após a fotossíntese, a Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN) é umas das tecnologias incentivadas pelo Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC). Trata-se da conversão (por meio de bactérias, denominadas rizóbios) do nitrogênio presente na atmosfera em formas que possam ser utilizadas pelas plantas.

Em termos de agricultura, a simbiose entre essas bactérias fixadoras de nitrogênio e as plantas leguminosas (como a soja, o feijão e a ervilha) é a mais importante. “No interior dos nódulos formados nas raízes das leguminosas, os rizóbios produzem a enzima nitrogenase que incorpora o nitrogênio atmosférico em compostos orgânicos que são utilizados pelas plantas”, explica a pesquisadora da Embrapa Cerrados, Ieda Mendes.

No Brasil, por conta do processo de inoculação da soja, ou seja, da adição de rizóbios às sementes no momento da semeadura, não é necessário utilizar adubos nitrogenados nas lavouras. Isso representa uma economia anual para o país de cerca de R$ 15,5 bilhões. Mas, os benefícios da inoculação não se restringem aos aspectos econômicos. “Ao substituir o uso de adubos nitrogenados na cultura da soja, a fixação biológica de nitrogênio influencia de forma positiva a qualidade do solo por evitar problemas relacionados à poluição causada por estes adubos”, explica a pesquisadora.

Segundo ela, como a eficiência dos adubos nitrogenados industriais é considerada baixa (pelo menos metade do que o produtor aplica no solo é perdido por diferentes processos), esses resíduos acabam atingindo as águas de rios, lagos e aquíferos subterrâneos em níveis tóxicos aos peixes e ao homem. Outro processo que também acarreta perda do Nitrogênio aplicado ao solo é a desnitrificação, ou seja, a transformação do Nitrato (NO3), proveniente do fertilizante, em formas gasosas como o óxido nitroso (NO) e o óxido nítrico (N2O). Isso contribui para a redução da camada de ozônio agravando o efeito estufa.

Outra vantagem destacada pela pesquisadora de se adotar o uso de inoculantes, em substituição ao uso de adubos nitrogenados, é que o processo industrial que transforma o nitrogênio atmosférico em amônia (NH3) demanda por volta de seis barris de petróleo por tonelada de nitrogênio produzido. “Isso quer dizer que uma grande quantidade de gás carbônico é liberada para atmosfera no momento da produção do adubo nitrogenado”, explica.

Seleção de bactérias

O processo de fixação biológica de nitrogênio é conhecido desde o século XIX, e o papel das instituições brasileiras de pesquisa que atuam nessa área é selecionar bactérias de elevada eficiência fixadora que sejam adaptadas às condições tropicais. Juntamente com os trabalhos de melhoramento vegetal e manejo da fertilidade do solo, um dos fatores que impulsionou a expansão da soja na região do Cerrado foi o lançamento, em 1980, das estirpes de rizóbio Semia 5019 (29W) e Semia 587; e em 1993 das estirpes Semia 5080 (CPAC-7) e Semia 5079 (CPAC-15). “O sucesso da inoculação da soja brasileira é reconhecido nacional e internacionalmente”, afirma a pesquisadora.

Programa ABC

Dos R$ 107 bilhões em crédito do Plano Agrícola e Pecuário 2011/2012, pouco mais de R$ 3 bilhões são destinados a agricultores que seguirem as diretrizes do Programa ABC, cujo objetivo é incentivar o uso de técnicas sustentáveis na agricultura visando à redução da emissão dos gases de efeito estufa. A meta do governo é incorporar essa tecnologia em pelo menos 5,5 milhões de hectares e, assim, reduzir a emissão de 10 milhões de toneladas de CO2 equivalentes.

O ABC foi criado em 2010 pelo Governo Federal e concede benefícios e créditos para os agricultores que querem adotar técnicas agrícolas sustentáveis. A taxa de juros é de 5,5% ao ano e o prazo de pagamento pode chegar a 15 anos. Além da Fixação Biológica de Nitrogênio, o Programa também incentiva iniciativas relacionadas à Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), ao plantio direto na palha, recuperação de áreas degradadas, plantio de florestas e tratamento de resíduos animais.

Mais informações sobre:
Programa ABC no www.agricultura.gov.br/abc/


Rizóbios formados nas raízes das leguminosas
Foto: Clarissa Lima

Publicado em: 01/11/2011

Fonte: CNA SENAR

Anúncios

Sobre Junior

Cristão, amante da Natureza, de bem com a vida, feliz por trabalhar com prazer
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s