O FENÔMENO DA MORTE

O FENÔMENO DA MORTE

A morte é algo que intriga a maioria das pessoas. Muitos não querem pensar nela, mas é interessante imaginar o que nos espera após o fenômeno da morte.

Para aonde vamos?
Esta é a pergunta mais comum.

▬ Cada religião interpreta de um jeito:

Umas acreditam na hipótese de que ficaremos aguardando o dia do juízo final,

Algumas pregam que as pessoas passarão pelo purgatório antes de entrar no céu ou no inferno,

O espiritismo, assim como outras doutrinas, afirma a realidade da reencarnação e que o fenômeno da morte é apenas uma mudança de plano.

As pessoas que não acreditam na reencarnação normalmente fazem chacotas com os que acreditam, dizendo que: “Ninguém até hoje voltou para dizer como é do outro lado”.

▬ Mas, por meio da mediunidade, os espíritos:

Escrevem livros.
Enviam mensagens.
E descrevem como é do “outro lado”.

Além disto, a experiência de quase-morte é uma comprovação de quem esteve do “outro lado”. Afinal, a pessoa é considerada clinicamente morta e depois de alguns minutos, retoma ao mundo material, sem que a medicina consiga provar e comprovar como ocorre este fenômeno.

Pesquisas nesta área oferecem relatos impressionantes.

Um destes é o de um rapaz que, após ser considerado clinicamente morto pelos médicos, deixou seu corpo e passou a caminhar pelos corredores do hospital. Saiu do local e foi passear no parque. Este homem declarou ter visto um conhecido neste parque o que depois foi confirmado pelo outro.

Mas do seu relato, o que mais impressionou foi o fato de ter presenciado o atropelamento de um homem na rua. O homem, após desencarnar, chegou a conversar com este paciente. Depois, uma forte luz levou o atropelado.

Logo após, o paciente sentiu-se atraído novamente para o hospital. Quando comentou o que viu em sua EQM (Experiência de Quase Morte) para algumas pessoas, elas checaram junto à polícia as informações sobre o atropelamento, que foi confirmado pelas autoridades.

Os materialistas são os que mais sofrem ao pensar na morte. Geralmente, são criaturas apegadas demais aos bens terrenos e ao pensar na perda dos prazeres triviais, sofrem por antecipação. Esta preocupação poderá acompanhá-las além túmulo.

Em Temas da Vida e da Morte, o espírito Manoel Philomeno de Miranda explica que:

“Á medida, porém, que se aclaram os enigmas em torno da realidade post mortem, em que os fatos demonstram o seu prosseguimento, oferecendo uma visão correta sobre a sua continuação, o temor cede lugar à confiança.

E as dúvidas são substituídas pela certeza da perenidade do ser, que se sente estimulado a preparar, desde então, esse futuro, no qual a felicidade possui uma dinâmica que fomenta o progresso incessante, em decorrência do esforço empreendido por quem deseja alcançá-lo”.

Assim, o materialista começa a ter uma nova visão e convicção com relação ao fenômeno da morte, mudando sua forma de pensar e agir. A morte é uma consequência da vida, mas a vida é uma consequência da Vida Maior. Pensando desta forma, descartamos a palavra morte no seu sentido natural.

Em seu lugar, coloquemos vida, ficando “vida após a vida”.

O que é na realidade o certo, pois deixamos a vida material para vivermos uma outra, a espiritual, alternando entre uma e outra, prosseguindo em nossa evolução espiritual.

Em Apologia de Sócrates, Platão escreve qual era o pensamento de seu mestre sobre a morte:

“Quanto a esta, apenas pode ser uma destas duas coisas:

Ou aquele que morre é reduzido ao nada e não tem mais qualquer consciência, ou então, conforme ao que se diz, a morte é uma mudança, uma transmigração da alma do lugar onde nos encontramos para outro lugar.

Se a morte é a extinção de todo sentimento e assemelha-se a um desses sonos nos quais nada se vê, mesmo em sonho, então morrer é um ganho maravilhoso.

Por outro lado, se a morte é como uma passagem daqui para outro lugar, e se é verdade, como se diz, que todos os mortos aí se reúnem, pode-se imaginar maior bem?”.

A colheita é obrigatória:

O que nos espera do “outro lado” pode ser comparado por meio de uma metáfora, a plantação na lavoura.

Iremos colher dependendo do que plantamos, ou seja, do esforço aplicado naquele trabalho, das condições de aproveitamento do tempo, da perseverança em vencer os obstáculos, e finalmente, da disposição em dividirmos esta colheita com outras pessoas.

Devemos fazer uma análise da nossa “plantação” e nos perguntarmos:

Estou plantando o suficiente para ter uma boa colheita?
Esta é uma forma sutil de sabermos o que colheremos do “outro lado”.

Joanna de Angelis, em Dias Gloriosos, explica que:

“Face à conduta durante a existência física, de certo modo vão sendo delineados os processos para a libertação pelo veículo da morte, cuja ocorrência é muito mais grave do que pode parecer ao observador menos cuidadoso.

Morremos ou desencarnamos conforme vivemos.
Os pensamentos e atos são implacáveis tecelões que se responsabilizam pelo desenlace final que liberta o espírito do corpo.

Desse modo, a ocorrência terminal, encarregada de produzir a desencarnação, é resultado de todo o processo vivido durante o estágio orgânico. Cada qual experimenta o curso libertador de acordo com o procedimento mantido enquanto encarnado, o que se lhe transforma em futuros programas existenciais”.

Acho relevante transcrever uma passagem do livro de Suety Caldas Schubert, “Mediunidade Caminho Para Ser Feliz”. Onde ela escreveu registros feitos pelo escritor Conan Doyle sobre Emmanuel Swendenborg, um grande médium sueco que viveu em Londres, em 1744, considerado um dos precursores do espiritismo e que narrou em seus livros o que viu no plano espiritual.

Conan Doyle escreveu.

▬ “O médium sueco constatou que o Outro Mundo, para onde vamos após a morte, consiste em várias esferas, ou planos:

Expressando os graus de luminosidade e felicidade.
Cada pessoa irá para aquela que se adapte à sua condição espiritual.

▬ Viu casas e lugares como:

Escolas.
Museus.
Famílias.
Templos.
Auditórios.
Bibliotecas.
Academias.

Ali são cultivadas a arte, a literatura, a ciência, a música e os esportes.

Havia anjos e demônios, mas não eram diferentes dos seres humanos; eram aqueles que tinham vivido na Terra e que, ou eram almas retardatárias, como os demônios, ou altamente desenvolvidas, como os anjos.

▬ Não existem penas eternas:

Os que se achavam nos Infernos (planos inferiores) podiam trabalhar para dali saírem, desde que tivessem vontade.

Os que se achavam no Céu (planos superiores) também prosseguiam trabalhando por uma posição cada vez mais elevada.

Todas as crianças eram recebidas igualmente, fossem ou não batizadas. Cresciam no Outro Mundo, jovens lhes serviam de mães, até que chegassem as mães verdadeiras”.

Deus é perfeito em sua criação.

Ele nos dá inúmeras condições de evoluir. Ninguém fica desamparado, seja neste plano ou nos outros. Cabe a nós, e somente a nós, decidirmos em que condições queremos viver, seja qual for o plano.

▬ Vamos trabalhar em prol do bem:

Pois estaremos atraindo bons fluidos
E pessoas afins para o nosso desiderato.

Obstáculos não vão faltar, mas teremos a mão do companheiro ao lado formando uma corrente positiva, fortalecendo nossas intenções e purificando os pensamentos.

Não devemos temer a morte, e sim, evoluir nesta vida, afinal, uma outra vida nos espera do “outro lado”.

Por Marco Tulio Michalick

Anúncios

Sobre Junior

Cristão, amante da Natureza, de bem com a vida, feliz por trabalhar com prazer
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s