NAVIO COSTA CONCÓRDIA QUASE NAUFRAGOU RELATO DE ACONTECIMENTOS!

NAVIO COSTA CONCÓRDIA QUASE NAUFRAGOU – RELATO DE ACONTECIMENTOS!

 

Comandante do Costa Concordia é condenado a 16 anos de prisão

Costa Concordia deixou de ser propriedade da Costa Crociere

Drone capta imagens do Costa Concordia sendo rebocado

Comandante do Costa Concordia telefona para irmão de desaparecido

A última viagem do Costa Concordia

Costa Concordia is towed away to Genoa for scrap

Impressionantes fotos do interior do Costa Concórdia divulgadas em 21/07/2014

Remoção do Costa Concordia é ajuda de US$ 1,5 bi para Itália

Navio Costa Concordia está quase pronto para viagem final

Costa Concordia raised off reef

Removing the shipwreck of the Costa Concordia will give a $1-billion boost to Italy’s economy

Costa Concordia: Vessel To Be Towed From Giglio In Final Step Of Salvage Operation (PICTURES)

Live Costa Concordia (Costaconcordia) Salvage Web Cams

Here’s What The Inside Of The Sunken Costa Concordia Looks Like After 2 Years Underwater

costa+

COMO RECUPERAR O NAVIO COSTA CONCÓRDIA – HOW TO RECOVER THE SHIP COSTA CONCORD

Aqui está o engenhoso plano de U$400 milhões para retirar

o Costa Concordia encalhado.

Em Janeiro de 2012. o navio de cruzeiro Costa Concordia

atingiu uma rocha ao largo da costa de Isola del Giglio,
no Mediterrâneo.

30 pessoas a bordo do maior naufrágio de passageiros de
todos os tempos perderam suas vidas; 2 ainda desaparecidas.

Quase um ano depois, os destroços ainda estão assentados
na costa italiana, e na sua maior parte submerso.

Porque o Costa Concordia está em um parque marinho nacional,
de recifes de coral protegido, ele deve ser removido da área
para que ele possa ser desmontado, o que representa inúmeras

dificuldades.

Em um relatório sobre os esforços para remover os destroços,
Leslie Stahl do 60 Minutes visitou o local e achou a operação
de resgate notável, a qual tem um preço de US $ 400 milhões.

Não só é o mais arriscado plano de resgate, como o mais complicado,

e mais caro já realizado, mas ninguém tem certeza se ele vai funcionar.
O navio que esta preenchido com água do mar pesa 60.000 toneladas.

Ele está assentado em dois picos de montanhas submarinas.
65 por cento dele está abaixo da superfície.

O naufrágio é uma cena oficial de crime.

A operação, que vai custar cerca de US $ 400 milhões, está sendo pago pelas companhias de seguros.

O plano é para girar o barco na posição vertical sobre uma plataforma submarina.

Em seguida, o farão flutuar, elevando a maior parte da sua estrutura acima da superfície.

Dai então ele poderá ser rebocado.

Antes de entrar no navio inclinado, os trabalhadores tiveram um curso de

escalada em montanha durante 4 dias.

A plataforma submarina está sendo construída no norte da Itália.
A armação deve ser transportada através do Mar Adriático, em torno da bota da Itália até o naufrágio.

A armação, que pesa três vezes mais do que a Torre Eiffel, será fixada no fundo do mar.

A broca de perfuração será encerrada num tubo de grande porte, para manter os detritos sem contaminar a área protegida.

Por enquanto, o navio é mantido no lugar por cabos de aço, mas as tempestades fortes pode desalojá-lo. Em seguida, ele afundaria mais ao fundo do mar, tornando a operação de resgate quase impossível.

111 mergulhadores de resgate estão trabalhando atualmente na operação de resgate durante todo o dia, em turnos de 45 minutos.

Eles ligaram os cabos que prendem o navio onde ele está.

Todos eles vivem em barracas flutuante, ao lado do local do naufrágio.

Como exatamente os trabalhadores girarão o Costa Concordia para a plataforma?
O plano envolve essencialmente “soldando um navio novo ao naufrágio”,
Relatórios Stahl.

O novo “navio” será composto de enormes caixas de aço ocas.

Chamados estabilizadores, maiores que 11 andares de altura.

9 irão ser soldados sobre a face exposta do navio, com apenas 2,5 cm entre eles.

Em seguida, os cabos de aço vão ser ligados dos estabilizadores à plataforma.

Polias hidráulicas vão puxar vertical do “Costa Concordia”.

Mais estabilizadores serão soldadas para o outro lado do navio.

Uma vez que o navio estiver em pé, os flutuantes extras devem fazê-lo flutuar.

O navio vai ser içado no próximo verão.
Uma vez que o processo se inicia, não há qualquer maneira de parar com isso, mesmo se algo der errado.

Outro plano reserva é de desmontá-lo onde ele se encontra, a um custo enorme para o meio ambiente local.

Se tudo correr bem, o “Costa Concordia” será cortado para sucata, longe de Giglio. Ele é tão grande, que o processo vai demorar 2 anos.

c2712 c82 c94 c116 c119 c131 c145 c198 c207 c215 c223 c236 c324 c413 c518 c622 c710 c1019 c1217 c1511 c1723 c1821 c2125 c2414 c2526 c2620

Fonte:  60 minutes

 

Navio Costa Concórdia é erguido de plataforma submarina.Para ver um vídeo de como está sendo esta remoção clique aqui!

Costa Concordia (Getty)

Operação de salvamento do Costa Concórdia é uma das maiores da história

O navio de cruzeiro italiano naufragado Costa Concordia foi levantado com sucesso da plataforma submarina, disseram equipes de resgate, numa das maiores operações de salvamento marítimo da história.

O Concordia atingiu um recife às margens da ilha italiana de Giglio em janeiro de 2012 e naufragou, matando 32 pessoas. Cerca de 4 mil passageiros estavam a bordo.

O naufrágio foi colocado na posição vertical em setembro mas ainda estava parcialmente submerso, sobre seis plataformas de aço.

“É uma operação muito complexa”, disse a jornalistas Franco Gabrielli, chefe da agência de proteção civil que supervisiona o resgate.

“A primeira fase da operação será a mais perigosa, porque a embarcação será separada das plataformas”.

Ele acrescentou que a busca pelos restos mortais do garçom indiano Russel Rebello, cujo corpo não foi recuperado dos destroços, seria realizada após o navio ser removido.

O custo final da operação de resgate é estimado em cerca de US$ 1,2 bilhão (R$ 2,7 bilhão).

‘Sem precedentes’

Os esforços de resgate foram descritos como “sem precedentes”.

“Como com qualquer coisa que está sendo feita pela primeira vez, há riscos. Mas estamos confiantes”, disse o engenheiro Franco Porcellacchia, da Costa Crociere, operadora do cruzeiro.

Costa Concórdia (AP)

O navio naufragou em janeiro de 2012, matando 32 pessoas

Costa Concordia (Reuters)

Navio será levado ao porto de Genoa, onde será desmontado

Centenas de mergulhadores e engenheiros estiveram envolvidos em operações de resgate do Concordia, que é duas vezes maior que o Titanic.

Moradores disseram estar felizes com a retirada da embarcação.

“Estou feliz que eles estão levando para longe porque ver um navio como esse sempre lá, com as mortes que aconteceram, isso nos dá arrepios”, disse Italo Arienti à agência de notícias Reuters.

O capitão, Francesco Schettino, está sendo julgado por homicídio culposo e abandono do navio, acusações que ele nega.

Fonte: BBC

 

COSTA CONCÓRDIA VOLTA A POSIÇÃO NORMAL – COSTA CONCORDIA BACK TO NORMAL POSITION

Costa Concordia será preparado para enfrentar inverno; remoção fica pra 2014

18.set.2013 – Membros das empresas que recolocaram o navio Costa Concórdia ao nível do mar inspecionam, nesta quarta-feira (18), o lado da embarcação que ficou submerso desde janeiro de 2012, perto do porto de Giglio, na Itália. Entre os 32 mortos após o acidente, os corpos de duas vítimas ainda não foram encontrados pelas equipes de resgate Vincenzo Pinto/AFP

A etapa mais trabalhosa e espetacular da operação para retirar o navio Costa Concordia da Ilha de Giglio, onde naufragou no dia 13 de janeiro de 2012, foi concluída, mas ainda há muito por fazer para deixá-lo em segurança. Segundo o chefe da Defesa Civil da Itália, Franco Gabrielli, depois de terminada a rotação que colocou a embarcação de volta ao seu eixo, as medidas agora terão como objetivo prepará-la para enfrentar o outono e o inverno, aumentando sua resistência contra ondas altas e ventos fortes. “Estamos estudando a realização de obras para reforçar o lado danificado para podermos instalar as caixas de flutuação que farão o navio boiar novamente”, afirmou Gabrielli. Para montá-las e apoiá-las no fundo do mar, será preciso suspender o Costa Concordia, que não deve ser removido antes do próximo mês de março. Mas além de estabilizar a embarcação, os trabalhos servirão para eliminar o risco para os operadores que iniciarão o quanto antes a busca pelos dois corpos ainda desaparecidos. Um deles é o de Russel Rebello, que era membro da tripulação do cruzeiro, e o outro é de Maria Grazia Trecarichi, passageira siciliana que comemorava seu aniversário de 50 anos no navio.

MONTAGEM DE UM MINUTO RESUME 19 HORAS DE RESGATE DO COSTA

Hoje (18) um barco da Capitania dos Portos levou o irmão de Russel, Kevin Rebello, e o marido e a filha de Maria Grazia, Elio e Stefania Vincenzi, até as proximidades do Costa Concordia. Como homenagem aos parentes desaparecidos, eles jogaram flores brancas no mar.

Destino

O ministro italiano do Meio Ambiente, Andrea Orlando, declarou que é preciso evitar que a embarcação seja rebocada para um porto do terceiro mundo, onde poderia ser demolida em condições perigosas e sem respeito às normas ambientais. De acordo com ele, no momento da retirada no navio será escolhido o lugar mais próximo com condições de recebê-lo. “Piombino é o porto ideal pela proximidade, mas é uma discussão prematura. É necessário que os portos que se candidatem a hospedá-lo se equipem. Desmontar um navio desse é um grande trabalho de engenharia”, salientou. Fonte: UOL

costa-concordia-endireitado-rtr-1 costa-concordia-endireitado-rtr-2 costa-concordia-endireitado-rtr-3 costa-concordia-endireitado-rtr-4 costa-concordia-endireitado-rtr-5 italiacostaconcordiaendireitado06ap italiacostaconcordiaendireitado05ap italiacostaconcordiaendireitado04rts italiacostaconcordiaendireitado02ap costaconcordiaendireitadorts italiacostaconcordiaendireitado01ap operacao-costa-concordia-ap-9  operacao-costa-concordia-afp-1  operacao-costa-concordia-rtr-6 costa-concordia-up O navio de cruzeiro Costa Concordia foi endireitado na madrugada desta terça-feira, às 4h locais (23h de Brasília da segunda-feira), e as operações de rotação da embarcação terminaram com sucesso, após 19 horas, anunciou o chefe da Defesa Civil, Franco Gabrielli, citado pela emissora italiana Rai. “O navio está agora apoiado sobre a plataforma e marcamos um ponto decisivo para afastá-lo da Ilha de Giglio”, acrescentou Gabrielli.   Com o toque das sirenes, se anunciou que a operação tinha sido um sucesso, apesar de ter durado mais que o previsto. O navio, de 114 mil toneladas, 290 metros de comprimento e 17 andares de altura, já estava na posição vertical sobre a plataforma submarina que foi construída nos meses anteriores.   O chamado “parbuckling”, o termo técnico com o qual se conhece esta operação de endireitar uma embarcação, foi iniciada pela sociedade americana Titan Salvage em conjunto com a italiana Micoperi, empregou 500 pessoas e teve um custo de 600 milhões de euro para a Costa Cruzeiros, proprietária do Costa Concordia. Fonte: Terra

COSTA CONCÓRDIA VAI SER RETIRADO DA ILHA DE GIGLIO

Operação para endireitar o cruzeiro Costa Concórdia começa na segunda dia 19/09/2013

Marinha da Itália/Divulgação Vista aérea dos trabalhos para recolocar de pé o navio Costa Concordia, que adernou na costa da ilha de Giglio, em janeiro de 2012 Vista aérea dos trabalhos para recolocar de pé o navio Costa Concórdia, que adernou na costa da ilha de Giglio, em janeiro de 2012

Os trabalhos para endireitar o cruzeiro italiano Costa Concordia, que naufragou há mais de um ano e meio frente à ilha toscana de Giglio (oeste de Itália), começarão na segunda-feira (16), em uma megaoperação que custará 750 milhões de euros. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, em Roma, agência de proteção civil responsável pelo projeto. Segundo a fonte, o início das operações será confirmado no domingo, depois de verificadas as condições climáticas. Centenas de engenheiros e técnicos trabalham nesse projeto há mais de um ano para poder puxar a embarcação de 114.500 toneladas.

O naufrágio do navio em 13 de janeiro de 2012 deixou 32 mortos, dois dos quais nunca foram encontrados, do total de 4.229 pessoas entre passageiros e tripulantes que se encontravam a bordo. A embarcação, completamente tombada sobre seu casco direito, foi estabilizada com centenas de sacos de concreto que mergulhadores colocaram no fundo do mar e com a criação de um chão falso. Uma vez que o barco seja colocado na posição vertical, somente dentro de várias semanas, provavelmente meses, será rebocada para longe da ilha. WEBCAM GIGLIO PORTO PANORAMICA

Muito triste, na noite do dia 13/01/2012 o Navio Costa Concórdia que fazia um cruzeiro pelo mediterrâneo teve um sério acidente na costa italiana! Very sad, on the night of the ship Costa Concordia 13/01/2012 I did a cruise on the Mediterranean had a serious accident on the coast italiana! Très triste, dans la nuit du 13/01/2012 navire Costa Concordia, j’ai fait une croisière sur la Méditerranée a eu un grave accident sur la côte italiana! Muy triste, en la noche del barco Costa Concordia 13/01/2012 hice un crucero por el Mediterráneo, tuvo un grave accidente en el italiana costa! Entenda agora como foi o acidente e os momentos de pânico dos passageiros e tripulantes do navio: Veja como era lindo o Navio Costa Concórdia! Mais informações : http://www.dailymail.co.uk/news/article-2086527/Costa-Concordia-accident-Pictures-cruise-ship-sinking-coast-Italy-Titanic-like-scene.html   ou http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-16558910 Costa Concordia  Arquivo em .pdf com muitas imagens da tragédia! ENCONTRADOS 3 SOBREVIVENTES DO NAVIO! GIGLIO, 15 Jan (Reuters) – Um casal de sul-coreanos que estava em lua de mel e um tripulante ferido foram resgatados neste domingo do navio italiano que capotou na noite de sexta-feira, enquanto equipes de resgate continuavam a busca por outras pessoas que poderiam estar presas a bordo da embarcação. Equipes estavam revistando os milhares de quartos do Costa Concordia em busca de pessoas desaparecidas depois que o enorme navio encalhou e tombou com mais de 4 mil pessoas a bordo, matando ao menos três pessoas e deixando outras 70 feridas. A tarefa era semelhante à busca feita em um pequeno vilarejo – mas com o chão inclinado, grandes áreas no escuro e submerso em água congelante. Muitos mergulhadores também estavam participando do trabalho de resgate. Aproximadamente às 1h (10h, horário de Brasília), o chefe de cabine Manrico Gianpetroni foi retirado por um helicóptero, horas depois que as equipes fizeram contato por voz a partir de alguns deques acima. Gianpetroni estava com uma perna quebrada e foi erguido do navio em uma maca pelo helicóptero. Ele foi levado direto ao hospital. “Eu nunca perdi a esperança de ser resgatado. Foi um pesadelo de 36 horas”, disse a jornalistas. Antes disso, após a meia-noite de sábado (21h, no horário de Brasília) as equipes haviam encontrado dois sul-coreanos ainda vivos em uma cabine, também localizados a partir de alguns andares acima. Eles foram levados para a terra firme, e tinham um olhar atordoado, mas não tinham ferimentos. Francesco Schettino, o capitão do navio de luxo, de 114.500 toneladas, foi detido e é acusado de homicídio múltiplo, de causar o naufrágio e de abandonar o navio, disse a polícia italiana. Os passageiros compararam o desastre ao filme “Titanic”, e falaram de pessoas em pânico saltando ao mar e brigando por coletes salva-vidas quando o navio atingiu uma rocha e começou a afundar perto da ilha de Giglio, na noite de sexta-feira. Dois turistas franceses e um tripulante peruano morreram, mas o número de desaparecidos ainda não estava claro. Segundo o presidente da região da Toscana, o número era de 17, enquanto outras estimativas indicavam que até 34 pessoas poderiam estar desaparecidas. O enorme casco do navio de cruzeiro, de 290 metros de comprimento, estava inclinado e submerso até a metade em frente ao porto de Gigilo, uma ilha pitoresca e uma reserva marítima natural próxima à costa da Toscana. A embarcação tinha uma rachadura grande e visível na lateral. O navio era um resort flutuante, com mais de 2 mil cabines e equipado com um spa enorme, sete restaurantes, bares, cinemas e discotecas. Fonte: Reuters NOTA OFICIAL COSTA CRUZEIROS: Fonte: http://www.costacruzeiros.com/B2C/BR/Info/concordia_statement.htm

Costa Concordia – atualização
Sunday, January 15th 2012Time 8.15 pm (CET) Costa Crociere reitera sua profunda dor pelo terrível acidente que atingiu seus entes mais caros : seus hóspedes, seus funcionários, seu próprio navio; e se desculpa pelo sofrimento e o desconforto que estas pessoas passaram, desejando pêsames às famílias das vítimas verificadas.Em todo o mundo, cerca de 1.100 pessoas da Costa Crociere estão trabalhando na gestão deste terrível acidente desde a noite de sexta feira. Nossa prioridade foi dar suporte às operações de salvamento e assistência aos hóspedes e à tripulação, conduzindo-os em segurança de volta às suas próprias residências.As operações de busca e salvamento prosseguem, coordenadas pela Guarda Costeira e as autoridades italianas. Infelizmente confirmamos que ainda há desaparecidos e, vista a evolução da situação, não nos é consentido fornecer mais dados a respeito.O Comandante Francesco Schettino, que ocupava o comando do Costa Concordia, ingressou na Costa Crociere em 2002 como oficial responsável pela segurança e depois de ter sido imediato, foi promovido a Comandante em 2006. Como todos os comandantes de nossa frota, participou de programas regulares de atualização e treinamento, superando positivamente todas as etapas de avaliação previstas.Como já amplamente publicado, a Magistratura, com a qual Costa Crociere está colaborando, determinou a detenção do Comandante, contra o qual foram feitas graves acusações. Pareceria que o comandante tenha cometido erros de juízo que trouxeram graves conseqüências : a rota percorrida pelo navio muito próxima da costa, e aparentemente suas decisões na gestão da emergência não tenham correspondido aos procedimentos da Costa Crociere, que se alinham, e em alguns casos superam, os padrões internacionais.Costa Crociere opera em pleno respeito às normas de segurança e se orgulha do empenho de seus funcionários à gestão da segurança dos hóspedes.Todos os membros de sua tripulação são portadores de um certificado BST (Basic Safety Training), são capacitados e formados para a gestão de emergências e assistência aos hóspedes na hipótese de abandono de navio, através de numerosas exercitações. Funções, responsabilidades e deveres são claramente definidos e designados para consentir a gestão de situação de tamanha importância.Todos os membros da tripulação passam por exercício de abandono do navio a cada duas semanas. Para todos os hóspedes do cruzeiro é promovido um exercício de salvamento em suas primeiras 24 horas a bordo, conforme determina a lei. Costa Crociere adota um sistema computadorizado de controle, que permite certificar que todos os hóspedes tenham participado de tal exercício.A capacitação dos membros das tripulações da Costa Crociere é periodicamente controlada pelas Guardas Costeiras e demais entidades de classificação independentes alinhadas com os requisitos especificados no sistema SMS (Safety Management Systems).A bordo do Costa Concordia e de todos os navios Costa estão disponíveis coletes salva vidas, lanchas e botes em numero superior ao máximo de pessoas que podem ser hospedadas pelo navio. As lanchas são dotadas de reservas de água e alimentos, pronto socorros portáteis com medicamentos, e instrumentos de sinalização e comunicação que permitem aguardar em segurança a chegada de socorro. As lanchas são objeto de minuciosos controles por parte da equipe do navio e dos órgãos de certificação. Todos os navios Costa Crociere são certificados pela RINA e são construídos de acordo com os mais altos padrões e tecnologia.Ocorrido o acidente, Costa Crociere interveio imediatamente para impedir um potencial impacto ambiental e, desde sábado passado, conta com o suporte da Smit & Salvage, empresa líder no mundo neste setor, com quem está definindo um plano de ações. As mais imediatas consistem em realizar uma barreira de contenção ao redor do casco do navio.A Magistratura determinou o arresto do navio e da VDR – a chamada “caixa preta”. Costa Crociere portanto doravante terá acesso ao navio apenas mediante autorização das autoridades.Saturday, January 14th 2012Time 5.30 pm (CET) “Quero expressar o nosso profundo pesar por este acontecimento trágico, disse Gianni Onorato, Presidente da Costa Crociere. Primeiro que tudo, quero agradecer às autoridades e aos voluntários que fizeram todos os esforços para ajudar a assistir todos os passageiros envolvidos neste terrível acontecimento. Neste momento, não estamos em condições de dar resposta a todas as questões, pois estamos em estreita colaboração com as autoridades competentes a tentar perceber as razões do acidente. Com base nas primeiras evidências, o navio Costa Concordia, sob o comando do capitão Francesco Schettino fazia a regular saída de Civitavecchia para Savona quando, repentinamente, embateu contra uma rocha. O capitão, que estava na ponte de comando nessa altura, percebeu a gravidade da situação e imediatamente deu início a uma manobra cujo objectivo foi a segurança dos passageiros e da tripulação, começando com os procedimentos de segurança de forma a preparar uma eventual evacuação do navio. Infelizmente, a operação complicou-se devido a uma súbita inclinação do navio, que dificultou a evacuação. Desde essa altura e até ao momento, graças aos esforços de todas as forças, coordenadas pela Guarda Costeira, as operações de resgate foram reforçadas. Desde a primeira hora que a companhia mobilizou todos os seus recursos de forma a assistir todos os passageiros e tripulação, assim como a prevenir possíveis impactos ambientais.”Time 12.00 pm (CET) O acidente com o navio Costa Concordia, na noite de ontem, dia 13, é uma tragédia que chocou profundamente a nossa empresa. Expressamos nossas mais profundas condolências às famílias e aos amigos das vítimas. Confirmamos que 46 brasileiros estava a bordo. Estamos acompanhando de perto o progresso dos feridos. E todos os nossos esforços estão agora concentrados em ajudar os hóspedes e tripulantes que estavam a bordo, para levá-los para suas casas o mais rapidamente possível. As equipes de Atendimento ao Cliente da Costa Cruzeiros já começou a contatar por telefone todos os convidados que deveriam embarcar hoje, dia 14, em Savona e a partir de amanhã nos portos programados. Nenhuma alteração está prevista para os outros cruzeiros da Costa. Pessoas que buscam informações podem contatar a empresa pelo telefone: +55 11-2123-3673/ +55 11-2123-3679 Todos nós da Costa Cruzeiros gostaríamos de agradecer as equipes da Guarda Costeira, as autoridades e os cidadãos da Ilha Giglio e do Porto Santo Stefano, que ajudaram os passageiros e nossa tripulação. Também agradecemos aos médicos que estão prestando atendimento aos feridos e a todos os que necessitam de assistência. A empresa está cooperando com as autoridades nas investigações sobre as causas do acidente.Time 5.00 am (CET) Esta é uma tragédia que desconcerta a nossa empresa. O nosso pensamento inicial vai para as vítimas, e queremos esprimir nosso luto e nossa solidariedade a seus familiares e amigos. Neste momento todos os nossos esforços estão concentrados nas últimas operações de emergência, além de oferecer assistência aos hóspedes e à tripulação que se encontrava a bordo do navio, para fazê-los regressar rapidamente a suas casas. Os procedimentos de emergência foram ativados imediatamente para evacuar o navio. A inclinação que prograssivamente o navio assumiu tornou as operações de evacuação estremamente difíceis. Desejamos exprimir um profundo agradecimento à Guarda Costeira e às forças por ela coordenadas, incluindo as autoridades e os cidadãos da Ilha del Giglio, que se somaram às operações de salvamento e assistência aos hóspedes e tripulação. A empresa colaborará, com sua máxima disponibilidade, com as autoridades competentes para verificar as causas do ocorrido.Time 1.00 am (CET) Costa Cruzeiros confirma que seguem em curso as operações de evacuação de emergência, próximas à Ilha del Giglio, dos cerca 3.200 passageiros e cerca 1.000 tripulantes a bordo do Costa Concordia. Tais operações foram prontamente ativadas porém a posição do navio, ao tornar-se mais dificultosa, está complicando as últimas operações de desembarque. Neste momento não é possível definir as razões do problema ocorrido. A empresa está colocando seu máximo empenho para prestar total assistência. Costa Concordia realizava um cruzeiro pelo Mediterrâneo com partida de Civitavecchia e escalas previstas em Savona, Marselha, Barcelona, Palma, Cagliari, Palermo. A bordo, cerca de 1.000 passageiros de nacionalidade italiana, mais de 500 alemães, cerca de 160 franceses e 1.000 membros da tripulação. Os hóspedes que embarcariam hoje em Savona e nos portos subsequentes serão contatados diretamente pela Costa Cruzeiros.

ENCONTRADO MAIS UM CORPO DE UM PASSAGEIRO DO NAVIO – MAU TEMPO DEVE PREJUDICAR BUSCAS! Roma, 16 jan (EFE).- O temporal previsto para as próximas horas na região da ilha italiana de Giglio, onde na noite da sexta-feira naufragou o cruzeiro “Costa Concordia”, ameaça as tarefas para localizar as 16 pessoas que continuam desaparecidas. Além disso, o mau tempo pode complicar também os trabalhos de retirada das 2.400 toneladas de combustível, embora, por enquanto, não exista risco de vazamento. Os mergulhadores do corpo de Bombeiros e as equipes de resgate prosseguiram sem pausa suas tarefas de busca e durante a madrugada acharam o corpo de um passageiro, por isso chega a seis o número de mortos no acidente. O corpo do homem estava em uma parte ainda não inundada e ele estava com o colete salva-vidas. Segundo a unidade de crise que continua com a busca dos desaparecidos, ainda falta localizar dez passageiros e seis membros da tripulação. Entre estas pessoas está a peruana Erika Soria, de 26 anos, integrante da tripulação, de quem não há notícias desde que foi vista saltando em uma das lanchas. No domingo, os Bombeiros encontraram os corpos de outras duas pessoas, entre elas o espanhol Guillermo Gual, de 68 anos, que fazia parte de um grupo procedente de Palma de Mallorca e o italiano Giovanni Masia, de 86 anos, de Portoscuso (ilha de Sardenha), que viajava com sua esposa de 83 anos, seu filho, a nora e dois netos. Os outros três mortos são um peruano membro da tripulação e dois turistas franceses. No domingo foram resgatadas com vida três pessoas, dois passageiros e um membro da tripulação, que tinham ficado presos no navio, mas as equipes de socorro são pessimistas sobre a possibilidade de achar mais pessoas vivas. A Costa Cruzeiros, empresa responsável pelo “Costa Concordia”, mencionou em comunicado um “significativo erro humano” do capitão da embarcação como possível causa do naufrágio. Nesta segunda-feira, o presidente e executivo-chefe da companhia, Pier Luigi Foschi, dará uma entrevista coletiva na sede da empresa em Gênova. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/mau-tempo-amea%C3%A7a-busca-sobreviventes-naufr%C3%A1gio-it%C3%A1lia-094407977.html APROXIMAÇÃO PARA HOMENAGEAR TRIPULANTE Roma, 16 jan (EFE).- O “Costa Concordia”, o cruzeiro que naufragou no mar Tirreno, se aproximou da ilha de Giglio para homenagear seu chefe de garçons, que nasceu no local, e um ex-comandante da companhia Costa Cruzeiro, afirmaram nesta segunda-feira os jornais “Corriere della Sera” e “Il Tirreno”. O comandante do “Costa Concordia”, Francesco Schettino, detido pelo naufrágio, que deixou até o momento seis mortos, decidiu fazer uma surpresa ao chefe de garçons, Antonello Tievoli, e ao ex-comandante Mario Palombo. “Vem ver, Antonello, estamos em Giglio”, teria dito o comandante ao chefe de garçons, que pensou que era uma brincadeira de Schettino, de acordo com o “Corriere della Sera” Tievoli, acrescentou o jornal, disse aos moradores de Giglio quando o socorreram: “nunca poderia imaginar que desembarcaria em minha casa” e desde então não quer falar com ninguém, já que se sente culpado por uma tragédia da qual se tornou protagonista sem querer. No jargão da marinha italiana “inchino”, ou “reverência”, é a aproximação a um lugar para homenagear, dar um presente a um membro da tripulação. Segundo o jornal “Il Tirreno”, Antonello Tievoli, que trabalha há cinco anos no cruzeiro, ligou para seus pais, que vivem na ilha, para que vissem o navio passar por perto, um gigante do mar de 114 mil toneladas, 291 metros de comprimento, 62 de altura, 11 corredores e capacidade para 3.780 passageiros. O Concordia, que partiu de Civitavecchia, a 70 quilômetros ao norte de Roma, se chocou contra uma formação rochosa de 20 metros, que provocou um buraco no casco de 70 metros de comprimento. De acordo com o comandante, as rochas não constavam nas cartas náuticas que possuía. O cruzeiro navegava cerca de 150 metros do litoral de Giglio, conforme as primeiras investigações. Os jornais indicaram que essa proximidade não era para que os turistas apreciassem a vista noturna da ilha, com as luzes das casas acesas, já que, destacaram, os passageiros não foram avisados em momento algum de que passavam por Giglio. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/navio-se-aproximou-giglio-homenagear-tripulante-afirmam-jornais-125206237.html JUÍZA ARGENTINA SE SALVOU NADANDO! Buenos Aires, 16 jan (EFE).- Uma juíza argentina de 72 anos, que chegou nesta segunda-feira ao seu país, contou que conseguiu sobreviver ao naufrágio do cruzeiro Costa Concordia no mar Tirreno ao saltar do navio e nadar vários metros até a costa da ilha de Giglio (Itália). “Não havia mais saída a não ser pular no mar. Saltei com 30 ou 40 pessoas que também ficaram sem bote salva-vidas”, alegou à imprensa a magistrada Maria Inês Lona no aeroporto internacional de Ezeiza, próximo de Buenos Aires. A juíza voltou ao país em um voo procedente da Itália junto com suas duas filhas, que também estavam no cruzeiro. As três chegaram junto com outros passageiros do navio que encalhou na noite de sexta-feira no mar Tirreno, causando a morte de pelo menos seis pessoas. “Com outros passageiros que também não conseguiram subir nos botes, caminhamos até a popa, que era o lugar mais próximo do litoral. Senti que o navio rangia quando já estávamos pendurados no lado direito”, explicou a magistrada, que vive na província de Mendoza. A mulher lembrou que um espanhol a ajudou na decisão de saltar na água “fria e transparente”, e que só levava o colete salva-vidas, um casaco e seus sapatos para evitar que as pedras ferissem seus pés. “Não foi um ato de heroísmo, mas de sobrevivência. Enquanto nadava, o navio se inclinava cada vez mais, e meu medo era que ele afundasse e me sugasse”, afirmou a juíza ao recordar a tragédia ocorrida nas águas da região da Toscana, onde 16 pessoas continuam desaparecidas. As filhas de Maria Inês, Maria Silvina e Maria Valeria Ávalos, uma delas deficiente, conseguiram subir em um bote e encontraram sua mãe quando achavam que ela tinha “se afogado ou estava em um bote”, disse a passageira de 72 anos, uma das 4.229 pessoas que viajavam a bordo do navio. A juíza, que comparou a tragédia com o naufrágio do Titanic, disse que a primeira advertência que teve sobre o que ocorria foi quando escutaram um “forte golpe e tudo ficou às escuras”. “Disseram que era um problema de energia, para não ficarmos preocupados, e pediram que ficássemos nos camarotes. Mas, de repente, soou o alarme e disseram que deveríamos ir ao local onde estavam os botes. O capitão nunca falou, sua atitude foi de terror”, relatou. Ao todo 18 passageiros eram de nacionalidade argentina, entre eles cinco menores de idade, que já foram localizados e estão a salvo, confirmaram porta-vozes oficiais. Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2012/01/16/juiza-argentina-de-72-anos-nadou-para-se-salvar-em-naufragio-de-cruzeiro.htm Naufrágio na costa italiana traz ‘grande risco’ ambiental, diz ministro Atualizado em 16 de janeiro, 2012 – 10:13 (Brasília) 12:13 GMT O naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concordia traz “alto risco” de um desastre ambiental de grandes proporções na região da ilha de Giglio (Toscana), informou nesta segunda-feira a jornalistas o ministro italiano do Meio Ambiente, Corrado Clini. Segundo declarações de Clini reproduzidas pelo jornal local La Reppublica, “o objetivo é prevenir que o combustível do navio vaze; estamos trabalhando nisso. É algo urgente”. De acordo com o ministro, cerca de 2,4 mil toneladas de combustível precisariam ser recolhidas do navio. O Costa Concordia, que transportava 4,2 mil passageiros, naufragou na noite de sexta-feira na costa italiana, após se chocar com uma rocha. O desastre deixou, até a manhã desta segunda-feira, seis mortos e 15 desaparecidos, que estão sendo procurados por equipes de resgate. Giglio é parte de um arquipélago em uma importante área de preservação ambiental na Toscana que atrai milhares de turistas anualmente, explica a agência France Presse. Para Clini, as condições ambientais “dependerão das correntes (marítimas), (que podem ameaçar) certamente a ilha, possivelmente o arquipélago e talvez a costa”. O La Reppublica aponta que combustível usado no navio é extremamente denso, e seu vazamento pode ser bastante danoso ao ecossistema, “porque pode se sedimentar no fundo (do mar), o que seria um desastre”, disse o ministro. Além disso, há a preocupação sobre o que fazer com o navio naufragado, que tombou lateralmente e está parcialmente submerso. Vítimas Na manhã desta segunda, as equipes de resgate anunciaram ter encontrado mais um corpo de um homem, o que elevou o número de vítimas de cinco para seis pessoas. O corpo foi encontrado em um dos corredores do navio durante a madrugada. As autoridades italianas informaram que ele provavelmente era um passageiro devido ao tipo de colete salva-vidas que usava. O mau tempo está prejudicando o trabalho das equipes de resgate, que estão fazendo buscas em centenas de cabines inundadas do navio. “Estamos percorrendo todas as cabines do navio, procurando por sinais de vida, pessoas gritando ou qualquer barulho”, afirmou o porta-voz do Ministério do Interior italiano, Francesco Paulo Tronca. Também nesta segunda-feira, o Itamaraty atualizou o número de brasileiros presentes no navio de 53 para 57 pessoas, sendo seis tripulantes do Costa Concordia. A empresa que opera o navio que afundou na Itália afirmou, no domingo, que investigações iniciais indicam que erros cometidos pelo capitão do cruzeiro causaram o acidente. De acordo com a Costa Cruzeiros, Francesco Schettino teria conduzido a embarcação perto demais da costa, além de não seguir os procedimentos de segurança determinados pela empresa. “Aparentemente, o comandante cometeu erros de julgamento que tiveram graves consequências”, dizia o comunicado da empresa. Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/01/120116_ministro_ambiente_it_pai.shtml

Itália decretará estado de emergência na área de naufrágio

EFE – 11 horas atrás  16/01/2012

O Governo italiano decretará estado de emergência na área onde naufragou na noite da sexta-feira passada o cruzeiro Costa Concordia, diante dos possíveis vazamentos de combustível e outros materiais poluentes. a segunda-feira o ministro de Meio Ambiente italiano, Corrado Clini, ao término de uma reunião na delegação do Governo em Livorno, onde analisou a situação atual do cruzeiro que encalhou em águas da ilha de Giglio, um naufrágio que até agora deixou seis mortos e pelo menos 14 desaparecidos. “Existe um risco grande, vinculado à quantidade de combustível que existe no depósito”, afirmou o ministro, garantindo que assim que averiguar possíveis vazamentos de materiais poluentes tomará as medidas “necessárias para reduzir e conter o risco”. Cada vez é maior a preocupação entre as autoridades italianas pelo dano ambiental que pode ocasionar o naufrágio do Costa Concordia, já que o navio ainda abriga 2.380 toneladas de combustível, que correm o risco de serem despejadas no mar.

O navio de cruzeiro Costa Concordia, naufragado perto do porto da ilha toscana de Giglio (Foto: AFP)

A ilha de Giglio faz parte de um parque natural marinho considerado um dos mais importantes ecossistemas do Mediterrâneo. Embora o prefeito da localidade, Sergio Ortelli, tenha assegurado nos últimos dias que não haviam sido registrados vazamentos de combustível, nas últimas horas os helicópteros que trabalham nos trabalhos de resgate avistaram algumas manchas na água. “Não sabemos se são de combustível – o que significaria dizer que existe um problema no depósito – ou de outros líquidos que estão presentes no navio. As investigações em curso permitirão saber a natureza destas perdas”, declarou Clini. “Por enquanto, já iniciamos a proteção do casco com painéis que permitam conter estes vazamentos. As atividades seguem na ilha de Giglio e estão destinadas não só a controlar, mas também a tomar as decisões necessárias para evitar riscos para o meio ambiente”, acrescentou. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/it%C3%A1lia-decretar%C3%A1-estado-emerg%C3%AAncia-%C3%A1rea-naufr%C3%A1gio-220606517.html

Gravação revela que comandante abandonou Costa Concordia

Agência O GloboPor O Globo, com CBN e Agências Internacionais | Agência O Globo – 3 horas atrás 17/01/2012

Barco de resgate é visto próximo ao Costa Concordia; o número de desaparecidos foi revisado para 29

RIO – Uma gravação entre a capitania dos portos e o comandante do “Costa Concordia”, logo após o naufrágio de sexta-feira na costa Itália, revela que Francesco Schettino se negou a voltar ao navio para liderar a evacuação dos passageiros, de acordo com informações divulgadas pela imprensa italiana, nesta terça-feira. No registro das gravações, consta que à 01h46 (local), quando centenas de pessoas ainda estavam no navio, um oficial da capitania ordenou ao capitão Schettino que voltasse ao Costa Corcordia. Veja algumas orientações do oficial que se comunicou com Schettino: Oficial: “agora vá até a proa, suba pela escada de socorro e coordene a evacuação. Você precisa nos dizer quanta gente ainda está lá, se há crianças, mulheres, passageiros, o número exato de cada categoria”. Oficial: “o que você está fazendo? Abandonou o socorro?”. “Capitão, é uma ordem, eu estou no comando agora e você, que declarou abandono do navio, precisa ir até a proa, voltar a bordo e coordenar” (a evacuação). O oficial da capitania perguntou ainda se havia mortos e Schettino respondeu: “quantos?” O oficial se irrita e emenda: “é você que deve me dizer se há mortos. O que está fazendo? Quer ir para casa?”. “Agora você volta lá e nos diz o que podemos fazer, quantas pessoas há, quais são suas necessidades” – ordena o oficial da capitania. Segundo testemunhas, o capitão já estava em terra antes da meia-noite, provavelmente por volta das 23h40 (local). Em um primeiro telefonema, à 0h42, o capitão se compromete ao dizer para a capitania: “não podemos subir a bordo por que o navio está inclinando pela popa”. “Capitão, você já abandonou o navio?” – reagiu o oficial e Schettino respondeu: “Não! É claro que não.” Segundo a imprensa italiana, a investigação da capitania do porto de Livorno revelou um “motim” da tripulação, que decidiu pela evacuação do navio diante da falta de ação de Schettino. O capitão afirmou ter jogado o navio na ilha de Giglio para salvar os passageiros, após bater em um rochedo que não constava das cartas náuticas. As equipes de resgate ainda procuram 29 pessoas que estão desaparecidas. Combustível de navio ameaça meio ambiente O ministro italiano do Meio Ambiente Corrado Clini anunciou nesta segunda-feira que foram detectadas manchas de óleo no mar ao redor do Costa Concordia, o que pode significar o início do vazamento de parte das 2.300 toneladas de combustível preso na embarcação. A ilha de Giglio, palco do naufrágio, é conhecida por suas águas límpidas e é bastante frequentada por mergulhadores. Segundo Clini, dependendo das correntes, o vazamento poderia também prejudicar outras regiões e chegar à costa da Itália. Um intervenção de emergência está sendo articulada para a retirada do combustível do navio. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/grava%C3%A7%C3%A3o-revela-comandante-abandonou-costa-concordia-100221772.html

Foram encontrados mais cinco corpos no Costa Concordia. De acordo com as autoridades italianas o número de mortos confirmados é agora de 11. Quanto às pessoas desaparecidas há alguma confusão. Antes desta descoberta, o número oficial era de 29 desaparecidos mas o jornal La Stampa publicou esta manha que a companhia tinha uma lista com 40 pessoas. As equipas de salvamento começaram, entretanto, a abrir brechas no casco do paquete com recurso a explosivos. Os socorristas pretendem aceder aos pontos de reunião e às zonas que permanecem fora de água. Mas a operação é bastante perigosa porque o navio pode mover-se. Melhor sorte teve o chefe dos comissários de bordo que foi resgatado no domingo de manhã. Recorde-se que o acidente ocorreu na sexta-feira à noite. Manrico Giampedroni estava a tentar ajudar os passageiros quando um movimento do paquete o fez cair numas escadas e ficou retido num restaurante. Antes da queda só pensou em ajudar os passageiros a escapar e mesmo depois de ferido continuou a tentar socorrer as pessoas em pânico. O que mais lhe custou foi ter ficado dentro de água quase 40 horas, confessa. O comandante do Costa Concordia é apontado como o único responsável pela tragédia. Francesco Schettino encontra-se em prisão preventiva e foi conduzido esta manhã ao tribunal de Grosseto para ser interrogado. Os primeiros elementos do inquérito dão conta de que o comandante violou as regras da companhia. Mais informação sobre Copyright © 2012 euronews Fonte: http://pt.euronews.net/2012/01/17/italia-numero-de-mortos-do-costa-concordia-sobe-para-11/

Sobrevivente de naufrágio diz que marido salvou sua vida antes de morrer

Atualizado em  17 de janeiro, 2012 – 07:28 (Brasília) 09:28 GMT
Costa Concórdia (AFP)Equipes ainda buscam desaparecidos no Costa Concórdia

A viúva de um francês que morreu no naufrágio do cruzeiro Costa Concordia disse o marido salvou sua vida, deixando que ela ficasse com o único colete salva-vidas que tinham e fazendo com que ela pulasse na água durante a tragédia. “Eu devo minha vida a meu marido”, disse Nicole Servel à rádio francesa RTL.

“Meu marido disse para eu pular na água. Nos abraçamos, eu pulei e não o vi mais. Eu tinha um colete, mas ele não. Não havia coletes suficientes e não tínhamos tempo de voltar à cabine para procurar um.”

Nicole disse ter relutado em entrar na água, porque não sabia nadar. Depois que ela pulou, o marido, Francis Servel, teria dito para ela não se preocupar e que ele “iria se virar”. Nicole teve então de enfrentar as ondas e a temperatura da água, que era de apenas oito graus. “Eu fiquei sozinha, à deriva. Pensava nos meus filhos para tentar me manter viva”, disse ela ao jornal Lá Dépêche du Midi.

Presente

A viagem no cruzeiro havia sido presente dos filhos, Éric e Edwige, pelo aniversário de 60 anos de Nicole, que vive em Toulouse. A família Servel criticou a tripulação, dizendo que não havia um procedimento de emergência e que alguns dos tripulantes abandonaram o navio antes mesmo dos passageiros. “Não havia ninguém para salvar meu marido… Estávamos sozinhos”, disse Nicole. Ela diz ter ficado na água até chegar a algumas pedras, de onde foi resgatada por moradores locais e levada para uma igreja para se recuperar. Ontem, a filha do casal Edwige e seu marido estavam em Grosseto, na Itália, para reconhecer oficialmente o corpo de Francis Servel.

Buscas em ‘Costa Concordia’ são suspensas; navio se movimenta

AFPPor Filippo Monteforte | AFP – 37 minutos atrás

CONTEÚDO RELACIONADO

  • O porta-voz dos bombeiros disse que não é seguro se aproximar da embarcação por enquantoO porta-voz dos bombeiros disse que não é seguro se aproximar da embarcação por  …

As operações de busca dos desaparecidos após o naufrágio na sexta-feira passada do “Costa Concordia” perto de uma ilha italiana foram suspensas nesta quarta-feira, indicou à AFP um porta-voz dos bombeiros. “Os instrumentos (de medida em terra firme) revelaram que o navio se move, estamos avaliando se encontrou um novo ponto de apoio antes de decidir se podemos retomar as operações. Por enquanto, não podemos nos aproximar”, declarou o porta-voz, Luca Cari. A suspensão ocorreu às 08H00 (05H00 de Brasília), disse o porta-voz, acrescentando que os socorristas trabalharam durante toda a noite em busca de possíveis sobreviventes. Até o momento, foram recuperados 11 cadáveres, dos quais cinco foram identificados. “Praticamente terminamos de controlar a parte que está fora da água”, acrescentou Cari. Duas equipes de mergulhadores da marinha italiana reiniciaram a exploração da parte submersa do navio, perfurando o casco com mini-cargas explosivas. A busca se concentra em uma parte situada a 18 metros de profundidade que corresponde ao convés número 4 do navio, onde na terça-feira foram encontrados cinco corpos com coletes salva-vidas. No convés número 4 estavam as lanchas de salvamento que permitiram salvar a vida de boa parte das 4.229 pessoas – mais de 3.200 turistas e mil tripulantes – que estavam no “Costa Concordia” no moomento do acidente. O capião de um dos rebocadores que participam dos trabalhos de resgate precisou ser hospitalizado devido ao estresse e à carga de trabalho, disse à AFP Filipo Marini, um porta-voz da guarda-costeira. Além disso, as equipes se preparam para começar o bombeamento do combustível que ainda se encontra no interior do barco. “Estamos instalando todo o necessário para começar o bombeamento, mas, por enquanto, não sabemos quando começaremos, isso dependerá das condições do tempo”, disse o comandante Cosimo Nicastro, outro porta-voz da guarda-costeira. As autoridades italianas temem um desastre ecológico se as 2.400 toneladas de combustível que se encontram nos reservadórios do Concordia caiam no mar, nocoração de uma região considerada uma reserva natural. O navio partiu na sexta-feira às 19H00 (16H00 de Brasília) de Civitavecchia, perto de Roma, e se chocou contra uma rocha perto da Ilha de Giglio, na costa da Toscana, antes de naufragar. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/buscas-costa-concordia-s%C3%A3o-suspensas-navio-se-movimenta-091850440.html

ENTENDA O QUE ACONTECEU COM AS FIGURAS ABAIXO

Imagem vista do satélite:

O difícil mergulho nos labirintos do Costa Concordia

Por Ljubomir MILASIN

“Estávamos um pouco dentro d’água, um pouco fora, rastejando, avançando tateando”, contou à AFP Antonino Bileddu, que mergulhou nas entranhas da Concordia em busca do passageiros perdidos após o naufrágio na ilha italiana de Giglio. “Depois que mergulhamos, chegamos à ponte 3 e lá nós encontramos de tudo, objetos, sofás que flutuavam”, acrescentou. Desde o naufrágio na sexta-feira à noite, mergulhadores e espeleólogos se revezam dentro navio. Prioridade absoluta: encontrar vítimas do naufrágio que fez, segundo o último balanço, onze mortos. Oficialmente, 28 pessoas ainda estão desaparecidas, mas seis corpos, dos onze encontrados, ainda não foram identificados. “Ontem, nós entramos no navio através de uma abertura feita pela marinha no casco. Nós examinamos do centro do barco até a para frente, a sala de cinema”, contou Roberto Carminucci, um mergulhador-espeleólogo. Ele faz parte de uma equipe de 18 homens, todos com a dupla especialização e encarregados de percorrer e examinar o cruzeiro. “Nós mergulhamos tanto no exterior como no interior do navio para encontrar outras eventuais entradas de acesso às zonas onde podem estar os corpos dos desaparecidos”, explicou Roberto. “Temos equipamentos muito específicos para mergulhar”, informou o especialista. As operações no navio foram interrompidas na manhã desta quarta-feira por volta das 07H00 GMT (04H00 de Brasília) por causa do movimento do Costa Concordia. Todos os socorristas esperam autorização para recomeçar os mergulhos e o trabalho. De acordo com o comandante da Guarda Costeira italiana, Cosimo Nicastro, o plano para hoje prevê, desde que as condições permitam, realizar três novas aberturas com micro-cargas de explosivos para acelerar os trabalhos de busca no interior do navio. Na espera, outras operações continuam em um ritmo frenético. Uma espécie de rebocador de cerca de 30 m de largura e 50 m de comprimento aproximou-se lentamente do porto, após contornar o Concordia, carregando um enorme guindaste preto de 50 m de altura. Esta grua, pertencente à companhia irlandesa Smit Salvage responsável pelo bombeamento de 2.400 toneladas de combustível que está nos reservatórios do navio, posicionou-se à espera do resto de material necessário para esta operação. “Nós temos um plano operacional que podemos iniciar rapidamente e estamos implantando todos os meios necessários para executar a operação de bombeamento”, disse o comandante da Guarda Costeira Filippo Marini. Exausto pelo estresse e a sobrecarga de trabalho, o capitão de um rebocador que participava das operações passou mal, segundo Marini, e foi levado para o hospital. O navio de cruzeiro Costa Concordia, partiu na sexta-feira às 19H00 (18H00 GMT) de Civitavecchia, perto de Roma, chocou-se contra uma rocha perto da pequena ilha de Giglio (Toscana), antes de naufragar.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/o-dificil-mergulho-nos-labirintos-do-costa-concordia

Capitão de navio que naufragou na Itália não é “covarde”, diz advogado

Roma, 18 jan (EFE).- O advogado do capitão do cruzeiro naufragado na Itália na sexta-feira, Francesco Schettino, disse nesta quarta-feira que o acusado de abandonar o navio antes de completar a retirada dos passageiros não lhe deu a impressão de ser “nem covarde nem criminoso”. Bruno Leporatti compareceu em entrevista coletiva na localidade de Grosseto (centro da Itália) para defender Schettino perante a opinião pública. A juíza encarregada do caso decidiu na terça-feira tirá-lo da prisão e colocá-lo em prisão domiciliar. “Encontrei uma pessoa afetada, que não me deu a impressão nem de ser covarde nem criminoso. O capitão Schettino me pareceu, no entanto, muito afetado pelo drama humano deste assunto”, comentou Leporatti. Ele acrescentou que “o capitão está alterado e miserável pelo que ocorreu, profundamente comovido não tanto pela perda do navio, que para um comandante da marinha é gravíssimo, mas pelas perdas de vidas humanas”, que, até o momento são calculadas em 11. O advogado explicou que Schettino, pelo menos até a noite de terça-feira, não tinha recebido carta alguma da empresa responsável pela embarcação, Costa Cruzeiros, que lhe suspendesse de toda atividade na companhia. Ele ressaltou que o juiz de um eventual processo é quem terá que decidir se o capitão é responsável pelos delitos dos quais é acusado: homicídio múltiplo, abandono do navio e naufrágio. Leporatti afirmou que “não há dúvidas” de que Schettino realizou uma manobra equivocada à frente do cruzeiro “Costa Concordia” e indicou que até estudar todo o sumário da investigação, com as transcrições das conversas telefônicas e os interrogatórios, não poderá dizer se ele mentiu à Capitania dos Portos sobre a gravidade do naufrágio. Em outro comparecimento perante a imprensa nesta quarta-feira, o promotor-chefe de Grosseto, Francesco Verusio, anunciou que tem a intenção de recorrer da decisão da juíza de instrução Valeria Montesarchio de ditar prisão domiciliar para o capitão, no lugar de prisão preventiva como tinham solicitado. Verusio afirmou que “é possível que (Schettino) possa fugir” e que “por sua personalidade e pelos delitos que atribuem a ele” não querem que se livre de suas responsabilidades perante o naufrágio do cruzeiro, que deixa mais de 20 desaparecidos. Em declarações a uma emissora de rádio, o promotor de Grosseto definiu Schettino como um homem “mau”: “Mau na manobra, no abandono do navio, ao não ter dirigido as operações de resgate, ao não ter dado nenhuma ordem. Acho que seu comportamento foi inqualificável e imperdoável”. “Até admitindo que tivesse caído no bote salva-vidas, podia também ter voltado ao navio como capitão não? Há algum outro que voltou”, comentou Verusio. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/capit%C3%A3o-navio-naufragou-it%C3%A1lia-%C3%A9-covarde-diz-advogado-161216825.html

Sobrevivente de naufrágio diz que equipe do Costa Concordia era despreparada

Agência O GloboPor O Globo | Agência O Globo – ter, 17 de jan de 2012

SÃO PAULO – O casal Aline Gonçalves Marques e Rui César Marques, sobrevivente do naufrágio do Costa Concordia, que bateu numa rocha, encalhou e afundou no sábado no mar da Toscana, Itália, desembarcou nesta terça-feira no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. O casal mora em Campinas, a 94 km da capital. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, o professor universitário relatou que o naufrágio começou por volta das 21 horas de sexta-feira e que houve demora para que os passageiros deixassem o navio. Ele a mulher jantavam quando o navio bateu numa rocha. Ele disse que, a partir daquele momento, o pânico começou a tomar conta dos passageiros. – Começou a cair tudo, copo, talheres. Era prato espatifando, gente escorregando. Aí começou o pânico. Quando ele inclinou uns 45 graus, imediatamente fomos para o lado contrário, o lado alto. O processo de descer do navio demorou 1h15. E o processo de descer do bote foi traumático porque os funcionários não estavam preparados para este processo. Nem todos falavam italiano. O bote quase virou umas três, quatro vezes. As pessoas estavam todas apavoradas – relata Marques. O professor lembra que quando o bote levou o grupo para a praia, as pessoas aplaudiram, aliviadas. – Vimos várias situações, como criança chorando porque entrou no bote e a mãe ficou no barco – diz. Ele só conseguiu sair com a carteira com documentos, dinheiro e cartão de crédito porque disse ter esse hábito. E mesmo no navio, optou por colocar a carteira no bolso antes de ir para o restaurante. Alguns brasileiros, segundo ele, pensam em entrar com um processo coletivo contra a empresa Costa. – Todo mundo perdeu tudo. Saímos com a roupa do corpo. Teve gente que saiu de roupa íntima, de pijama, com toalha na não – conta o sobrevivente. Fonte:  http://br.noticias.yahoo.com/sobrevivente-naufr%C3%A1gio-diz-equipe-costa-concordia-era-despreparada-133859541.html
Mergulhadores buscam cofre de capitão para apresentar provas à investigação

EFE

Roma, 18 jan (EFE).- Os mergulhadores da Polícia Militar italiana buscam nesta quarta-feira o cofre do capitão do “Costa Concordia”, Francesco Schettino, para tentar fornecer novas provas à investigação que a Promotoria de Grosseto conduz pelo naufrágio ocorrido na última sexta-feira em águas do mar Tirreno.Os mergulhadores tentam penetrar no camarote do capitão, que se encontra na parte direita do proa do navio, agora submersa.Segundo a imprensa italiana, os agentes buscam o cofre pois poderiam ser encontrados nele documentos fundamentais para a reconstituição dos fatos ocorridos na sexta-feira em frente à ilha de Giglio.Além disso, o Grupo de Intervenção Especial (GIS, na sigla em italiano) da Polícia Militar tentará coletar os discos rígidos e o equipamento de informática da sala de comando do cruzeiro.Durante a manhã desta quarta-feira os mergulhadores efetuaram uma série de imersões na região conhecida como “Le Scole”, a formação rochosa sobre a qual o Costa Concordia navegou e que abriu uma fenda de 70 metros em seu casco.Os mergulhadores tiraram fotografias e fizeram vídeos para verificar a rota seguida pelo navio para estabelecer com exatidão o ponto preciso do impacto contra as rochas.Com a busca do cofre foram retomados os trabalhos no Costa Concordia, que tinham sido interrompidos a meio-dia (local) desta quarta-feira e que é provável que sejam suspensos durante toda a quinta se a ressaca prevista pelos serviços meteorológicos for confirmada.

Capitão italiano começou carreira cuidando de segurança de navios

Atualizado em  17 de janeiro, 2012 – 21:27 (Brasília) 23:27 GMT
Francesco Schettino. ReutersSchettino disse à TV italiana que ficou até o último passageiro deixar o navio, o que não ocorreu

Acusado de ser o principal responsável pelo naufrágio de um cruzeiro com 4,3 mil pessoas a bordo na costa italiana, o capitão Francesco Schettino passou boa parte de seus 52 anos perto do mar. Acusado de negligência no comando do Costa Concordia, Schettino ironicamente começou a trabalhar na empresa dona do navio, a Costa Crociere, como responsável pela segurança das embarcações, em 2002. Em 2006 foi promovido a capitão. Não se sabem muitos detalhes da vida pessoal do capitão. Sua família evita dar entrevistas desde a tragédia do cruzeiro Costa Corcórdia na costa da ilha de Giglio, episódio que parece ter afundado a carreira de Schettino, agora sob prisão domicilar. Nascido em Castellammare di Stabia, próxima a Nápoles, Schettino fez seus estudos náuticos na cidade de Piano di Sorrento. Segundo a empresa de cruzeiros, o acidente que já deixou mais de uma dezena de mortos identificados foi motivado por “sérios erros de julgamento” de Schettino. De acordo com a companhia, ele alterou a rota do cruzeiro em uma manobra “não autorizada, desaprovada e desconhecida”. Segundo relatos, Schettino teria se aproximado da ilha de Giglio para saudar os moradores do local.

Gravação

Poucas horas após o naufrágio, Schettino deu uma entrevista à TV italiana na qual disse ter ficado no navio até a última pessoa a bordo ser retirada. Ele disse ainda que as cartas náuticas não haviam mostrado a existência de rochas no local. A gravação de uma conversa do capitão com um oficial da guarda-costeria italiana, no entanto, desmentiu a versão. Na gravação, o oficial Gregório de Falco ordena a Schettino que volte à embarcação. Ele argumenta que está escuro e que o barco está inclinado, no que o militar retruca. “Por que quer voltar para casa, Schettino? Está escuro e quer voltar? Pegue o bote e vá até o navio e me diga o que pode fazer, quantas pessoas estão lá e o que precisam”.

Costa / AFPCosta Concordia afundou após se chocar com um rochedo, que o capitão disse desconhecer

Um taxista ouvido pela agência Ansa disse que levou Schettino a um hotel da ilha, na manhã de sábado, horas depois do naufrágio.

Mãe e Titanic

Uma dos poucos familiares de Schettino a falar foi sua irmã, em uma entrevista ao jornal Il Mattino de Nápoles. Segundo ela, a primeira pessoa para quem Schettino ligou após a tragédia foi para a mãe, Rosa, de 80 anos. “Ele ligou para ela às cinco da manhã de sábado para dizer que havia ocorrido um desastre, que ele tinha tentado salvar quantos passageiros conseguiu e que era para ela não se preocupar, que tudo estava resolvido”, disse a irmã. Em uma entrevista dada ao jornal tcheco Dnes, em 2010, Schettino disse que com “preparo adequado qualquer situação pode ser superada e qualquer problema prevenido” no mar. Questionado se o filme Titanic, de 1997, havia desencorajado as pessoas a embarcarem em cruzeiros, ele foi irônico. “Felizmente, as pessoas esquecem as tragédias rapidamente. É como queda de avião. Ninguém acha que isso pode acontecer com você”, disse. A pesar de boa parte da opinião pública ter se voltado contra Schettino, ele também conquistou fãs. Uma página em sua defesa no Facebook já conta com mais de 1.500 apoiadores, que argumentam que o capitão ajudou a salvar muitas vidas no acidente. Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/01/120117_schettino_capitao_italiano_vida_mm.shtml

Cruzeiros cada vez maiores dificultam resgate, dizem especialistas

Daniela Fernandes De Paris para a BBC Brasil
Atualizado em  17 de janeiro, 2012 – 18:17 (Brasília) 20:17 GMT
  • Costa / AFP
Para especialista, questão é saber se devemos melhor a segurança desses navios ou proibi-los

Navios de cruzeiro como o Costa Concordia, que transportava 4,2 mil pessoas e naufragou na costa italiana na sexta-feira, estão se tornando cada vez maiores e mais populares. E isso, segundo especialistas franceses, dificulta as operações de resgate em caso de acidente. Retirar milhares de passageiros e tripulantes de um navio exige uma logística com centenas de helicópteros – uma ajuda que nenhum país hoje tem condições de disponibilizar em um curto prazo de tempo.

Tópicos relacionados

“É uma loucura ter navios desse tamanho. Imagine um acidente como o do Costa Concordia em uma ilha distante, onde não há nada nas proximidades. É impossível salvar milhares de pessoas”, disse à BBC Brasil Jacques Loiseau, presidente da Associação Francesa de Capitães de Navios. “Desde 2006, a Organização Marítima Mundial nos pede para estudar a questão do gigantismo dos navios, sejam cargueiros ou de transporte de passageiros. Hoje, salvar uma grande embarcação representa um desafio real”, diz o capitão Marc Gander, da Marinha francesa. Transatlânticos O Instituto Francês do Mar, uma associação que reúne profissionais do setor marítimo, já alertava, desde 2009, para os problemas decorrentes do aumento crescente do tamanho dos navios de cruzeiro e dos cargueiros. “No caso dos transatlânticos com milhares de passageiros, é impossível determinar e instaurar previamente os meios necessários para o resgate, ainda mais se as condições meteorológicas forem desfavoráveis”, diz o estudo divulgado na época. “Existe uma dificuldade operacional para retirar rapidamente as pessoas e levá-las à terra firme”, disse Eudes Riblier, presidente do instituto. Ele ressalta que os problemas aumentam se o acidente ocorrer em alto mar, diferentemente do que ocorreu com o Costa Concordia. Um acidente em alto mar torna mais complicado o envio das embarcações necessárias para resgatar milhares de pessoas, diz ele. “Esse é o verdadeiro problema desse tipo de operação de salvamento.” Passagens mais baratas As companhias de viagens marítimas vêm aumentando consideravelmente os tamanhos dos navios para transportar cada vez mais passageiros, o que permite popularizar esse tipo de turismo, com passagens mais baratas. Há navios de cruzeiro ainda maiores do que o Costa Concordia. O ‘Oasis of the Seas’, da companhia Royal Caribbean, pode transportar cerca de 8,5 mil pessoas (quase 6,3 mil passageiros e uma tripulação de 2,2 mil pessoas). Esse navio possui 16 andares e 360 metros de comprimento. Ele é mais longo do que a Torre Eiffel, que possui 324 metros de altura. Riblier, do Instituto Francês do Mar, ressalta, no entanto, que os grandes navios têm menor risco de acidentes e podem, em razão de seu tamanho, resistir melhor a colisões contra rochedos. “A catástrofe do Costa Concordia não está ligada ao gigantismo do navio e ocorreu devido à imprudência do capitão. Um navio de menor porte teria afundado muito mais rápido mesmo com um rombo de apenas 70 centímetros no casco e não teria sido possível efetuar o resgate”, afirma. Mas mesmo se nesse caso o tamanho do navio representou “uma vantagem”, diz Riblier, ele afirma que o acidente do Costa Concordia irá relançar discussões sobre o gigantismo dos navios de cruzeiro. “A questão é saber se devemos melhorar a segurança desses navios ou proibi-los.” Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/01/120115_navios_seguranca_df.shtml

IMPRESSIONANTES FOTOS DA TRAGÉDIA!

Fonte: http://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/6122-veja-trabalho-de-resgate-apos-naufragio-na-italia

19.01.2012 – 13h16
Igreja da ilha de Giglio tem relicário para lembrar a tragédia

  AFPEm Giglio

Mantas térmicas, coletes salva-vidas, cordas: o pároco da ilha de Giglio preparou um relicário na porta da pequena igreja do porto para que ninguém esqueça o “desastre mortal” do Costa Concordia. “Eu decidi colocar tudo em uma caixa como lembrança desta noite, de maneira que a população local e os visitantes nunca esqueçam do desastre mortal que atingiu a ilha de Giglio”, explicou à l’AFP o padre Lorenzo Pasquotti. Hoje, “alguns vêm para rezar, outros para prestar homenagem ao relicário perto do altar, onde estão os plásticos laranjas utilizados para aquecer os sobreviventes, os salva-vidas, as cordas e os capacetes”, disse. Na noite da catástrofe, sexta-feira passada, a igreja serviu de abrigo para centenas de passageiros molhados, cansados e traumatizados. “Eu tinha fechado a igreja um pouco tarde quando um dos meus paroquianos me pediu para voltar com urgência ao porto. Não tinha acontecido nenhuma explosão, nada de terremoto, mas o espetáculo era devastador”, recorda o padre que imediatamente abriu a igreja. “Milhares de passageiros chegaram em botes salva-vidas ao porto e centenas deles foram diretamente para a igreja. Nós recebemos pelo menos 420 pessoas exaustas e em estado de choque”, prosseguiu. “Eles entravam todos ao mesmo tempo para o interior da igreja, protegendo-se do vento, alguns enrolados em sacos plásticos, outros com seus coletes salva-vidas. Alguns começaram a rezar, muitos se apertavam uns contra os outros para se esquentarem”, contou Lorenzo, 62 anos, padre desta paróquia há três meses. Acolhendo primeiro as famílias com crianças e passageiros idosos, que chegaram nos primeiros botes, o padre trouxe cobertores, túnicas e bebidas quentes. Levou para sua própria casa muitos sobreviventes que enviaram e-mails para suas famílias. “Alguns estavam completamente sozinhos, outros se agruparam de acordo com sua língua. As perguntas eram terríveis e eu não tinha resposta: ‘Onde está minha mulher?, Você viu um homem loiro vestido de verde? Todo mundo sobreviveu?'”, disse. Até o momento, 11 corpos foram encontrados e mais de 20 pessoas ainda estão desaparecidas. “Tinha um padre católico do Costa Concordia e um outro que era passageiro, eu pedi que eles me ajudassem para distribuir toalhinhas bordadas com a imagem da Virgem Maria para que as pessoas se sentassem em algo quente”, acrescentou o padre. “Os últimos que desceram eram tripulantes que, sem dúvida, trabalhavam em cima das pontes principais porque vestiam shorts e camisas. Demos para eles as roupas das crianças do coral”, continuou o religioso. A população local, jovens e idosos sem distinção de idade, foi para o porto para ajudar, trazendo garrafas de água ou bebidas quentes, cozinhando ou abrindo as casas para abrigar os sobreviventes. “Era o caos no porto. Em certo momento eu conversei com uma jovem russa que fugiu do navio com sapatos de veludo vermelho e salto alto”, contou o padre. “Ela me contou que era dançarina, estava muito elegante no meio de tanta confusão…” Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2012/01/19/igreja-da-ilha-de-giglio-tem-relicario-para-lembrar-a-tragedia.htm
19.01.2012 – 10h46 Loira que jantou com capitão do Costa Concordia é encontrada

Carmen Postigo EFE Em Roma

Loira que jantou com capitão do Costa Concordia é encontrada

  • Loira que jantou com capitão do Costa Concordia é encontrada

Uma bela mulher de cerca de 25 anos, moldávia, que estava sentada na sala ao lado da ponte do comando do Costa Concordia e que acompanhava através dos vidros da janela as manobras do capitão Francesco Schettino era procurada. Pois ela é loira e se chama Dominika Cermortan e seu mistério acabou quando apareceu nesta quinta-feira no canal de televisão moldávio “Journal TV”, onde indicou que fazia parte da tripulação e, portanto, podia ficar com os outros oficiais. A jovem admitiu que jantava com o capitão no momento da colisão contra as formações rochosas que abriram no casco do navio uma fenda de 70 metros. Além disso, defendeu a operação de Schettino que “salvou milhares de pessoas”. “Acho que ele desenvolveu um trabalho extraordinário, toda a tripulação é solidária a ele e acredita que ele salvou mais de 3.000 pessoas”, afirmou a loira, segundo reportou a imprensa italiana.

Naufrágio na Itália deixa mortos

Foto 74 de 98 – 17.jan.2012 – Navio Costa Concordia, que sofreu um acidente e naufragou perto da ilha de Giglio, na Toscana (Itália), na última sexta-feira (13), afunda no mar. Um telefonema revelou que o capitão do navio deixou a embarcação antes da retirada de todos os passageiros e não voltou apesar de ter recebido ordem para retornar Mais Massimo Percossi/EFE

Dominika conseguiu alcançar um bote salva-vidas e, segundo ela, ajudou outras pessoas. “Fique feliz por ter salvado pessoas”, afirmou aos meios de comunicação moldávios. A Promotoria de Grosseto, que abriu a investigação sobre o naufrágio, precisa interrogar a jovem moldávia para reconstituir a sequência dos fatos ocorridos na ponte de comando na madrugada de 13 para 14 de janeiro, quando ocorreu o naufrágio. As autoridades também querem saber o que a jovem fazia no cruzeiro, já que não aparece nem na lista de passageiros, nem na da tripulação. Apesar de ter passado o tempo ideal para a aplicação do teste de álcool em Schettino, quando foi submetido aos exames toxicológicos, afirmou: “Não fumo, não bebo, não me drogo”. Porém, os investigadores determinaram buscas por seu cofre no interior da embarcação, para ver se era encontrado rastro de cocaína. Schettino, o “capitão covarde”, como é chamado por muitos, colocou a Itália nas capas dos jornais em uma posição vergonhosa, segundo os analistas, que insistem na proibição das “saudações” dos cruzeiros italianos que se aproximam tanto da costa, pondo os navios em perigo. O governo italiano já antecipou que vai proibir este costume no tráfego marítimo do país, considerado “um negócio muito importante”. Enquanto isso, o capitão do navio chegou escoltado por carabineiros na quarta-feira a seu povoado, Meta di Sorrento (Campânia), onde foi recebido por multidões, já que é considerado um herói. Lá, além de família e amigos, era esperado por sua mulher, Fabiola Russo, que gritou aos repórteres: “Desgraçados!”. A população local apoia seu capitão e há até quem defenda o abandono do navio por Schettino quando ainda restavam passageiros à espera de serem evacuados. “Ele não fugiu, desceu apenas para avaliar os danos. Além disso, evitou uma tragédia, poderia ter sido pior”, afirmou seu cunhado, Maurilio Russo. Até o pároco do povoado, Don Gennaro, que nos próximos dias irá visitar o capitão para expressar sua solidariedade, considerou que Schettino foi “massacrado”. O capitão, que abandonou o navio a sua própria sorte uma hora depois do acidente e que ao chegar a terra firme ligou para a mãe, para depois contemplar a embarcação afundando de uma rocha da ilha de Giglio, teve sorte. A juíza de Grosseto, Valeria Montesarchio, determinou sua prisão domiciliar contrariando a opinião do promotor-chefe da localidade italiana, Francesco Verusio, que pediu a prisão preventiva do polêmico marinheiro. O promotor vai recorrer da decisão da juíza porque “o capitão foi ruim na manobra, no abandono do navio, por não ter comandado as operações de resgate e por não ter dado nenhuma ordem”. Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2012/01/19/loira-que-jantou-com-capitao-do-costa-concordia-e-encontrada.htm

Nas redes sociais, tripulação divide momentos de tensão no navio 16 de janeiro de 2012  18h38

Em seu perfil, Negrita Vokhaka postou fotos dos passageiros à espera do resgate. Foto: Facebook/ReproduçãoEm seu perfil, Negrita Vokhaka postou fotos dos passageiros à espera do resgate Foto: Facebook/Reprodução

No meio do susto e das cenas de terror, algumas pessoas da tripulação do cruzeiro Costa Concordia foram às redes sociais pedir ajuda e mostrar, de dentro do navio, o que aconteceu após a colisão da embarcação com uma rocha, nas proximidades da ilha de Giglio, na costa da Toscana. Conheça o cruzeiro de luxo que naufragou na Itália Negrita Vokhaka não diz exatamente em que área trabalhava no cruzeiro, mas ela foi uma das sobreviventes que relatou o resgate com fotos em seu perfil no Facebook. Às 19h23 (22h23 na Itália) da sexta-feira (13), ela escreveu: “Ajude-nos, por favor. Rezem por nós. Nossa situação é crítica”, e postou, em seguida, uma foto do que parece ser um salão de jantar escuro. Pratos com comida e garrafas aparecem, como se a mesa tivesse sido abandonada antes da hora. Às 20h, ela voltou a postar: “Nós estamos em emergência. Por favor, rezem por nós! Abandonando o barco agora”. Mais uma foto mostra pessoas com coletes salva-vidas na parte externa do barco. Uma hora depois, mais uma foto revela o barco já tombado. “Barco começa a afundar. Estou em um bote salva-vidas agora”, escreveu. Já salva, durante a madrugada, ela desabafou: “eu perdi tudo o que eu tenho. Eu tenho minha única preciosa vida. Obrigado, senhor”. Assim como Negrita, a dançarina britânica Rose Metcalf foi ao Facebook pedir ajuda. “Rezem por nós para sermos salvos”, escreveu, segundo reportou o site NY Daily News. “Bravos heróis” No Facebook, grupos e perfis de funcionários, em sua maioria filipinos, mostraram solidariedade à tripulação do Concordia, a quem chamam de “bravos heróis”. Não raro, alguém aproveita para criticar a companhia Costa. Um texto creditado a Katia Keyvanian, que se diz chefe de recepção hoteleira, ataca as primeiras notícias sobre o acidente, que diziam que a tripulação estava desorientada e confusa durante o processo de resgate. O texto acabou sendo compartilhado nas redes sociais. “Salvamos no escuro, com o navio por cima de um barranco, 4 mil pessoas em menos de duas horas!!!! Se fôssemos incompetentes, não teríamos capacidade de fazê-lo! (…) Resgatamos vários passageiros que foram parar no mar, e enquanto trocávamos as roupas molhadas de uma criança para cobri-la com a coberta térmica, um passageiro filmava com o celular!!!”, diz o relato. Uma outra visão surge sobre a fuga do comandante Francesco Schettino sem prestar socorros. “Não é verdade que o Comandante desceu antes. Eu estava na última lancha e ele ficou grudado na grade do 3° andar enquanto o navio afundava”, diz. Outro texto, creditado ao fotógrafo Diego Nobile, que estaria no Concordia, diz que os passageiros pareciam mais interessados em tirar fotos no celular. “Antes, mulheres, crianças e idosos, mas as crianças e mulheres eram pisoteadas e sofriam cotoveladas … lembro das pessoas tirando fotos em vez de ajudar, como se fosse um parque de diversões…”. Outro que compartilhou sua experiência nas redes foi Giorgio Fanculli. Morador da ilha de Giglio, ele relatou a ajuda dos vizinhos no resgate. No meio de tantas fotos, ele comentou: “pessoas de todas as idades arregaçaram as mangas e em algumas dezenas de minutos foram abertas as portas de escolas, igrejas e casas particulares para esses desesperados. A maioria das famílias trouxe para casa alguns dos mais necessitados”, relatou. Naufrágio do Costa Concordia O cruzeiro Costa Concordia naufragou na última sexta-feira, dia 13 de janeiro, após colidir com uma rocha nas proximidades da ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana. Mais de 4,2 mil pessoas estavam a bordo. Até a manhã de segunda-feira, dia 16, seis mortes haviam sido confirmadas. Outras 16 pessoas seguiam desaparecidas: dez turistas e seis tripulantes. O Itamaraty informou que 57 brasileiros estavam a bordo do navio, mas não há indícios de que eles estejam entre as pessoas que ainda não foram encontradas. Segundo as primeiras informações a respeito das causas do acidente, o navio, que tem 290 metros de comprimento e 114,5 mil toneladas, margeava a ilha de Giglio quando bateu em uma rocha e começou a adernar. Houve pânico entre os passageiros, que reclamaram de despreparo da tripulação e luta por coletes salva-vidas. O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, foi acusado de ter abandonado o navio.Ele nega, mas a empresa responsável pela embarcação se posicionou confirmando a negligência do capitão. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5561356-EI8142,00-Nas+redes+sociais+tripulacao+divide+momentos+de+tensao+no+navio.html

Costa Cruzeiros diz que também é parte afetada do naufrágio na ilha de Giglio

EFEEFE – 4 horas atrás

Roma, 19 jan (EFE).- A companhia Costa Cruzeiros, proprietária do cruzeiro “Costa Concordia”, que naufragou na sexta-feira passada em frente à ilha de Giglio, causando até o momento a morte de onze pessoas, apresentou-se nesta quinta-feira como “parte afetada” do acidente. Além disso, a Costa Cruzeiros comunicou que suspendeu o capitão do cruzeiro, Francesco Schettino, atualmente sob prisão domiciliar, acusado de homicídio culposo múltiplo e abandono da embarcação. O advogado da companhia, Marco de Luca, confirmou que apresentou a promotoria de Grosseto, responsável pelas investigações, sua posição de parte afetada pelas perdas “do ponto de vista patrimonial” após o naufrágio. De Luca ressaltou, no entanto, que os danos da empresa não podem ser comparados aos dos passageiros nem à dor das vítimas. A companhia manifestou em várias ocasiões que o acidente aconteceu devido a “um erro humano”, ocorrido quando o comandante decidiu mudar a rota para se aproximar da ilha de Giglio e se chocou contra uma formação rochosa. Segundo a Costa Cruzeiros, a mudança de direção não foi aprovada nem pela companhia nem pela Capitania dos Portos. Após a suspensão do comandante, o próximo passo deverá ser sua demissão. Num primeiro momento, a empresa disse que se ocuparia da sua defesa, mas De Luca explicou que após saber das circunstâncias do acidente não dará mais assistência legal ao comandante. Em entrevista coletiva na segunda-feira passada, o presidente da Costa Cruzeiros, Pier Luigi Foschi, calculou os danos da companhia em US$ 93 milhões, estimativa que ainda não contabiliza o valor dos seguros que deverão ser pagos aos passageiros. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/costa-cruzeiros-diz-tamb%C3%A9m-%C3%A9-parte-afetada-naufr%C3%A1gio-133409561.html

Navio italiano balança e atrapalha busca por sobreviventes

ReutersPor Gavin Jones e Antonio Denti | Reuters – seg, 16 de jan de 2012

  • Agentes do resgate inspecionam o lado do navio que encalhou na sexta-feira passada na costa oeste da Itália, na ilha Giglio, nesta segunda-feira. 16/01/2012 REUTERS/Max RossiAgentes do resgate inspecionam o lado do navio que encalhou na sexta-feira passada …

GIGLIO, Itália, 16 Jan (Reuters) – O navio italiano Costa Concordia balançou nesta segunda-feira sobre as rochas onde encalhou e o mau tempo atrapalha a busca cada vez mais desesperada por 29 desaparecidos. Os proprietários da embarcação atribuíram a culpa ao capitão do navio, que teria se aproximado demais da ilha de Giglio, na costa oeste italiana, para “saudar” a população local, na noite de sexta-feira. Segundo uma autoridade da guarda costeira, o número de pessoas desaparecidas foi revisada de 16 para 29, sendo 25 passageiros e quatro tripulantes, o que mostra o grau de incerteza que ainda há em relação ao acidente. A embarcação de 114,5 mil toneladas, que, segundo algumas estimativas, foi o maior navio de passageiro que já naufragou, deslizou um pouco sobre as pedras, ameaçando jogar toda a sua gigantesca carcaça e 2.300 toneladas de combustível para o fundo do mar, numa região que é uma reserva ecológica. O escorregão fez com que as buscas por sobreviventes fossem interrompidas durante algumas horas. O navio está virado de lado, com um grande rombo aparente acima da linha da água. Várias horas de caos se seguiram ao acidente, mas a maioria dos 4.200 passageiros e tripulantes conseguiu se salvar, inclusive 57 brasileiros. Até agora foram encontrados seis corpos. O porta-voz do corpo de bombeiros local, Luca Cari, disse que ainda há pequenos movimentos no navio, que não são considerados perigosos, mas levarão à interrupção das buscas noturnas. Outro bombeiro, Luciano Roncalli, disse à Reuters que todas as áreas não-submersas do transatlântico foram vasculhadas, o que indica que há poucas chances de encontrar mais sobreviventes no labirinto inundado e revirado de suítes, salões, quadras de tênis e spas. O ministro do Meio Ambiente, Corrado Clini, disse que pode decretar situação de emergência devido ao risco de vazamento de combustível no Parque Nacional do Arquipélago Toscano. Nenhum vazamento grave foi detectado até agora. Caso o mar agitado desloque o casco e o faça se romper ou afundar, ficaria virtualmente impossível fazer com que o Costa Concordia volte a navegar, como espera a empresa proprietária, uma unidade da Carnival Corporation, da Flórida. O navio havia sido construído há apenas seis anos, a um custo de centenas de milhões de dólares. O capitão do navio, Francesco Schettino, que foi detido após o incidente, nega que tenha havido imprudência na sua aproximação da ilha de Giglio, ou que ele tenha abandonado a embarcação, como acusa a promotoria italiana. SAUDAÇÕES À ILHA Morador da ilha de Giglio, o pai do chefe dos garçons disse que seu filho lhe havia telefonado na sexta-feira para avisar que o Costa Concordia passaria rente à orla da ilha e buzinaria como forma de saudação. “O navio obviamente chegou perto demais”, disse Giuseppe Tievoli, de 82 anos. A empresa Costa Cruzeiros informou que prestará toda a assistência necessária a Schettino. “Mas precisamos admitir os fatos, e não podemos negar uma falha humana”, afirmou o executivo-chefe Pier Luigi Foschi. “Esses navios são super-seguros. É um fato excepcional, que foi imprevisível”, disse ele, quase aos prantos. Foschi disse que os navios da companhia são proibidos de chegar a menos de 500 metros da costa de Giglio. Investigadores dizem que a embarcação bateu em rochas a apenas 150 metros da ilha. Schettino disse que estava na distância regulamentar, e que a rocha não constava nas cartas náuticas. Em nota, o advogado dele, Bruno Leporatti, disse que o capitão está “arrasado, perturbado e entristecido com a perda de vidas”, mas considera que conseguiu salvar muitas vidas ao realizar uma difícil manobra de emergência com as âncoras depois do acidente, o que deixou o barco mais perto da costa. Foschi negou as acusações de que os passageiros não teriam sido treinados para abandonar o navio, onde ocorreram cenas de pânico e caos depois da colisão. Havia a bordo cerca de 1.020 tripulantes de 38 países, mas a maioria trabalha com alimentação e entretenimento, sem experiência específica com assuntos navais. O executivo chamou os tripulantes de “heróis” e disse que eles reagiram corretamente. “Tivemos de retirar mais de 4.200 pessoas em circunstâncias difíceis, então toda a operação levou mais de duas horas. A razão para isso é que a inclinação do navio não nos permitiu usar ambos os lados para retirar as pessoas.” O mar calmo desde sexta-feira vinha ajudando os trabalhos de resgate, mas nesta segunda-feira o vento virou, o mar começou a ficar mais agitado e há garoa. Os meteorologistas preveem que a situação ainda deve piorar. Um especialista em resgates que está em Giglio disse à Reuters, pedindo anonimato, que o navio está claramente se mexendo, depois de inicialmente ficar imobilizado nas pontas das rochas. O mar bravio pode deixar os destroços à deriva, o que seria “um grande problema”, segundo ele. O barco está apoiado numa lâmina de cerca de 20 metros de água, mas pode cair a até 130 metros caso se solte das rochas. O bombeiro Cari disse que a equipe de resgate não consegue ouvir ruídos de possíveis sobreviventes dentro do navio semissubmerso. “Obviamente, quanto mais o tempo passa, menos possibilidade há de encontrar alguém com vida”, afirmou. TITANIC, CEM ANOS DEPOIS A Organização Marítima Internacional (OMM, um órgão da Organização das Nações Unidas) disse que é importante esperar as investigações sobre o acidente, mas que irá rever seus regulamentos se considerar que isso é necessário. Evocando o naufrágio do Titanic, em abril de 1912, o secretário-geral da OMM, Koji Sekimizu, disse que “no centenário do Titanic, mais uma vez fomos lembrados dos ricos envolvidos nas atividades marítimas”. Especialistas do setor naval dizem que o desastre pode afetar duramente o movimento nos navios de cruzeiro numa época crucial do ano, mas que o setor deve se recuperar. (Reportagem adicional de Silvia Ognibene, Silvia Aloisi e Kate Hudson) Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/navio-italiano-balan%C3%A7a-e-atrapalha-busca-por-sobreviventes-001054830.html

“Comandar cruzeiro não é Disneylândia”, diz familiar de vítima 19 de janeiro de 2012  14h08  atualizado às 14h42

As buscas por desaparecidos foram retomadas nesta quinta-feira. Foto: AFPAs buscas por desaparecidos foram retomadas nesta quinta-feira Foto: AFP

As buscas pelos desaparecidos no naufrágio do Costa Concordia foram retomadas nesta quinta-feira, enquanto os familiares esperam com ansiedade os resultados das operações e nutrem uma grande raiva contra o comandante do navio, que se encontra em prisão domiciliar. “Ele está na casa dele agora, pois vive na Itália. Em outro país, estaria na prisão e não tomando café com a mãe”, declarou indignado à AFP Kevin Rebello, irmão de um tripulante de nacionalidade indiana, ainda desaparecido. “Comandar um navio de cruzeiro não é a Disneylândia, ele brincou com a vida de pessoas. Eu estou com muita raiva”, declarou Kevin Rebello, que veio de Milão – onde trabalha – para encontrar seu irmão Russel, casado e pai de uma menina de três anos e meio. Outras famílias, refugiadas no hotel Orbetello (Toscana), temem pelo pior e recebem o apoio de psicólogos. Alguns familiares, que conseguiram escapar da catástrofe, deverão superar o trauma e o sentimento de culpa por terem sobrevivido. Dos 11 mortos confirmados, oito foram formalmente identificados. Os corpos de dois franceses, Pierre Grégoire, 69 anos, e sua irmã de 70 anos, Jeanne Gannard, foram identificados nesta quinta-feira pela família, anunciaram autoridades da cidade de Gosseto, na Toscana. “Continuamos sem novidades sobre os dois outros franceses”, indicou à Paris o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Bernard Valero. Os familiares de um casal de franceses ainda desaparecido, Mylène Litzler, 23 anos, e Mickaël Blemand, 25 anos, fizeram um apelo no Facebook. “Procuramos recolher o máximo de testemunhos de passageiros que os viram no momento do naufrágio, ou até na semana que precedeu o acidente, para saber onde eles estão e o que pode ter acontecido”, explicou à AFP André Litzler, tio de Mylène. Após a interrupção das buscas durante quase todo o dia, o trabalho foi retomado nesta quinta-feira. A tarefa é difícil pois partes do navio estão bloqueadas por portas trancadas, pilhas de móveis e carpete. O bombeamento do combustível do navio (2.380 toneladas) ainda não foi iniciado, apesar dos riscos de maré negra na ilha, uma reserva natural de grande valor ecológico. Esta operação, que pode durar algumas semanas, é muito complicada, por ser necessário o aquecimento do petróleo para torná-lo fluido. Os reservatórios do Costa Concordia estavam praticamente cheios quando aconteceu o naufrágio. Já a companhia italiana, Costa Cruzeiros, proprietária do Costa Concordia, anunciou na manhã desta quinta-feira ter entrado em contato com “todos os passageiros ara assegurar que todos chegaram a suas casas e passavam bem”. “A empresa confirma o reembolso das passagens e de todas as despesas materiais”, assegurou em um comunicado. Mais de 70 passageiros do Costa Concordia já aderiram a uma ação coletiva contra a companhia lançada pela associação italiana de defesa dos consumidores, com o objetivo de obter uma indenização para cada passageiro de pelo menos 10 mil euros. Processos judiciais contra a empresa também foram anunciados na França. A companhia, por sua vez, também afirma ter sido lesada e disse que se apresentará como vítima em um eventual julgamento “porque, além da tragédia e do drama humanos, a empresa sofreu um prejuízo imenso”, afirmou um de seus advogados. Em declarações à imprensa, o advogado Marco De Luca, condenou o comportamento do comandante do cruzeiro, Francesco Schettino, acusado de ter desviado sem autorização a embarcação de sua rota causando o naufrágio, que provocou a morte de onze pessoas e mais de vinte desaparecidos. O advogado disse ainda que a companhia não assumirá a defesa do comandante, que foi suspenso de seu cargo. “A companhia é outra vítima nesta tragédia”, acrescentou o advogado, que anunciou que a empresa colaborará coma justiça italiana. Segundo novos testemunhos, muitos passageiros na hora da evacuação ficaram sem coletes salva-vidas e correram risco de morte ao tentaram procurar coletes em suas cabines. Além disso, muitos botes sobrecarregados só puderam ser manobrados com a ajuda de serventes e cozinheiros – “anjos filipinos” apelidaram alguns sobreviventes – que se transformaram em marinheiros improvisados. Naufrágio do Costa Concordia O cruzeiro Costa Concordia naufragou na última sexta-feira, dia 13 de janeiro, após colidir em uma rocha nas proximidades da ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana. Mais de 4,2 mil pessoas estavam a bordo. Até a tarde de terça-feira, dia 17, 11 mortety informou que 57 brasileiros estavam a bordo do navio, mas nenhum deles está entre as pessoas não encontradas. O navio, que tem 290 metros de comprimento e 114,5 mil toneladas, margeava a ilha de Giglio quando houve a colisão, imediatamente começando a adernar. Houve pânico e reclamações de despreparo da tripulação. O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, foi acusado de ter abandonado o navio. Ele disse que estava no comando, mas um áudio divulgado para a imprensa, em que há uma discussão entre ele e a Guarda Costeira, indica que o capitão já estava na costa no momento do resgate. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5566464-EI8142,00-Comandar+cruzeiro+nao+e+Disneylandia+diz+familiar+de+vitima.html

Avó diz ter visto menina desaparecida entre sobreviventes 19 de janeiro de 2012  11h37  atualizado às 12h22

A avó de uma menina italiana que desaparceu junto com o pai no naufrágio do navio Costa Concordia na última sexta-feira afirma ter visto a criança em imagens transmitidas pela televisão de grupos de sobreviventes. Daiana, 5 anos, e seu pai, William Arlotti, seguem desaparecidos e nenhum hospital da região ou testemunhas têm informações sobre eles. Arlotti viajava no cruzeiro com a filha e sua namorada, Michela Maroncelli, que conseguiu se salvar graças a um colete e um bote salva-vidas. Os três estavam juntos na área do navio onde as pessoas estavam a salvo, mas depois foram direcionados rumo à parte sobre a qual o cruzeiro estava tombando, afirmou a sobrevivente. Quando se deram conta da inclinação da embarcação tentaram retornar e na passagem de uma ponte, a menina deslizou e caiu no mar, seguida pelo pai que teria pulado para tentar para salvá-la. “Alguém disse (à Michela) que tinha visto os dois agarrados a uma corda e que tinham subido ao navio, mas não há rastro deles”, conta a prima de Arlotti, Sabrina Ottaviani, dona de uma agência de viagens e que lhes vendeu as passagens. Quando Michela, que se encontrava alguns passos à frente, alcançou a segunda ponte e conseguiu um lugar em um dos botes salva-vidas, tinha perdido completamente de vista o namorado e sua filha, segundo seu depoimento. “Se alguém os viu segurando a corda, que venha a público dizer”, pede a prima do pai, que conta que os dois estavam com um único colete salva-vidas. A família de Arlotti está especialmente preocupada porque é diabético e precisa tomar remédios várias vezes ao dia e todos estão procurando desesperadamente por ele e por Daiana. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5566147-EI8142,00-Avo+diz+ter+visto+menina+desaparecida+entre+sobreviventes.html

Costa Concordia: transcrições revelam novos detalhes do acidente 18 de janeiro de 2012  22h51  atualizado às 22h58O navio de luxo Costa Concordia alterou a paisagem da ilha italiana de Giglio, na Toscana. Foto: AP

O navio de luxo Costa Concordia alterou a paisagem da ilha italiana de Giglio, na Toscana Foto: AP
O dia 14 de janeiro ficou marcado na memória de todos os envolvidos no acidente com o luxuoso navio de cruzeiro Costa Concórdia, que naufragou após colidir com rochas na pequena ilha de Giglio, na Toscana italiana. Mesmo que muitas vidas tenham sido salvas, e ainda existam esperanças de encontrar desaparecidos, os momentos de tensão dos protagonistas daquela noite – o comando do navio, a Capitania dos Portos e as equipes de resgate -, estão registrados na história.

Confira o minuto a minuto que revive os primeiros momentos da tragédia a partir de transcrições das comunicações entre as unidades de salvamento, divulgadas pelo la Repubblica: 22h06 – O primeiro alarme A mãe de um passageiro relatou problemas a bordo do navio Costa Concordia: o teto do restaurante da ponte sul cai e é emitida ordem para vestir coletes-salva-vidas. O primeiro alarme é lançado, portanto, de um passageiro, e não da tripulação. 22h14 – Apenas um apagão A Capitania dos Portos faz contato com o Costa Concordia. O oficial fala em um blecaute de 20 minutos, mas afirma que tudo será resolvido rapidamente. Também nega o colapso do teto e a ordem para vestir coletes salva-vidas. 22h16 – O barco-patrulha O barco-patrulha G104 se oferece para ajudar o navio. A Capitania responde afirmativamente. O G104 será crucial para a coordenação das operações de salvamento. 22h17 – A dúvida A Capitania expressa dúvidas sobre o fato do problema do Costa Concordia estar limitado apenas a um blecaute: “Pode muito bem haver outro problemas”. 22h26 – A primeira admissão A Capitania insiste em contatar o navio. Responde o capitão Francesco Schettino, que finalmente se refere a um buraco aberto no lado esquerdo da embarcação. Segundo Schettino, não há feridos e o navio só necessita de um rebocador. No entanto, a Capitania ordena que todos os navios da área cheguem ao local do acidente. 22h44 – O navio encalha O barco de patrulha G104 se aproxima do navio e dá o alarme: o Costa Concordia está preso do lado direito. Neste momento, o resgate dos passageiros está em pleno andamento. Ainda não há relatos de pessoas ao mar. 22h45 – “Não é verdade, navegaremos” A Capitania contata com o capitão, que nega: “O navio está flutuando e navegando”. Ele tenta se aproximar da costa para ancorar. 22h48 – Situação de emergência A Capitania pergunta ao capitão do Costa Concordia se ele quer ordenar a evacuação do navio. A resposta é “estamos avaliando”. Ao ouvir essas palavras, a Capitania inicia os procedimentos para acolher todos os passageiros e tripulantes e envia helicópteros de socorro. 22h58 – “Abandonar o navio” O capitão Schettino, novamente contatado pela Capitania, anuncia que ordenou o abandono do navio usando os botes do Costa Concordia. 23h23 – “Estamos nos inclinando” O Costa Concordia relata que há uma “grande inclinação para estibordo (lado direito)”: o navio está se apoiando em um dos lados. O comando do navio pergunta se ele pode ser puxado pelo lado esquerdo, mas nenhuma outra embarcação está posicionada no local para atender ao pedido. Enquanto isso, a Capitania comunica que dezenas de navios estão indo para o sul da ilha de Giglio para ajudar. 23h37 – “Ainda há 300 a bordo” O capitão Schettino, em contato com a Capitania, disse que ainda há 300 pessoas a bordo da embarcação. A informação é confirmada pelo barco de patrulha. 0h05 – Milhares de náufragos A Capitania tenta contatar o comando do navio por telefone. Ninguém responde. Na meia hora seguinte, à medida que as comunicações foram aumentando, a Capitania resgata pessoas da água, em barcos em situação de risco e a bordo de outras embarcações. A prefeitura de Grosseto anuncia que a ilha de Giglio não pode hospedar mais de três mil pessoas, e os sobreviventes são transferidos ao continente. 0h34 – Capitão em um barco O capitão Schettino admite estar em um barco a “estibordo” do navio, e diz que viu “três pessoas na água”. 0h36 – Idosos e crianças a bordo O barco de patrulha G104 chama helicópteros com urgência para resgatar “de 70 a 80 pessoas, inclusive idosos e crianças” que estão presos a bordo. 0h42 – “Volte a bordo!” O capitão Schettino diz que todos os oficiais estão em um barco com ele. O comandante De Falco ordena que eles retornem a bordo para coordenar o desembarque dos passageiros. Enquanto isso, a Capitania envia ao navio uma aeronave de socorro que identifica 100 pessoas a bordo, e tenta movê-las para que possam ser resgatadas de helicóptero. 1h15 – Alarme de contaminação É feito o primeiro contato com o Ministério do Meio Ambiente para enviar uma unidade antipoluição naval. 1h46 – De Falco insiste Uma hora após a primeira chamada, Schettino não voltou a bordo. De Falco insiste: “Volte e deixe-nos ter um registro da situação”. Enquanto isso, se prepara o envio de bombeiros ao navio. A Capitania tenta repetidamente contatar o helicóptero, o único capaz de relatar o número de pessoas ainda a bordo. 2h53 – “Schettino está indo para o porto” Os tripulantes do barco-patrulha G104 relatam que, em vez de retornar ao navio, o comandante Schettino está indo para o porto. 3h05 – As primeiras vítimas O barco-patrulha comunica as primeiras vítimas: “A bordo dizem haver cinco mortos e três feridos”. 3h17 – Schettino parado pela polícia Schettino é encontrado pela polícia e levado a Giglio. A polícia da ilha anuncia que ele está detido “sem algemas”. 3h56 – O drama a bordo A aeronave de socorro emite novo alarme: 50 pessoas ainda estão a bordo. Estão estão localizadas na popa, enquanto resgatistas e mergulhadores na proa salvam uma pessoa fraturada. 4h46 – A primeira lista A transferência de sobreviventes é longa, mas ainda é necessária uma inspeção detalhada para ver se ainda há alguém a bordo do navio. O proprietário do Costa Concórdia, a Costa Cruzeiros, fornece a primeira lista oficial de passageiros e tripulantes: são 4.754 pessoas. 6h15 – Iminente tragédia Já é amanhecer. O alarme não é interrompido. Os bombeiros a bordo comunicam: “As condições de pesquisa são difíceis”. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5565486-EI8142,00-Costa+Concordia+transcricoes+revelam+novos+detalhes+do+acidente.html

Buscas por desaparecidos em navio são suspensas novamente

20/01/2012 – 09h12 | da Folha.com

DE SÃO PAULO DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS O navio de cruzeiro Costa Concordia que está naufragado em Toscana mudou novamente de posição sobre a rocha em que se encontra nesta sexta-feira, forçando uma nova suspensão das operações de busca e resgate das 21 pessoas que continuam desaparecidas. Ainda não está claro se os movimentos registrados durante a noite por sensores a bordo da embarcação mostravam apenas vibrações inofensivas, uma vez que o Costa Concordia se instalou sobre as rochas da ilha toscana de Giglio, ou se o navio está deslizando. Movimentos do navio estão sendo cuidadosamente monitorados uma vez que qualquer mudança significativa pode ser perigosa para os mergulhadores que tentam localizar os desaparecidos depois de o Costa Concordia encalhar em 13 de janeiro. “O navio não está em condições seguras o suficiente para que as operações de resgate continuem”, disse o porta-voz da guarda costeira, Cosimo Nicastro. Os instrumentos que monitoram constantemente o casco do navio, encalhado a cerca de 150 metros do litoral da ilha de Giglio, passaram a revelar contínuos movimentos a partir desta manhã. A dúvida é se isto acontece por causa das correntes marinhas que desestabilizam os pontos de apoio ou pelo movimento dos líquidos internos, pois o mar, ao menos por enquanto, se encontrava relativamente calmo. Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2012/01/20/buscas-por-desaparecidos-em-navio-sao-suspensas-novamente.jhtm

Mensagem de Pier Luigi Foschi, Presidente e Administrador Delegado de Costa Cruzeiros

Prezado(a) xxxxxxxxxxxxxxxxxxx, Em um momento tão delicado, quero explicar a quem, como o(a) senhor(a), há muito nos demonstra a sua confiança e proximidade na qualidade de Sócio(a) CostaClub. O terrível acidente do Costa Concordia atingiu o que há de mais importante para nós: os nossos hóspedes, os nossos funcionários, um dos nossos magníficos navios. Sofremos pelas dificuldades e sofrimentos causados a estas pessoas e pela dor dos familiares das vítimas. Em todo o mundo, cerca de 1.100 pessoas da Costa Cruzeiros estão trabalhando desde a noite de sexta-feira na gestão deste terrível acidente, para dar suporte às operações de salvamento e assistência aos hóspedes e à tripulação, para que possam encontrar os seus familiares e serem levados de volta às suas próprias residências. Este dramático evento extraordinário, causado aparentemente por um único erro humano, que não deverá mais se repetir, não devia ter ocorrido. Viemos a saber dos atos de heroísmo de membros da tripulação que antepuseram o salvamento das outras pessoas ao próprio. A tripulação comportou-se de forma elogiável em uma situação de extrema dificuldade, conseguindo evacuar, nas condições terríveis em que se encontrava, mais de 4.000 pessoas no menor tempo possível. Estamos orgulhosos com o empenho que nós e as nossas pessoas dedicam à sua segurança. Quem nos conhece sabe que a Costa Cruzeiros atua no pleno respeito de todas as normas relativas à segurança e que os seus procedimentos estão em conformidade com os padrões internacionais, e em alguns casos são até mesmo mais rígidos. Todos os membros das nossas tripulações passam por um treinamento específico para a gestão das emergências e para dar assistência aos Hóspedes em caso de abandono do navio. Cada membro das nossas tripulações é portador de um certificado específico (BST – Basic Safety Training) e todos são formados através de exercícios de abandono do navio que são repetidos constantemente a cada duas semanas. Funções, responsabilidades e deveres são claramente definidos e atribuídos para permitir a gestão de uma situação de tamanha importância. A capacitação dos membros das tripulações da Costa Cruzeiros é periodicamente controlada pela Guarda Costeira e por entidades de classificação independentes em conformidade com os requisitos especificados no sistema SMS (Safety Management System). Um exercício de salvamento é realizado com todos os Hóspedes dentro das primeiras 24 horas após o embarque, conforme determina a lei. A Costa Cruzeiros adota um sistema computadorizado de controle que permite verificar se todos os hóspedes participaram do exercício. Para garantir a máxima segurança, em todos os navios Costa estão disponíveis coletes salva-vidas, barcos salva-vidas e botes em número superior ao máximo de pessoas que podem ser hospedadas pelo navio. Os barcos salva-vidas estão equipados com dispositivos de segurança, como reservas de água e alimento, caixa de medicamentos e instrumentos de sinalização e comunicação que permitem aguardar de forma segura a chegada do socorro. Além disso, os barcos salva-vidas são submetidos a minuciosos controles periódicos por parte da equipe do navio e dos organismos de certificação. Todos os navios Costa Cruzeiros são certificados pelo RINA e são fabricados de acordo com os mais altos padrões e tecnologia. Estamos conscientes da responsabilidade que temos perante quem nos dá a própria confiança e as confirmações que nos são dadas por quem esteve nos nossos navios e encontrou a nossa equipe é motivo de conforto neste momento. A confiança que continua a depositar em nós e o desejo de vê-lo(a) novamente a bordo dos nossos navios serão para nós o melhor prêmio para todos os nossos esforços. Com sincera gratidão, Pier Luigi Foschi Presidente e Administrador Delegado de Costa Cruzeiros 21/01/2012 – 13h44

Itália acha 12º corpo e confirma vazamento de diesel em navio

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Equipes de mergulhadores da Marinha italiana encontraram neste sábado o corpo de uma mulher, a 12ª vítima do acidente com o navio Costa Concordia, que naufragou na última sexta-feira (20). Já a Guarda Costeira confirmou pela primeira vez um vazamento de óleo diesel no local, aumentando temores de um desastre ambiental. As equipes acharam o corpo em um dos quartos dos 17 andares do cruzeiro, oito dias após a embarcação ter se chocado contra rochas na ilha de Giglio, na Itália. Cerca de 20 permanecem desaparecidas.

Filippo Monteforte/France Presse
Guarda Costeira italiana confirmou pela primeira vez que os líquidos que vazam do navio são, de fato, óleo diesel
Guarda Costeira italiana confirmou pela primeira vez que os líquidos que vazam do navio são, de fato, óleo diesel

“O corpo foi levado para terra firme e as famílias foram contatadas. Mas será necessário realizar testes de DNA para identificá-lo, já que, ao final de uma semana na água, fica identificável”, informou uma fonte da Marinha. Até o momento, apenas oito vítimas foram identificadas formalmente: seis turistas –quatro franceses, um espanhol e um italiano–, um tripulante peruano e um violinista húngaro. VAZAMENTO Também neste sábado a Guarda Costeira italiana confirmou pela primeira vez que os líquidos que vazam do navio são, de fato, óleo diesel. O combustível seria um “tipo leve” de diesel usado como lubrificante nos maquinários e botes de resgate. Há 185 toneladas desta variedade do combustível a bordo. Trata-se de uma presença “muito leve, muito superficial” no mar, disse o porta-voz da Guarda Costeira, o comandante Cosimo Nicastro. As autoridades italianas ainda não confirmaram vazamento das 2.380 toneladas do diesel “mais pesado”, que serve como combustível para os motores do navio. RESGATE A exploração em profundidade dos restos do navio Costa Concordia foi retomada neste sábado ao amanhecer, uma semana depois do acidente. Após confirmada a estabilização do navio, os mergulhadores da Marinha desceram novamente a 20 metros de profundidade para abrir buracos no casco. Ontem (20), a embarcação apresentou movimento de 7 mm por hora. “Hoje procuramos entre as pontes 3 e 4”, indicou Cosimo Nicastro, porta-voz da Guarda Costeira. “A esperança de encontrar alguém com vida na parte submersa se reduziu e diminui a cada dia que passa”, lamentou Nicastro, apesar de assinalar que os mergulhadores continuarão insistindo na tarefa. “É preciso um milagre. Mesmo que tenha sido criada uma bolha de ar quando o navio naufragou, em tais condições, com temperaturas da água muito baixas, a possibilidade de encontrar alguém com vida são reduzidas ao mínimo”, explicou o porta-voz.

Enzo Russo/Massimo Percossi/Efe
Imagens mostram evolução do afundamento do Costa Concordia, naufragado na sexta-feira (13) na ilha de Giglio
Imagens mostram evolução do afundamento do Costa Concordia, naufragado na sexta-feira (13) na ilha de Giglio

No total, 24 pessoas –das quais três aparecem sem dúvida entre os corpos não identificados– permanecem desaparecidas há quase seis dias. Trata-se de 12 alemães, cinco italianos, dois franceses, dois americanos e três membros da tripulação: um italiano, um peruano e um indiano. As perigosas imersões dos mergulhadores no navio foram dificultadas na quinta-feira pelo vento e pelas ondas que atingem a ilha e colocam em perigo a estabilidade do navio, que corre o risco de deslizar em direção a um precipício de cerca de 70 metros. Mas a situação meteorológica se agravou nesta sexta-feira com um vento de 40 a 50 km/h e ondas anunciadas de um metro e meio. COMANDANTE A ira dos familiares aumentou na quinta-feira, depois que o peruano Saturnino Soria, pai da jovem desaparecida Erika, pediu publicamente às autoridades italianas que o comandante do navio, Francesco Schettino, “não fique impune pelo que fez”. A libertação do controverso comandante do navio, acusado de ser o principal responsável pela tragédia e que se encontra em prisão domiciliar em sua residência de Meta de Sorrento, perto de Nápoles, gerou irritação entre os parentes das vítimas que esperam notícias na ilha de Giglio, onde ocorreu a tragédia. Acusado de homicídio múltiplo, abandono de navio e naufrágio, acusações que podem significar uma sentença de 12 anos de prisão, Schettino foi detido no sábado por ordem da promotoria por medo de que manipulasse as provas e pelo risco de fuga. Segundo o presidente da empresa Costa Cruzeiros, proprietária da embarcação, Pier Luigi Foschi, o capitão do Costa Concordia “não foi honesto” com os responsáveis em terra ao explicar a situação. “Pessoalmente penso que não foi honesto. Não tenho elementos para dizer se estava lúcido. Penso que estava perturbado de um ponto de vista emocional”, declarou em uma entrevista ao “Corriere della Sera”. Danilo Bandeira e Ivan Moura/Editoria de arte/Folhapress Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1037645-italia-acha-12-corpo-e-confirma-vazamento-de-diesel-em-navio.shtml

Itália: mergulhadores encontram 13º corpo em naufrágio

Agência EstadoPor AE | Agência Estado – 5 horas atrás

Navio Costa Concordia naufragado (Foto: Reuters)

Mergulhadores das equipes de resgate que vasculham o navio Costa Concordia, que naufragou ao largo da costa da Toscana em 13 de janeiro, encontraram neste domingo o corpo de uma mulher, aumentando para 13 o número de pessoas mortas no desastre. A chefe da proteção civil, Francesca Maffini, disse à imprensa que a vítima vestia um colete salva-vidas e seu corpo foi encontrado em uma parte submersa do transatlântico por uma equipe de mergulhadores do Corpo de Bombeiros. Leia também: Schettino alega que Costa Cruzeiros apoiava praxe de aproximar navio da costa Navio iraniano afunda no Golfo Pérsico; ao menos 16 morrem Mais cedo, autoridades italianas levantaram a possibilidade de que o número de desaparecidos, que oficialmente está em 20, pode ser maior que o imaginado porque um número não específico de passageiros pode ter embarcado não registrado no porto de Civitavecchia. “Poderiam existir pessoas não registradas a bordo e que nós não sabíamos que estavam no transatlântico, eram clandestinas”, disse Franco Gabrielli, oficial da Proteção Civil da Itália responsável pelos esforços de resgate. Oficialmente, o transatlântico transportava 4.200 passageiros e tripulantes.Gabrielli disse, por exemplo, que parentes de uma mulher húngara disseram que ela telefonou para eles a bordo do Costa Concordia, após o navio ter zarpado, mas que nunca mais tiveram nenhuma notícia dela e o nome da mulher não consta de nenhuma lista de passageiros. O corpo da mulher retirado pelos mergulhadores pode ser o da húngara, mas outro corpo de mulher encontrado sábado, bem como outros três corpos de homens na semana passada, ainda não foram identificados e estão no necrotério da cidade toscana de Grosseto. Gabrielli disse que outros oito corpos foram identificados: quatro franceses e francesas, uma italiana, um húngaro, um alemão e um espanhol. Por enquanto, os tanques de combustíveis do Costa Concórdia estão conservados, mas equipes especiais estão aguardando o fim das buscas de resgate para extraírem 2,2 mil toneladas de combustível. As informações são da Associated Press. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/it%C3%A1lia-mergulhadores-encontram-13-corpo-naufr%C3%A1gio-173200517.html

Dois novos corpos são resgatados na Itália; vítimas vão a 15 23 de janeiro de 2012  13h08  atualizado às 13h37

Equipes de resgate seguem na busca pelas vítimas do naufrágio que voltou a atenção mundial para a Itália. Foto: ReutersEquipes de resgate seguem na busca pelas vítimas do naufrágio que voltou a atenção mundial para a Itália Foto: Reuters

Os corpos de duas mulheres foram resgatados do navio Costa Concordia nesta segunda-feira, elevando o número de vítimas até agora para 15, segundo a agência Reuters. No fim de semana, os corpos de outras duas mulheres tinham sido recuperados pelas equipes de resgate. Conheça o cruzeiro de luxo que naufragou na Itália Mapa mostra os piores naufrágios em cem anos “Mais dois corpos, duas mulheres, foram encontrados perto do internet café”, disse Franco Gabrielli, que supervisiona as operações de resgate, à imprensa. “Não podemos dizer de que nacionalidade são. Eles não foram retirados” dos escombros, afirmou Gabrielli, acrescentando que o DNA delas serão comparados aos dos coletados dos parentes das vítimas desaparecidas nos últimos dias. Segundo a agência AFP, pelo menos 17 pessoas estão desaparecidas desde o desastre, apesar de as autoridades dizerem que poderia haver pelo menos um passageiro clandestino, uma mulher húngara, que não estava na lista de pessoas a bordo e não foi contada. Há discordâncias sobre o número oficial de pessoas que ainda estão desaparecidas. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5572622-EI8142,00-Dois+novos+corpos+sao+resgatados+na+Italia+vitimas+vao+a.html

Naufrágio: seguradora anuncia prejuízo de 30 milhões de euros 23 de janeiro de 2012  10h22  atualizado às 10h41

Seguem as buscas no Costa Concordia dez dias após o naufrágio que já deixou 13 mortos. Foto: AFPSeguem as buscas no Costa Concordia dez dias após o naufrágio que já deixou 13 mortos Foto:

A resseguradora alemã Hannover Re anunciou nesta segunda-feira que o naufrágio do cruzeiro Costa Concordia custará à empresa pelo menos 30 milhões de euros. Conheça o cruzeiro de luxo que naufragou na Itália Mapa mostra os piores naufrágios em cem anos “É muito difícil no momento avaliar as reivindicações”, explicou a terceira seguradora mundial em um comunicado. Segundo a empresa uma fatura milionária pode ser o resultado deste naufrágio para o setor, o que, consequentemente, provocará perdas de cerca de 30 milhões de euros. Na semana passada, a Hannover Re se referiu a uma conta de pelo menos 10 milhões de euros, enquanto sua concorrente alemã Munich Re falou de 50 milhões de euros. Uma companhia de seguros interrogada pela AFP havia indicado que o Costa Concordia, cujo naufrágio deixou 13 mortos e 21 desaparecidos, segundo um registro de domingo, estava segurado em 395 milhões, o maior montante já conhecido de um acidente marítimo. Três tipos de seguros podem ser aplicados para este acidente: o seguro do próprio barco (corpo marítimo), o seguro de responsabilidade civil e a apólice assinada para as mercadorias transportadas. Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5572247-EI8142,00-Naufragio+seguradora+anuncia+prejuizo+de+milhoes+de+euros.html

Teste antidrogas de Francesco Schettino dá negativo

EFEEFE – seg, 23 de jan de 2012

Capitão Francesco Schettino. (Foto: Reuters)
Roma, 23 jan (EFE).- O teste da presença de entorpecentes feito por Francesco Schettino, capitão do cruzeiro que naufragou em 13 de janeiro em frente à ilha italiana de Giglio, deu negativo, comunicou nesta segunda-feira seu advogado à imprensa local.Bruno Leporatti disse que desta forma fica provado que seu cliente não estava sob o efeito de entorpecentes no momento do acidente, hipótese anteriormente cogitada.Atualmente, Schettino está em prisão domiciliar. Ele é acusado de homicídio culposo múltiplo, naufrágio e abandono de navio.Leia também: Equipes de resgate tentam chegar a restaurantes do Costa Concordia Resseguradora alemã Hannover Re perde 30 milhões de euros por Concordia Técnicos italianos avaliam condições de resgate em navio naufragadoO cruzeiro “Costa Concordia”, com mais de 4,2 mil pessoas a bordo, encalhou em frente à ilha de Giglio após ter saído da rota e colidido com uma pedra.De acordo com o advogado do capitão, Schettino avisou à companhia de navegação Costa Cruzeiros após o impacto, e o fato de ter saído da rota pra realizar a chamada “saudação” à ilha estava autorizado, algo comumente feito pelos comandantes por motivos publicitários.Os promotores de Grosseto, no centro da Itália, que conduzem as investigações, ouviram nesta segunda o comandante da Capitania dos Portos de Livorno, Gregorio de Falco, que ordenou em vários telefonemas que Schettino voltasse ao navio para coordenar as tarefas de salvamento dos passageiros.Nas próximas horas chegará à ilha de Giglio o navio oceanográfico da Marinha militar italiana para buscar no fundo do mar as 20 pessoas que ainda estão desaparecidas.No domingo um novo corpo foi encontrado, elevando para 13 o número de mortos no naufrágio.

Equipes de resgate tentam chegar a restaurantes do Costa Concordia

AFPPor Por Ella Ide | AFP – seg, 23 de jan de 2012

CONTEÚDO RELACIONADO

  • Paralelamente, continua a investigação para determinar a responsabilidade exata do capitão do navioParalelamente, continua a investigação para determinar a responsabilidade exata do …

Membros das equipes de resgate abriram uma nova passagem nesta segunda-feira com explosivos para poder chegar à ponte onde estão localizados os restaurantes do “Costa Concordia” com a esperança de encontrar os corpos de alguns dos 20 desaparecidos. Os mergulhadores da Marinha italiana abriram um grande buraco entre as pontes 4 e 5, perto da região dos restaurantes e do acesso aos botes salva-vidas, constataram os jornalistas no local. As buscas na embarcação, realizadas em condições muito difíceis, segundo os mergulhadores, avançam lentamente devido ao tamanho do navio, do comprimento de três estádios de futebol e da altura de um edifício de 20 andares. Ao mesmo tempo, um comitê de especialistas deveria tomar a decisão nesta segunda-feira sobre o início do bombeamento das 2.380 toneladas de combustível contidas nos tanques do barco. “Hoje será decisivo, seguramos nossa respiração para ver se será possível começar o bombeamento sem deter a busca das pessoas desaparecidas”, indicou à AFP o prefeito de Giglio, Sergio Ortelli. Segundo os socorristas, a chance de encontrar sobreviventes é mínima, dez dias depois da catástrofe. Um navio oceanográfico com câmeras de alta definição deve chegar em breve para explorar o fundo do mar em busca de corpos eventualmente bloqueados embaixo do Costa Concordia, de 114.500 toneladas. O registro provisório é de 13 mortos. Na tarde de domingo o corpo de uma mulher foi encontrado na parte submersa. Paralelamente, continua a investigação para determinar a responsabilidade exata do capitão do navio, Francesco Schettino, no acidente. Pouco antes de ser detido após o naufrágio, o capitão teria se reunido em seu hotel com uma “elegante loira” a quem teria entregado seu computador pessoal. Segundo a imprensa italiana, seria uma advogada vinculada à empresa proprietária do navio, Costa Crociere, mas a companhia desmentiu “categoricamente” ter recebido “algo de Schettino” depois do acidente. Por sua vez, a rapidez do capitão no momento do acidente continua suscitando perguntas. Quando o barco gigante se chocou com um recife, o que provocou o naufrágio, estava na ponte com várias pessoas que não deveriam estar ali, segundo a imprensa, como o maitre Antonello Tievoli, que queria mostrar a ilha da qual é oriundo. O pequeno grupo teria trocado piadas, o que teria impedido o capitão de se concentrar quando o navio ia muito rápido (15 nós). Depois, quando a gravidade do acidente era evidente, Schettino teria se retirado brevemente ao seu camarote. A imprensa italiana também insistia no fato de que a saudação do barco à costa teria sido prevista e autorizada pela Costa Crociere antes da partida da embarcação de Civitavecchia, o que a companhia nega desde o início. Outro mistério é que o comissário do governo para a catástrofe, Franco Gabrielli, disse temer que a lista de desaparecidos seja maior. Gabrielli citou o caso de uma húngara, reivindicada por sua família, que estaria a bordo do navio convidada por um membro da tripulação, mas que não havia sido registrada. Para Gabrielli, “poderia haver, em teoria, uma quantidade X de pessoas a bordo do navio e que não seriam reivindicadas porque eram clandestinas”. Mas, segundo Manrico Giampedroni, que estava a cargo da segurança do “Concordia”, é “impossível”, já que “Costa é uma empresa séria”. Dos 13 corpos encontrados, apenas 8 foram identificados. Cerca de 20 pessoas ainda estão desaparecidas. http://br.noticias.yahoo.com/equipes-resgate-tentam-chegar-restaurantes-costa-concordia-132018365.html

Sobe para 16 o número de mortos no naufrágio do Costa Concordia

EFEEFE – 3 horas atrás

Roma, 24 jan (EFE).- O número de vítimas mortais do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia no dia 13 de janeiro no litoral da ilha italiana de Giglio subiu nesta terça-feira para 16, depois que os mergulhadores encontraram um novo corpo, neste caso o de uma mulher idosa. Segundo informaram à Agência Efe fontes da unidade de crise constituída para enfrentar a tragédia, o corpo foi encontrado na ponte número 3 do navio, propriedade da Costa Cruzeiros e que segue encalhado nas águas de Giglio à espera que comecem a esvaziar as 2.380 toneladas de combustível do seu interior. Enquanto isso, nesta terça-feira foi identificado o corpo de uma das sete vítimas mortais que ainda não havia sido reconhecida: trata-se da italiana Luisa Virzi, de 49 anos e que viajava no cruzeiro junto com uma amiga, Maria Grazia Trecarico, que segue desaparecida. Com esta identificação, são agora 22 desaparecidos, número que pode diminuir nas próximas horas se forem identificados os outros seis corpos encontrados nos destroços da embarcação. À medida que se perde a esperança de encontrar os desaparecidos, as autoridades italianas priorizam as tarefas de extração do combustível dos 15 tanques do cruzeiro naufragado, que põe em risco o rico ecossistema da área. O responsável da Defesa Civil italiana, Franco Gabrielli, nomeado pelo Governo de Mario Monti comissário extraordinário para a catástrofe, informou hoje que esperam começar já no próximo sábado a extração do combustível. Tudo depende do ritmo das inspeções que começaram hoje a cargo da companhia holandesa Smit Salvage, uma vez que agora o navio está estabilizado, depois que na semana passada seu movimento causou a interrupção dos trabalhos de busca de vítimas durante horas. Os mergulhadores da Smit Salvage, que trabalharão apenas de dia, realizaram hoje uma primeira inspeção, descendo cerca de 20 metros para estudar as condições do casco antes de começar a isolar o primeiro dos 15 tanques. Gabrielli detalhou que a extração do combustível será feita ininterruptamente, se as condições do mar permitirem, mas não deu detalhes sobre quanto tempo durará, algo que o ministro de Meio Ambiente da Itália, Corrado Clini, estimou há poucos dias em pelo menos duas semanas. A extração será realizada mediante uma perfuração no casco e posterior bombeamento do combustível para cisternas externas, enquanto através de uma segunda abertura o tanque será preenchido com água do mar para evitar o vazio que provocaria novos movimentos no barco. Sobre a mancha avistada ontem no litoral de Giglio, local de interesse turístico e que faz parte de um dos parques naturais mais importantes do Mar Mediterrâneo, Gabrielli explicou que é hidrocarboneto e que sua procedência está sendo analisada. Trata-se de uma mancha de cerca de 300 por 200 metros despejada na água no dia do naufrágio ou nos dias posteriores e que se depositou no fundo do mar e agora emergiu por conta das correntes marinhas. Além da emergência por possíveis vazamentos de combustível, outro dos problemas é a quantidade de lixo e objetos de todo tipo procedentes do Costa Concordia que ameaçam tanto o fundo do mar como as costas, para cujo recolhimento as autoridades pediram um plano à Costa Cruzeiros. Em relação ao capitão do Costa Concordia, Francesco Schettino, sob prisão domiciliar e acusado de abandono de navio, naufrágio e homicídio múltiplo culposo, os meios de comunicação informaram hoje que os testes toxicológicos começarão finalmente nesta quinta-feira, o que desmente as declarações de seu advogado. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/sobe-16-n%C3%BAmero-mortos-naufr%C3%A1gio-costa-concordia-165804095.html

Mulher de capitão do navio italiano está furiosa-Paris Match

ReutersReuters – 5 horas atrás
  • Foto sem data do capitão do navio Costa Concordia Francesco Schettino, divulgada em 18 de janeiro de 2012. REUTERS/StringerFoto sem data do capitão do navio Costa Concordia Francesco Schettino, divulgada …

PARIS, 24 Jan (Reuters) – A mulher do capitão acusado de encalhar o navio de cruzeiro Costa Concordia disse, em uma entrevista publicada nesta terça-feira, que estava indignada com a maneira como seu marido vinha sendo retratado na mídia. O capitão Francesco Schettino foi acusado de provocar o desastre em 13 de janeiro, no qual pelo menos 16 pessoas morreram, quando a embarcação que transportava 4.200 passageiros encalhou na costa da Itália e emborcou. “Meu marido está no centro de uma tempestade sem precedentes na mídia”, disse sua esposa, Fabiola Rossi, à revista francesa Paris Match. “Não consigo pensar em nenhuma outra tragédia naval ou aérea em que a parte responsável tenha sido tratada com tanta violência… Essa é uma caçada humana, as pessoas estão atrás de um bode expiatório, de um monstro.” Schettino -que foi acusado de homicídio, de provocar o naufrágio e de abandonar o navio- vem sendo descrito como um covarde pelos jornais italianos, depois de uma gravação de sua conversa com um agente da guarda costeira durante o desastre que vazou para a imprensa e circulou na Internet. Questionada se tinha raiva do tratamento dado a ele, ela disse: “você não teria?” Ele é “alguém determinado, firme e lúcido. Ele é capaz de analisar situações, de entendê-las e administrá-las. Em casa ele é organizado e meticuloso, ele é amigável e uma pessoa alegre, que ganha a estima das pessoas”, acrescentou Fabiola em uma versão da entrevista publicada no site do Paris Match. Na gravação com a guarda costeira, Schettino parece confuso e fora de controle enquanto recebe a ordem de voltar para o navio e é ameaçado de prisão. O advogado de Schettino, que diz que seu cliente admite responsabilidade parcial pelo desastre, está tentando ampliar a investigação para incluir uma terceira parte com quem ele esteve em contato, os proprietários do navio, Costa Cruises. A empresa, uma unidade do Carnival Corp, a maior operadora de navios de cruzeiro do mundo, suspendeu Schettino e se declarou parte lesada no caso. Disse que “um erro humano infeliz” cometido por Schettino provocou o desastre. (Reportagem de Nicholas Vinocur) Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/mulher-capit%C3%A3o-navio-italiano-est%C3%A1-furiosa-paris-match-151508201.html

Cheiro de decomposição dentro do Costa Concordia dificulta buscas

Agência O GloboPor Com agências internacionais | Agência O Globo – 22 horas atrás

MADRI – Mergulhadores que trabalham no resgate dos desaparecidos no naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, na Itália, disseram nesta segunda-feira que o ar dentro do navio é “irrespirável”. Ainda com 17 pessoas na listas dos desaparecidos, os agentes descrevem o cheiro de decomposição no interior da embarcação como “insuportável”. – Imagine a cena de você chegando de férias e descobrindo que a geladeira desligou sozinha. Os mergulhadores estão trabalhando nessas condições – disse Enio Aquilino, chefe dos bombeiros que participam das buscas, em entrevista ao tabloide britânico “Daily Mail”. Nesta segunda-feira, mais dois corpos foram recuperados pelas equipes, aumentando o número de mortos para 15. Uma das vítimas achadas hoje foi identificada como Maria D’Introno, uma mulher de 30 anos que estava comemorando a lua de mel com seu marido no cruzeiro. Segundo parentes, Maria não sabia nadar e tinha pânico de água, por isso teria desistido de fugir com o companheiro do navio. Apesar das difíceis condições de trabalho dos mergulhadores, autoridades responsáveis pelas operações de busca afirmam que as chances do navio se movimentar são poucas, o que deve diminuir a possibilidade de um vazamento de óleo na região. Franco Gabrielli, responsável pelo planejamento dos resgates, disse em entrevista coletiva nesta segunda-feira que as buscas e a remoção de combustível do cruzeiro podem continuar sendo executados ao mesmo tempo. – Conversei com especialistas, e resolvemos que as buscas podem continuar enquanro fazemos a retirada do combustível. A operação vai durar o maior tempo possível e se há corpos entre o navio e o fundo do mar, estes só serão recuperados quando o navio for desembocado – ressaltou. Cerca de 2.200 toneladas de combustível pesado que ainda estão a bordo do cruzeiro. Ambientalistas temem que um vazamento cause um desastre ambiental na região, que é frequentada por turistas e mergulhadores em busca de corais. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/cheiro-decomposi%C3%A7%C3%A3o-dentro-costa-concordia-dificulta-buscas-222315246.html

Chega ao Peru corpo do tripulante morto em naufrágio na Itália

EFEEFE – seg, 23 de jan de 2012

Lima, 22 jan (EFE).- O caixão com o corpo do tripulante peruano morto no naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, Tomás Costilla, chegou neste domingo a Lima acompanhado por parentes para sua sepultura em sua cidade natal de Trujillo. O corpo de Costilla, de 50 anos, chegou em um voo da companhia aérea KLM ao aeroporto Jorge Chávez, onde permanecerão em uma câmara especial até esta segunda-feira quando será levado por via aérea à cidade de Trujillo, informaram à Agência Efe fontes da Chancelaria no terminal aéreo. O chefe do escritório de Comunidades Peruanas no Estrangeiro, Gabriel Pacheco, recebeu a irmã de Costilla, Madeleine Costilla, e seu marido, Ángel Campos, que viajaram para a Itália para acompanhar a repatriação do corpo. Costilla estava há 17 anos trabalhando para a empresa de cruzeiros e era supervisor de limpeza quando ocorreu o naufrágio no último dia 13 nas águas da ilha de Giglio, Itália. Segundo se informou no aeroporto, os familiares têm que terminar os trâmites na alfândega para poder levar o caixão para Trujillo, onde será sepultado esta semana. Com o último corpo encontrado neste domingo pelas equipes de resgate, subiu para 13 o número de mortos na tragédia do Costa Concordia, enquanto 20 pessoas continuam oficialmente desaparecidas, entre elas a peruana Erika Soria, de 26 anos, que trabalhava como camareira. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/chega-ao-peru-corpo-tripulante-morto-naufr%C3%A1gio-it%C3%A1lia-024413346.html

Mergulhadores encontram suposto pedaço do Costa Concordia

Atualizado em  24 de janeiro, 2012 – 11:32 (Brasília) 13:32 GMT
BBCGuarda Costeira encontra enorme peça de metal no fundo do mar (foto: BBC)

Mergulhadores encontraram o que parece ser um pedaço do navio Costa Concordia, que naufragou na Itália. Nas imagens em vídeo feitas pela Guarda Costeira italiana, é possível ver uma enorme peça de metal junto às pedras no fundo do mar. Os trabalhos de bombeamento do combustível do navio começaram nesta terça-feira. No total, 500 mil galões de óleo devem ser retirados da embarcação, que encalhou perto da ilha de Giglio no último dia 13. Com a descoberta de mais um corpo nesta terça-feira, o número de mortos no acidente com o Costa Concordia subiu para 16. Outras 16 pessoas continuam desaparecidas. Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/videos_e_fotos/2012/01/120124_video_navio_pedaco_novo_rp.shtml

Autoridades italianas divulgam nacionalidade de desaparecidos do Costa Concordia

Atualizado em  17 de janeiro, 2012 – 11:21 (Brasília) 13:21 GMT

Autoridades da Itália divulgaram as nacionalidades dos 25 passageiros e quatro tripulantes desaparecidos no naufrágio do navio Costa Concordia. Os desaparecidos são 14 alemães, seis italianos, quatro franceses, dois americanos, uma pessoa do Peru, uma da Hungria e uma da Índia. O Costa Concordia naufragou na costa italiana na noite de sexta-feira, com mais de 4.200 pessoas a bordo, incluindo cerca de mil tripulantes. Até a manhã desta terça-feira, seis corpos já haviam sido resgatados e 29 pessoas ainda estavam desaparecidas. As equipes de mergulhadores estão ajudando na missão de resgate, mas o mau tempo atrapalha as operações e movimenta o navio na água. Alguns mergulhadores descreveram a situação dentro do Costa Concordia como desastrosa, com corredores tomados por móveis e objetos. Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/ultimas_noticias/2012/01/120117_costa_concordia_nacionalidades_rn.shtml

Reiniciadas as buscas no interior do “Costa Concórdia”

AFPPor Filippo Monteforte | AFP – 1 hora 23 minutos atrás
25/01/2012

Conteúdo relacionado

  • Técnicos e resgatistas trabalham no navio naufragadoTécnicos e resgatistas trabalham no navio naufragado

As equipes de socorro reiniciaram as buscas o interior do cruzeiro “Costa Concórdia” depois de uma interrupção das operações por causa do maul tempo, anunciaram as autoridades. As buscas foram retomadas tanto na superfície como na parte submersa do navio, informou Francesca Maffini, a porta-voz do Franco Gabrielli, o funcionário do governo italiano nomeaedo para coordenar toda a complexa operação de resgate. Na véspera, foram iniciadas as operações preliminares para bombear o combustível que ameaça contaminar a ilha italiana de Giglio. A equipe técnica da empresa holandesa Smit Salvage, encarregada do bombeamento do combustível, quer estudar todas as possibilidades para extrair de maneira segura as 2.400 toneladas de combustível de dentro dos 23 tanques do navio. Na segunda-feira à tarde, uma mancha de óleo de cerca de 200 metros por 300 surgiu não muito longe do navio e os especialistas em meio ambiente acreditam que tenha emergido após o naufrágio, trazida pelas correntes marítimas. Na terça, um barco especial do Ministério do Meio Ambiente lançou boias absorventes em torno da mancha, composta por detergentes e óleo de cozinha e de motor. Nesse meio tempo, os mergulhadores militares abriram um novo buraco no casco do barco, a cerca de 20 metros de profundidade, e localizaram o 16º corpo na ponte número 3, onde ficava grande parte dos botes salva-vidas. No total 16 pessoas permanecem desaparecidas. O promotor geral da região considerou nesta terça que a justiça não deve limitar a sua investigação ao capitão Francesco Schettino, e sim se concentrar também nas eventuais responsabilidades da empresa proprietária do transatlântico, a Costa Crociere. Schettino e seu imediato a bordo, Ciro Ambrosio, são por enquanto as únicas pessoas acusadas do naufrágio. Foram acusados por homicídios múltiplos, naufrágio e abandono de navio, mas não foram indiciados formalmente. O comandante do navio é mantido em prisão domiciliar. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/reiniciadas-buscas-interior-costa-conc%C3%B3rdia-105734646.html

LE  COSTA  CONCORDIA

AUGE BRUTE 112 000 TONNES LONGUEUR  290 METRES LARGEUR  36 METRES PASSAGERS  3780 EQUIPAGE  1110 CONSTRUCTION  2006 PONTS  17
LA MORT D’ UN GEANTVendredi 13 janvier 2012  à  20h45  le Concordia a heurté un Rocher près de l’ ile du Giglio.
Cliquez ici pour voir les photos du géant

Passageiros do “Costa Concórdia” receberão indenização de 11.000 euros cada um

AFPPor – | AFP – 39 minutos atrás
27/01/2012

Conteúdo relacionado

  • Os náufragos que ficaram feridos e as famílias dos passageiros que morreram não farão parte deste acordoOs náufragos que ficaram feridos e as famílias dos passageiros que morreram não farão …
Os sobreviventes do cruzeiro “Costa Concórdia”, que naufragou em 13 de janeiro passado diante da Ilha de Giglio, receberão cada um uma indenização de 11.000 euros mais os gastos, indicou nesta sexta-feira uma associação italiana de consumidores. “O acordo diz respeito a 3.000 passageiros de 60 países, entre eles 900 italianos. Estimamos que 85% deles vão aderir ao acordo”, afirmou um comunicado da ADOC, uma organização italiana de consumidores que integra o “Comitê de Náufragos do Concórdia”, negociador do acordo com a empresa Costa Crociere. Além da indenização de 11.000 euros por passageiros, incluindo as crianças que viajavam de graça, o acordo prevê o reembolso de 3.000 euros por pessoa para cobrir o preço da passagem do cruzeiro e os evejtuais gastos de transporte ou médicos. Os náufragos que ficaram feridos e as famílias dos passageiros que morreram não farão parte deste acordo, enfatizou a associação. Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/passageiros-costa-conc%C3%B3rdia-receber%C3%A3o-indeniza%C3%A7%C3%A3o-11-000-euros-100006401.html
27.01.2012 – 08h16 Costa Cruzeiros pagará US$ 18,4 mil a passageiros do Costa Concordia

Costa Cruzeiros pagará US$ 18,4 mil a cada passageiro do Costa Concordia

EFE

Roma, 27 jan (EFE).- A companhia Costa Cruzeiros pagará 14 mil euros (US$ 18.400) a cada passageiro, incluindo crianças, que viajavam no Costa Concordia, o cruzeiro que naufragou dia 13 de janeiro na ilha italiana de Giglio.O pagamento será de 11 mil euros (US$ 14.400) de ressarcimento, mais outros 3 mil euros (US$ 4 mil) para cobrir as despesas.Este é o acordo feito pela empresa italiana e o Comitê de Náufragos do Costa Concordia, formado entre outros por várias associações italianas de consumidores, segundo um comunicado conjunto.Para aqueles que sofreram danos físicos ou no caso das vítimas serão realizadas negociações individuais, diz a nota.”É um acordo histórico, que põe o ponto final em um episódio dramático. Uma ação resolvida fora dos tribunais e que dá um ressarcimento também pelo estresse sofrido e por férias completamente estragadas”, explicou em uma nota o presidente da Associação de Defesa e a Orientação dos Consumidores (ADOC), Carlo Pileri.Pileri afirmou que foram levados em consideração o código de turismo italiano e outras normativas internacionais, já que no cruzeiro naufragado havia passageiros de várias nacionalidades.A Costa Cruzeiros divulgará este acordo em vários idiomas para que todos os passageiros possam aderir, acrescenta a nota.A companhia se compromete a liquidar o ressarcimento uma semana depois que o passageiro aceitar a oferta e lembra que, por exemplo, um casal com duas crianças receberá 50 mil euros: 44 mil de compensação pelo acidente e cerca de 6 mil pelo valor que foi pago no cruzeiro. A Costa Cruzeiros emitiu um comunicado no qual desmente algumas informações transmitidas nos últimos dias sobre o oferecimento de descontos para viajar em novos cruzeiros aos passageiros envolvidos no naufrágio do Costa Concordia. Já a Associação de Consumidores italiana Codacons convidou os passageiros a não aceitar esta oferta que considerou como uma “esmola”. A Codacons anunciou em seu site que começará de Miami com a colaboração de dois escritórios americanos uma ação legal coletiva para pedir a Costa Cruzeiros uma indenização de 125 mil euros para cada passageiro. “Trata-se de um acidente de gravidade inédita e todos os que estavam a bordo do navio têm o direito não apenas de serem ressarcidos pelos danos materiais ou físicos, mas também os morais, como o medo e o terror que sofreram”, explica o presidente de Codacons, Carlo Rienzi. O cruzeiro Costa Concordia, no qual viajavam 4.229 pessoas, sendo 3.209 passageiros, encalhou na frente da ilha de Giglio, no mar Tirreno, na noite de 13 de janeiro. Os mortos do naufrágio são por enquanto 16, entre eles um espanhol e um peruano, e continua a busca por 22 pessoas que estão desaparecidas. A empresa admitiu que o naufrágio aconteceu depois que o capitão do cruzeiro, Francesco Schettino, atualmente em prisão domiciliar, decidiu sem autorização se aproximar do litoral da ilha e nesta manobra colidiu contra um empecilho que provocou a ruptura do casco do navio.

27 / 01 / 2012Ilha de Giglio já sofre com a poluição causada pelo naufrágio do cruzeiro

A pequena ilha italiana de Giglio já começou a ser poluída por resíduos dos destroços do cruzeiro Costa Concórdia, naufragado no dia 13 de janeiro. O acidente deixou ao menos 16 mortos e 16 desaparecidos. O instituto de proteção ambiental da Toscana relevou que já existe uma concentração de 2 a 3 mg/l de surfactante (uma substância presente em detergentes) na água do mar. Normalmente esta presença é nula. Este paraíso marinho está agora com um nível de surfactantes parecido ao de portos industriais, como Marghera, perto de Veneza. “A situação ainda é controlável, mas perigosa para uma área que vive do turismo e da pesca”, explicou à France Presse Gaetano Benedetto, porta-voz do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) da Itália. Segundo ele, trata-se de uma “poluição concentrada e pontual”. “Não podemos nos alarmar, mas precisamos prestar atenção”, disse. O que preocupa é o destino dos poluentes que envenenam: “fluido da bateria, retardadores de chama altamente poluentes, solventes, óleos…” “Não dispomos de nenhuma avaliação precisa”, lamentou e questionou: “qual é o tempo necessário para retirar o navio naufragado?”. O investigador responsável pelo caso, Franco Gabrielli, lembrou na quarta-feira que, apesar de sua demanda, a companhia proprietária do navio ainda não apresentou um plano de recuperação de resíduos. Contudo, o PDG da Costa Cruzeiros, Per Luigi Foschi, caracterizou de “tarefa monumental a retirada do navio naufragado e um trabalho de grande complexidade”. Além disso, o bombeamento de combustível dos reservatórios ainda não começou. “Se vazar para o mar estas 2.380 toneladas de combustível denso e viscoso poderá causar um impacto não apenas em Giglio, mas em todo o arquipélago da Toscana (onde estão 7 ilhas) e em toda a região costeira”, alerta Angelo Gentili, da Legambiente, uma das principais associações italianas de defesa do meio ambiente. “Os melhores especialistas mundiais estão aqui, mas existe a possibilidade de uma piora nas condições meteorológicas e de incidentes que podem impedir a recuperação total do combustível durante o bombeamento, que deve começar no sábado”, afirmou. Benedetto, contudo, afirma que neste domínio, “a técnica utilizada já foi experimentada: medidas de segurança foram testadas, o bombeamento pode ser interrompido caso o tempo piore… Portanto, este é um método de gestão comprovado”. Este processo terá um tempo limitado, deve durar apenas de “20 a 30 dias”, por causa dos vários perigos, acrescentou. “A ilha de Giglio possui um ecossistema marinho e terrestre único”, observou. “Na fase atual, não há um risco para a saúde, mas para o turismo: em caso de vazamento no mar, haverá um forte impacto negativo.” (Fonte: G1)

Costa Cruzeiros pagará R$ 32,2 mil a passageiros do Costa Concordia

EFE

Roma, 27 jan (EFE).- A companhia Costa Cruzeiros pagará 14 mil euros (R$ 32,2 mil) a cada passageiro, incluindo crianças, que viajavam no Costa Concordia, o cruzeiro que naufragou dia 13 de janeiro na ilha italiana de Giglio. O pagamento será de 11 mil euros (R$ 25,3 mil) de ressarcimento, mais outros 3 mil euros (R$ 6,9 mil) para cobrir as despesas. Este é o acordo feito pela empresa italiana e o Comitê de Náufragos do Costa Concordia, formado entre outros por várias associações italianas de consumidores, segundo um comunicado conjunto. Para aqueles que sofreram danos físicos ou no caso das vítimas serão realizadas negociações individuais, diz a nota. “É um acordo histórico, que põe o ponto final em um episódio dramático. Uma ação resolvida fora dos tribunais e que dá um ressarcimento também pelo estresse sofrido e por férias completamente estragadas”, explicou em uma nota o presidente da Associação de Defesa e a Orientação dos Consumidores (ADOC), Carlo Pileri. Pileri afirmou que foram levados em consideração o código de turismo italiano e outras normativas internacionais, já que no cruzeiro naufragado havia passageiros de várias nacionalidades. A Costa Cruzeiros divulgará este acordo em vários idiomas para que todos os passageiros possam aderir, acrescenta a nota. A companhia se compromete a liquidar o ressarcimento uma semana depois que o passageiro aceitar a oferta e lembra que, por exemplo, um casal com duas crianças receberá 50 mil euros: 44 mil de compensação pelo acidente e cerca de 6 mil pelo valor que foi pago no cruzeiro. A Costa Cruzeiros emitiu um comunicado no qual desmente algumas informações transmitidas nos últimos dias sobre o oferecimento de descontos para viajar em novos cruzeiros aos passageiros envolvidos no naufrágio do Costa Concordia. Já a Associação de Consumidores italiana Codacons convidou os passageiros a não aceitar esta oferta que considerou como uma “esmola”. A Codacons anunciou em seu site que começará de Miami com a colaboração de dois escritórios americanos uma ação legal coletiva para pedir a Costa Cruzeiros uma indenização de 125 mil euros para cada passageiro. “Trata-se de um acidente de gravidade inédita e todos os que estavam a bordo do navio têm o direito não apenas de serem ressarcidos pelos danos materiais ou físicos, mas também os morais, como o medo e o terror que sofreram”, explica o presidente de Codacons, Carlo Rienzi. O cruzeiro Costa Concordia, no qual viajavam 4.229 pessoas, sendo 3.209 passageiros, encalhou na frente da ilha de Giglio, no mar Tirreno, na noite de 13 de janeiro. Os mortos do naufrágio são por enquanto 16, entre eles um espanhol e um peruano, e continua a busca por 22 pessoas que estão desaparecidas. A empresa admitiu que o naufrágio aconteceu depois que o capitão do cruzeiro, Francesco Schettino, atualmente em prisão domiciliar, decidiu sem autorização se aproximar do litoral da ilha e nesta manobra colidiu contra um empecilho que provocou a ruptura do casco do navio. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/costa-cruzeiros-pagar%C3%A1-us-18-4-mil-passageiros-101404927.html
28.01.2012 – 10h23 > Atualizada 28.01.2012 – 10h49 Equipe encontra 17º corpo de navio na Itália; extração de combustível é suspensa
Do UOL, em São Paulo

Naufrágio na Itália deixa mortos

Foto 131 de 142 – Bombeiros se aproximam do navio Costa Concordia, que naufragou em 13 de janeiro, perto da ilha de Giglio, na Itália. A companhia Costa Cruzeiros pagará 14 mil euros a cada passageiro do navio Mais Pier Paolo Cito/AP

Equipes de resgate encontraram neste sábado (28) o corpo da 17ª vítima do naufrágio do navio Costa Concórdia, na costa italiana. De acordo com as agências de notícias, o corpo é de uma mulher. O corpo foi encontrado sem colete salva-vidas, na parte submersa da ponte número 6 do navio, conforme relatado pelo porta-voz do corpo de bombeiros de Luca Cari. Segundo dados da Proteção Civil italiana, ainda faltam encontrar 16 passageiros desaparecidos e — com o corpo encontrado hoje –, três ainda não foram identificados. Mergulhadores continuam as buscas, apesar do mau tempo no local atrapalhar o trabalho. A embarcação colapsou no último dia 13 de janeiro, próximo a ilha de Giglio.

Extração do combustível suspensa

A ondulação intensa tem obrigado a frequente suspensão mometânea do trabalho de extração das 2.300 toneladas de combustível que estão nos tanques do barco, que é propriedade da empresa Costa Cruzeiros e continua encalhado. As operações preliminares para extrair o combustível foram suspensas neste sábado (28). A decisão foi adotada pelos técnicos das empresas holandesa e italiana que instalam válvulas de segurança nos buracos feitos no casco do navio, na altura dos tanques de combustível, por considerarem que o mar está agitado demais e que isso seria um risco para as operações. As operações de bombeamento deveriam ter começado hoje, mas estão adiadas para domingo (29). Por outro lado, a Defesa Civil indicou que a busca pelo desaparecidos foi mantida. *Com informações das agências de notícias. Fonte: http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/01/28/numero-de-mortos-em-naufragio-de-cruzeiro-na-italia-chega-a-17.htm

Retirada do Costa Concordia do litoral levará de 7 a 10 meses

EFEEFE – 5 horas atrás

Roma, 29 jan (EFE).- O responsável pela Defesa Civil italiana, Franco Gabrielli, estimou neste domingo que serão necessários de sete a dez meses para retirar o cruzeiro Costa Concordia da frente da ilha italiana de Giglio, na Toscana. A embarcação bateu contra rochedos e adernou em 13 de janeiro. A companhia holandesa Smit, que recuperou o submarino nuclear russo “Kursk” que foi a pique em agosto de 2000, é a encarregada de extrair o combustível do transatlântico e remover a embarcação do litoral. Gabrielli explicou que levará dois meses para avaliar o que fazer com o cruzeiro, se será possível desmanchá-lo em frente à ilha de Giglio ou rebocá-lo inteiro para local mais seguro. Depois dessa análise, trabalha-se com a estimativa de sete a dez meses para a operação de retirada. Sobre a movimentação do navio, que neste domingo ficou evidente, Gabrielli explicou que é normal, principalmente por causa da força do vento e das ondas, mas que todos os movimentos estão sendo monitorados. Segundo ele, a prioridade até então era a de “salvar vidas”, mas que agora se trata de “evitar uma emergência ambiental”. Neste domingo, o mau tempo obrigou a suspender as tarefas de busca das 15 pessoas que ainda estão desaparecidas após o naufrágio. Os técnicos calcularam que nas últimas 6h o casco se movimentou 3,5 centímetros. Nos dias anteriores, o navio deslizou de 2 a 3 milímetros a cada hora. No sábado, o número de mortos do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia subiu para 17, depois da localização do corpo da tripulante peruana Erika Soria Molina, de 26 anos. Também pelo mau tempo está suspensa a operação de preparação para a extração das 2,3 mil toneladas de combustível presente nos tanques do cruzeiro. O porta-voz italiano da companhia holandesa Smit, Massimiliano Igueira, relatou no sábado em entrevista coletiva na ilha de Giglio que “as operações de extração do combustível não serão retomadas antes do meio da semana devido às condições meteorológicas ruins. EFE ccg/dm Fonte:  http://br.noticias.yahoo.com/retirada-costa-concordia-litoral-levar%C3%A1-7-10-meses-171607627.html

Foto submarina liberada pela Guarda Costeira italiana mostra uma parte do Costa Concordia submersa
AFP qua, 18 de jan de 2012
Foto submarina liberada pela Guarda Costeira italiana mostra uma parte do Costa Concordia submersa

30 / 01 / 2012Costa Concordia: “danos ambientais podem ser irreparáveis”, diz biólogo

Conhecido por suas águas cristalinas e pela diversidade da vida marinha e dos corais, a região próxima à ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana, vive momentos de aflição. Além das perdas humanas já registradas, o meio ambiente local já sofre impacto pelo naufrágio do Costa Concordia, no último dia 13. As consequências ainda não podem ser medidas e talvez levem anos para serem constatadas. Mas o ecossistema corre o risco de ser alterado gravemente. Para além da emergência de possíveis vazamentos de combustível, os materiais contaminantes e a quantidade de lixo e entulhos do cruzeiro ameaçam a sobrevivência das espécies marinhas e de outros animais que dependem destes. A contaminação que já existe no local, que ainda não foi mensurada, pode ter efeito cumulativo na cadeia alimentar da região, fazendo com que a destruição de uma única espécie cause desequilíbrio na natureza, atingindo predadores, que ficariam sem alimento, e habituais presas que, sem o inimigo natural, se reproduziram em maior número. Para o diretor do Programa Marinho da Conservação Internacional (CI) no Brasil, Guilherme Dutra, os corais estão entre os organismos mais sensíveis aos impactos ambientais. Segundo ele, é difícil avaliar o tamanho do dano ambiental causado pelo Costa Concordia porque há vários fatores que são determinantes para a análise, como a quantidade de poluentes que estavam no navio, o movimento das correntes marítimas e a velocidade dos ventos. No fundo do mar (que neste caso é raso), os efeitos do acidente são imediatos. O biólogo e instrutor de mergulhos em naufrágios Maurício Carvalho explica que há dois tipos de fauna marinha: a bentônica (organismos que vivem no fundo) e a composta pelo plâncton (os que ficam à deriva dos movimentos oceânicos) e pelo nécton (aqueles com capacidade natatória). “Quando ocorre um naufrágio, os primeiros afetados são os seres vivos bentônicos, pois seu habitat é imediatamente destruído. Os demais seres também são prejudicados, especialmente em função dos componentes contaminantes que estão no navio (como a tinta do casco, os óleos lubrificantes e de refrigeração das máquinas e motores e o material de revestimento da embarcação)”, aponta. Com o habitat modificado, há possibilidade de desaparecimento de espécies. “Apesar de se falar bastante na preocupação com o combustível do navio, a própria construção possui elementos que causam impactos ambientais, como o chumbo e o cobre da estrutura”, alerta. Embora o governo italiano esteja tomando cuidados para minimizar os estragos alguns danos podem não ser recuperados totalmente. “Se o impacto for crítico, o tempo de recuperação é lento. Algumas colônias de corais, por exemplo, demoram centenas de anos para se recuperar”, esclarece Dutra. Devido ao combustível ser um óleo pesado, o resultado de um vazamento pode equivaler a um derramamento de petróleo. “Mas a mancha de óleo diesel, como passa por tratamento, tem um efeito de toxidade ainda maior que o óleo cru”, ressalta Dutra. Parte do óleo que entra em contato com o mar chega ao fundo e pode causar a mortandade da base da vida marinha; a outra, flutuante, acaba alastrando-se por quilômetros de distância, conforme as condições do mar e do tempo. “As barreiras de contenção são importantes para que o óleo superficial não se espalhe, porém, para funcionar, o mar precisa estar tranquilo. Com a movimentação das ondas, o efeito das barreiras fica comprometido”, assinala Dutra. Carvalho cita o caso do impacto ambiental causado na costa do Alasca, que continua a apresentar problemas ambientais resultantes dos resíduos do derrame de um navio petroleiro em 1989. A recuperação é lenta e, mesmo assim, não é totalmente garantida. Remoção do combustível – Segundo informações das agências internacionais, a extração do combustível pesado dos 15 tanques (equivalente a 2,3 t) do cruzeiro naufragado, que põe em risco o ecossistema da área, prejudicando a fauna e flora marinha e comprometendo o restante da cadeia alimentar que vive ou passa pelo local, será feita mediante perfuração no casco e posterior bombeamento do líquido para cisternas externas, enquanto através de uma segunda abertura o tanque será preenchido com água do mar para evitar o vazio que provocaria novos movimentos no barco. A preocupação é maior neste momento com o combustível em função da quantidade (os tanques estavam cheios quando ocorreu o naufrágio) e o consequente potencial de desastre. A embarcação de 290 m de comprimento permanece sobre um banco de rochas submarinas, mas as equipes de resgate temem que ela deslize e caia de forma abrupta em águas muito mais profundas. Uma mancha de 300 m por 200 m de hidrocarboneto já é vista no litoral de Giglio. Apesar de não haver confirmação se ela é decorrente do vazamento de combustível, materiais de contenção já estão sendo utilizados ao redor do cruzeiro. Esta é uma maneira de mitigar que os impactos sejam ainda maiores. “Por mais que a remoção do combustível ocorra dentro do previsto, a fauna e flora do local já sofrem com o contato de contaminantes. A retirada busca minimizar os danos já que o volume de combustível do Costa Concordia é muito grande e, sem a remoção, o perigo de o desastre ser maior aumenta”, destaca Carvalho. Naufrágio do Costa Concordia – O cruzeiro Costa Concordia naufragou na sexta-feira, dia 13 de janeiro, após colidir em uma rocha nas proximidades da ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana. Mais de 4,2 mil pessoas estavam a bordo. Até terça, dia 24, 16 mortes haviam sido confirmadas. Ainda há desaparecidos, e prosseguem os trabalhos de busca. O Itamaraty informou que 57 brasileiros estavam a bordo do navio, mas nenhum deles está entre as pessoas não encontradas. O navio, que tem 290 metros de comprimento e 114,5 mil toneladas, margeava a ilha de Giglio quando houve a colisão. Houve pânico e reclamações de despreparo da tripulação. O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, foi acusado de ter abandonado o navio. Ele disse que estava no comando, mas um áudio divulgado para a imprensa, em que há uma discussão entre ele e a Guarda Costeira, indica que o capitão já estava na costa no momento do resgate. (Fonte: Portal Terra)

Busca por corpos na parte submersa do “Costa Concordia” é suspensa

EFEEFE – 6 horas atrás   31/01/2012

Roma, 31 jan (EFE).- Os responsáveis pelos trabalhos de resgate das pessoas desaparecidas após o acidente do cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na ilha italiana do Giglio no dia 13 de janeiro, decidiram suspender de forma definitiva as atividades de busca na parte submersa do navio. Segundo informou nesta terça-feira a Defesa Civil italiana, o diretor técnico encarregado pelo resgate “formalizou a decisão de interromper a busca na parte submersa da embarcação”. Os responsáveis pelo resgate chegaram a conclusão de que não existem mais condições de segurança necessárias para seguir com as buscas. A decisão será transmitida para o comitê criado para enfrentar a emergência, que tomará as medidas definitivas sobre o assunto. A busca pelos 15 corpos que ainda estão desaparecidos continuará apenas na parte do cruzeiro que permanece fora da água, assim como numa área de 18 quilômetros quadrados ao redor da embarcação. O número de mortos até o momento na tragédia é de 17 pessoas. No sábado, as equipes de busca localizaram o corpo da peruana Erika Soria Molina, de 26 anos, que trabalhava como garçonete no cruzeiro. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/busca-corpos-parte-submersa-costa-concordia-%C3%A9-suspensa-133010691.html

Itália põe fim às buscas por corpos na parte imersa do Concordia

AFPPor Filippo Monteforte | AFP – 2 horas 27 minutos atrás 31/01/2012

Conteúdo relacionado

  • As equipes de reiniciarão a exploração de algumas partes do casco que estão fora da água eem busca de eventuais corpos As equipes de reiniciarão a exploração de algumas partes do casco que estão fora …
As buscas por corpos dos desaparecidos no naufrágio do Costa Concordia na parte imersa do navio, que naufragou no dia 13 de janeiro na ilha de Giglio (Toscana), foram definitivamente suspensas nesta terça-feira em razão dos riscos para a segurança dos mergulhadores, anunciou a Defesa Civil. Uma porta-voz da Defesa Civil indicou que o 17º corpo encontrado, mas ainda não identificado, é “muito provavelmente o de uma alemã nascida em 1945”. Mas a identificação “não foi completamente concluída nem oficializada”, indicou a porta-voz à AFP. Em relação aos corpos dos outros 15 desaparecidos, a Defesa Civil ressaltou em um comunicado ter informado às famílias e às embaixadas envolvidas “a decisão de interromper as buscas na parte imersa do navio”. “As condições de segurança não estão certamente reunidas para que os socorristas possam manter suas atividades de buscas em todas as zonas imersas”, acrescentou. Contudo, “as operações continuarão na parte do Concordia que está fora da água” e em toda a área em torno do naufrágio em busca de eventuais corpos para retirá-los do mar, afirmou. A decisão foi tomada pelo diretor técnico das equipes de resgate, o chefe dos bombeiros de Grosseto (Toscana), Ennio Aquilino, em acordo com as outras autoridades e depois de ter recebido informações sobre as deformidades no casco do navio, onde foram abertos buracos recentemente. A preocupação dos operadores está relacionada principalmente ao fato de os mergulhadores não poderem sair das aberturas que dão acesso a pontes imersas a 20 metros de profundidade. O Concordia se chocou com uma rocha perto da ilha italiana de Giglio e naufragou no dia 13 de janeiro com mais de 3.200 turistas de 60 países diferentes a bordo e mil membros da tripulação de 40 nacionalidades, a cerca de trinta metros da praia. O registro da tragédia foi estabelecido em 32 mortos pelo prefeito Franco Gabrielli, comissário especial encarregado do naufrágio, sendo que 17 foram encontrados. Enquanto isso, uma nova embarcação está a caminho da ilha para recolher os materiais poluentes que vazaram do Concordia. O presidente da Costa, empresa proprietária do Concordia, Pierluigi Foschi, assegurou diante de uma comissão do Senado que “as operações de bombeamento serão iniciadas fisicamente dentro de 24 horas”, com a instalação final de bombas que devem servir para aspirar as 2.380 toneladas de combustível que ainda estão nos reservatórios do transatlântico. Sobre a retirada do navio, o diretor de Assuntos Marítimos da Toscana, almirante Ilarione Dell’Anna, afirmou nesta terça que “não sabe o prazo mínimo nem máximo”. “Não estou preocupado, estou calmo”, indicando que o prefeito Gabrielli falou de 7 a 10 meses.

Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/it%C3%A1lia-encerra-busca-desaparecidos-costa-concordia-142525673.html

Mar agitado deteriora restos do Costa Concordia e dificulta buscas

AFP

ROMA, 1 Fev 2012 (AFP) -O mar agitado desta quarta-feira arrancou uma série de janelas dos destroços do navio de cruzeiro Costa Concordia e forçou a suspensão de todas as atividades ao redor do navio encalhado na ilha

Naufrágio na Itália deixa mortos

Foto 164 de 165 – 1º.fev.2012 – Mergulhadores inspecionam o navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na ilha Giglio, na Itália. A imagem foi feita a partir de vídeo do Corpo de Bombeiros. Mar agitado e ventos fortes impediram as operações de resgate na manhã desta quarta-feira Mais Vigili del Fuoco/Reuters

As balsas entre Porto Santo Stefano e a ilha de Giglio também foram suspensas por causa dos ventos fortes na área, um dia depois de trabalhadores de emergência anunciar que estavam abandonando a busca por corpos devido às condições arriscadas. O clima adiou ainda mais os preparativos para o bombeamento de 2.380 toneladas de combustível pesado dos tanques do Costa Concordia, que os ambientalistas alertaram que pode vazar e arruinar a primitiva reserva natural e um santuário marinho. O vento também espalhou a barragem anti-vazamento localizada ao redor dos destroços. Acredita-se que trinta e duas pessoas morreram na tragédia do dia 13 de janeiro quando o Costa Concordia se chocou contra as pedras da ilha de Giglio e tombou, com mais de 4.200 pessoas a bordo, levando a uma evacuação tumultuada naquela noite. Equipes de resgate encontraram 17 corpos e mais 15 pessoas estão oficialmente desaparecidas, incluindo 6 alemães, 4 italianos, 2 franceses, 2 americanos e um indiano. O último corpo a ser identificado foi o da alemã Siglinde Stumpf, de 66 anos, disse o prefeito de Grosseto em uma declaração. Mergulhadores disseram que a água dentro da luxuosa embarcação parcialmente submersa estava se tornando mais turva a cada dia e que estavam tendo dificuldades para acessar as 1.500 cabines por causa dos móveis e tapetes obstruindo o labirinto de corredores. Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2012/02/01/mar-agitado-deteriora-restos-do-costa-concordia-e-dificulta-buscas.htm

Começa operação para extrair combustível do Costa Concordia

Autoridades afirmam que vai levar 28 dias consecutivos para que todos os tanques do navio naufragado na Itália sejam esvaziados

iG São Paulo | 12/02/2012 17:05
Texto:

As operações submersas de bombeamento começaram neste domingo a remover parte dos 500 mil galões de combustível do navio Costa Concordia quase um mês depois de seu naufrágio na costa da Toscana, na Itália, informaram autoridades. Assista: Vídeo amador pode ajudar investigação do naufrágio

Foto: AP
Neve cobre telhados das casas próximas à costa da ilha de Giglio, onde está naufragado navio Costa Concordia

Após cerca de duas semanas de atrasos por conta da forte movimentação das águas do mar e do mau tempo, o bombeamento teve início no primeiro dos 15 tanques que, segundo as previsões, contém 84% de todo o combustível a bordo, informou o departamento de proteção civil da Itália. Autoridades afirmam que vai levar 28 dias consecutivos para esvaziar todos os tanques. A empresa especialista Smit, da Holanda, está subervisionando a operação, junyo a outro parceiro italiano. O processo de extração do combustível evolve a aderência de válvulas nos tanques de combustível que estão submersos, uma na parte de cima, outra no fundo. Mangueiras são conectadas a essas válvulas e o combustível – que deve ser aquecido para ficar menos ‘pegajoso’ – é sugado para fora da mangueira de cima, enquanto a água do mar é bombeada pela mangueira de baixo para preencher o vácuo deixado. “Esperamos que nos próximos cinco dias o tempo esteja melhor, e vamos trabalhar 24 horas por dia para bombear o combustível”, disse Bart Huizing, da Smit. Ele disse que as operações se concentrariam nos seis tanques na parte da frente do navio, onde 62% a 65% do combustível está localizado. “Com sorte, no fim da semana, nós já teremos tirado a maioria”, disse em Giglio.

Desde que o Costa Concordia naufragou em 13 de janeiro, houve temores de um vazamento de combustível, resultando na contaminação das águas da ilha de Giglio, conhecida por ser um santuário de golfinhos e baleias. Não houve registros de vazamentos sérios. O Concordia bateu contra um recife em Giglio, depois que o capitão desviou da rota para, aparentemente, fazer uma homenagem a colegas. Passageiros afirmaram que o capitão demorou a acionar o alarme de emergência, tanto que quando todos estavam preparados, a embarcação já estava tombada, com parte dos botes inutilizáveis. Cerca de 4,2 mil passageiros e tripulantes conseguiram sobreviver, mas 17 corpos foram encontrados e outras 15 pessoas seguem desaparecidas e são dadas como mortas. O capitão, Francesco Schettino, cumpre prisão domiciliar, acusado de homicídio múltiplo, naufrágio e abandono de navio antes que todos os passageiros tivessem sido retirados. Ele disse que o recife em questão não estava marcado nas cartas náuticas. Na manhã deste domingo, durante uma homenagem às vítimas, o presidente italiano e o bispo do país pediram por justiça e que a verdade daquela noite apareça. “Deixe a luz de Deus ajudar a trazer a verdade e a justiça, deixem as feridas serem curadas e deixem a confiança e a coragem pelo futuro serem reforçadas”, disse o cardeal Angelo Bagnasco. Giorgio Napolitano, que participou da missa na igreja Santa Maria dos Anjos, disse que sentia muito que o que aconteceu “foi responsabilidade da Itália e dos italianos”. “Nós devemos continuar a investigação”, disse. “Promotores merecem respeito pelo trabalho que estão fazendo.” Com AP Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/comeca-operacao-para-extrair-combustivel-do-costa-concordia/n1597623472454.html

17.02.2012 – 11h18 Estabilidade do Costa Concordia está em perigo, diz jornal italiano

EFE

Roma, 17 fev (EFE).- A estabilidade do cruzeiro Costa Concordia, que encalhou no dia 13 de janeiro no litoral da ilha de Giglio, está em perigo porque uma das pontas das duas formações rochosas sobre as quais ele se apoia está desmoronando, com isso ele poderia cair em um abismo de 60 a 90 metros de profundidade.O jornal italiano “Il Tirreno” publica nesta sexta-feira o vídeo de um reconhecimento submarino do cruzeiro que agora precisa ser examinado por especialistas, mas já provoca grandes preocupações sobre a estabilidade da embarcação, que parece suspensa sobre o nada.O Costa Concordia naufragou no dia 13 de janeiro no mar Tirreno, com 4.229 pessoas a bordo, ao fazer uma manobra de aproximação à ilha de Giglio e esbarrar em empecilhos que abriram o casco do navio ao longo de 70 metros. No naufrágio, morreram 17 pessoas e 15 desapareceram.Após horas de confusão no comando e nos trabalhos de retirada dos passageiros, a embarcação acabou inclinada sobre duas enormes rochas no litoral da ilha de Giglio, que lhe impedem de cair em um abismo de 60 a 90 metros de profundidade e de onde são realizadas as tarefas de extração do combustível. Segundo o jornal “Il Tirreno”, o vídeo mostra que o navio esmaga uma rocha na qual se abre uma fratura. A publicação aponta que os geólogos devem dar a resposta sobre o incidente. O verdadeiro perigo é de que o Concordia vire e caia no abismo, causando uma catástrofe ambiental, que tornaria impossível continuar com a extração das 2.300 toneladas de petróleo que começou no dia 12.

Esclusivo / Concordia in pericolo, la roccia si sta spaccando

Lo scafo della nave poggia solo su due speroni, uno dei quali si sta sgretolando: le immagini della prima ricognizione subacquea che adesso dovrà essere esaminata dagli esperti ma che rilancia le grandi preoccupazioni sulla stabilità della nave – IL VIDEO ESCLUSIVO

di Natalia Andreani

Eccole le prime immagini subacquee della Costa Concordia adagiata sul lato di dritta, la prua verso il porto. E’ da qui, dalla prua del gigante semiaffondato che comincia il viaggio del rov (dall’inglese remotely operated vehicle, un robot telecamera a controllo remoto) calato in mare dai ricercatori Ispra imbarcati sulla nave Astrea.Una lunga danza riassunta in quattro minuti che mostrano i danni riportati durante l’impatto con la Secca dello Scole, la sera del 13 gennaio scorso, e il successivo naufragio con quattromila persone a bordo. La ricognizione, per capire il filmato, segue una linea che da prua va verso poppa, lungo la fiancata libera, quella che guarda il mare. Il video riporta in basso a sinistra i gradi bussola (simboleggiati dalla lettera H) seguiti dalla profondita alla quale la telecamera si sta muovendo (D), dall’ora e dalla data in cui sono avvenute le riprese. A poca distanza dal relitto compare subito quella che sembra essere un’ancora con la catena arrotolata su se stessa. Poco più in là ecco due involucri bianchi che contenevano le zattere gonfiabili gettate in mare mentre la nave si inclinava. Poi l’obbiettivo sale ed ecco apparire il gigantesco scafo della Concordia. Immagini nitide che levano il fiato. La nave appare sospesa nel blu, la chiglia completamente libera, la biscaggina che penzola sconfitta all’ingiù e non sa di essere diventata famosa. Sono 290 metri di lamiere per 140 mila tonnellate di stazza che si reggono soltanto su due speroni di roccia, come anticipato lunedì dal nostro giornale. Due speroni che la sostengono dalla prua (sottoposta a movimenti di rototrasalazione che la fanno muovere più velocemente della poppa) e dalla poppa. Il rov si avvicina allo scafo dal quale spunta un Hot Tap, uno dei dispositivi a pressione utilizzati per le operazioni di defueling, il travaso del carburante dalle cisterne della nave: 2.400 tonnellate di bunker oil IFO380 di cui è già iniziato il prelievo. L’occhio subacqueo indugia su un varco aperto dai sommozzatori e passa a ispezionare i punti di appoggio a prua. Lo scafo presenta squarci profondi. L’immagine si riallarga alla fiancata dalla quale pendono spettrali i cavi che assicuravano le scialuppe di salvataggio. La telecamera manovrata da un tecnico a bordo dell’Astrea verifica un altro punto di appoggio. Il gigante schiaccia una roccia nella quale, tra stelle marine rosso fuoco, si apre una piccola frattura. Si è prodotta sotto il peso della nave? O si si è prodotta nel momento in cui la nave ha impattato? A occhio nudo difficile dirlo. Si attendono risposte dai geologi. Molto più evidente appare la torsione dello scafo che si trova in una posizione del tutto innaturale e si starebbe deformando per effetto della forza di gravità. Il video integrale documenta altri danni e altre falle prodottesi nel violentissimo urto contro la secca delle Scole e poi nel momento in cui la nave ha scarrocciato arenandosi a poche decine di metri dall’imboccatura del porto. Poi ecco la sagoma di un’elica e il profilo della poppa. Ancora uno zoom sulla base dello sperone che la sostiene impedendole di scivolare giù. La frattura stavolta è lì da vedere: una diagonale perfetta, una spaccatura larga una ventina di centimetri che attraversa la roccia in profondità. Un evento recentissimo, ragionano gli addetti ai lavori, dal momento che ambedue le pareti della frattura appaiono assolutamente incontaminate. Di sicuro quanto basta per rilanciarei timori sulla stabilità dello scafo e delle rocce cui è aggappato. Un’incognità che rende tutto più rischioso, incerto, difficile.

17 febbraio 2012
22/02/201210h58
Corpos são encontrados nos restos de cruzeiro que naufragou na Itália

Do UOL, em São Paulo

Os corpos de “várias” pessoas, aparentemente quatro, foram encontrados nesta quarta-feira (22) na parte submersa do cruzeiro Costa Concordia, que naufragou em 13 de janeiro diante da ilha italiana de Giglio com mais de 4.000 pessoas a bordo, informaram fontes oficiais.

Naufrágio na Itália deixa mortos

Foto 46 de 189 – 16.jan.2012 – Navio Costa Concordia, que sofreu um acidente e naufragou perto da ilha de Giglio, na Toscana (Itália), na última sexta-feira (13), já está completamente tombado. Bombeiros ainda trabalham na procura de desaparecidos Mais Andreas Solaro/AFP

“Os corpos de várias vítimas foram localizados, e aparentemente são quatro. As operações para resgatá-los já foram iniciadas”, assegurou à agência de notícias AFP Francesca Maffini, porta-voz do comissário do governo designado para acompanhar o caso, no qual morreram 32 pessoas, da quais 15 estão desaparecidas. Entre os corpos encontrados, um é o da menina Dayana Arlotti, de 5 anos, que viajava no cruzeiro com seu pai. Os cadáveres foram encontrados pela equipe de bombeiros que atuam no local. Com a descoberta, cai para 11 o número de pessoas desaparecidas no desastre ocorrido em 13 de janeiro. A descoberta ocorreu durante uma atividade de busca feita após as equipes de busca serem informadas nos depoimentos dos sobreviventes sobre pontos da embarcação onde poderiam ser encontradas pessoas desaparecidas.

Veja em vídeo a cobertura sobre o naufrágio do navio na Itália – 13 vídeos

Vídeo mostra área interna do navio que naufragou na ItáliaEquipes especializadas em busca subaquática vêm trabalhando nos últimos dias procurando sobreviventes ou corpos de vítimas.
Compartilhe este vídeo:

(Com AFP e Ansa) Fonte: http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/02/22/corpos-sao-encontrados-nos-restos-de-cruzeiro-que-naufragou-na-italia.htm

Neste domingo, 26 de fevereiro, às 22h, o Discovery exibe o documentário O NAUFRÁGIO DO CONCORDIA.

Neste domingo, 26 de fevereiro, às 22h, o Discovery exibe o documentário O NAUFRÁGIO DO CONCORDIA. O especial será exibido sem intervalos e revela, por meio de registros exclusivos, pormenores da cadeia de acontecimentos que culminou na tragédia com 21 mortos e 11 desaparecidos até o momento. Os esforços da tripulação e dos passageiros na luta pela sobrevivência e os difíceis trabalhos de busca e resgate são abordados pela produção. Nas imagens exclusivas, pode-se ver que Francesco Schettino, o capitão do navio, está ao telefone, iluminado apenas por luzes de emergência, após a falha de energia. Ele parece alheio aos acontecimentos. Com o passar do tempo, podemos ouvir um oficial gritar “O que devemos fazer?” e uma outra voz exclama: “Emergência geral!”, mas a ordem para abandonar o navio não vem. Em vez disso, Schettino solicita “rebocadores” com urgência. O casco do navio foi danificado por uma rocha enquanto navegava próximo à costa da Toscana em 13 de janeiro, pouco depois de deixar o porto de Civitavecchia. Como consequência ao dano irreversível, as salas de máquinas foram inundadas e o navio emborcou, submetendo as 4.200 pessoas que estavam a bordo a uma tragédias naval de grandes proporções. O NAUFRÁGIO DO CONCORDIA é uma produção do Discovery por Darlow Smithson. Ben Bowie atuou como produtor executivo para Darlow Smithson enquanto o French Horwitz teve a mesma função por parte do Discovery. Fonte: http://www.revistamakingof.com.br/21,47251-discovery-analisa-trag%C3%A9dia-com-navio-costa-concordia.htm

COSTA ALLEGRA – MAIS UM INCIDENTE NA COSTA CRUZEIROS

09/03/201212h53
Retirada do cruzeiro Costa Concordia pode levar entre 10 e 12 meses
EFE Em Roma

A retirada dos restos do cruzeiro “Costa Concordia”, que encalhou no dia 13 de janeiro no litoral da Ilha de Giglio, no mar Tirreno, durará entre dez e 12 meses, afirmou nesta sexta-feira a empresa proprietária do navio, a Costa Cruzeiros. Das companhias que se ofereceram para fazer o trabalho, “as melhores e mais especializadas do mundo neste setor”, foram apresentados seis projetos para a retirada do cruzeiro do litoral toscano, afirmou a empresa em comunica

Naufrágio do navio Costa Concordia

Foto 98 de 200 – 19.jan.2012 – O navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na sexta-feira (13), é visto a partir do porto da ilha de Giglio, na Itália Mais Giampiero Sposito/Reuters

Os projetos preveem diversos métodos e técnicas de intervenção, mas todos os planos “têm a máxima atenção em garantir o menor impacto ambiental possível, resguardando a atividade turística e econômica da ilha de Giglio”, diz a empresa. Dada a complexidade da operação, os projetos preveem uma duração variável de 10 a 12 meses para a retirada do “Costa Concordia” das rochas da Ilha de Giglio, acrescenta o comunicado. O cruzeiro encalhou em uma formação rochosa após fazer uma manobra de aproximação à Ilha de Giglio, seu casco foi aberto ao longo de 70 metros e após uma caótica e controversa evacuação, 25 pessoas morreram e outras sete estão desaparecidas. Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2012/03/09/retirada-do-cruzeiro-costa-concordia-pode-levar-entre-10-e-12-meses.htm

Publicada em 9/3/2012 17:00:00

Costa abre licitação para remoção do Costa Concordia

A Costa Cruzeiros enviou comunicado sobre os procedimentos para remoção do Costa Concordia, naufragado em janeiro na costa da Itália. Segundo o comunicado, as empresas contratadas pela Costa para retirada do material poluente e combustível aguardam apenas condições climáticas ideais para iniciar os procedimentos. Em relação ao casco do navio, a Costa abriu concorrência entre dez empresas para traçar plano de remoção do casco completo. Leia a íntegra do comunicado: “Gênova, fevereiro de 2012 – A Costa Crociere está empenhada desde as primeiras horas do incidente com o Costa Concordia para assegurar o menor impacto ambiental possível e proteger as atividades de negócios e turismo da Ilha de Giglio. Desde o início, as providências tomadas pela companhia têm sido constantemente compartilhadas e aprovadas pelas autoridades italianas competentes, num espírito de total cooperação e transparência. Depois de contratar experts de renome internacional da empresa Smit Salvage BV para remover o combustível dos tanques do Costa Concordia e apresentar um plano para remover os materiais poluentes em potencial – que serão retirados assim que as condições climáticas permitirem acesso ao navio – a Costa Crociere também está comprometida em acelerar o plano de remoção do navio e possui consciência plena de que isso é prioritário para proteger o meio ambiente de Giglio e o turismo da região. A empresa instituiu um comitê técnico, com representantes da Costa Crociere, da Carnival Corporation & plc, da Fincantieri, do RINA e especialistas do setor – incluindo acadêmicos – que juntos irão esboçar o melhor plano possível para realizar as ações necessárias com as Autoridades competentes. Como foi antecipado em carta enviada para o comissário de emergência do Costa Concordia, Franco Gabrielli, a Costa Crociere abriu concorrência entre dez empresas no mundo para traçar um plano para remover o casco inteiro. Essas solicitações foram encaminhadas às maiores empresas do segmento no mundo: aquelas que têm capacidade para atuar no mais curto espaço de tempo, garantindo ao mesmo tempo segurança máxima e o mínimo de impacto ambiental. Entre as concorrentes estão: 1) Smit Salvage BV, 2) Svitzer Salvage BV, 3) Mammoet Salvage BV, 4) Titan Salvage, 5) Resolve Marine Group Inc., 6) T&T Marine Salvage Inc., 7) Donjon Marine Inc., 8) Tito Neri S.r.l., 9) Fukada Salvage & Marine Works Co. Ltd., e 10) The Nippon Salvage Co Ltd. O plano de remoção deve ser apresentado a Costa Crociere no início de março de 2012, para avaliação conjunta com o Comitê Científico de Proteção Civil, para que a melhor empresa seja selecionada no final de março. Este tempo de ações representa o melhor resultado em uma situação como essa, embora não seja possível excluir atrasos, já que trata-se de uma operação de complexidade.” Fonte: http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/cruzeiros/costa-abre-licitacao-para-remocao-do-costa-concordia_76291.html?pesquisa=1

Autoridades identificam mais 7 vítimas do Costa Concórdia

Cruzeiro naufragou no dia 13 de janeiro no litoral italiano, com 4 mil passageiros a bordo

13 de março de 2012 | 12h 07

GROSSETO – A Prefeitura de Grosseto, na Itália, informou nesta terça-feira,13, que foram identificados sete corpos de vítimas do naufrágio do navio Costa Concórdia, ocorrido em janeiro. Com isso, o número total de vítimas da tragédia sobe para 32. Veja também: tabela ESPECIAL: O naufrágio do Costa Concordia

Após o acidente, que matou 25 pessoas, outro navio da empresa Costa Cruzeiros ficou à deriva - Reuters
Reuters
Após o acidente, que matou 25 pessoas, outro navio da empresa Costa Cruzeiros ficou à deriva

“Confirmada a identificação da pequena Arlotti Dayana (de 5 anos) entre as vítimas da tragédia do Costa Concórdia e identificadas mais seis vítimas”, entre ela o pai da criança, William Arlotti, informou o município. As outras vítimas identificadas são três cidadãs alemãs, Elisabeth Bauer, Brunild Werp e Margrit Schroeter, e dois franceses, Michel Blemand e Mylene Litzler, que tinham sido dados como desaparecidos. O cruzeiro naufragou no último dia 13 de janeiro no litoral italiano, com mais de 4 mil passageiros a bordo. Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,autoridades-identificam-mais-7-vitimas-do-costa-concordia,847808,0.htm

Localizados 3 corpos dentro do cruzeiro Costa Concordia

EFEEFE – 37 minutos atrás 22/03/2012

Roma, 22 mar (EFE).- Mais três corpos do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia que em 13 de janeiro naufragou em águas do mar Tirreno em frente à ilha de Giglio, foram localizados entre o casco da embarcação e o fundo do mar, informou nesta quinta-feira o chefe de Defesa Civil, Franco Gabrielli. Os três corpos foram localizados graças ao uso dos robôs submarinos Rov. “As operações aconselhavam a utilização dos robôs Rov para verificar se entre o intervalo da embarcação com o fundo do mar havia corpos e, de fato, localizamos três, embora a recuperação de remoção dos corpos deva levar alguns dias”, acrescentou Gabrielli. Agora serão iniciadas “atividades com técnicas hiperbáricas para a recuperação destes três corpos e para que as famílias possam chorar seus parentes”, completou. Com a localização destes três corpos as vítimas do cruzeiro Costa Concordia, que se chocou com uma formação rochosa perto do litoral com 4.229 pessoas a bordo, sobe para 28 mortos e quatro desaparecidos. As famílias dos náufragos desaparecidos já foram avisadas, segundo o chefe de Defesa Civil. Além disso, o prefeito da ilha de Giglio, Sergio Ortelli, assegurou que a fase mais importante de aspiração de todo o combustível levado pela embarcação foi realizada hoje, mas “tecnicamente” será concluída amanhã. EFE Fonte: http://br.noticias.yahoo.com/localizados-3-corpos-dentro-cruzeiro-costa-concordia-175005634.html

22/03/2012 14h58 – Atualizado em 22/03/2012 15h03

Localizados mais três corpos dentro do cruzeiro Costa Concordia

Navio naufragou em janeiro na costa italiana com 4.229 pessoas a bordo. Número de mortos sobe para 28, e ainda há 4 pessoas desaparecidas.

Do G1, com agências internacionais

Mais três corpos do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, que naufragou em 13 de janeiro em águas do mar Tirreno em frente à ilha de Giglio, foram localizados entre o casco da embarcação e o fundo do mar, informou nesta quinta-feira (22) o chefe de Defesa Civil, Franco Gabrielli. Os três corpos foram localizados graças ao uso dos robôs submarinos Rov. “As operações aconselhavam a utilização dos robôs Rov para verificar se entre o intervalo da embarcação com o fundo do mar havia corpos e, de fato, localizamos três, embora a recuperação de remoção dos corpos deva levar alguns dias”, acrescentou Gabrielli.

Combustível é retirado do Costa Concordia em 13 de fevereiro (Foto: AP)Combustível é retirado do Costa Concordia em 13 de fevereiro (Foto: AP)

Agora serão iniciadas “atividades com técnicas hiperbáricas para a recuperação destes três corpos e para que as famílias possam chorar seus parentes”, completou. Com a localização destes três corpos as vítimas do cruzeiro Costa Concordia, que se chocou com uma formação rochosa perto do litoral com 4.229 pessoas a bordo, sobe para 28 mortos e quatro desaparecidos. As famílias dos náufragos desaparecidos já foram avisadas, segundo o chefe de Defesa Civil. Além disso, o prefeito da ilha de Giglio, Sergio Ortelli, assegurou que a fase mais importante de aspiração de todo o combustível levado pela embarcação foi realizada hoje, mas “tecnicamente” será concluída amanhã. Segundo a BBC, a previsão é de que a equipe de especialistas responsável pela retirada de combustível dos 17 tanques do navio, iniciada em 12 de fevereiro, termine o trabalho até a noite desta sexta-feira (23). O próximo estágio da operação de resgate envolve a limpeza do mar na área em torno do navio, antes de iniciar a remoção da embarcação. A expectativa é que toda operação ainda leve um ano.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/03/localizados-mais-tres-corpos-dentro-do-cruzeiro-costa-concordia.html

11/05/201210h18 Artistas de cruzeiro que naufragou pedem indenização de US$ 200 milhões

Da Agência Brasil, em Brasília*

Um grupo de músicos e dançarinos do Navio Costa Concordia, que naufragou em janeiro deste ano, ingressou com uma ação judicial pedindo indenização de US$ 200 milhões a ser paga pela empresa Costa Cruzeiros, responsável pela embarcação. A ação movida pelos quatro músicos e dançarinos tramita em um tribunal federal de Nova York, nos Estados Unidos.

Naufrágio do navio Costa Concordia

Foto 172 de 203 – 3.fev.2012 – Bombeiros observam o navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na ilha de Giglio, na Itália. Mau tempo continua atrapalhando o trabalho para retirar as 2.300 toneladas de combustível dos tanques do navio Max Rossi/Reuters

O acidente ocorreu em 14 de janeiro, perto da ilha italiana de Giglio, matando 32 pessoas de diferentes nacionalidades. Na embarcação, havia brasileiros que conseguiram escapar. Há suspeitas de falhas do comandante do navio. O assunto ainda é objeto de investigação na Itália. A ação movida pelos artistas inclui o violinista Sandor Feher, um dos mortos no acidente, que se afogou depois de tentar ajudar crianças a colocar coletes salva-vidas. Segundo a ação judicial, os artistas ficaram incapacitados de trabalhar por terem sofrido danos físicos e emocionais. Em Miami, há um processo semelhante, movido também por vítimas do acidente, no qual o pedido de indenização chega a US$ 500 milhões. Franceses também movem ações e um grupo de 20 norte-americanos tenta um acordo com a empresa Costa Cruzeiro. No navio, havia 4.754 pessoas, das quais 52 eram brasileiros, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores. *Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa. Fonte: http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/05/11/artistas-de-cruzeiro-que-naufragou-pedem-indenizacao-de-us-200-milhoes.htm 17/07/2013 05h53 – Atualizado em 17/07/2013 15h44

Advogado de capitão pede ‘acordo amigável’ no caso Costa Concordia

Julgamento de Francesco Schettino começou nesta quarta (17) na Itália. Ele é acusado pelo naufrágio que matou 32 na costa italiana em 2012.

Do G1, em São Paulo

O advogado do capitão do navio naufragado Costa Concordia pediu novamente nesta quarta-feira (16) ao tribunal de Grosseto, na Toscana, um acordo amigável no processo contraFrancesco Schettino, único acusado pelo naufrágio em janeiro de 2012 do cruzeiro de luxo. Um pedido inicial neste sentido havia sido rejeitado em maio. A solicitação foi feita pelo advogado Domenico Pepe, que pediu uma pena de três anos e cinco meses de prisão para o capitão Schettino em troca de um reconhecimento parcial de culpa no acidente que matou 32 pessoas em janeiro de 2012. O julgamento de Schettino começou nesta quarta, um ano e meio após o naufrágio. O navio permanece encalhado em frente à ilha de Giglio, na costa da Itália. O processo ocorre em Grosseto, na região central da Itália, e havia sido marcado para iniciar no dia 9. No entanto, foi adiado por conta de uma greve de advogados. Apresentaram-se 242 partes litigantes, entre passageiros, grupos ambientalistas, prefeitura e o grupo Costa Cruzeiros, ao qual pertencia o navio. O processo é realizado, assim como foi para as audiências preliminares, no teatro de Grosseto, devido à presença de aproximadamente 160 pessoas entre público, parentes das vítimas e passageiros. O julgamento terá longa duração, pois a promotoria convocou 338 testemunhas, enquanto o advogado de Schettino chamou 96, e as partes litigantes, 575.

Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)
A moldava Domnica Cemortan, que foi vista com o capitão Schettino durante o naufrágio, comparece ao tribunal nesta quarta-feira (17) (Foto: Tiziana Fabi/AFP)A moldava Domnica Cemortan, que foi vista com o capitão Schettino durante o naufrágio, comparece ao tribunal nesta quarta-feira (17) (Foto: Tiziana Fabi/AFP)

Acusações O ex-capitão Schettino enfrenta neste julgamento a acusação de múltiplo homicídio culposo, abandono do navio, naufrágio e de não ter informado imediatamente às autoridades portuárias sobre a colisão que provocou o naufrágio em 13 de janeiro de 2012. Schettino deve contar sua versão sobre os motivos que provocaram o encalhe do navio nos recifes da ilha toscana de Giglio. O Costa Concordia tinha 4.229 pessoas a bordo. Ele é acusado de ter provocado o acidente ao passar muito perto da costa e de ter abandonado o navio durante o procedimento de esvaziamento do Costa Concordia, que se inclinava com os passageiros a bordo, que tentavam recorrer aos botes salva-vidas. No dia 20 de julho, em uma audiência preliminar de um julgamento paralelo, serão divulgadas as sentenças (entre 1 e 2 anos de prisão) para os outros acusados do naufrágio: o responsável pela ponte de comando (espaço onde o navio é comandado) Ciro Ambrosio, o oficial Coronica Silvia, o timoneiro Jacob Rusli, o chefe dos serviços de bordo, Manrico Giampedroni, e o chefe da unidade de crise da Costa Cruzeiros em terra, Roberto Ferrarini.

Encalhado O cruzeiro, de 290 metros de largura e 70 metros de altura, segue encalhado, oxidando-se pouco a pouco, sem que aparentemente tenha havido alguma mudança apesar das tentativas de removê-lo para outro lugar. Desde maio de 2012 a equipe de resgate Titan Salvage é encarregada da construção de estruturas submarinas para estabilizar o navio e evitar que ele afunde para sempre, o que significaria uma enorme catástrofe ambiental. O próximo passo, segundo a imprensa italiana, é a instalação de grandes vasilhas que servirão para fazer o navio flutuar e transferí-lo a outro lugar mais seguro para seu desmonte.

Equipes montam estrutura para retirada do Costa Concordia (Foto: Gregorio Borgia/AP)Equipes montam estrutura para retirada do Costa Concordia. (Foto: Gregorio Borgia/AP)

As companhias explicaram que o processo para desencalhar o navio poderia começar em setembro, mas o comissário encarregado da emergência, Franco Gabrielli, explicou em recente entrevista que esta operação poderia atrasar devido à “falta de dados que garantam a segurança da operação”. Fonte: http://g1.globo.com/mundo

Acusados pelo naufrágio do Costa Concordia pegam pena de prisão

Oficiais foram condenados de 18 meses a 2 anos e 10 meses de prisão. Comandante Francesco Schettino segue em julgamento.

Do G1, em São Paulo

Cinco oficiais do navio Costa Concordia, que naufragou em janeiro de 2012 deixando 32 mortos, foram condenados neste sábado a penas que variam de 18 meses a dois anos e 10 meses de prisão. Com a divulgação das penas, o capitãoFrancesco Schettino permanece como o único réu do caso ainda em julgamento. Os cinco oficiais fizeram um acordo com a acusação e se declararam culpados perante à Corte, evitando um longo julgamento. Eles foram condenados por acusações de homicídio e negligência. Nenhum dos cinco devem ser presos, já que as sentenças de menos de dois anos foram suspensas. Nas mais longas cabe apelação, com a possibilidade de serem substituídas por serviços comunitários, informaram fontes judiciais. Quatro dos condenados, cujos advogados formalizaram as requisições de negociação de suas sentenças em maio, em uma audiência preliminar, estavam à bordo do navio no momento da tragédia. O quinto é o diretor da unidade de crise da Costa Crociere, Roberto Ferrarini. Ele recebeu a pena mais dura, de dois anos e dez meses de prisão. O gerente de bordo, Manrico Giampedroni, recebeu dois anos e seis meses de prisão e o oficial de bordo, Ciro Ambrosio, foi condenado a um ano e 11 meses de detenção. O timoneiro indonésio, Jacob Rusli Bin, foi condenado a um ano e oito meses, enquanto outra oficial à bordo, Silvia Coronica, foi condenada a um ano e seis meses, a menor pena. O julgamento do capitão Schettino deve durar semanas, segundo especialistas. No dia 16, seu advogado pediu um acordo amigável ao ao tribunal de Grosseto. Um pedido inicial neste sentido havia sido rejeitado em maio. A solicitação foi feita pelo advogado Domenico Pepe, que pediu uma pena de três anos e cinco meses de prisão para o capitão Schettino em troca de um reconhecimento parcial de culpa no acidente que matou 32 pessoas em janeiro de 2012. O julgamento de Schettino começou nesta quarta, um ano e meio após o naufrágio. O navio permanece encalhado em frente à ilha de Giglio, na costa da Itália. O processo ocorre em Grosseto, na região central da Itália, e havia sido marcado para iniciar no dia 9. No entanto, foi adiado por conta de uma greve de advogados. Apresentaram-se 242 partes litigantes, entre passageiros, grupos ambientalistas, prefeitura e o grupo Costa Cruzeiros, ao qual pertencia o navio. O processo é realizado, assim como foi para as audiências preliminares, no teatro de Grosseto, devido à presença de aproximadamente 160 pessoas entre público, parentes das vítimas e passageiros. O julgamento terá longa duração, pois a promotoria convocou 338 testemunhas, enquanto o advogado de Schettino chamou 96, e as partes litigantes, 575.

Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)
A moldava Domnica Cemortan, que foi vista com o capitão Schettino durante o naufrágio, comparece ao tribunal nesta quarta-feira (17) (Foto: Tiziana Fabi/AFP)A moldava Domnica Cemortan, que foi vista com o capitão Schettino durante o naufrágio, comparece ao tribunal nesta quarta-feira (17) (Foto: Tiziana Fabi/AFP)

Acusações O ex-capitão Schettino enfrenta neste julgamento a acusação de múltiplo homicídio culposo, abandono do navio, naufrágio e de não ter informado imediatamente às autoridades portuárias sobre a colisão que provocou o naufrágio em 13 de janeiro de 2012. Schettino deve contar sua versão sobre os motivos que provocaram o encalhe do navio nos recifes da ilha toscana de Giglio. O Costa Concordia tinha 4.229 pessoas a bordo. Ele é acusado de ter provocado o acidente ao passar muito perto da costa e de ter abandonado o navio durante o procedimento de esvaziamento do Costa Concordia, que se inclinava com os passageiros a bordo, que tentavam recorrer aos botes salva-vidas. No dia 20 de julho, em uma audiência preliminar de um julgamento paralelo, serão divulgadas as sentenças (entre 1 e 2 anos de prisão) para os outros acusados do naufrágio: o responsável pela ponte de comando (espaço onde o navio é comandado) Ciro Ambrosio, o oficial Coronica Silvia, o timoneiro Jacob Rusli, o chefe dos serviços de bordo, Manrico Giampedroni, e o chefe da unidade de crise da Costa Cruzeiros em terra, Roberto Ferrarini.

Encalhado O cruzeiro, de 290 metros de largura e 70 metros de altura, segue encalhado, oxidando-se pouco a pouco, sem que aparentemente tenha havido alguma mudança apesar das tentativas de removê-lo para outro lugar. Desde maio de 2012 a equipe de resgate Titan Salvage é encarregada da construção de estruturas submarinas para estabilizar o navio e evitar que ele afunde para sempre, o que significaria uma enorme catástrofe ambiental. O próximo passo, segundo a imprensa italiana, é a instalação de grandes vasilhas que servirão para fazer o navio flutuar e transferí-lo a outro lugar mais seguro para seu desmonte.

Equipes montam estrutura para retirada do Costa Concordia (Foto: Gregorio Borgia/AP)Equipes montam estrutura para retirada do Costa Concordia. (Foto: Gregorio Borgia/AP)

As companhias explicaram que o processo para desencalhar o navio poderia começar em setembro, mas o comissário encarregado da emergência, Franco Gabrielli, explicou em recente entrevista que esta operação poderia atrasar devido à “falta de dados que garantam a segurança da operação”. Fonte: G1.globo.com/mundo O NAVIO COSTA CONCÓRDIA VAI SER DESMONTADO NA TURQUIA

O cruzeiro de luxo “Costa Concordia”, que naufragou em janeiro de 2012 perto da ilha italiana de Giglio e provocou a morte de 32 pessoas, será desmontado em um porto fora da Itália, provavelmente na Turquia.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (17) pela Agência de Proteção Civil italiana, que examina propostas do Reino Unido, França, Noruega e Turquia.

O porto italiano mais próximo de Piombino, que está sendo ampliado para desmantelar navios militares, não estará preparado.

CLIQUE NA IMAGEM E VEJA COMO FOI A OPERAÇÃO PARA ENDIREITAR O NAVIO

As autoridades locais gostariam que a operação acontecesse na Itália, mas o cruzeiro, que já foi um dos maiores e mais modernos da empresa ‘Costa Cruzeiros’, provavelmente será desmontado na Turquia, informou Franco Gabrielli, da Proteção Civil.

“Há 25 anos os navios italianos são desmantelados na Turquia”, disse.

O custo da operação será bancado pela empresa, que pertenceu ao grupo americano Carnival, que já gastou mais de um bilhão de euros para ajustar o Concordia.

Apesar da proposta da Noruega representar um custo menor, as autoridades italianas descartaram por causa do longo percurso que seria necessário.

A gigantesca embarcação de 17 andares encalhou em 13 de janeiro de 2012. O ajuste do navio aconteceu em setembro do ano passado, graças a uma complexa operação sem precedentes.

O navio, de 290 metros de comprimento e 114 mil toneladas –maior e com quase o dobro do peso do Titanic– descansa agora sobre suportes instalados a 30 metros de profundidade.

Fonte: AFP UOL

Turkey may clinch bid to dismantle Italy shipwreck

Turkey may clinch bid to dismantle Italy shipwreck

17APR2014

Turkey may clinch a bid to dismantle the wrecked Costa Concordia cruise liner, Italy’s civil protection agency said Thursday, with a decision to be taken in May.

Italian ports are fighting off competition from ports in Britain, France, Norway and Turkey for the contract to scrap the carcass of the vast Concordia, which sank off Italy in 2012, leaving 32 people dead.

While Norway would be the cheapest option, Italy has ruled it out because of the distance the crippled ship would have to travel amid fears of possible environmental damage en route.

“The Turkish solution would cost $40 million (29 million euros),” civil protection agency chief Franco Gabrielli told parliament, while the Italian bids — from the Civitavecchia port near Rome, Piombino in Tuscany and Genoa in the north — are much more costly.

Civitavecchia, the closest port to the island of Giglio where the ship lies, has asked for 200 million euros to do the job, he said.

Piombino is not ready to take in the 290-metre (951-foot) long, 114,500-tonne vessel, but it would only take a day to drag it there if it could be prepared in time — while Genoa is ready but is five days away, he added.

The ship was hoisted upright from its watery grave in September in the biggest-ever salvage operation of its kind, after which the remains of one of two missing victims were discovered.

– Towing delay –

“We hope an Italian port will win,” Gabrielli told a parliamentary environmental commission, “not least because we still have one body to find.”

However, he said Turkey may be the best option for an operation which will be paid for by the ship’s owner Costa, Europe’s biggest cruise operator, which he said has already spent 1.1 billion euros on the salvage.

“We have not dismantled ships in Italy for the past 25 years. We take our military ships to Turkey” to be scrapped, he said.

A final decision on the port will be taken at the beginning of May, he said.

Costa meanwhile has said the timetable for re-floating and towing away the ship may slip back from June to later in the summer.

“The timing is very difficult. We will do our utmost but it would be rash to say it will be removed by June,” project manager Franco Porcellacchia was quoted as saying by Italian media.

He said the delicate operation to raise the cruiser from the seabed was expected to take a week.

The last two tanks to be attached to the ship to enable it to float left the port of Livorno for Giglio island Thursday.

The tanks, which will be emptied of water to raise the wreck, have increased the width of the vessel to 60 metres (almost 200 feet).

Whichever port takes the liner in for dismantling will also have to be deep enough: even once the tanks have been emptied, the bulk of the Concordia will sit some 18.5 metres under the waterline, compared to its original depth of eight metres.

ide/txw

Source: AFP

Engenheiros farão navio naufragado flutuar para rebocá-lo

Depois de dois anos e meio, engenheiros iniciarão a última etapa da retirada do Costa Concordia do litoral italiano na próxima semana

Victor Caputo

Max Rossi/Reuters

Oficiais da Marinha durante cerimônia do segundo ano da tragédia do Costa Concórdia, na Itália

Costa Concordia: processo de resgate do navio deve continuar na próxima semana

São Paulo – Depois de dois anos e meio, na próxima semana, começará a retirada do navioCosta Concordia do litoral italiano. Ele está lá desde que naufragou no dia 12 de janeiro de 2012.

Ironicamente, para que o navio naufragado possa ser retirado, ele precisa voltar a flutuar. Somente assim ele poderá ser levado até um porto em Gênova, na Itália, onde deve ser desmontado.

O primeiro passo da retirada do navio foi dado em setembro do ano passado. Engenheiros precisaram virar o navio em 65 graus e leva-lo à superfície. Isso foi feito usando um sistemas de cabos de aço.

Hoje, ele fica apoiado em uma espécie de deck construído exclusivamente para isso. Apenas esse primeiro processo custou cerca de 800 milhões de dólares.

Atualmente, o navio está reto e cercado por trinta tanques de metal cheios de água. O próximo desafio dos engenheiros será fazer com que o navio flutue acima do deck que serve de apoio hoje.

A partir de segunda-feira, o consórcio ítalo-americano começará a trabalhar nisso, caso as condições climáticas permitam. A água será extraída dos tanques usando ar comprimido. Sem água, eles funcionarão como boias para que o Costa Concordia volte a flutuar.

Uma das maiores preocupações durante o processo é com os impactos ambientais. A equipe ficará de olho para detectar se produtos tóxicos ou óleo do navio será derramado.

Caso o processo seja concluído com êxito, o navio será rebocado por outros barcos. Ele será levado até um porto na cidade italiana de Gênova, em uma viagem de 280 km e que deve durar quatro dias. Lá, uma equipe de dezenas de trabalhadores desmontará o navio.

O naufrágio do Costa Concordia matou 32 pessoas e deixou dezenas de feridos. Eram mais de quatro mil pessoas a bordo do cruzeiro.

Todo o processo de recuperação do navio já ultrapassou um bilhão de euros. Ela é a maior operação já feita para recuperação de um navio de passageiros.

Fonte: Exame

Sobre Junior

Cristão, amante da Natureza, de bem com a vida, feliz por trabalhar com prazer
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s