MUDANÇA CLIMÁTICA ESTÁ TRANSFORMANDO 99% DAS TARTARUGAS MARINHAS EM FÊMEAS – CLIMATE CHANGE IS TURNING 99% OF THESE BABY SEA TURTLES FEMALE

MUDANÇA CLIMÁTICA ESTÁ TRANSFORMANDO 99% DAS TARTARUGAS MARINHAS EM FÊMEAS – CLIMATE CHANGE IS TURNING 99% OF THESE BABY SEA TURTLES FEMALE

 

(FamVeld / Shutterstock.com)

Isso é loucura.

As tartarugas marinhas verdes não se desenvolvem em machos ou fêmeas devido a cromossomos sexuais, como os humanos e a maioria dos outros mamíferos. Em vez disso, a temperatura fora de um ovo de tartaruga influencia o sexo do embrião em crescimento.

E essa peculiaridade biológica incomum, dizem cientistas, põe em perigo seu futuro em um mundo mais quente.

Já algumas populações de tartarugas marinhas são tão distorcidas pelo calor que os jovens répteis são quase inteiramente femininos, de acordo com um novo relatório na revista Current Biology .

“Este é um dos papéis de conservação mais importantes da década”, disse o biólogo David Owens , um professor emérito no Colégio de Charleston que não fazia parte desta pesquisa.

Não demorará, talvez dentro de algumas décadas até um século, até “não haverá machos suficientes em populações de tartarugas marinhas”, advertiu.

O sexo de uma tartaruga verde é um resultado do seu ambiente.

“Eles têm determinação do sexo dependente da temperatura”, disse Camryn Allen, pesquisadora de endocrinologia da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional e co-autora do novo estudo. “Não é genética. Na verdade, é a temperatura”.

No que os biólogos chamam de temperatura de articulação, as tartarugas eclodem como uma mistura de machos e fêmeas.

Para as tartarugas marinhas verdes, esta temperatura é de 29,3 graus Celsius (85 Fahrenheit). Alguns graus abaixo de 29.3 C, todas as tartarugas marinhas nascem masculinas. Aquecer os ovos e apenas as fêmeas nascem.

“Essa faixa de transição, de 100 por cento dos homens a 100 por cento das mulheres, abrange uma faixa muito estreita de apenas alguns graus”, disse o biólogo marinho da NOAA e estuda o co-autor Michael Jensen .

Dirija-se ao equador ao longo da costa leste da Austrália e, perto da ponta do continente, você chegará aos locais de amendoim da tartaruga principal.

Cerca de 200 mil tartarugas colocam seus ovos nas praias da Ilha Raine e cays próximos. É um dos maiores encontros de tartarugas marinhas verdes do mundo.

As tartarugas marinhas verdes desempenham papéis críticos em seus ecossistemas. Eles pastoreiam os bermandes marinhos como o gado no pasto, e os nibbles das tartarugas parecem manter as plantas saudáveis .

Onde as tartarugas se alimentam é intocada, Jensen disse, intocado pela civilização humana. Dugongs e tubarões tigre cruzam por. E há cargas e muitas tartarugas.

“É realmente o lugar ideal para estudar tartarugas”, disse ele. “Há 30 anos de conhecimento sobre essa população ao longo da costa leste da Austrália”.

Foi aí que os autores do estudo estavam aguardando. Durante várias semanas, os cientistas coletaram tartarugas, tomaram amostras de plasma e liberaram os animais.

É difícil distinguir as jovens tartarugas masculinas das fêmeas. Seus recursos externos não são úteis – você não pode simplesmente virar uma tartaruga sub-adulta e inspecionar o trem de pouso.

No passado, os pesquisadores cortaram as tartarugas juvenis abertas para inspecionar suas gônadas. Mas os pesquisadores querem minimizar seu impacto sobre a população; A União Internacional para a Conservação da Natureza lista esses animais como ameaçados de extinção .

E a cirurgia de tartaruga laparoscópica é uma proposição insustentável em escala.

Allen trabalhou em uma nova técnica para revelar o sexo das tartarugas através de seus hormônios. Os cientistas examinaram as amostras de plasma em um laboratório da Califórnia.

“Você não pode usar testes genéticos”, disse Allen, porque “eles não têm cromossomos sexuais como os humanos”.

Os biólogos descobriram o primeiro gene do termômetro de tartaruga em tartarugas em 2016. Nem todas as tartarugas regulam seus sexos dessa maneira, mas as tartarugas são como tartarugas marinhas verdes a este respeito.

Por que o sexo das tartarugas está ligado à temperatura ainda não está claro, embora alguns biólogos tenham uma hipótese: as tartarugas que se desenvolvem em condições mais frias crescem, e isso pode beneficiar uma espécie de tartaruga se as maiores forem machos.

Estudos anteriores predisseram que as tartarugas marinhas verdes e outros répteis dependentes da temperatura podem estar mudando em resposta a um clima mais quente.

As tartarugas em todo o mundo “estão absolutamente afetadas agora”, disse Owens, que colaborou com alguns dos autores do estudo no passado.

“Muitas das outras espécies e populações que meus colegas estão estudando já estão apresentando 90 por cento ou mais populações femininas”.

Mas ninguém tinha visto nada na medida certa. (“Holy moly” é como Allen descreveu sua reação inicial aos resultados dos testes de laboratório).

Se Raine Island é uma fábrica de bebês, o interruptor da linha de montagem foi jogado em uma direção. Ele produz tartaruga feminina depois da tartaruga feminina.

Mais de 99% das tartarugas jovens são femininas, descobriram os cientistas, e 87% das tartarugas maduras são femininas. Para cada homem juvenil, há 116 tartarugas femininas.

Doom não virá para essas tartarugas amanhã. Na verdade, a população geral de tartarugas pode aumentar brevemente, desde que as tartarugas femininas mais numerosas possam encontrar machos para fertilizar seus ovos.

As tartarugas não precisam de uma proporção de 50:50 entre machos e fêmeas.

“Alguns machos podem percorrer um caminho realmente longo”, disse Jensen.“As tartarugas masculinas se encaixam mais freqüentemente” do que as tartarugas femininas fazem.

“É difícil dizer se é bom ou ruim, mas é grande e pode ter muitas consequências em cascata”, disse Rory Telemeco , biólogo da Universidade Estadual da Califórnia, Fresno, não afiliado a esta pesquisa, que estuda o desenvolvimento de temperatura e répteis.

“Embora pareça um pouco assustador”.

Para estimar as temperaturas da areia, os autores do estudo usaram as temperaturas históricas do mar e do ar nos campos de reprodução entre 1960 e 2016. Na década de 1990, as estimativas de temperatura da areia foram consistentemente maiores do que a temperatura de pivô.

Os pesquisadores estavam convencidos de que a mudança climática era a mão na alavanca da fábrica. “Se não é mudança climática”, disse Allen, “então, o que é?”

Owens concordou. “A mudança climática é claramente o culpado”, disse ele.

Há outra região de nidificação, a mais de 1.000 milhas (1.600 km) ao sul da ilha de Raine, que permanece consistentemente mais fria. No sul da Austrália, a proporção de sexos é menos inclinada, com 1 tartaruga masculina para 2 tartarugas femininas. “Essas duas populações em extremidades opostas do recife têm relações de sexo massivamente diferentes”, disse Jensen.

Não parece provável, disseram os autores do estudo, que essas populações se cruzariam. Tartarugas, como o salmão, imprime nas áreas de nascimento. Os répteis retornam às suas costas para encontrar companheiros. “A criação ocorrerá nas proximidades dessas praias de nidificação”, disse Jensen.

Os pesquisadores estimam que as tartarugas marinhas verdes podem viver por 60 a 70 anos . “Ah, sim, alguns machos estão remanescentes, e haverá por décadas”, disse Owens.

“Mas eles acabarão por morrer. Eu prevejo que muito em breve a população do [Norte da Grande Barreira de Corais] começará a ver fertilidade reduzida na praia de nidificação, se isso ainda não estiver acontecendo”.

As boas notícias, de acordo com Jensen e Allen, são as estratégias de gerenciamento possíveis. Sombrear as praias ou derramar água na areia pode arrefecer as áreas de nidificação.

O governo australiano, através do Raine Island Recovery Project , está trabalhando para monitorar e proteger esses animais.

“Nós temos tempo em nossas mãos”, disse Allen. As tartarugas ainda têm maneiras de se adaptar, ela disse. É apenas uma questão de se adaptarem rapidamente.

2017 © The Washington Post

 

 

Climate Change Is Turning 99% of These Baby Sea Turtles Female

This is crazy.

BEN GUARINO, WASHINGTON POST
8 JAN 2018

Green sea turtles do not develop into males or females due to sex chromosomes, like humans and most other mammals do. Instead, the temperature outside a turtle egg influences the sex of the growing embryo.

And this unusual biological quirk, scientists say, endangers their future in a warmer world.

Already, some sea turtle populations are so skewed by heat that the young reptiles are almost entirely female, according to a new report in the journalCurrent Biology.

“This is one of the most important conservation papers of the decade,” said biologist David Owens, a professor emeritus at the College of Charleston who was not a part of this research.

It will not be long, perhaps within a few decades to a century, until “there will not be enough males in sea turtle populations,” he warned.

The sex of a green sea turtle is a result of its environment.

“They have temperature-dependent sex determination,” said Camryn Allen, a National Oceanic and Atmospheric Administration endocrinology researcher and co-author of the new study. “It’s not genetics. It’s actually the temperature.”

At what biologists call the pivot temperature, turtles hatch as a mixture of males and females.

For green sea turtles, this temperature is 29.3 degrees Celsius (85 Fahrenheit). A few degrees below 29.3 C, all the sea turtles are born male. Heat up the eggs and only females are born.

“That transitional range, from 100 percent males to 100 percent females, spans a very narrow band of only a couple of degrees,” said NOAA marine biologist and study co-author Michael Jensen.

Head toward the equator along Australia’s east coast and, near the continent’s tip, you will arrive at prime turtle nesting grounds.

Some 200,000 turtles lay their eggs at the beaches of Raine Island and nearby cays. It is one of the largest gatherings of green sea turtles in the world.

Green sea turtles play critical roles in their ecosystems. They graze sea grass beds like cattle at pasture, and the turtles’ nibbles appear to keep plants healthy.

Where the turtles feed is pristine, Jensen said, untouched by human civilisation. Dugongs and tiger sharks cruise by. And there are loads and loads of turtles.

“It really is the ideal place to study turtles,” he said. “There’s 30 years of knowledge about this population along the east coast of Australia.”

That’s where the study authors were waiting. For several weeks, the scientists collected turtles, took plasma samples and released the animals.

It is difficult to distinguish young male turtles from females. Their external features are unhelpful — you cannot simply flip a subadult turtle over and inspect the undercarriage.

In the past, researchers cut open juvenile turtles to inspect their gonads. But the researchers want to minimise their impact on the population; the International Union for Conservation of Nature lists these animals as endangered.

And laparoscopic turtle surgery is an untenable proposition at scale.

Allen worked on a new technique to reveal the turtles’ sex through their hormones. The scientists examined the plasma samples in a California lab.

“You can’t use genetic tests,” Allen said, because “they don’t have sex chromosomes like humans do.”

Biologists discovered the first turtle thermometer gene in snapping turtles in 2016. Not all turtles regulate their sexes this way, but snapping turtles are like green sea turtles in this regard.

Why turtle sex is linked to temperature remains unclear, though some biologists have a hypothesis: Turtles that develop in colder conditions grow larger, and it might benefit a turtle species if the larger ones are males.

Previous studies had predicted that green sea turtles and other temperature-dependent reptiles might be changing in response to a warmer climate.

Turtles around the world “are absolutely being affected right now,” said Owens, who has collaborated with some of the study authors in the past.

“Many of the other species and populations my colleagues are studying are already showing 90 percent or more female populations.”

But no one had seen anything quite to this extent. (“Holy moly” is how Allen described her initial reaction to the results of the lab tests.)

If Raine Island is a baby factory, the assembly-line switch has been thrown in one direction. It churns out female turtle after female turtle.

More than 99 percent of young turtles are female, the scientists found, and 87 percent of mature turtles are female. For every juvenile male, there are 116 female turtles.

Doom will not come for these turtles tomorrow. In fact, the overall turtle population might briefly increase, as long as the more numerous female turtles can find males to fertilise their eggs.

Turtles do not need a 50:50 ratio of males to females.

“A few males can go a really long way,” Jensen said. “Male turtles mate more frequently” than female turtles do.

“It’s hard to say whether it’s good or bad but it’s big and it could have a lot of cascading consequences,” said Rory Telemeco, a biologist at California State University Fresno, not affiliated with this research, who studies temperature and reptile development.

“Though it does seem a little scary.”

To estimate sand temperatures, study authors used historical sea and air temperatures in the breeding grounds between 1960 and 2016. By the 1990s, the sand temperature estimates were consistently higher than the pivot temperature.

The researchers were convinced climate change was the hand on the factory lever. “If it’s not climate change,” Allen said, “then what is it?”

Owens agreed. “Climate change is clearly the culprit,” he said.

There is another nesting region, more than 1,000 miles (1,600 km) to the south of Raine Island, which consistently stays cooler. In southern Australia, the sex ratio is less skewed, with 1 male turtle to 2 female turtles. “These two populations at opposite ends of the reef have massively different sex ratios,” Jensen said.

It does not seem likely, the study authors said, that these populations would interbreed. Turtles, like salmon, imprint on their birth areas. The reptiles return to their home shores to find mates. “Breeding will happen in the vicinity of these nesting beaches,” Jensen said.

Researchers estimate that green sea turtles can live for 60 to 70 years. “Oh yes, there are a few males remaining, and there will be for decades to come,” Owens said.

“But they will eventually die off. I predict that very soon the [northern Great Barrier Reef] population will start to see reduced fertility at the nesting beach if it is not already happening.”

The good news, according to Jensen and Allen, is that management strategies are possible. Shading the beaches or pouring water on the sand can cool the nesting areas.

The Australian government, through the Raine Island Recovery Project, is working to monitor and protect these animals.

“We’ve got time on our hands,” Allen said. The turtles still have ways to adapt, she said. It’s just a matter of whether they adapt quickly enough.

2017 © The Washington Post

This article was originally published by The Washington Post.

Sobre Junior

Cristão, amante da Natureza, de bem com a vida, feliz por trabalhar com prazer
Esse post foi publicado em Histórias de Tartarugas e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s