O IMPORTANTE SIGNIFICADO DA TATUAGEM DE PONTO E VÍRGULA

O IMPORTANTE SIGNIFICADO DA TATUAGEM DE PONTO E VÍRGULA

 

Tatuagem de ponto e vírgula: veja o que isso significa e por que é importante.

Um personagem pequeno, um grande objetivo.

Você já viu alguém com uma tatuagem de ponto e vírgula como esta?

Tatuagem de ponto e vírgula, retratada atrás da orelha. Foto pelo projeto do ponto e vírgula do tatuagem . Caso contrário, talvez você não esteja olhando o suficiente. Eles estão aparecendo …

Tatuagem de ponto e vírgula, retratada no tornozelo. Foto pelo projeto do ponto e vírgula do tatuagem . …em toda parte.

Foto pelo projeto do ponto e vírgula do tatuagem . É isso mesmo: o ponto e vírgula. É uma tatuagem que ganhou popularidade nos últimos anos, mas, ao contrário de outras tendências aleatórias ou misteriosas, esta tem um significado sério por trás disso. (E não, não é apenas a marca de um nerd de gramática realmente comprometido.)

A tatuagem de ponto e vírgula representa lutas em saúde mental e a importância da prevenção do suicídio.

A foto de Parker, minha colega de trabalho, de sua própria tatuagem de ponto e vírgula.

 

O Projeto Ponto-e-vírgula nasceu de um movimento de mídia social em 2013.

Eles se descrevem como um “movimento dedicado a apresentar esperança e amor àqueles que lutam com depressão, suicídio, vício e lesão pessoal. O Projeto Ponto-e-vírgula existe para incentivar, amar e inspirar”.

Mas por que um ponto e vírgula?

“Um ponto-e-vírgula é usado quando um autor poderia ter decidido encerrar sua sentença, mas optou por não. O autor é você e a sentença é a sua vida.”

Originalmente criado como um dia em que as pessoas eram incentivadas a desenhar um ponto-e-vírgula em seus corpos e fotografá-lo, ele rapidamente se transformou em algo maior e mais permanente. Hoje, pessoas de todo o mundo estão tatuando a marca como um lembrete de sua luta, vitória e sobrevivência.

Fotos do projeto do ponto e vírgula Tattoo .
Conversei com Jenn Brown e Jeremy Jaramillo, do The Semicolon Tattoo Project , uma organização inspirada no movimento de ponto e vírgula. Junto com alguns amigos, Jenn e Jeremy viram uma oportunidade de ajudar a comunidade e reduzir o estigma em torno das doenças mentais.

Em 2012, mais de 43 milhões de americanos lidaram com uma doença mental . A doença mental não é incomum, mas há um estigma em torno dela que impede muitas pessoas de falar sobre isso – e isso é uma barreira para obter ajuda.

Mais conversas que levam a menos estigma? Sim por favor.

“[A tatuagem] inicia as conversas”, explica Jenn. “As pessoas perguntam o que é e podemos dizer a elas o objetivo”.

“Acho que se você vê a tatuagem de alguém que lhe interessa, é um bom jogo iniciar uma conversa com alguém que você não conhece”, acrescenta Jeremy. “É uma ótima oportunidade para conversar. As tatuagens são interessantes – marcas que colocamos em nossos corpos que são importantes para nós”.

Uma mulher fazendo uma tatuagem de ponto e vírgula no evento do ano passado. Foto pelo projeto do ponto e vírgula do tatuagem . Em 2014, o Projeto de ponto e vírgula realizou um evento em várias lojas de tatuagem, onde as pessoas podiam fazer uma tatuagem de ponto e vírgula por uma taxa fixa. “Esse dinheiro foi um angariador de fundos para o nosso centro de crise”, disse Jenn. No total, mais de 400 pessoas receberam tatuagens de ponto e vírgula em um dia. Melhor ainda, o que começou como um evento local se espalhou por todo o mundo, e pessoas de todo o mundo estão fazendo tatuagens de ponto e vírgula.

E não se trata apenas da conversa, mas também de fornecer suporte e ajuda tangíveis.

Jenn e Jeremy trabalham com o Agora Crisis Center . Fundado em 1970, é um dos mais antigos centros de crise do país. Através do Projeto de ponto e vírgula, eles conseguiram conectar ainda mais pessoas com a ajuda de que precisam em tempos de crise. (Se você precisar de alguém com quem conversar, vá até o final do artigo para obter as informações de contato do centro.)

Então, da próxima vez que você vir esta pequena tatuagem de pontuação, lembre-se das palavras do escritor Upworthy Parker Molloy:

“Decidi recentemente fazer uma tatuagem de ponto e vírgula. Não porque esteja na moda (embora pareça estar no momento), mas porque é um lembrete das coisas que superei na vida. Lidei com a ansiedade, depressão e disforia de gênero durante a maior parte da minha vida e, às vezes, isso me levou a um caminho que incluía auto-agressão e tentativas de suicídio.

Mas aqui estou eu, anos depois, finalmente encaixando os pedaços da minha vida de uma maneira que nunca pensei que eles pudessem antes. O ponto- e- vírgula (e a mensagem que o acompanha) é um lembrete de que enfrentei tempos sombrios, mas ainda estou aqui. “

Não importa como chegamos lá, o resultado final é tão importante: ajuda e suporte para mais pessoas também poderem dizer ” ainda estou aqui.

Fonte: https://www.dictionary.com/e/pop-culture/semicolon-tattoo/ https://www.upworthy.com/have-you-seen-anyone-with-a-semicolon-tattoo-heres-what-its-about

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

COMO É A BRUMAÇÃO DE UMA TARTARUGA

COMO É A BRUMAÇÃO DE UMA TARTARUGA

 

O início do outono pode ser um período estressante para os criadores de tartarugas, pois a inevitável batalha do que fazer com nossas tartarugas durante o inverno nos enfrenta. Embora algumas espécies precisem ser trazidas para dentro de casa e mantidas acordadas e ativas até a primavera, há outras que podem dormir com segurança no inverno.

tartaruga do deserto

Chris Leone

A tartaruga do deserto é uma espécie dos EUA que bruma durante o inverno.

As tartarugas são ectotérmicas (sangue frio) e, na verdade, não hibernam, mas entram em um período de dormência chamado de “brumação”. Ao contrário dos mamíferos, os répteis não estão em um verdadeiro estado de sono durante esse período. Eles entram em um estado de torpor para lidar com condições desfavoráveis, tornando-se menos fisiologicamente ativos durante uma queda de temperatura. Como eles não conseguem atingir temperaturas digestivas ideais durante a parte mais fria do ano, a brumação reduz o risco de perder muito peso por permanecer inativa.

Simplificando, descansando, as tartarugas não estão queimando calorias preciosas. Quando ocorre um dia quente de inverno, no entanto, eles são capazes de emergir de suas tocas para aproveitar o sol e até beber de uma poça. Mamíferos não fazem isso.

tartaruga com margens

Chris Leone

Uma tartaruga com margens aninha-se entre algumas folhas. O primeiro gatilho para brumação é a queda noturna das temperaturas durante o outono.
Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O GUIA DE CUIDADOS COM TARTARUGAS GREGAS

O GUIA DE CUIDADOS COM TARTARUGAS GREGAS
(Testudo graeca ssp) Chris Leone
HermanniHaven.com
GardenStateTortoise.com
theTurtleRoom.com ESTA FOLHA DE CUIDADOS É DETALHADA POR UMA RAZÃO. LEIA TOTALMENTE ANTES DE PROCEDER A OBTENÇÃO DE UMA TARTARUGA.

Tartaruga marroquina (Testudo graeca marokkensis)

1. Introdução

Testudo graeca (Linnaeus, 1758) é famosa como a tartaruga grega e menos comumente referida como a tartaruga mediterrânea. As escamas ou tubérculos aumentados em cada lado da cauda (coxas) tornam esse segundo título mais preciso que o primeiro. O nome “tartaruga grega” é meramente a descrição de Linnaues para o padrão de mosaico grego frequentemente encontrado na carapaça da grande maioria dos espécimes que ocorrem em sua distribuição natural. Na realidade, o único tipo de tartaruga grega que realmente ocorre em qualquer lugar da Grécia é a Testudo graeca ibera. As nove subespécies atualmente válidas restantes são encontradas em outros lugares. Atualmente, o complexo de espécies Testudo graeca é composto por dez subespécies distintas, abrangendo uma faixa natural que abrange o norte da África, o sul da Europa e o sudoeste da Ásia. Seu status na natureza está diminuindo com subespécies específicas mais em risco do que outras. A IUCN inclui T. graeca como “Vulnerável A1cd” (1996) globalmente, e regionalmente na Europa é listada como “Vulnerável A2bcde + 4bcde” (2004), no entanto, a subespécie outrora reconhecida Testudo graeca nikolskii, que agora é sinônimo de Testudo graeca O ibera foi listado como “A1abcde criticamente ameaçado + 2bcde” (1996). Essa notação pode revelar algo que ainda não sabíamos sobre T. g. números da ibera na natureza. Muitas das subespécies e formas de Testudo graeca foram submetidas a uma super-coleta severa para o comércio mundial de animais de estimação por um período impressionante de tempo, levando alguns a um status mais crítico.

No total, Testudo graeca é uma espécie robusta, com focinho rombudo e cabeça quadrada. É claro que varia muito em sua aparência em toda a sua extensão, mas cada subespécie ou forma local segue várias características básicas. A carapaça é tipicamente arredondada ou oval, com queima mínima dos escudos marginais, exceto nos machos (e algumas subespécies distintas), que podem ser bastante trapezoidais na forma geral. O plastrão das fêmeas possui uma única dobradiça e, embora a tartaruga não possa se fechar como a das espécies Terrapene , ela permite alguma mobilidade para facilitar a postura dos ovos. A carapaça abobadada está repleta de barras escuras irregulares, manchas, raios, manchas ou manchas em uma cor marrom bronzeada, amarela, ocre ou marrom. Tubérculos ou esporas conspícuas são encontradas em cada coxa e o escudo supracaudal normalmente não está dividido e não se flexiona para dentro. A cauda de ambos os sexos não afunila a um ponto, mas é bastante robusta e arredondada no final. Os machos geralmente são menores (na maioria das vezes) do que as fêmeas, apresentam concavidade notável ao plastrão, têm caudas mais longas com uma abertura mais distante da borda dos escudos anais e uma abertura mais ampla do escudeiro anal.

A testudo-graeca pode ser dividida em mais de uma dúzia de subespécies, dependendo da literatura ou indivíduo que você escolher. Embora não seja particularmente difícil perceber que provavelmente existem mais do que apenas dez, o fato de pesquisas recentes produzirem expressões fracas na divergência genética entre as subespécies propostas (van der Kuyl, et al, 2005) leva a expansão desses táxons para Parando, por enquanto. Existe uma diferença marcante no DNA mitocondrial entre a Testudo graeca graeca e a Testudo graeca ibera, com haplótipos específicos, possivelmente resultando em um ou ambos serem elevados à classificação completa da espécie. Do ponto de vista morfológico, esses dois são muito diferentes. De fato, outras formas de T. graeca são diferentes entre si em relação à aparência e preferência de habitat.

O reconhecimento genuíno das subespécies da tartaruga grega é possivelmente a mais cansativa de qualquer tarefa de diferenciação Testudo . Semelhanças em coloração, forma, tamanho e comportamento tornam cansativo, no início, mas a literatura imprecisa não ajuda. A rede mundial de computadores está cheia de informações quelonianas desatualizadas e as tartarugas mediterrâneas certamente são as que mais sofrem. Na maioria dos casos, essas imprecisões começaram com o revendedor ou colecionador que os nomeou pela primeira vez. Os supostos “gregos dourados” que chegaram aos Estados Unidos pela primeira vez no início dos anos 2000 são um excelente exemplo. Os revendedores que conseguiam colocar as mãos nesses animais os chamavam de “dourados” por causa do alto conteúdo de coloração amarela que a maioria exibia. Esse nome foi totalmente composto e não possui absolutamente nenhuma validação sobre o que eles realmente são. Mais sobre isso mais tarde. Testudo graeca é altamente variável, mesmo dentro de uma população, tornando a identificação quase impossível se a origem for desconhecida. A importância de conhecer a história de uma tartaruga ou grupo de tartarugas aumentou para um nível valioso hoje. Isso não apenas permite a probabilidade de as amostras serem correspondidas corretamente, mas também ajuda a diminuir a quantidade de animais questionáveis ​​ou hibridizados na rede de criação privada. Até agora, entusiastas, comerciantes, criadores e até alguns autores discutiram termos como grego dourado, grego preto, grego líbio, grego ibérico e outros como uma maneira de separar vários tipos de testudo graeca . Nenhum desses são nomes autênticos.


As subespécies

Como já mencionado, existem mais de dez “tipos” de tartarugas gregas reconhecíveis na natureza e em coleções, mesmo nos EUA. Alguns, inclusive eu, consideram insuficientes as atuais descobertas taxonômicas. Um projeto de pesquisa atualizado e aprofundado sobre esse grupo de tartarugas precisa urgentemente de uma compreensão real de quantas subespécies (e talvez até espécies) existem realmente e as verdadeiras diferenças entre elas. Em um esforço para ajudar leitores e tratadores a misturar animais de diferentes linhagens ou áreas geográficas, listarei mais do que os dez atuais com breves descrições antes de entrar no corpo principal desta ficha de atendimento.

Nome latino: Testudo graeca ibera
Nome comum americanizado: “Ibera Greek”
Nome comum válido: tartaruga asiática menor
Notas: A subespécie de tartaruga grega mais difundida e encontrada, tanto na natureza quanto em cativeiro. O tamanho e a coloração variam incrivelmente, com alguns espécimes superando os 11 ”, exatamente como a tartaruga oriental de Hermann (Testudo hermanni boettgeri) . Robusto, resistente, agressivo e extremamente tolerante ao frio. Alguns podem ser inteiramente pretos, enquanto outros quase inteiramente amarelos. Geralmente pensamos na aparência da “tartaruga de Hermann” quando se trata de ibera , na medida em que têm uma cor de fundo amarelada com barras pretas e manchas em cada escarpa da carapaça. Poucos conseguiram manter a tartaruga da Ásia Menor pura em coleções em cativeiro, tudo graças à quantidade de Testudo graeca ssp importados sendo misturados e vendidos como a mesma coisa. Geralmente, vemos o ibera criado para terrestris, que é descrito a seguir. Isso se deve em parte ao fato de os terrestris serem conhecidos no hobby como “gregos dourados” quando na verdade nem sempre são dourados. Uma maneira extremamente obsoleta e irresponsável de pensar era supor que, se não é dourada, deve ser uma ibera . Isso, em troca, gerou um influxo de tartarugas gregas bastardizadas (hibridizadas) no mercado global, mas mais comumente nos EUA. Testudo graeca ibera é um animal que deve ser isolado de qualquer outra espécie de tartaruga, incluindo todas as outras tartarugas gregas. É único, musculoso, geneticamente diferenciado e muito mais poderoso do que seus primos de T. graeca ssp .

Tartaruga Menor da Ásia (Testudo graeca ibera )

Nome latino: Testudo graeca terrestris
Nome comum americanizado: “Grego dourado”
Nome comum válido: tartaruga mesopotâmica
Notas: Uma subespécie comumente encontrada em coleções americanas e batizada incorretamente de “Grego Dourado”. Espécimes escuros e totalmente pretos ocorrem dentro desta tartaruga de grande alcance. Este táxon está sob intenso debate porque simplesmente cobre uma área muito vasta em que esses animais existem naturalmente. É necessário um exame mais aprofundado para entender de forma realista as tartarugas gregas que ocorrem na faixa desta subespécie proposta. Provavelmente, há mais de uma subespécie vivendo nessa distribuição. Este é um tipo sensível que não pode tolerar condições úmidas por períodos prolongados. A síndrome do nariz escorrendo comumente associada ao micoplasma é frequentemente exibida por adultos coletados na natureza. Eles são capazes de lidar com temperaturas mais baixas enquanto permanecerem secos. Os recém-nascidos criados em cativeiro parecem se sair muito bem em condições de cativeiro e se adaptam. Essas tartarugas geralmente atingem comprimentos de carapaça de 5 “para machos e 7” para fêmeas, respectivamente. Dependendo do alcance geográfico, essas tartarugas podem ser amarelas amanteigadas sólidas ou quase idênticas às da ibera ao “olhar” o amarelo com bordas pretas. Alguns animais têm até uma cor cinza ardósia consistente ou um marrom enferrujado. É por isso que o termo “grego dourado” realmente não contém água. Talvez uma maneira mais apropriada dessa abordagem seja simplesmente dizer: “Procurado: variante dourada a amarela de Testudo graeca terrestris “. Porque vamos ser sinceros, se você simplesmente indicar que está procurando gregos dourados e acabar com terrestris de cores escuras, ninguém mentiu para você na realidade. Faça sua lição de casa, saiba o que realmente procura e ajude-nos a limpar essa bagunça quando se trata de tartarugas gregas. Tudo que os traficantes faziam nos dias anteriores era deixar de fora os animais escuros enquanto eles estavam coletando. Infelizmente, isso deu aos aficionados a idéia de que todas essas tartarugas deveriam ser de ouro. Até a ciência colocar o trabalho em amostragem adequada das populações selvagens de T. g. terrestris para ver se eles podem ser divididos em outras subespécies, estamos à mercê de nos unir para entender que esses animais não são todos de cor dourada.

Tartaruga mesopotâmica (Testudo graeca terrestris )

Nome latino: Testudo graeca marokkensis
Nome comum americanizado: “Grego marroquino”
Nome comum válido: tartaruga de Marrocos
Notas: Uma subespécie do norte da África recentemente descoberta. Eles só entraram no comércio de animais nos Estados Unidos algumas vezes nos últimos anos, mas, infelizmente, a maioria pereceu no primeiro ano. Isso ocorreu devido a cargas parasitárias pesadas e cuidados insuficientes. Esta é uma tartaruga de habitação seca que aprecia a cobertura vegetativa na forma de uma copa espessa. Eles toleram o frio se mantidos secos. Robusto e charmoso quando alojado adequadamente. Bastante prolífico, uma vez discado e seguindo um ciclo anual. Os adultos variam entre 500 e 700 gramas para homens e cerca de 900 gramas para mulheres com mais de 1.500 gramas. Manchas bonitas ou raios radiantes de preto podem acompanhar uma base de cor de chifre na carapaça e no plastrão. Animais mais escuros e mais leves existem como sempre. Os espécimes encontrados nas partes norte de sua área, em áreas como Meknes, apresentam pigmentação negra mais forte. Isso cria um belo contraste, enquanto aqueles encontrados perto de lugares como Agadir são mais de cor bege-areia com menos marcas escuras. Eles podem, em média, ser menores também. Os filhotes são facilmente diferenciados de outros bebês de tartaruga gregos por serem de uma cor marrom uniforme, sem manchas escuras centrais em cada escápula da carapaça. O local eventualmente aparece à medida que os animais crescem e se dividem em raios, linhas e manchas.

Tartaruga marroquina (Testudo graeca marokkensis )

Nome latino: Testudo graeca nabeulensis
Nome comum americanizado: “Grego da Tunísia”
Nome comum válido: tartaruga Nabeul ou tartaruga tunisina
Notas: De longe, o menor dos complexos de espécies Testudo graeca , em média, com machos adultos raramente ultrapassando 4-4,5 ”e fêmeas atingindo 5-5,5″. No geral, essa subespécie está ao lado da tartaruga egípcia e de certas formas da tartaruga ocidental de Hermann como menor de todas as tartarugas encontradas no gênero Testudo, uma vez que foram aceitas como uma espécie completa denominada Furculachelys nabeulensis (Highfeild, 1990), mas agora estão incluídas no grupo de tartarugas gregas. O pigmento preto pesado acompanha uma cor amarela a quase branca do solo. Carapaça e plastrão.Eles são pequenos e delicados, mesmo como indivíduos criados em cativeiro.Nunca importados para os EUA, os poucos animais fundadores estão associados a serem contrabandeados ilegalmente ou misturados às importações de tartarugas líbias no final dos anos 90 e início dos anos 2000. Eles exigem desertos. habitats e devem poder escapar das chuvas, se persistirem.O cuidado é basicamente o mesmo que com as tartarugas egípcias mais comuns. As tartarugas gregas mais raras e um Testudo muito raro em geral. Quando configurados corretamente desde o início, descobrimos que eles provam ser uma pequena tartaruga recompensadora de se manter.

Tartaruga Nabeul (Testudo graeca nabeulensis )

Nome latino: Testudo graeca cyrenaica
Nome comum americanizado: “Grego líbio”
Nome comum válido: tartaruga-de-espinho-cirenaica ou tartaruga líbia
Notas: Essa subespécie altamente atraente foi importada em grande número nos Estados Unidos no final dos anos 90 e 2000. Como as tartarugas marroquinas, poucos sobreviveram a longo prazo porque muitos detentores tentaram abrigá-las em condições semelhantes à Testudo graeca ibera. As duas subespécies na verdade não são nada parecidas e, devido às mortes prematuras que inúmeras tartarugas com esporas da Cirenaican enfrentaram, agora são uma raridade nas coleções americanas. Outra subespécie de habitação seca, deve-se tomar cuidado para mantê-las fora de situações excessivamente úmidas ou molhadas. Eles são marcados por um terreno amarelo colorido cheio de manchas pretas de dálmata por toda a carapaça. A concha é oblonga, com a queima de alguns escudos marginais, dando lugar a aparência de “saia”. Os machos podem atingir 6-6,5 “e as fêmeas podem ultrapassar 7,5”, respectivamente. É possivelmente a tartaruga grega mais difícil de se acostumar em cativeiro. Os espécimes criados em cativeiro são, obviamente, uma escolha melhor, mas ainda devem ser observados atentamente quanto a alterações no comportamento normal.

Tartaruga-de-espinho-cirenaica (Testudo graeca cyrenaica )

Nome latino: Testudo graeca anamurensis
Nome comum americanizado: “Grego Anamurensis”
Nome comum válido: tartaruga Anamur ou tartaruga Anamurum
Notas: Esta subespécie foi recentemente rebaixada para uma variante geográfica da tartaruga da Ásia Menor, o que é realmente um movimento infeliz. Eles são facilmente diferenciados de todas as outras tartarugas gregas, observando claramente a morfologia da concha. Esta tartaruga é frequentemente confundida com a tartaruga Marginada (Testudo marginata) devido à queima conspícua dos escudos marginais traseiros em ambos os sexos. A coloração da casca pode ser totalmente preta ou ocre com manchas pretas. São subespécies maiores, atingindo tamanhos mais comparáveis ​​a T. g. ibera . Nos nossos cuidados, as fêmeas superam 8 e até 9 ”, com os machos não muito atrás. Como as tartarugas da Ásia Menor, elas são robustas e resistentes, capazes de suportar uma variedade de condições climáticas, incluindo o frio. A carapaça também é bastante plana quando comparada a qualquer outro membro do complexo de espécies Testudo graeca . Algumas pessoas são surpreendentemente estreitas na forma do corpo. A pele é cinza a preta e, curiosamente, os bebês são de uma linda cor amanteigada, loira, com manchas escuras imperceptíveis. Sua aparência poderia rivalizar com os exemplos mais dourados de Testudo graeca terrestris. Isso desaparece com a idade e, quando as cores começam a se misturar, os animais geralmente ficam tão negros quanto a noite. Verdadeiramente uma tartaruga grega fascinante e muito rara. No momento em que escrevi isso, o único verdadeiro T. conhecido . anamurensis nos EUA reside em nossas instalações.

Tartaruga Anamur (Testudo graeca anamurensis )

Nome latino: Testudo graeca buxtoni
Nome comum americanizado: “Zagros Mountain Greek”
Nome comum válido: tartaruga de Buxton
Notas: Esta subespécie, infelizmente, entrou no comércio de animais de estimação ao lado de outras subespécies de tartaruga grega, incluindo T. g. terrestris e T. g. ibera. Como eles não são do tipo facilmente reconhecível, eles foram inevitavelmente misturados a um ou ambos e forçados a cruzar. Eles são uma tartaruga robusta e tolerante ao frio, atingindo tamanhos consideráveis ​​de 6 a 9 “e maiores. Eles exibem uma atraente variedade de marrons, bronzeados, cinzas e pretos, com alguns animais sendo de cinza a preto uniforme. A coloração da pele é escura como a tartaruga da Ásia Menor e a carapaça exibe um arco perceptível.Esta não é necessariamente uma subespécie rara de Testudo graeca, mas uma mal compreendida que tende a flutuar em coleções de espécies específicas pertencentes a uma subespécie completamente diferente.Eles se assemelham a T. g. ibera mais próximo, em média Para realmente ter uma idéia de como essa tartaruga se parece, eu recomendo fortemente comprar uma cópia do Terralog 1 Turtles of the World (2nd Ed) (África, Europa e Ásia Ocidental) por Holger Vetter e visitando as páginas da tartaruga grega no meu site, HermanniHaven.com.Você pode se surpreender.

Tartaruga de Buxton (Testudo graeca buxtoni )

Nome latino: testudo graeca graeca
Nome comum americanizado: “Tartaruga grega”
Nome comum válido: tartaruga mediterrânea ou mourisca
Notas: Esta é a forma indicada de Testudo graeca e, apesar do nome “tartaruga grega” ser usado no hobby global, eles são realmente muito raros nas coleções americanas. Poucos guardiões podem descrever a aparência de uma T. graeca pura e alguns estão simplesmente descrevendo a Testudo graeca ibera quando tentam fazê-lo. Eles são altamente sensíveis e, embora tolerantes ao frio, precisam principalmente de condições secas. Habitualmente, a Testudo graeca graeca apresenta uma cor de fundo clara, às vezes bastante brilhante na concha com pigmento escuro não uniforme na forma de manchas, manchas e manchas ou até raios (animais argelinos). A aréola de cada escápula da carapaça é marcada por uma mancha ou ponto preto central que pode ou não ser franjado com mais pigmento preto lateralmente e anteriormente. Como na maioria das populações, as do sul são predominantemente mais claras na coloração geral, enquanto as do norte são mais escuras. Os espécimes encontrados no sul de Marrocos costumam ter pele de cor laranja a avermelhada, o que corresponde à cor do solo em que ocorrem. Existem variações nas formas locais desta tartaruga. Em áreas onde se acredita que tenham sido introduzidas como a Espanha, elas são coloridas com uma cor amarela esbranquiçada. Em algumas populações, os adultos são pequenos, com machos atingindo 4,5-6 “e fêmeas atingindo 6 a 7,5”, respectivamente. Na Argélia, esta tartaruga cresce em grandes proporções, bem como T. g. ibera. Este formulário já foi apelidado de Testudo graeca whitei. Esses animais, originalmente descritos em 1836, podem atingir dimensões e pesos acima de 11 ”e quase 10 libras (Highfield, 1996). A graeca argelina pode diferir morfologicamente das tartarugas mouriscas ortodoxas, além de seu tamanho impressionante, por possuir uma carapaça mais alongada e queima pronunciada dos escudos marginais traseiros nos machos (Highfield, 1996). Na minha opinião pessoal, essas tartarugas argelinas se parecem mais com Testudo graeca marokkensis do que com T. g. graeca. Na realidade, parece que as tartarugas mouriscas estão morfologicamente mais próximas dos animais da Tunísia (Testudo graeca nabeulensis).

Tartaruga mourisca (Testudo graeca graeca )

Nome latino: Testudo graeca soussensis
Nome comum americanizado: ??
Nome comum válido: tartaruga do vale de Souss
Notas: Esta é uma tartaruga altamente difícil de identificar nativa do sul de Marrocos e do vale de Souss. Normalmente leve na coloração geral, possui uma areia de carapaça de cor amarelada com pouco ou nenhum pigmento preto. Quando o preto está presente, ele se apresenta na forma de raios ou manchas, como os homólogos próximos Testudo graeca marokkensis. Observou-se que os jovens nascidos e criados em cativeiro podem apresentar mais áreas negras pelo menos por um tempo durante o crescimento. Indivíduos pigmentados fortemente pretos também são encontrados na natureza, o que além disso confunde a identificação. A pele pode ser rosada a alaranjada, lembrando os solos em que é encontrada. O tamanho adulto corresponde a ambos os T. g. marokkensis e T. g. graeca com variação notável. Alguns relatórios sugerem que o soussensis é realmente maior, em média. Talvez a única ferramenta de identificação verdadeira que se possa usar para esta tartaruga seja o reconhecimento da falta de esporas na coxa. Este exemplo interessante do grupo da família de tartarugas gregas não possui esporas na coxa em vários indivíduos. Não está claro para mim qual é a proporção de espécimes com esporas na coxa e aqueles sem eles, no entanto, várias fontes afirmam que essa é uma característica indicativa da tartaruga do vale de Souss. Isso é semelhante à situação das tartarugas ocidentais de Hermann (Testudo hermanni hermanni) que ocorrem na Madonie, na Sicília, Itália. Essas tartarugas peculiares de Hermann realmente exibem esporas na coxa. Então, imagine que … uma tartaruga grega sem dentes retos e uma tartaruga de Hermann com eles! Essa é mais uma razão pela qual é tão imperativo que informações desatualizadas sejam substituídas.

Tartaruga do vale de Souss (Testudo graeca soussensis )

Nome latino: Testudo graeca zarudnyi
Nome comum americanizado: ??
Nome comum válido: tartaruga iraniana
Notas: Este é notavelmente o mais raro dos gregos e pouco se sabe sobre sua ecologia ou presença em cativeiro. Crescendo entre 24 e 28 cm, a concha é colorida como a de Testudo graeca buxtoni, mas pode apresentar o mesmo grau de ocre encontrado em Testudo graeca anamurensis . As tartarugas iranianas ocorrem apenas em partes do leste do Irã em ambientes agressivos. A queima dos escudos marginais traseiros assemelha-se à de Testudo graeca anamurensis e até mesmo Testudo marginata. O tipo de corpo é robusto e mais parecido com o de T. g. ibera.

Tartaruga iraniana (Testudo graeca zarudnyi )

Nome latino: Testudo graeca armeniaca
Nome comum americanizado: ??
Nome comum válido: Araxes tartaruga
Notas: Outra raridade, a Testudo graeca armeniaca é especial, pois se parece muito com a tartaruga russa (Testudo horsfieldii ssp) . Suas cores preto, cinza e castanho, juntamente com a forma bulbosa da cabeça, o formato arredondado da concha e a semi-planicidade dos escudos vertebrais podem levar a pensar que estão presenciando algum tipo de tartaruga russa. Esta tartaruga não é conhecida nas coleções americanas no momento em que foi escrita, mas está presente em algumas coleções europeias. Menor que ibera e anamurensis , é mais próximo em dimensões aos buxtoni e zarudnyi entre 24 e 26 cm.

Tartaruga Araxes (Testudo graeca armeniaca )

Disponibilidade

A disponibilidade de subespécies de tartarugas gregas é frequentemente sujeita ao país, mas é a tartaruga da Ásia Menor (Testudo graeca ibera) a mais comum. Hoje vemos essa tartaruga normalmente oferecida como bebês nascidos em cativeiro porque é difícil encontrar adultos verdadeiros e reprodutivos. Ainda assim, é a subespécie mais produzida em cativeiro. Vale a pena notar que, assim como as tartarugas de Hermann, os ibera são reconhecidos por ter algumas formas locais distintas (localidades). Alguns são consideravelmente maiores que outros, mas o comércio de animais de estimação fez um excelente trabalho em misturá-los.
Tartaruga da Ásia Menor (Testudo graeca ibera) à esquerda e Tartaruga Anamur (Testudo graeca anamurensis) à direita

O segundo lugar em popularidade, juntamente com a abundância, é a tartaruga da Mesopotâmia (Testudo graeca terrestris). Esta tartaruga continua a ser importada para vários países, pois o exigente comércio de animais de estimação e as remessas são compostas por exemplos dourados, pretos, indivíduos malhados e tudo mais. Embora não seja tão facilmente reproduzido quanto T. g. ibera , a tartaruga da Mesopotâmia está longe de estar disponível em termos de filhotes criados em cativeiro. O que é realmente raro é obter qualquer T. g. terrestris que são puros de origem. As formas jordaniana, síria, israelense e turca deste animal são jogadas e misturadas há anos. Nos Estados Unidos, mais de 75% dos detentores de animais que os criam não têm absolutamente nenhuma pista se todas as tartarugas do grupo são do mesmo local. As amostras específicas da localidade não são apenas um tratamento, mas também um salvador em manter essas espécies o mais puro possível para as próximas gerações.
Tartaruga mesopotâmica (Testudo graeca terrestris) da Jordânia
Tartaruga mesopotâmica (Testudo graeca terrestris) da Síria

Quando se trata do restante da subespécie Testudo graeca , não está claro o quão raro alguns deles estão sob cuidados humanos. Nos EUA, a tartaruga marroquina (Testudo graeca marokkensis) ganhou popularidade, mas com uma quantidade preocupante de importações morrendo nos primeiros 12 meses após o embarque, apenas uma fração delas rendeu qualquer filhote nascido em cativeiro. Achamos que eles são bastante resistentes, uma vez aclimatados adequadamente e configurados corretamente desde o início. O caso com outras formas marroquinas de T. graeca (incluindo T. graeca graeca e T. g. Soussensis ) não é fácil de avaliar, mas certamente elas estão menos disponíveis que T. g. marokkensis. Vale ressaltar que as grandes importações de tartarugas marroquinas que chegaram ao comércio de animais de estimação americano por meio de revendedores nunca tiveram uma etiqueta de identificação real anexada a eles. Eles eram simplesmente (e não surpreendentemente) rotulados como “gregos marroquinos”. Talvez essas remessas fossem compostas por várias subespécies e ainda hoje estejam sendo criadas pelos criadores. A tartaruga Anamur (Testudo graeca anamurensis) é muito rara em todo o mundo, apesar de não estar atualmente listada como um táxon válido. Embora sejam uma das tartarugas gregas mais reconhecidas, nunca foram fáceis de obter. A tartaruga de Buxton (T. graeca buxtoni) é mais confusa do que rara. A pureza dessa subespécie é severamente prejudicada por confusões e isso é principalmente o resultado de os guardiões pensarem que têm algo que não têm, porque tiraram uma foto flutuando na Internet. Isto é especialmente aparente nos EUA. A tartaruga de Buxton não é uma forma particularmente vibrante da tartaruga grega e muitas vezes se assemelha a T. g. ibera e algumas formas de T. g. terrestris que não coincide com o que está sendo oferecido. Vários guardiões estão vendendo “buxtoni” quando, na verdade, estão oferecendo uma forma de Testudo graeca terrestris, a tartaruga da Mesopotâmia. O fato de os animais não serem dourados é o motivo pelo qual os vendedores pensam que são de Buxton ou algo mais. Confuso ainda? Você pode culpar os colecionadores e revendedores que começaram a exportar tartarugas selvagens para venda sem nenhuma nota de origem ou cuidar dessa questão.
Tartaruga mesopotâmica (Testudo graeca terrestris)

A esporão-coxa da Tunísia (Testudo graeca nabeulensis) é mais comum nas coleções do Reino Unido e continua sendo uma verdadeira raridade aqui em solo americano. A sensibilidade e a delicadeza deles tristemente deixaram a maioria deles na primeira fila do “trem da morte prematuro”. Como tartarugas marroquinas, achamos que são resistentes quando recebem o cuidado e o ambiente certos. Os tunisianos são muito procurados, considerando seu tamanho diminuto e sua coloração brilhante. O mesmo vale para a Testudo graeca cyrenaica , a tartaruga líbia. Esta tartaruga também é lindamente colorida e sensível. Como T. g. marokkensis, muitos deles morreram antes do tempo após serem importados para os Estados Unidos. Os sortudos o suficiente para ainda tê-los podem achar que os animais criados e criados em cativeiro provam ser muito mais difíceis do que os selvagens capturados. Infelizmente, os líbios também estão sujeitos a confusões e tendemos a ver esses bebês de aparência escura, ou “desbotados”, oferecidos de tempos em tempos, quando deveriam ser de uma cor amarela rica com uma mancha escura central em cada escaravelho da carapaça. O local é delimitado por pigmento escuro, mas o contraste geralmente é nítido e não enlameado. A tartaruga Araxes (T. g. Armeniaca) e a tartaruga iraniana (T. g. Zarudnyi) são atualmente desconhecidas nas coleções americanas, mas estamos trabalhando para mudar isso. Encontrar animais legítimos e legais não é tarefa fácil. No passado, houve alguns poucos que alegaram ter esses animais, mas as alegações não resultaram em fotos, documentos e também provas.
Tartaruga-de-espinho-cirenaica (Testudo graeca cyrenaica)

Ao procurar qualquer tartaruga grega para adicionar à sua coleção, recomendo fortemente que você faça uma pesquisa completa sobre o vendedor. O comércio de répteis americano está repleto de partes desonestas que buscam ganhar dinheiro rapidamente, oferecendo animais que não são legítimos à pureza. A impureza é uma das maiores ameaças que as tartarugas do gênero Testudo enfrentam, mas nós, como entusiastas responsáveis, podemos ajudar a situação educando-nos a fundo. Para iniciantes, tenha muitas perguntas preparadas para quem oferece “gregos dourados” ou “gregos negros”. Nenhum nome corresponde a uma subespécie válida e está simplesmente vinculado à cor. Lembre-se de que existem exemplos de ouro e preto encontrados em várias populações de qualquer tartaruga grega, como já foi dito. Quando você se deparar com essas ofertas, solicite absolutamente fotos dos pais se forem bebês que estão sendo vendidos.

Habitat

Todos os membros do complexo de espécies Testudo graeca ocorrem na paisagem mediterrânea em algum grau. Encostas inclinadas, afloramentos rochosos. mato, prados e a borda das florestas são comuns. Os arbustos de baixa altitude são a escolha preferida para se refugiar do sol implacável e normalmente não há cobertura espessa no alto. De um modo geral, o habitat de qualquer tartaruga grega fica no lado seco, se não for extremamente seco, mas algumas subespécies estão equipadas para lidar com chuvas substanciais, como Testudo graeca ibera, por exemplo. A luz solar é fundamental para esses animais e é necessária para que eles vivam vidas normais e alcancem a funcionalidade ideal, incluindo a reprodução. A severidade e a duração do inverno variam de região para região, o que conclui que algumas tartarugas gregas são capazes de resistir a períodos longos e frígidos, enquanto outras podem lidar apenas com períodos curtos e amenos. A variedade de espécies é tão vasta que os níveis anuais de precipitação, temperaturas médias, consistência do substrato e vegetação variam incrivelmente.
Tartaruga marroquina (Testudo graeca marokkensis)

Cuidado em cativeiro

O cuidado adequado das tartarugas gregas em cativeiro nem sempre é um tópico fácil de resolver. Isso ocorre porque estamos lidando com várias subespécies que não são apenas fisicamente ou geneticamente diferentes uma da outra, mas que também têm requisitos de criação diferentes. Isso anda de mãos dadas com o motivo pelo qual é tão imperativo saber exatamente o que você tem quando compra uma ou mais dessas tartarugas. Muitos filhotes atingem seu fim devido ao fato de os criadores serem mal informados desde o início sobre os animais que adquiriram. Se você é paciente e obtém uma tartaruga grega de um conhecido criador de animais puros, é provável que tenha sucesso a longo prazo. Comprar exclusivamente por impulso não é uma prática recomendada para a manutenção de tartarugas e, principalmente, quando se trata do grupo familiar Testudo graeca . Verdade seja dita, seus cuidados não são os mesmos em geral e, embora semelhantes aos bebês, os adultos devem ser atendidos com requisitos específicos relativos à sua origem histórica. Por essa razão, dividirei essa parte da folha de cuidados em dois grupos de tartarugas gregas. Lidaremos com as subespécies resistentes que são mais tolerantes às condições e também cobriremos as habitações áridas que são mais sensíveis. Aqueles que não são conhecidos em cativeiro em nenhuma extensão completa não serão abordados no momento.
Tartaruga da Ásia Menor (Testudo graeca ibera) aceitando uma almofada de cacto da minha mão.


Cuidar de subespécies resistentes

As subespécies resistentes da tartaruga grega incluem a tartaruga da Ásia Menor (Testudo graeca ibera) , a tartaruga Anamurum (Testudo graeca anamurensis) e a tartaruga de Buxton (Testudo graeca buxtoni). Esses animais, particularmente o ibera, são tipos robustos e bem construídos, com capacidade de suportar temperaturas e condições extremas.

Sem dúvida, o exterior é o melhor para eles. Não há substituto para o sol e os animais apreciarão estar sujeitos a elementos naturais, mesmo quando não forem exatamente favoráveis. O gabinete deve ser construído em um local banhado pelo sol e nada menos. Na natureza, o sol bate nas paisagens mediterrâneas e as tartarugas fazem pleno uso pela manhã para atingir a temperatura corporal desejável. Essa temperatura permite que funcionem em um nível normal para a época do ano em questão. Virado a sul e inclinado é o melhor. O tamanho do recinto está em debate como costuma ser, mas descreverei pelo menos o que fazemos aqui. Essas subespécies são de tamanho médio a grande, portanto, isso deve ser levado em consideração durante os estágios iniciais do planejamento. T. g. ibera são os maiores em média, mas T. g. anamurensis não estão muito atrás. Optamos por abrigar grupos de 2 homens e 6 mulheres em nada menos que 30 pés por 20 pés. As paredes dos gabinetes são feitas de tábuas tratadas sob pressão. Não causam danos às tartarugas e duram muito mais tempo do que a madeira não tratada em um ambiente externo. As tábuas têm 2 polegadas de espessura e variam de 8 a 12 pés de comprimento e 10 a 12 polegadas de altura. Utilizando parafusos de plataforma externa de 3 a 4 ”, eles são fixados às madeiras de paisagem que atuam como estacas. As madeiras de 8 pés são cortadas ao meio e cada metade é enterrada no chão 18 a 24 ”. Qualquer excesso das madeiras que exceda a altura final da parede é cortado com uma serra. Se você estiver trabalhando excepcionalmente com perda de terreno, preencha o buraco que cavou nos pilares de madeira com cimento para mantê-los no lugar. Você precisará dobrar as tábuas da parede para atingir uma altura de 20 a 24 ”acima do solo para evitar fugas. Esses animais são capazes de subir e os cantos são uma maneira fácil de abrir caminho até o topo. Sempre tampe os cantos ou instale um lábio no topo de todo o perímetro, de modo que, se uma tartaruga subir, ela atinja o lábio e caia novamente. Optamos por enterrar apenas a primeira prancha no chão de 4 a 6 ”. É claro que as tartarugas gregas são capazes de cavar, mas quando fornecidas com uma caneta naturalista lindamente decorada, elas não tentam escapar cavando. Se houver muito sol, sombra, plantas, comida, água, decoração e outros elementos naturais, os membros do grupo de espécies Testudo graeca se acalmarão bem e começarão a exibir ciclos diários de pastoreio, criação, exploração e ocultação. Apenas fêmeas grávidas que procuram nidificar devem ser as que andam incansavelmente e é apenas temporário. Depois que os ovos forem depositados com segurança no chão, a fêmea retomará os padrões normais de atividade. Se uma tartaruga não é gravida ou é um homem e está andando incansavelmente pelo recinto, escalando as paredes, capotando e / ou tentando cavar, algo está errado com a configuração. Você precisará repensar o gabinete e considerar todas as possibilidades de por que as amostras não estão satisfeitas.
Testudo aqui no Garden State Tortoise / Hermanni Haven.

No início, quero que o leitor esteja plenamente ciente de que as tartarugas gregas são animais agressivos e isso não se refere apenas aos machos. Testudo graeca ibera e Testudo graeca anamurensis podem ser totalmente violentos. Acho melhor ter algumas canetas extras e menores disponíveis para separar os agressores que levam as coisas um pouco longe demais. Mordidas excessivas, pancadas e perseguições são comuns. Embora esses comportamentos sejam normais para eles e devam ser permitidos até certo ponto, você deve ficar de olho neles. O combate masculino e o domínio feminino são maravilhosos, exibições naturais da conduta do T. graeca, mas as coisas podem aumentar rapidamente. Lesões na casca e na pele, juntamente com o estresse, podem se tornar problemas reais que podem levar a problemas de saúde mais graves. Uma tartaruga que fica em um canto, não se arrisca a comer ou descansa no mesmo local por dias é aquela que mostra sinais claros de estar estressada. É mais provável que isso esteja sendo causado por outro indivíduo, seja homem ou mulher. Ao manter grupos maiores de ibera, anamurensis ou buxtoni, as complicações da agressão parecem ser menos problemáticas. Isso geralmente ocorre devido à existência de vários animais ao redor para compartilhar qualquer comportamento premente, em vez de apenas um indivíduo assumir o peso dele. Afinal, um grupo ou colônia tende a se comportar mais como uma população selvagem. No início da vida, as tartarugas costumam se reunir sob o mesmo objeto ou vegetação usado para se esconder. Eles se reúnem e são tipicamente vistos em grupos de tipos. Isso prepara o terreno para a dinâmica da população em questão e os animais aprendem a coexistir. Agressões de qualquer tipo ainda fazem parte de seu ciclo anual, mas “homens desonestos” são menos comuns, se é que existem. Acredita-se que, em tenra idade, eles estejam se imprimindo, se comportando naturalmente e buscando contato próximo (Wegehaupt et al 2006). Os machos, em particular, que foram alojados sozinhos por toda a vida, podem se tornar um problema sério se forem adicionados a uma colônia. Sua frustração, tanto sexual quanto pela busca de domínio, os domina e eles passam o tempo todo perseguindo espécies específicas de ambos os sexos. Apesar de essas tartarugas ocorrerem em colônias na natureza, não é recomendável abrigá-las em pares. A fêmea ficará absolutamente estressada ao ponto de recusar comida pela persistência do macho. Em alguns casos, o homem pode realmente ficar estressado pela mulher. As fêmeas podem e irão afirmar o domínio, especialmente quando grávidas. Eles exibirão o mesmo comportamento agressivo que os machos, batendo e até montando. É claro que manter apenas um par pode funcionar, mas é mais do que sábio nem sempre abrigá-los juntos, a menos que você tenha espaço para fornecer uma caneta enorme. Essa caneta precisará ser tão grande que os dois nem sempre se encontrem, como seria o caso na natureza.
Comportamento típico de mordida em Testudo graeca ibera.

As tartarugas ocorrem em colônias na natureza e, portanto, achamos melhor fazer o mesmo em condições de cativeiro. Existe uma dinâmica que é retratada dentro de uma determinada população em que homens combatem por mulheres e mulheres realizam seus rituais do dia a dia. Nem sempre os homens se envolvem em uma batalha nos encontros e várias pessoas podem ser encontradas pastando ou se aquecendo em harmonia a qualquer momento. As fêmeas competem pelas áreas de oviposição (postura de ovos) e os pontos certos são muito disputados. Ambos os sexos seguem o mesmo ciclo anual, tornando-se menos ativos no outono e cada vez mais ativos na primavera. Tudo isso permanece dentro de um equilíbrio delicado, que não pode ser imitado por conter apenas uma tartaruga ou um par. Se seu plano é criar esses animais a longo prazo e ter sucesso a longo prazo no que diz respeito à saúde, é recomendável manter um grupo. Em ambos os casos, um ambiente adequado para eles precisa estar em primeiro lugar.

Em nossa localização costeira, temos um substrato naturalmente arenoso que funciona bem para muitas espécies de tartarugas, incluindo a Testudo graeca ssp . Um gramado precisaria ser removido e substituído por um substrato composto de areia, solo superior e um pouco de cascalho. É crucial que o substrato seja drenado bem; portanto, verifique com antecedência a área escolhida para o compartimento para ver como ele se sai durante as chuvas torrenciais. Terrenos irregulares dentro do recinto devem ser proporcionados criando montes e declives. Pedregulhos, troncos e pedras podem ser empurrados ao redor da base de um monte ou declive para dar estabilidade. Isso também persuade os habitantes a subir, o que, é claro, é um bom exercício. Podem ser adicionados galhos de árvores branqueados pelo sol, pedras de rios, pedras de bandeira e mais rochas para apelo estético e como barreiras visuais que ajudarão a conter o estresse potencial. A vida das plantas é obviamente importante para essas tartarugas ao oferecer refúgio. Mediterrâneo urze, Spirea, hibisco, capim-fonte e nocaute rosa são escolhas bonitas e seguras. Permitir que os comestíveis cresçam em todo o recinto permitirá que as tartarugas pastem à vontade. Recomenda-se trevo, banana-da-terra, ervilhaca, cardo de porca, médico preto, galinhas e pintos, malva e sedum. Pratos de águas rasas de 1 a 2 polegadas de profundidade devem ser recuados no chão. Os discos de terracota e as panelas de aço inoxidável para comida de cachorro funcionam bem. Cavar mergulhos rasos no chão será suficiente para capturar chuvas. Depois de escavado, você pode preencher com um pouco de cascalho (a pedra do rio Delaware de 3/4 ”é uma boa opção) e isso drena um pouco mais devagar. Esta é uma maneira elegante de deixar a piscina de água da chuva, que oferece às tartarugas uma nova fonte de bebida. Ele irá drenar por conta própria e reabastecer novamente durante a próxima chuva. Uma pequena casa verde ou estrutura fria pode ser instalada no gabinete para permitir que as tartarugas termorregulem. Aqui no nordeste, achamos que eles são muito benéficos e ajudam a manter nossas tartarugas seguras durante as lutas com um clima fora de época. Uma excelente opção é o quadro frio de cedro de 8 por 2 pés da Gardener’s Supply. Embora baseado em cedro, absolutamente não prejudica os animais de forma alguma. Ele pode estar situado em uma base feita de madeiras paisagísticas ou pranchas tratadas sob pressão. Isso é especialmente bom para T. extra grandes . G. ibera que pode ter um arco significativo em suas conchas. Ao elevar a estrutura fria com uma entrada cortada na base, as amostras com casca mais alta podem entrar e sair facilmente. Nossos verões são abrasadores, assim como muitas áreas dos Estados Unidos, por isso é imperativo que as tartarugas possam escapar da estrutura fria em dias excessivamente quentes. Os painéis de policarbonato na parte superior podem ser mantidos abertos para que haja sempre trocas de ar e temperaturas mais seguras dentro da estrutura fria durante esta época do ano.
Estrutura em cedro frio com painéis de policarbonato abertos, mostrando uma estrutura interna adicional.

Hardy Testudo graeca ssp normalmente se torna ativo em abril e permanece como tal até outubro ou novembro. A criação ocorre a qualquer momento durante a estação ativa, mas atinge um pico na primavera e no outono. A postura dos ovos começa de maio a junho, com os filhotes emergindo no final do verão, início do outono. Em dias favoráveis, essas tartarugas acordam de descansar durante a noite e imediatamente procuram o sol da manhã para relaxar. Eles girarão contra a linha da cerca, deitarão em uma pedra, se apoiarão em um tronco ou permanecerão na estrutura fria para absorver o calor e os raios do sol. Quando a temperatura corporal ideal é alcançada, eles procuram comida. À medida que a temperatura do dia aumenta, as tartarugas recuam para áreas sombreadas e esperam até que caiam um pouco. Eles então retomarão o pastoreio ou o frade até pouco antes do anoitecer. A chuva de verão é muito apreciada, especialmente após períodos de seca. O testudo greaca ibera é tão resistente que eles nem se importam se forem pegos em pequenas inundações. Testemunhamos nossos animais beber, defecar e até descansar em alguns centímetros de água após uma grande chuva. À medida que o verão começa a cair, essas subespécies começam a se aquecer mais e a consumir menos alimentos. Este é o momento em que eles começam a se preparar para o descanso de inverno.


Um trecho sobre brumação

O início do outono pode ser um período estressante para os criadores de tartarugas, pois a inevitável batalha do que fazer com nossas tartarugas durante o inverno nos enfrenta. Embora algumas espécies precisem ser trazidas para dentro de casa e mantidas acordadas e ativas até a primavera, há outras que podem dormir com segurança no inverno. As tartarugas são ectotérmicas (sangue frio) e, na verdade, não hibernam, mas entram em um período de dormência chamado de “brumação”. Ao contrário dos mamíferos, os répteis não estão em um verdadeiro estado de sono durante esse período. Eles entram em um estado de torpor para lidar com condições desfavoráveis, tornando-se menos fisiologicamente ativos durante uma queda de temperatura. Como eles não conseguem atingir temperaturas digestivas ideais durante a parte mais fria do ano, a brumação reduz o risco de perder muito peso por permanecer inativa. Simplificando, descansando, as tartarugas não estão queimando calorias preciosas. Quando ocorre um dia quente de inverno, no entanto, eles são capazes de emergir de suas tocas para aproveitar o sol e até beber de uma poça. Mamíferos não fazem isso. Somente certas espécies de tartarugas podem se proteger com segurança; tipos que experimentam as mesmas estações que vivemos em áreas como o nordeste dos Estados Unidos. Aqueles pertencentes ao gênero Testudo estão particularmente acostumados a fazê-lo, e os detentores de sucesso obtiveram êxito em brumando-os em condições de cativeiro por anos. Estes incluem as tartarugas de Hermann (Testudo hermanni ssp.), Tartaruga com margens (T. marginata) e alguns tipos de tartaruga grega (T. graeca ssp.), Particularmente a Ásia Menor ou “Ibera Greek” (T. g. Ibera ). As tartarugas russas (T. horsfieldii) também se enquadram na categoria “seguro para brumato”, assim como algumas tartarugas americanas, como a tartaruga do deserto (Gopherus agassizii). A maioria das espécies de tartarugas do mundo não é segura para bruma. Embora muitos deles experimentem algum tipo de parte mais fria do ano que os obriga a permanecer um pouco inativos, eles não conseguem lidar com as temperaturas ou o tempo de inatividade que as tartarugas mencionadas anteriormente podem. É crucial saber o que suas próprias tartarugas experimentam naturalmente na natureza e o que elas são capazes de suportar. Caso contrário, tentar ferir uma tartaruga que normalmente não experimenta uma ferida na natureza certamente terminará em doença e, muito provavelmente, na morte prematura da tartaruga. Mais uma vez, é por isso que é tão crucial comprar apenas tipos de tartarugas gregas de criadores confiáveis ​​de estoque puro. Para ser franco, você precisa saber o que tem. Para ler meu artigo completo sobre brumação com notas sobre como fazê-lo com segurança, use este link: http://www.reptilesmagazine.com/How-To-Brumate-A-Tortoise/
Testudo graeca anamurensis saindo de uma estrutura fria após brumação no início da primavera.

Cuidar de subespécies sensíveis

As subespécies sensíveis da tartaruga grega incluem a tartaruga tunisina-de-coxa (Testudo graeca nabeulensis) , a tartaruga moura (Testudo graeca graeca) , a tartaruga líbia ou cirenaica (Testudo graeca cyrenaica) , a tartaruga mesopotâmica (Testudo graeca terrestris) e a marroquina ( Testudo graeca marokkensis). Todos esses animais provaram ser notoriamente difíceis de se aclimatar em cativeiro após serem importados. Eles derivam de habitats áridos da natureza, com pouca ou nenhuma chuva, não são tão robustos quanto as subespécies resistentes e sucumbem mais rapidamente a infecções parasitárias e virais. Nunca, nunca misture essas tartarugas com qualquer outra coisa em prol de si e de outras espécies. São portadores conhecidos do vírus do herpes, entre outros, que podem permanecer inativos até que o estresse os exalte. Embora os animais capturados selvagens possam ser portadores dessas doenças a vida inteira sem revelar sintomas, eles sem dúvida são um perigo para outras tartarugas. As tartarugas de Hermann, em particular, são extremamente vulneráveis ​​a infecções por herpes causadas por tartarugas gregas e certamente morrerão. O fato de que esses vários tipos de Testudo-Graeca podem persistir como assintomáticos é uma situação assustadora, mas muito real. Leve isso a sério, pois pode salvar sua coleção inteira.
Testudo graeca marokkensis se aquecendo em ambientes fechados.

Considerando que o estresse é o principal fator para essas tartarugas caírem ladeira abaixo, é importante que elas sejam configuradas corretamente desde o início. Os animais precisam ter a chance de se instalar, se acostumar com o novo ambiente e devem ser deixados em paz. Os sobreviventes certamente não são animais tímidos. Uma vez que o estresse diminui, eles são bastante gentis e avançam para seus tratadores em busca de comida.

Ao contrário das subespécies resistentes, pode ser melhor hospedar principalmente as sensíveis em ambientes fechados, dependendo da sua localização geográfica. Mantê-los livres de períodos prolongados de chuva, condições frias ou úmidas e alta umidade fará toda a diferença na tentativa de estabelecê-los como espécimes saudáveis ​​e de longo prazo. Na maioria das partes dos Estados Unidos, os padrões climáticos normalmente tornam impossível mantê-los ao ar livre o ano todo. Ainda assim, o verão normalmente permite pelo menos alojamentos externos temporários em determinadas áreas. Se você mora em um estado que recebe chuvas significativas durante o verão ou em que as temperaturas não podem ser confiáveis, precisará estar preparado para transportá-las para ambientes fechados a qualquer momento. Sempre tenha acomodações internas prontas para eles.

Como espécies resistentes, uma caneta externa para as sensíveis precisa ser colocada em uma área ensolarada e bem drenada. O substrato deve imitar o de seus espaços selvagens. Uma mistura composta de areia de jogo ou pedreiro e vários tipos de cascalho deve compor a maior parte. Áreas costeiras como a nossa têm naturalmente terreno arenoso, portanto, se você mora na costa, talvez seja mais fácil preparar uma unidade externa para esses tipos de Testudo graeca. Musgo de turfa e solo superior podem ser adicionados para ajudar a mistura a ter melhor consistência. Isso será especialmente útil para nidificar fêmeas que procuram inovar. Várias suculentas, incluindo sedimentos selecionados, cactos e agave, podem ser plantadas. Outras plantas como as mencionadas acima para subespécies resistentes de T. graeca também podem ser usadas. Naturalmente, rochas, troncos e troncos são úteis para criar barreiras visuais e mais refúgio. Uma estrutura fria, conforme discutido acima, para subespécies resistentes é uma obrigação para essas graecas de habitações áridas na maioria dos Estados Unidos. Eles simplesmente não conseguem aguentar nossas chuvas em excesso e serão altamente beneficiados por poderem entrar em uma estrutura fria para escapar dela. Lâmpadas chocadeiras ou emissores de calor de cerâmica de 250 watts podem ser instalados dentro da estrutura fria para aumentar o calor e ajudar a secar por dentro, caso ela fique molhada. Lembre-se de que durante o pico do verão, essas lâmpadas chocadeiras talvez precisem ser desligadas e os painéis da estrutura fria precisem estar abertos. Mesmo sendo tartarugas áridas, é claro que correm o risco de superaquecer quando esses dias abrasadores chegarem. Durante o calor excessivo, verifique se os animais não ficam presos dentro. Frequentemente, vivenciamos dias entre meados e alta dos anos 90 (Fahrenheit) no verão e é nesse momento que prestamos muita atenção às estruturas frias. Se está tão quente lá fora, imagine como é dentro deles.
Algumas de nossas canetas Testudo externas, cada uma equipada com solo natural e arenoso e uma estrutura fria.

No total, os materiais do invólucro, tamanho, design e métodos de construção mencionados para subespécies resistentes de tartaruga grega são aceitáveis ​​para os sensíveis, mas o substrato é o que precisa de um TLC extra. Deve imitar o solo arenoso em que prosperam na natureza, pelo menos até certo ponto.

No interior, essas subespécies de Testudo graeca mais sensíveis tendem a se sair bem. Isto é atribuído principalmente à realidade de que eles não estão sujeitos à quantidade de flutuação no clima e nas temperaturas, como estariam se fossem mantidos fora. É claro que as áreas internas devem ser espaçosas e gostamos de oferecer grupos de 3 ou 4 adultos com pelo menos 8×4 pés (no mínimo). Amostras particularmente grandes exigirão mais espaço do que isso. A madeira compensada é mais comumente usada para construir unidades internas e funciona bem. Mais uma vez, o substrato é importante, pois esses animais não foram feitos para se sentar em palha, aparas de madeira ou apenas feno e palha. Atualmente, existem vários substratos puros projetados especificamente para espécies de répteis áridos e, embora caros, alguns são divertidos de se trabalhar. A argila para escavadeira Zoo Med é uma que provou ser eficaz na criação de um terreno naturalista. Este produto de areia / argila é misturado com água para que possa realmente ser moldado ao seu gosto. Isso ajuda o detentor a criar montes e outras áreas irregulares que as tartarugas usarão enquanto se movimentam pelo recinto. É uma cor avermelhada que imita de perto as áreas de areia vermelha em que algumas tartarugas gregas ocorrem legitimamente na natureza. Testudo graeca marokkensis e Testudo graeca graeca podem ser encontrados em habitats com areia vermelha ou solo, por exemplo. As tartarugas podem atravessá-lo, escavar nele e movê-lo, mesmo que esteja moldado. Não é do tipo cimento nem muito abrasivo e, afinal, essas espécies vivem naturalmente em ambientes rochosos e agressivos. As maneiras menos caras de criar um ambiente interno esteticamente agradável incluem a compra regular de pedreiro / areia de jogo, mistura de envasamento orgânico, turfa e solo de topo e misturando tudo junto. Os mesmos tipos de cascalho usados ​​em recintos ao ar livre também podem ser adicionados à mistura de substrato interno. Mesmo concha de ostra esmagada (comumente usada como substrato para tartarugas egípcias) é um bom aditivo à mistura. O substrato deve ter pelo menos 20 a 30 cm de profundidade se se espera que as fêmeas possam aninhar com sucesso. Se você optar por manter o substrato raso entre 4 e 6 ”de profundidade, uma grande caixa de nidificação (recipientes de seringa e sacolas plásticas funcionam bem para isso) precisará ser recuada na base de madeira do compartimento para que os animais possam acessá-lo facilmente .
Uma unidade interna bem construída para o Testudo graeca terrestris aqui, usada durante o tempo desfavorável.

Dicas de vida vegetal

A vida vegetal dentro de um gabinete é uma adição importante para reunir toda a unidade. Na natureza, todas as tartarugas gregas são cercadas por várias formas de vegetação que usam como alimento e cobertura. Em cativeiro, pode ser muito difícil manter as plantas comestíveis vivas por tempo suficiente, uma vez que as tartarugas as apanham constantemente e acabam cortando-as. Nos nossos recintos externos, a primavera aciona uma maravilhosa exibição de ervas daninhas e flores silvestres para começar a cobrir a maior parte do solo. Após o surgimento do traumatismo, as tartarugas estão mais preocupadas com o banho e apenas mordiscam aqui e ali, o que dá a esta vegetação um começo contínuo para realmente se expandir. Em meados do final da primavera, eles começam a consumir grandes quantidades desses alimentos comestíveis e, no verão, os terrenos das canetas estão quase vazios. Essa é uma das razões pelas quais é tão crucial plantar outra vida dentro dos recintos que os animais não querem necessariamente comer (mas podem com segurança, se assim escolherem) ou não conseguem alcançar com a boca. Tartarugas gregas famintas não hesitarão em subir em uma planta para comer suas folhas! Pode ser frustrante para o goleiro, especialmente se você é como eu e desfruta de belas canetas naturalistas com vegetação esvoaçante. Como oferecemos constantemente alimentos para nossas tartarugas, além da vegetação em seus cercados, é de importância secundária garantir que eles possam comer seus co-habitantes das plantas. É claro que nunca se deseja plantar algo tóxico; portanto, plantamos itens resistentes que podem consumir um pouco de força da tartaruga ou simplesmente não são um alimento preferido. O que é principalmente importante é que as plantas ofereçam refúgio e barreiras visuais. Na natureza, esses animais não ocorrem completamente expostos enquanto repousam sobre um solo nu. Simplificando, eles fritavam ao sol escaldante. O testudo graeca ssp na verdade ficará “assustado” se ficarem vulneráveis ​​a alguém ou a qualquer coisa, porque não têm cobertura para escapar. Estes são os animais selvagens no coração, não importa o quê, e são instintivamente programados para se esconder de ameaças em potencial. Quando eles não têm a chance de fazer isso, estamos mais uma vez lidando com o estresse.

As gramíneas grandes são uma excelente maneira de fornecer cobertura e os animais não as comem. As ervas de fonte ou de solteira são a escolha preferida aqui e voltam a cada ano mais cheias e maiores. As tartarugas não perdem tempo fazendo arranhões em torno das bases das ervas e podem esfriar facilmente sob elas durante dias muito quentes. Nocaute rosa, embora comestível, é normalmente deixado sozinho pelas tartarugas. Eles crescem grandes e apresentam flores impressionantes de rosa, vermelho ou amarelo … apenas cuidado com esses espinhos! À medida que as pétalas caem, os animais podem optar por lanche nelas. As variedades de plantas Spirea são alguns dos meus favoritos. Estes também crescem grandes e cheios, voltam todos os anos e são muito atraentes. O único aspecto negativo da spirea é que os animais os comerão. Eles são fáceis de subir e as folhas são deliciosas, ao que parece. As tartarugas gregas (e qualquer outra espécie Testudo ) as despirão. Comece com grandes espíritos já estabelecidos ou esteja preparado para cercá-los, para que as tartarugas não possam acessá-los até que amadureçam e se completem. A mandioca é uma planta perene muito resistente que parece ser uma suculenta do deserto e, à medida que cresce, fornece sombra ao sol. As tartarugas não a comem. As árvores e plantas de hibisco são ótimas opções, mas aqui no nordeste somos obrigados a comprar novas a cada estação ou durante o inverno em ambientes fechados. Normalmente, não temos acesso fácil a tipos resistentes que podem sobreviver ao inverno. As folhas e as flores são comestíveis e favorecidas pelas tartarugas. Eles são uma fonte constante de alimento, pois folhas e flores caem durante a parte ativa do ano. As árvores são altas o suficiente para que os animais não alcancem nada e os destruam. No final do verão, removemos todos os hibiscos e os alimentamos completamente aos animais. Começamos novamente na primavera com novos.
Testudo graeca anamurensis confortavelmente aninhado na vegetação plantada.

Ao plantar qualquer um desses itens, é aconselhável agrupá-los em partes aleatórias dos recintos para criar boas áreas de refúgio. É claro que à medida que crescem e aumentam, eles podem precisar ser aparados, especialmente por estarem tão próximos um do outro, mas isso é outra coisa de importância secundária. O bem-estar de nossas tartarugas vem em primeiro lugar e estamos tentando replicar a natureza da melhor maneira possível. As plantas não crescem em pequenas fileiras na natureza. Eles crescem selvagens! Lembre-se de que você está criando um habitat para um animal selvagem e, embora a colocação dessas plantas possa não seguir a regra geral de um jardineiro, ela ainda pode ser bonita e cativante. Também lhe dá a tranqüilidade de saber que suas tartarugas podem acessar com segurança áreas escondidas, fornecendo-lhes a vida vegetal adequada. Existe uma grande variedade de plantas que podem ser usadas em um compartimento de tartaruga que são seguras para os ocupantes. É melhor fazer uma pesquisa completa sobre o que pode crescer bem em sua área específica. Como Nova Jersey experimenta todas as quatro estações do ano, preferimos usar plantas perenes ao ar livre. Economiza dinheiro e as plantas voltam melhor a cada ano.

Para uma visão completa e interessante de plantas que são seguras e inseguras para tartarugas, use este link: www.thetortoisetable.org.uk

Plantar um recinto interno nem sempre é fácil e a falta de espaço pode ter um grande impacto. Normalmente, as tartarugas são mais confinadas em um ambiente interno e as plantas, é claro, ocupam espaço. Os animais também se enraizarão ao pisar qualquer planta no ato. Utilizamos algumas plantas vivas internas, como agave, aranha e Dracanea, que são todas seguras, mas o uso de plantas falsas provou funcionar muito bem. Lojas como Michael e Hobby Lobby vendem inúmeras réplicas de plantas que são realmente muito realistas. Gramíneas, grandes plantas folhosas e até várias suculentas podem ser compradas. Essas lojas costumam ter 50% de desconto nesses itens, o que é excelente se você tiver um gabinete grande para decorar. Essas falsificações são fornecidas em todos os tamanhos e são adequadas para adultos e filhotes Testudo graeca. Ocasionalmente, só vimos tartarugas mordiscando neles, mas como são bem feitos, os animais parecem não conseguir arrancar pedaços. Alguns dos itens suculentos menores apresentam peças minúsculas que podem ou não se quebrar. Use esses menores com cuidado. Ao usar plantas falsas, é possível ser muito criativo e construir um recinto de tirar o fôlego para as tartarugas sem assumir o trabalho de mantê-las vivas. Eles podem ser colados ou parafusados ​​na lateral e / ou na base de uma unidade ou carregados com pedras. Você também pode fazer um furo na base e depois colocar o talo de plástico da planta. Isso irá ancorá-lo e os animais não poderão arrancá-lo quando o substrato estiver no lugar.
Testudo graeca marokkensis com plantas falsas dentro de casa.

Proteção contra predação

Embora a caixa externa tenha seus grandes benefícios, ela também vem com um grande revés. Os predadores são um problema muito real para as tartarugas que vivem fora, sem a proteção de uma casa ou prédio. Os guaxinins são, naturalmente, a ameaça número um das coleções de tartarugas ao ar livre, mas visons, ratos, ratazanas, coiotes, raposas, raptores e até cães e gatos ferrel são todos assassinos em potencial. Os corvos, em particular, aprendem a reconhecer as tartarugas fêmeas que nidificam e rapidamente fazem uma refeição com os ovos à medida que são postos. Gambás e raposas adoram desenterrar ninhos de tartarugas e devorar os ovos. A maioria dos ataques de predadores ocorre à noite ou quando o goleiro sai por vários dias. Alguns desses animais são altamente inteligentes e capazes de aprender rapidamente quando a presença de um humano não está mais próxima. Sabe-se que os guaxinins aniquilam um grupo ou coleção de tartarugas em apenas uma noite; portanto, é especialmente importante ter métodos para detê-los. Mesmo Testudo graeca ibera muito grande pode estar em risco para eles. As ratazanas adoram comer tartarugas bebês e, apesar de raro, raptores como falcões, águias e corujas foram relatados para fugir com alguém que eles podem facilmente carregar em suas garras. Preferimos alojar a grande maioria de nossa coleção de tartarugas Testudo fora do ano todo, por isso garantimos que equipamos toda a propriedade com não apenas uma, mas vários impedimentos de predadores. Não está claro qual desses métodos funciona melhor porque sempre temos todos eles em vigor ao mesmo tempo, mas a verdade absoluta é que os animais ficam fora de nossas canetas até o momento.

A cerca elétrica é um método muito eficaz. Usamos controladores de cerca elétricos American Farm Works com 1,2 joules de saída que são bons por 48 quilômetros. Isso emite um choque doloroso e poderoso. Esses sistemas são fáceis de instalar, basta perguntar a qualquer funcionário da Tractor Supply ou pesquisar no Google. Estão disponíveis unidades com alimentação CA e solar. Nossas cercas são ligadas ao pôr do sol e desligadas ao nascer do sol. O fio é colocado a uma altura e distância específicas do recinto, de modo que um animal deve atingi-lo se tentar entrar. Como pai e filhos pequenos, recomendo que a cerca seja fechada antes de permitir que ela se aproxime. Algumas pessoas nos fizeram perguntas como: “A cerca elétrica não é meio dura com os animais que podem tentar entrar?” Minha resposta é: “Hum, sim, esse é o ponto”.
Optamos por manter essas tartarugas, portanto, devemos prometer protegê-las através de qualquer medida possível.
Testudo graeca anamurensis em um recinto seguro e ao ar livre.

O Yard Sentinel faz um produto interessante que atua como repelente de pragas por ultrassom. Essas pequenas unidades verdes são montadas em uma árvore ou parede do gabinete em diferentes alturas, dependendo do que você deseja repelir. Para os guaxinins, montamos a cerca de 15 ”do chão e para os raptores, de 8 a 12 pés de altura. Na parte traseira da unidade, há um mostrador que permite definir uma frequência fixa com base no predador que você deseja impedir. Várias unidades podem ser instaladas no quintal, como fizemos, e montadas para impedir a entrada de vários predadores. Alguns estão prontos para guaxinim, enquanto outros estão prontos para raptores, e assim por diante. Os repelentes do Yard Sentinel também podem ser configurados para serem executados em um loop constante ou serem ativados apenas ao pôr do sol. Eles então se desligam ao nascer do sol. Se sua propriedade estiver muito próxima de um vizinho, convém primeiro garantir que ele não irrite seus ouvidos. Algumas pessoas conseguem ouvir bem as frequências sonoras, enquanto outras parecem não se importar. As unidades não incomodam as tartarugas.

O Nite Guard cria pequenas caixas pretas com energia solar, montadas em árvores ou paredes de recintos. Eles agem como simples luzes vermelhas piscando, que funcionam a noite toda, para imitar a aparência dos olhos de um animal. O objetivo é que as luzes vermelhas piscantes do Nite Guard permitam que um predador que esteja procurando entrar nas instalações pense que algo já está lá e que isso pode representar uma ameaça.

Os sensores de movimento funcionam como uma maneira de dizer aos animais que eles foram vistos. Dependendo do tamanho do animal e de onde está o sensor, o movimento dele andando desencadeia uma luz brilhante. Isso pode enviar um predador ilusório correndo para as colinas.

As armadilhas Have-a-Heart podem ser uma excelente maneira de capturar humanamente predadores para serem liberados em outros lugares. Essas armadilhas vêm em vários tamanhos, mas são um pouco caras. Ao usar a isca certa, um predador próximo capta o cheiro dela em vez das tartarugas adormecidas e fica preso na armadilha. Para os guaxinins, descobrimos que cabeças de peixes azuis, peças de lagosta descartadas, biscoitos de chocolate e bolinhas de tartaruga aquática (ou comida koi) simples trabalham para atraí-los. Você também chamará a atenção de gambás e gambás; em mente. Também vale a pena mencionar que, usando isca, você poderia atrair predadores que antes não estavam interessados ​​em seu quintal. Ao liberar esses animais, mantenha-os a uma distância considerável, pois eles podem e encontrarão o caminho de volta. Escolhemos levar guaxinins 30 a 50 milhas de distância, se pegarmos algum.

Chamarizes podem ser usados, mas supõe-se que os animais se acostumam rapidamente. Talvez movê-los pelas instalações ajudará a continuar enganando-os. Iscas de coruja, iscas de coiote e cachorro estão disponíveis, bem como “corvos do dia das bruxas”. Esses corvos falsos de plástico, baratos e de penas podem ser amarrados em árvores para impedir corvos vivos que procuram ovos de tartaruga. Os corvos são surpreendentemente inteligentes e podem reconhecer esses falsos amarrados como membros mortos de sua própria espécie. Isso os alarma e alerta para que fiquem longe.

As câmeras percorrem um longo caminho, permitindo que você saiba o que está acontecendo a qualquer momento. Eles não podem parar um predador natural, mas sua presença pode impedir a entrada de ladrões humanos. As coleções de tartarugas são muito valiosas e, no caso de algumas espécies serem tão difíceis de obter, basta um ser humano indecente ficar sabendo da sua localização e você pode se sentir “menos tartaruga”. Utilizamos os sistemas da Arlo. São pequenas câmeras sem fio atraentes para uso interno e externo. A unidade base conecta o WiFi e um aplicativo é baixado no seu smartphone. Você pode assistir suas câmeras de qualquer lugar e colocá-las em movimento para alertar seu telefone quando algo entrar em foco. Eles também gravam. As unidades de base permitem várias câmeras, dependendo da opção de serviço que você escolhe comprar e todas elas podem ser visualizadas no seu telefone. Essa também é uma ótima maneira de garantir que você não perca as fêmeas que nidificam, pois elas colocam seus ovos e as disfarçam de vista. Esses sistemas realmente nos dão tranqüilidade, porque podemos ver nossos animais 24 horas por dia, sete dias por semana, se quisermos, mesmo quando estamos longe em férias em família. Vários sinais atraentes podem ser comprados on-line com frases como “Sorria, você está na câmera!” Ou “Aviso: área sob vigilância 24 horas”. Colocamos esses itens em torno de toda a nossa propriedade para permitir que possíveis invasores saibam que podemos realmente vê-los, mesmo se não estivermos em casa.

Por fim, um método altamente eficaz de manter qualquer coisa ou alguém fora dos compartimentos de sua tartaruga é ter um cachorro grande ou vários cães. Nem todo mundo é um cão e, embora não possamos imaginar nossa vida sem eles, eu entendo. Mas, um cão grande e poderoso, treinado para proteger seus animais e a propriedade, é sem dúvida um excelente impedimento que sinceramente dá tranqüilidade. Nosso grandalhão sabe o que tem que fazer e é claro que são suas tartarugas.
Canetas de tartaruga gregas aqui com cercas elétricas de alta potência em torno deles.

Como já mencionado, é difícil reivindicar qual desses métodos ou qual combinação deles funciona melhor. Como trabalhamos com nossos animais diariamente e eles são a nossa vida, usamos essa ampla variedade para realmente fazer um esforço sólido para manter todos os danos afastados. Também vivemos com cerca de 47.000 acres de refúgio de vida selvagem protegido; portanto, os predadores certamente estão por aí à espreita. Não seria prudente baixar a guarda, escusado será dizer. Leve isso muito a sério. Não posso contar quantas histórias horríveis que ouvi na comunidade e nos amigos que perderam tartarugas amadas por essas ameaças muito reais. Esses animais selvagens estão apenas fazendo o que sabem melhor e somos nós que invadimos seu território. Eles têm que sobreviver e não param de comer nada, a menos que tomemos as devidas precauções responsáveis.

Diet

Como em qualquer espécie ou subespécie Testudo , a dieta das tartarugas gregas deve ser composta por três componentes principais: baixa proteína, alta fibra e alto cálcio. Talvez as proporções apropriadas para itens alimentares devam estar entre 15 e 20% (máx) de proteína, menos de 15% de gordura e acima de 15% em fibras cruas com uma proporção de cálcio para fósforo de 2: 1. A maioria dos alimentos na natureza contém uma proporção muito mais alta, com alguns excedendo a proporção de 20: 1, e as tartarugas mantidas ao ar livre podem consumir com segurança alimentos com proporções mais altas em uma base mais regular. Isso não significa que essas tartarugas não aceitem de bom grado itens com proporções inferiores às desejáveis ​​e, na realidade, sua disposição de comer esses alimentos é o motivo pelo qual muitos deles acabam se deformando, se desenvolvendo inadequadamente ou sofrem de doenças hepáticas em cativeiro. condições. Como seres humanos, os itens alimentares que os espécimes de Testudo graeca são iniciados ao entrar no mundo podem imprimi-los. Se alimentos inadequados forem os que são oferecidos pela primeira vez, os animais podem ficar presos a eles, levando a uma relutância em aceitar escolhas saudáveis ​​mais tarde. Por esse motivo, é imperativo iniciar os neonatos com uma dieta saudável, pelo menos um pouco natural, desde o início. Em cativeiro, nós, como detentores, tendemos a carregar nossas tartarugas com produtos de supermercado ou alimentos comerciais, e isso é frequentemente atribuído à falta de alimentos naturais disponíveis no inverno. A verdade é que esses alimentos não naturais não são horríveis para os animais, mas devem ser usados ​​com moderação e apenas como parte de uma dieta variada. Produtos comumente usados ​​como alface, tomate, abóbora, pepino, batata doce e várias frutas têm benefícios mínimos, mas, quando usados ​​em excesso, podem causar acúmulo de gordura, principalmente no fígado e até mesmo sob a pele. Se frutas e legumes forem oferecidos, espalhe-os e tente usá-los não mais que uma vez por semana, se houver. Preferimos ficar longe das frutas quase inteiramente, com a exceção de oferecer apenas ocasionalmente cascas de melancia no pico do verão para hidratação adicional. Várias frutas, como amora ou mirtilo, também são fornecidas às vezes. Os animais podem receber esses itens apenas algumas vezes durante a temporada ativa.
Testudo graeca terrestris alimentação.

Na natureza, as subespécies Testudo graeca pastam em alimentos com baixo valor nutricional. Essas plantas, que crescem em solos cheios de cálcio, são carregadas de vitaminas, fibras brutas e minerais, embora com poucas calorias. A disponibilidade e o nível de crescimento mudam sazonalmente, o que significa que a ingestão das tartarugas também muda. Os animais normalmente pastam ou navegam de manhã após o aquecimento e novamente no final do dia, quando o pico de calor diminui um pouco. Eles geralmente não comem uma planta na sua totalidade, mas passam de um item para outro, mordendo enquanto andam. Isso lhes permite consumir uma grande variedade de plantas. Eles comerão o que estão familiarizados e, como já foi dito, isso foi impresso neles em uma idade muito jovem. Folhas e flores de plantas, brotos, sementes e até raízes adequadas são consumidas. Plantas selecionadas e ervas daninhas que crescem naturalmente, mesmo nos EUA, são excelentes alimentos básicos para tartarugas gregas. Estes incluem, entre outros, banana-da-terra pontiaguda e mediterrânea, cardo, malva, dente de leão, gatos (também conhecido como flatweed), alface, ervilhaca, trevo vermelho e urtiga morta roxa. Podemos escolher esses alimentos para as nossas tartarugas durante uma boa parte do ano, com alguns ainda disponíveis no coração do inverno no sul de Nova Jersey. Eles também crescem naturalmente nas cercas de tartaruga, caso em que os habitantes podem ajudar a si mesmos pastando como na natureza.

Vários vegetais comprados em lojas, como endívia encaracolada, couve, nabo, chicória e escarola podem ser adicionados à dieta de qualquer subespécie de Testudo graeca, mas certifique-se de girá-los. Em combinação com uma dieta mais naturalista, eles ajudam a manter as coisas variadas. O fato de as tartarugas gregas serem alimentadores oportunistas, mas principalmente herbívoros, significa que eles aceitarão abertamente uma variedade. Isso sugere que eles vão consumir invertebrados. Como as tartarugas de Hermann, alguns espécimes de T. graeca comem minhocas, lesmas e caracóis de jardim. Essas escolhas aleatórias de presas não causam nenhum dano aos animais porque não são a dieta básica. Além disso, o consumo de caracóis oferece cálcio através da ingestão da casca do caracol, o que é obviamente um benefício. Ao viver ao ar livre em currais construídos naturalmente, as tartarugas encontrarão inevitavelmente essas presas e podem ou não optar por comê-las. Embora as espécies Testudo possam comer invertebrados e até carniça em alguns casos, não é absolutamente aconselhável oferecer itens com alto teor de proteínas, como alimentos para cães ou gatos. Embora isso possa ser aceitável até certo ponto para outras espécies de tartarugas, como as tartarugas de pés vermelhos (Chelonoidis carbonaria) , as tartarugas mediterrâneas não precisam de ração rica em proteínas para manter a saúde ideal.
Testudo graeca ibera alimentando-se de endívia encaracolada.

O uso de dietas comerciais preparadas especialmente para tartarugas atingiu um nível recorde nos últimos anos. Embora algumas dessas marcas ou fórmulas não sejam aceitáveis ​​principalmente devido a um teor de proteína muito alto, outras podem ser usadas com moderação com segurança. As dietas de tartaruga Mazuri são produtos populares nos Estados Unidos. Embora a fórmula original do 5M21 seja um pouco mais protéica do que a forma LS, ela provou produzir animais saudáveis ​​se não for usada em excesso. Muitos Testudo graeca recusarão a fórmula LS, mas aceitarão ansiosamente a fórmula 5M21. É importante lembrar que esses alimentos comerciais para pellets não são uma fonte natural de alimento para essas criaturas, mas podem ser benéficos quando usados ​​corretamente. Usamos o 5M21 uma a duas vezes por semana durante a estação ativa. É embebido em água até ficar esponjoso e oferecido em pratos de terracota. Outros produtos podem ser misturados com dietas Mazuri, como a dieta de tartarugas de pastagem do Zoo Med (que é outro produto que muitas tartarugas ignoram, a menos que estejam disfarçadas de outra coisa) ou ervas secas. A Kapidolo Farms oferece uma variedade de produtos secos que são excelentes opções para adicionar à dieta de qualquer espécie Testudo . Esses itens também podem ajudar a convencer um alimentador relutante a aceitar alimentos. Alguns espécimes de tartarugas importados podem aceitar apenas o que estavam familiarizados durante seu tempo na natureza. Esses animais às vezes são problemáticos quando se trata de levá-los a uma dieta suficiente. Geralmente com baixo peso e comprometido com uma viagem longa e condições de remessa menos do que desejáveis, é imperativo que elas sejam alimentadas o mais rápido possível. Oferecer escolhas mais naturais pode desencadear um gatilho de familiaridade e a tartaruga pode começar a comer. Ervas secas e outros itens da Kapidolo Farms, como rosa mosqueta, dente de leão, folhas soltas de bananeira, folhas de amoreira, flores de hibisco, chips de cacto, folhas soltas de framboesa, folha de palha de aveia e folhas soltas de trevo vermelho, são apenas algumas boas escolhas que se pode pedir. Visite kapidolofarms.com
Testudo graeca nabeulensis alimentando-se de dieta de tartaruga Mazuri misturada com ervas de Kapidolo Farms.

Para a ingestão de cálcio, uma prática comum é polvilhar fortemente os pós de cálcio comercialmente produzidos diretamente sobre os alimentos. Esses produtos, geralmente contendo vitamina D3, podem causar danos se forem usados ​​em excesso ou mesmo quando usados ​​se uma tartaruga já estiver sofrendo de uma deficiência de cálcio. A prática de forçar a vitamina D3 em nossos animais pode ter efeitos adversos e até levar à morte quando o sistema interno fica “confuso”. Forçar o cálcio nas tartarugas também pode levar a depósitos de cálcio na forma de acúmulos, pois o sangue parece se aliviar armazenando-o em órgãos. Esta é mais uma razão pela qual uma dieta adequada e variada é tão crucial. Os pós de cálcio podem ser usados ​​com segurança com moderação, mas deixar as tartarugas escolherem quando consumir parece ser a melhor opção. Na natureza, eles comem cascas de caracóis, ossos, pedaços de rochas calcárias e cascas de ovos descartados. A concha ou esqueleto calcificado do choco, conhecido como “osso de choco”, é mais comumente associado ao uso em aves em cativeiro. Esta é realmente uma fonte excelente e preferida de cálcio para tartarugas. O choco pode ser comprado a granel e colocado aleatoriamente em um compartimento de tartaruga. Os animais os mordiscam quando sentem a necessidade. Até os filhotes os utilizarão. A quebra de pequenos pedaços pode ser feita para amostras mais jovens, enquanto os adultos podem manipular facilmente uma peça inteira. Você também pode ferver as cascas de ovos de galinha ou coletar cascas vazias de caracóis de jardim. Estas são escolhas mais naturais para a ingestão de cálcio. Se você for usar pó de cálcio, descobri que borrifar uma vez por mês nos alimentos é suficiente, se você estiver oferecendo uma dieta adequada e os animais forem expostos à luz solar natural durante parte do ano. Blocos de cálcio pré-fabricados projetados para répteis são algo que eu escolhi para ficar longe. Às vezes, são embalados com um conteúdo de minerais e vitaminas que são desnecessários para as espécies Testudo consumirem regularmente. O choco é, sem dúvida, uma fonte confiável e segura de cálcio para as tartarugas, e se você achar que seus animais não estão mordiscando, poderá ocasionalmente raspar alguns raspando uma faca nele. Fará um pó fino que gruda na comida.
Bebê Testudo graeca cyrenaica alimentando-se de verduras-leão.

Para concluir a seção dietética deste artigo, enfatizarei um ponto muito interessante. Independentemente do que fazemos em condições de cativeiro, nunca seremos capazes de replicar completamente a dieta natural das tartarugas. Isso é particularmente importante para entender se você reside nos Estados Unidos. Nós, como responsáveis, devemos fazer o possível para oferecer o mais próximo possível de uma dieta natural, mas também precisamos entender que as lacunas inevitáveis ​​que encontramos em uma dieta cativa precisam ser preenchidas com algo. Essas lacunas, que não são um problema na natureza, podem privar os animais de alguns componentes necessários da dieta e, portanto, a variedade é absolutamente essencial. Moderação é um termo crucial a ser levado em consideração e, quando praticado, pode tornar alguns itens alimentares benéficos que normalmente não seriam se usados ​​sozinhos. Lembre-se de que as tartarugas são alimentadores oportunistas com um instinto de sobrevivência que está embutido nelas desde a época do dinossauro. Eles comem para poder permanecer vivos e sabem o que precisam para que isso aconteça. Ao oferecer a eles uma ampla variedade, podemos ter mais certeza de que estão tendo uma chance melhor de consumir todos os detalhes necessários para uma vida longa e saudável.

O que outras pessoas estão dizendo

 

Google tradutor

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

UM EXAME DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DE UMA TARTARUGA

UM EXAME DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DE UMA TARTARUGA

 

Eu mantenho tartarugas como animais de estimação há quase 40 anos, e meu fascínio na infância por esses répteis únicos cresceu em uma carreira veterinária que me permitiu prestar assistência médica e cirúrgica a animais de estimação, além de pesquisas que beneficiam tartarugas, trabalhos de campo e outros esforços que promovem a conservação.
Este artigo fornece uma breve visão geral dos problemas de saúde mais comuns que vejo nas tartarugas. Baseia-se em pesquisas feitas por outras pessoas, eu e experiências pessoais, tratando muitas tartarugas nos últimos 25 anos.

tartaruga

reptiles4all / shutterstock

Ao escolher uma tartaruga de estimação, os hobistas devem se lembrar de que estão fazendo o que pode se tornar um compromisso vitalício. Este sulcata, por exemplo, pode viver por mais de 70 anos.

Ao adquirir uma tartaruga, planeje sempre com antecedência

Ao selecionar uma tartaruga de estimação, os hobbistas devem considerar os cuidados que serão capazes de fornecer ao longo da vida da tartaruga. Muitas tartarugas vivem de 50 a 100 anos, e às vezes mais se cuidadas adequadamente. Possuir uma tartaruga, portanto, é um compromisso de longo prazo e não deve ser tomado como uma decisão por impulso.
Considere que tipo de espaço você será capaz de fornecer. Embora um aquário possa ser suficiente para uma nova tartaruga de filhote, à medida que cresce, mais espaço será necessário. A maioria das tartarugas na natureza habita grandes áreas de terra com várias tocas ou abrigos entre os quais eles viajam. Com exceção de algumas espécies menores, como a tartaruga russa, serão necessários recintos ao ar livre ou recintos fechados personalizados, maiores que os aquários padrão, para fornecer espaço adequado para a tartaruga à medida que cresce.
Cuidados inadequados são o problema subjacente mais comum por trás dos problemas de saúde da maioria das tartarugas. A melhor maneira de manter uma tartaruga saudável é pesquisar onde é a tartaruga – em que ambiente vive e o que come – e depois tenta imitar isso na dieta e na criação que você fornece. As tartarugas permaneceram relativamente inalteradas por alguns milhões de anos, adaptando-se a ter uma vida útil longa nos ambientes em que habitam. Tentar fazê-los viver de maneiras e comer coisas que não evoluíram para aumentar o risco de todas as condições a seguir ocorrerem. Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

LINDO TEXTO

LINDO TEXTO

Texto maravilhoso! Uma lição a ser exercitada.

*SOBRE OS FELIZES…*

Existem pessoas admiráveis andando em passos firmes sobre a face da Terra. Grandes homens, grandes mulheres, sujeitos exemplares que superam toda desesperança. Tenho a sorte de conhecer vários deles, de ter muitos como amigos e costumo observar suas ações com dedicada atenção. Tento compreender como conseguem levar a vida de maneira tão superior à maioria, busco onde está o mistério, tento ler seus gestos e aprendo muito com eles.

De tanto observar, consegui descobrir alguns pontos em comum entre todos e o que mais me impressiona é que são felizes. A felicidade, essa meta por vezes impossível, é parte deles, está intrínseco. Vivem um dia após o outro desfrutando de uma alegria genuína, leve, discreta, plantada na alma como uma árvore de raízes que força nenhuma consegue arrancar.

Dos felizes que conheço, nenhum leva uma vida perfeita. Não são famosos. Nenhum é milionário, alguns vivem com muito pouco, inclusive. Nenhum tem saúde impecável, ou uma família sem problemas. Todos enfrentam e enfrentaram dissabores de várias ordens. Mas continuam discretamente felizes.

O primeiro hábito que eles têm em comum é a generosidade. Mais que isso: eles têm prazer em ajudar, dividir, doar. Ajudam com um sorriso imenso no rosto, com desejo verdadeiro e sentem-se bem o suficiente para nunca relembrar ou cobrar o que foi feito e jamais pedir algo em troca.

Os felizes costumam oferecer ajuda antes que se peça. Ficam inquietos com a dor do outro, querem colaborar de alguma maneira. São sensíveis e identificam as necessidades alheias mesmo antes de receber qualquer pedido. Os felizes, sobretudo, doam o próprio tempo, suas horas de vida, às vezes dividem o que têm, mesmo quando é muito pouco.

Eu também observo os infelizes e já fiz a contraprova: eles costumam ser egoístas. Negam qualquer pequeno favor. Reagem com irritação ao mínimo pedido. Quando fazem, não perdem a oportunidade de relembrar, quase cobram medalhas e passam o recibo. Não gostam de ter a rotina perturbada por solicitações dos outros. Se fazem uma bondade qualquer, calculam o benefício próprio e seguem assim, infelizes. Cada vez mais.

O segundo hábito notável dos felizes é a capacidade de explodir de alegria com o êxito dos outros. Os felizes vibram tanto com o sorriso alheio que parece um contágio. Eles costumam dizer: estou tão contente como se fosse comigo. Talvez seja um segredo de felicidade, até porque os infelizes fazem o contrário. Tratam rapidamente de encontrar um defeito no júbilo do outro, ou de ignorar a boa nova que acabaram de ouvir. E seguem infelizes.

O terceiro hábito dos felizes é saber aceitar. Principalmente aceitar o outro, com todas as suas imperfeições. Sabem ouvir sem julgar. Sabem opinar sem diminuir e sabem a hora de calar. Sobretudo, sabem rir do jeito de ser de seus amigos. Sorrir é uma forma sublime de dizer: amo você e todas as suas pequenas loucuras.

Escrevo essa crônica, grata e emocionada, relembrando o rosto dos homens e mulheres sublimes que passaram e que estão na minha vida, entoando seus nomes com a devoção de quem reza. Ainda não sou um dos felizes, mas sigo tentando. Sigo buscando aprender com eles a acender a luz genuína e perene de alegria na alma. Sigamos os felizes, pois eles sabem o caminho…

(Autora: Socorro Acioli – Escritora)

Compartilhe somente com pessoas dispostas a se tornarem felizes com o que tem, onde quer que estejam e como sejam.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

GOSTEI DISTO!

GOSTEI DISTO!

 

O segredo da felicidade pode variar para cada pessoa, mas as pessoas felizes costumam ter hábitos e formas de pensar diferentes do restante da sociedade. Por isso, o Business Insider levantou os 25 hábitos de pessoas extremamente felizes e bem sucedidas. Confira o que as pessoas felizes fazem:

  1. Saboreiam o momento

    Os velhos clichês como “parar para cheirar as rosas” e “são as pequenas coisas da vida realmente levam à felicidade”. Pesquisadores chamam isso de “saborear” o momento. Em vez de ser multitarefa ou se focar no passado, no futuro ou na negatividade presente ao redor, as pessoas que estão mais satisfeitas com a vida param para apreciar a beleza e as pequenas e incríveis coisas da vida.

  2. Meditam diariamente

    A meditação é uma das formas mais eficazes de embarcar em um caminho de quietude e atenção plena, o que, por sua vez, dá à mente a ruptura necessária de todas as preocupações e ansiedades que a ocupam. O melhor de tudo é que leva apenas alguns minutos por dia. Alguns aplicativos disponíveis podem ajudar quem está começando.

  3. Não se apegam aos rancores

    Perdoar e esquecer é absolutamente necessário quando se trata de ser feliz. O motivo? Manter um rancor significa que você está preso à raiva, ao ressentimento, à dor e a outras emoções negativas que são obstáculos para a felicidade. Ao soltar essas emoções, você se livra da negatividade e deixa mais espaço para que as emoções positivas entrem.

  4. Gastam dinheiro com os outros

    “Nós descobrimos em nossa pesquisa que dar dinheiro aos outros realmente faz as pessoas mais felizes”, disse Michael Norton, professor da Harvard Business School e autor de “Happy Money: The Science of Smarter Spending”. “Um dos motivos é que ele cria conexões sociais. Se você tem um bom carro e uma casa grande em uma ilha sozinho, você não vai ser feliz, porque precisamos que as pessoas sejam felizes”, diz.

    As verdadeiras amizades exigem investimento. Isso nem sempre significa dinheiro, mas exige muito do seu tempo. Pessoas verdadeiramente felizes gastam tempo – e dinheiro – em seus relacionamentos.

  1. Estão ocupados, mas não apressados

    A pesquisa mostra que o sentimento de “pressa” pode levar ao estresse e à infelicidade. Ao mesmo tempo, as pessoas se esforçam para encontrar um meio termo feliz de estar apenas ocupado o suficiente. Afinal, outros estudos sugerem que um equilíbrio saudável entre trabalho e vida pessoal é fundamental, uma vez que o tédio pode ser oneroso.

  2. Se cercam das pessoas certas

    A felicidade é contagiosa. Isso significa que, quando você se cercar de outras pessoas que são felizes e solidárias, poderá criar autoconfiança, aumentar sua criatividade e simplesmente se divertir mais. No outro extremo, sair com pessoas negativas significa que você é apenas outro membro de um grupo triste – e isso é cansativo e não muito divertido.

  3. Não gastam energia em coisas pequenas

    As pessoas que estão felizes concentram sua energia e esforços apenas em coisas que são verdadeiramente importantes e estão sob seu controle. Lembre-se, se deixar ser consumido pelas coisas que você não tem absolutamente nenhum controle é uma perda de tempo que vai acabar fazendo você se inclinar mais para a infelicidade. Em outras palavras, domine a arte de deixar as coisas fluírem.

  4. Celebram o sucesso de outras pessoas

    Não é segredo que ter uma vida social rica e relacionamentos saudáveis são componentes importantes para a felicidade. Mas, pessoas felizes nutrem e melhoram seus relacionamentos através de atitudes “ativas e construtivas”, que incluem a celebração do sucesso daqueles ao seu redor.

  5. Tratam todos com respeito e bondade

    A bondade, como a felicidade, é contagiosa. Um estudo da Universidade da Califórnia e das universidades de Cambridge e Plymouth, no Reino Unido, descobriram que testemunhar atos de bondade nos faz sentir bem

  6. São otimistas

    Vamos ser honestos: coisas ruins acontecem a todos nós, até mesmo com as pessoas mais felizes e bem-humoradas do planeta. No entanto, eles não se queixam, reclamam, ou deixam o pessimismo se tornar uma profecia auto-realizável. Eles permanecem otimistas, concentrando-se em soluções para o problema e refletindo sobre o que têm para agradecer.

  7. São proativos em relacionamentos

    As evidências sugerem que a maioria dos relacionamentos – especialmente casamentos – esfriam ao longo do tempo. Mas as pessoas felizes realmente trabalham na manutenção desses relacionamentos.

  8. Dormem o suficiente

    Você provavelmente já ouviu isso um milhão de vezes, mas a qualidade do sono é absolutamente necessária para a felicidade. A privação do sono pode afetar negativamente sua saúde, produtividade e capacidade de lidar com situações estressantes. Se você tiver problemas para descansar e ter uma boa noite de sono, comece mantendo um horário para ir para a cama e evite luzes brilhantes antes de dormir. Se exercite e não coma ou beba álcool perto da hora de dormir.

  9. Passam o tempo na natureza

    A natureza tem um efeito calmante e nos lembra desacelerar, respirar profundamente e absorver o presente. “Agora, estamos vendo mudanças no cérebro e no corpo que sugerem que somos fisicamente e mentalmente mais saudáveis ??quando estamos interagindo com a natureza”, afirma o pesquisador David Strayer, da Universidade de Utah.

  10. Veem os problemas como desafios

    As pessoas felizes mudaram seu diálogo interno para que, quando houver um problema, eles o vejam como um desafio e uma oportunidade para melhorar suas vidas. Na verdade, você deve apenas seguir em frente e eliminar a palavra “problema” de sua mente completamente.

  11. Se recompensam

    “Recompensa” pode soar como uma estratégia autoindulgente e superficial, mas não é. “Quando nos damos recompensas, nos sentimos energizados e satisfeitos, o que aumenta nosso autocontrole e ajuda a manter nossos hábitos saudáveis”, disse Gretchen Rubin, autor de “The Happiness Project”.

    “Estudos mostram que as pessoas que receberam um pequeno deleite, como um presente ou mesmo a possibilidade de assistir a um vídeo divertido, ganharam autocontrole. É um segredo da idade adulta: se eu der mais a mim mesmo, posso exigir mais de mim mesmo. A autoestima não é egoísta”, disse Rubin.

  1. Expressam gratidão

    Pesquisas realizadas na Universidade da Califórnia mostram que aqueles que trabalharam diariamente para cultivar uma atitude de gratidão melhoraram seu humor e energia e reduziram substancialmente sua ansiedade. Isso ocorre, provavelmente, devido a níveis mais baixos de cortisol. Então, agradeça todas as manhãs, escrevendo em um diário sobre o que você agradece e, ocasionalmente, dizendo “obrigado” aos seus entes queridos e colegas.

  2. Sonham grande

    As pessoas mais felizes sonham grande e trabalham arduamente para transformar esses sonhos em objetivos alcançáveis. Elas são comprometidas e disciplinadas e conhecem suas prioridades. Elas se permitem dizer “não”, cuidar de sua saúde, sair de suas zonas de conforto e aceitar o fato de que podem ter que começar de novo.

  3. Passam algum tempo sozinhos

    Embora os relacionamentos sejam importantes para a felicidade, todos precisamos de algum tempo sozinho. Isso dá a chance de entender suas preocupações e ansiedades, refletir sobre o que você é grato e voltar a seguir seus sonhos e desejos.

  4. Não inventam desculpas

    É incrivelmente fácil culpar alguém por suas falhas. O problema é que isso não permite que você siga em frente e ultrapasse essas falhas. Pessoas felizes assumem a responsabilidade por seus erros e usam esse fracasso como uma oportunidade para mudar suas vidas para melhor.

  5. Têm uma mentalidade focada em crescimento

    Quando se trata de personalidade, os indivíduos caem em um dos dois campos: aqueles com mentalidade estática ou aqueles com mentalidade focada em crescimento. Pessoas com uma mentalidade estática acreditam que você é quem você é e não há nada que possa fazer sobre isso. Isso é um problema, porque impede que cresçam ou mudem.

    Pessoas com uma mentalidade de crescimento, no entanto, acreditam que podem melhorar com pequenos esforços, o que os deixa felizes porque estão mais aptos a lidar e superar desafios.

  1. Gastam dinheiro em experiências e não em coisas materiais

    Várias pesquisa mostram que as pessoas são mais felizes ao adquirir experiências em vez de coisas materiais. Isso ocorre porque as experiências tendem a melhorar ao longo do tempo e as pessoas revivem essas experiências mais frequentemente. As experiências podem ser únicas e envolvem interação social.

    Além disso, o materialismo pode ter efeitos negativos. Em seu livro “Os Mitos da Felicidade”, Sonja Lyubomirsky explicou que “uma montanha de pesquisas mostrou que o materialismo esgota a felicidade, ameaça a satisfação com nossos relacionamentos, prejudica o meio ambiente, nos torna menos amigáveis, simpáticos e empáticos, e nos torna menos inclinados a ajudar os outros e contribuir com nossas comunidades”.

  1. Têm um ritual matinal

    Os rituais matinais são tranquilizadores e preparam o ambiente para o dia que está começando. Se você medita, faz caminhada, lê um livro inspirador, escreve um diário, faz um café da manhã saudável ou lê emails, o importante é que você crie um ritual.

  2. Cuidam de si mesmos

    Como o corpo e a mente estão conectados, faz sentido que, se você não está se cuidando fisicamente, sofrerá mental e emocionalmente. Comece começando a dormir bem todas as noites, mantenha uma dieta bem equilibrada, exercite-se regularmente e encontre maneiras saudáveis de aliviar o estresse.

  3. Usam seus pontos fortes

    A pesquisa mostrou que usar nossos pontos fortes nos faz sentir mais felizes e mais satisfeitos. Como Shawn Achor explicou em seu livro “A Vantagem da Felicidade”: “Quando 577 voluntários foram encorajados a escolher um de seus pontos fortes e usá-lo de uma maneira nova a cada dia por uma semana, eles ficaram significativamente mais felizes e menos deprimidos do que os grupos de controle”

    “E esses benefícios duraram: Mesmo após a conclusão do experimento, seus níveis de felicidade permaneceram elevados seis meses depois. Estudos mostraram que quanto mais você usa seus pontos fortes no dia a dia, mais feliz você se tornará”, explica.

  1. Se envolvem em conversas profundas e significativas

    Pessoas felizes ignoram bobagens e se envolvem em conversas profundas. Em uma pesquisa sobre o assunto, Christopher Peterson escreveu que “os participantes mais felizes passaram mais tempo conversando com os outros, uma descoberta não surpreendente dada a base social da felicidade”.

Fonte: Infomoney.

 

 

 

Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , , , | Deixe um comentário

PERMANECER ACORDADO TRATAMENTO EFICAZ CONTRA A DEPRESSÃO

PERMANECER ACORDADO TRATAMENTO EFICAZ CONTRA A DEPRESSÃO

Usar privação de sono para levantar pessoas de depressão severa pode parecer contra-intuitivo, mas para algumas pessoas, é a única coisa que funciona. Linda Geddes relata.

O primeiro sinal de que algo está acontecendo são as mãos de Angelina.Enquanto ela conversa com a enfermeira em italiano, ela começa a gesticular, balbuciando, moldando e circulando o ar com os dedos. À medida que os minutos passam e Angelina se torna cada vez mais animada, percebo uma musicalidade em sua voz que tenho certeza de que não estava lá antes. As linhas em sua testa parecem ser suavizantes, e as franzidas e alongamentos de seus lábios e a enrugamento de seus olhos me falam tanto sobre seu estado mental quanto qualquer intérprete poderia.

Angelina está ganhando vida, exatamente como meu corpo está começando a desligar.São 2 da manhã, e estamos sentados na cozinha brilhantemente iluminada de uma enfermaria psiquiátrica, comendo espaguete. Há uma dor aborrecida por trás dos meus olhos, e continuo a zoning, mas Angelina não vai dormir durante pelo menos mais 17 horas, então estou me acendendo por uma longa noite. No caso de duvidar de sua determinação, Angelina remove seus óculos, olha diretamente para mim e usa seus polegares e dedos inferiores para abrir a pele enrugada e cinzenta em torno de seus olhos. “Occhi aperti”, diz ela. Olhos abertos.

Esta é a segunda noite em três que Angelina foi deliberadamente privada do sono. Para uma pessoa com transtorno bipolar que gastou os últimos dois anos em uma depressão profunda e incapacitante, pode soar como a última coisa que ela precisa, mas Angelina – e os médicos tratando-a – espero que seja sua salvação. Durante duas décadas, Francesco Benedetti, que lidera a unidade de psiquiatria e psicobiologia clínica do Hospital San Raffaele de Milão, vem investigando a chamada terapia de vigília, em combinação com exposição a luz brilhante e lítio, como meio de tratamento de depressão, onde as drogas têm frequentemente falhou. Como resultado, psiquiatras nos EUA, no Reino Unido e em outros países europeus estão começando a tomar conhecimento, lançando variações em suas próprias clínicas. Essas “crateroterapias” parecem funcionar com o início de um relógio biológico lento; ao fazê-lo, eles também estão lançando nova luz sobre a patologia subjacente da depressão e sobre a função de dormir de forma mais geral.

“A privação do sono realmente tem efeitos opostos em pessoas saudáveis ​​e com depressão”, diz Benedetti. Se você estiver saudável e você não dorme, você sentirá de mau humor. Mas se você está deprimido, pode provocar uma melhoria imediata do humor e das habilidades cognitivas. Mas, Benedetti acrescenta, há uma chance: uma vez que você vai dormir e apanhar as horas perdidas de sono, você terá 95 por cento de chance de recaída.

O efeito antidepressivo da privação do sono foi publicado pela primeira vez em um relatório na Alemanha em 1959. Isso capturou a imaginação de um jovem pesquisador de Tübingen na Alemanha, Burkhard Pflug, que investigou o efeito em sua tese de doutorado e em estudos subsequentes na década de 1970. Ao privar sistematicamente as pessoas deprimidas do sono, ele confirmou que gastar uma única noite acordada poderia sacudir-lhes a depressão.

Benedetti se interessou por essa idéia como um jovem psiquiatra no início dos anos 90.Prozac foi lançado apenas alguns anos antes, dando uma revolução no tratamento da depressão. Mas essas drogas raramente foram testadas em pessoas com transtorno bipolar. Experiência amarga desde então ensinou Benedetti que os antidepressivos são em grande parte ineficazes para pessoas com depressão bipolar de qualquer maneira.

Seus pacientes precisavam desesperadamente de uma alternativa, e seu supervisor, Enrico Smeraldi, teve uma idéia na manga. Tendo lido alguns dos primeiros trabalhos sobre a terapia de vigília, ele testou suas teorias em seus próprios pacientes, com resultados positivos. “Sabíamos que funcionou”, diz Benedetti. “Pacientes com essas terríveis histórias estavam ficando bem imediatamente. Minha tarefa era encontrar uma maneira de fazê-los ficar bem “.

Então ele e seus colegas se voltaram para a literatura científica para idéias. Um punhado de estudos americanos sugeriram que o lítio poderia prolongar o efeito da privação do sono, então eles investigaram isso. Eles descobriram que 65 por cento dos pacientes que tomaram lítio apresentaram uma resposta sustentada à privação do sono quando avaliados após três meses, em comparação com apenas 10 por cento daqueles que não estão tomando o medicamento.

Uma vez que uma pequena soneca poderia prejudicar a eficácia do tratamento, eles também começaram a procurar novas maneiras de manter os pacientes acordados à noite e se inspiraram na medicina da aviação, onde a luz brilhante estava sendo usada para manter alertas dos pilotos. Isso também ampliou os efeitos da privação do sono, em uma extensão similar ao do lítio.

“Nós decidimos dar-lhes todo o pacote, e o efeito foi brilhante”, diz Benedetti. No final da década de 1990, eles estavam tratando rotineiramente pacientes com três cronoterapias: privação de sono, lítio e luz. As privações de sono ocorreriam todas as outras noites durante uma semana, e uma brilhante exposição à luz por 30 minutos por manhã continuaria por mais duas semanas – um protocolo que continuam a usar até hoje. “Nós podemos pensar nisso como pessoas que privam o sono, mas como modificando ou ampliando o período do ciclo sono-vigília de 24 a 48 horas”, diz Benedetti. “As pessoas vão para a cama todas as duas noites, mas quando eles vão para a cama, eles podem dormir o tempo que quiserem”.

O Hospital San Raffaele introduziu pela primeira vez a triagem tripla em 1996. Desde então, tratou cerca de mil pacientes com depressão bipolar – muitos dos quais não responderam aos antidepressivos. Os resultados falam por si mesmos: de acordo com os dados mais recentes, 70 por cento das pessoas com depressão bipolar resistente a medicamentos responderam à cronoterapia tripla na primeira semana e 55 por cento apresentaram melhora sustentada em sua depressão um mês depois.

E enquanto que os antidepressivos – se eles funcionam – podem levar mais de um mês para ter um efeito e podem aumentar o risco de suicídio enquanto isso, a cronometria geralmente produz uma diminuição imediata e persistente dos pensamentos suicidas, mesmo após apenas uma noite de privação de sono.

Angelina foi diagnosticada pela primeira vez com transtorno bipolar há 30 anos, quando ela estava nos 30 anos atrasados. O diagnóstico seguiu um período de estresse intenso: seu marido estava enfrentando um tribunal no trabalho e eles estavam preocupados em ter dinheiro suficiente para se sustentar e as crianças. Angelina caiu em uma depressão que durou quase três anos. Desde então, seu humor já oscilou, mas ela caiu com mais freqüência do que não. Ela toma um arsenal de drogas – antidepressivos, estabilizadores do humor, drogas anti-ansiedade e comprimidos para dormir – o que ela não gosta porque a faz sentir como uma paciente, embora reconheça que é o que ela é.

Se a conhecesse há três dias, ela diz, é improvável que eu a tenha reconhecido. Ela não queria fazer nada, ela parou de lavar o cabelo ou usando maquiagem, e ela fedia.Ela também se sentiu muito pessimista sobre o futuro. Depois de sua primeira noite de privação de sono, sentiu-se mais enérgica, mas isso diminuiu em grande parte depois de sua recuperação dormir. Mesmo assim, hoje ela se sentiu motivada o suficiente para visitar um cabeleireiro em antecipação à minha visita. Eu elogio sua aparência, e ela acaricia suas ondas tingidas e douradas, agradecendo-me por perceber.

 

Às 3 da manhã, nos movemos para a sala de luz, e entrar é como ser transportado para o meio-dia. A luz solar brilhante entra através das clarabóias sobre a cabeça, caindo em cinco poltronas, que estão alinhadas contra a parede. Esta é uma ilusão, é claro – o céu azul e o sol brilhante não são mais do que plástico colorido e uma luz muito brilhante – mas o efeito é emocionante no entanto. Eu poderia estar sentado em uma espreguiçadeira no meio-dia; O único que falta é o calor.

Quando eu a entrevistei sete horas antes, com a ajuda de um intérprete, o rosto de Angelina permaneceu inexpressivo quando ela respondeu. Agora, às 3h20, ela está sorrindo e até começando a iniciar uma conversa comigo em inglês, que ela afirmou não falar. Ao amanhecer, Angelina está me falando sobre a história da família que ela começou a escrever, que ela gostaria de retomar e me convidando para ficar com ela na Sicília.

Como algo tão simples como ficar acordado durante a noite traz uma transformação desse tipo? Descartar o mecanismo não é direto: ainda não compreendemos completamente a natureza da depressão ou a função do sono, que envolvem múltiplas áreas do cérebro. Mas estudos recentes começaram a produzir algumas idéias.

© Eva Bee for Mosaic

A atividade cerebral de pessoas com depressão parece diferente durante o sono e a vigília do que a de pessoas saudáveis. Durante o dia, os sinais que promovem o despertar do sistema circadiano – nosso relógio biológico interno de 24 horas – são pensados ​​para nos ajudar a resistir ao sono, com esses sinais sendo substituídos por pessoas que procuram dormir durante a noite. Nossas células cerebrais também funcionam em ciclos, tornando-se cada vez mais excitáveis ​​em resposta a estímulos durante a vigília, com essa excitabilidade se dissipando quando dormimos. Mas em pessoas com depressão e transtorno bipolar, essas flutuações aparecem amortecidas ou ausentes.

A depressão também está associada a ritmos diários alterados de secreção hormonal e à temperatura corporal, e quanto mais grave a doença, maior o grau de ruptura. Como os sinais de sono, esses ritmos também são conduzidos pelo sistema circadiano do corpo, que por sua vez é conduzido por um conjunto de proteínas que interagem, codificadas por “genes de relógio” que são expressos em um padrão rítmico ao longo do dia. Eles dirigem centenas de processos celulares diferentes, permitindo-lhes manter o tempo um com o outro e ligar e desligar. Um relógio circadiano marca todas as células do seu corpo, incluindo suas células cerebrais, e são coordenadas por uma área do cérebro chamada núcleo supraquiasmático, que responde à luz.

“Quando as pessoas estão seriamente deprimidas, seus ritmos circadianos tendem a ser muito planos; eles não recebem a resposta usual de melatonina aumentando a noite e os níveis de cortisol são consistentemente altos em vez de cair à noite e à noite “, diz Steinn Steingrimsson, um psiquiatra do Hospital Universitário Sahlgrenska em Gotemburgo, na Suécia, que é atualmente executando um teste de terapia de vigília.

A recuperação da depressão está associada a uma normalização desses ciclos. “Eu acho que a depressão pode ser uma das conseqüências desse achatamento básico de ritmos circadianos e homeostase no cérebro”, diz Benedetti. “Quando dormimos – privar pessoas deprimidas, restauramos esse processo cíclico”.

Mas como ocorre essa restauração? Uma possibilidade é que as pessoas deprimidas simplesmente precisam de pressão de sono adicionada para iniciar um sistema lento.Pressão do sono – nosso desejo de dormir – é pensado para surgir devido à liberação gradual da adenosina no cérebro. Ele se acumula ao longo do dia e se liga aos receptores de adenosina nos neurônios, fazendo-nos sentir sonolento. As drogas que desencadeiam esses receptores têm o mesmo efeito, enquanto as drogas que os bloqueiam – como a cafeína – nos fazem sentir mais acordados.

Para investigar se esse processo pode apoiar os efeitos antidepressivos da vigília prolongada, pesquisadores da Universidade Tufts em Massachusetts levaram ratos com sintomas semelhantes a depressão e administraram altas doses de um composto que desencadeia receptores de adenosina, imitando o que ocorre durante a privação do sono. Após 12 horas, os ratos melhoraram, medidos por quanto tempo eles passaram tentando escapar quando forçados a nadar ou quando foram suspensos por suas caudas.

Nós também sabemos que a privação do sono faz outras coisas para o cérebro deprimido. Provoca mudanças no equilíbrio de neurotransmissores em áreas que ajudam a regular o humor, e restaura a atividade normal em áreas de processamento emocional do cérebro, fortalecendo conexões entre eles.

E como Benedetti e seu time descobriram, se a terapia de wake kick-starts um ritmo circadiano lento, o lítio e a terapia de luz parecem ajudar a mantê-lo. O lítio tem sido usado como um estabilizador de humor durante anos sem que ninguém realmente compreenda como ele funciona, mas sabemos que ele aumenta a expressão de uma proteína, chamada Per2, que impulsiona o relógio molecular nas células.

A luz brilhante, entretanto, é conhecida por alterar os ritmos do núcleo supraquiasmático, além de aumentar a atividade em áreas de processamento emocional do cérebro de forma mais direta. Na verdade, a Associação Americana de Psiquiatria afirma que a terapia de luz é tão eficaz quanto a maioria dos antidepressivos no tratamento da depressão não sazonal.

© Eva Bee for Mosaic

Apesar de seus resultados promissores contra o transtorno bipolar, a terapia de vigília tem sido lenta em outros países. “Você poderia ser cínico e dizer que é porque você não pode patenteá-lo”, diz David Veale, um consultor psiquiatra no South London e Maudsley NHS Foundation Trust.

Certamente, Benedetti nunca foi oferecido financiamento farmacêutico para realizar suas provações de cronometria. Em vez disso, ele tem – até recentemente – dependia do financiamento do governo, que geralmente é escasso. Sua pesquisa atual está sendo financiada pela UE. Se ele tivesse seguido a rota convencional de aceitar o dinheiro da indústria para executar ensaios de drogas com seus pacientes, ele chata, ele provavelmente não moraria em um apartamento de dois quartos e dirigiria uma Honda Civic de 1998.

O viés para soluções farmacêuticas manteve a cronoterapia abaixo do radar para muitos psiquiatras. “Muitas pessoas simplesmente não sabem sobre isso”, diz Veale.

Também é difícil encontrar um placebo adequado para privação de sono ou exposição a luz brilhante, o que significa que ensaios randomizados e controlados com placebo de cronoterapia não foram realizados. Por isso, há um certo ceticismo sobre o quão bem ele realmente funciona. “Embora haja um interesse crescente, não penso que muitos tratamentos baseados nesta abordagem ainda são rotineiramente utilizados – a evidência precisa ser melhor e existem algumas dificuldades práticas na implementação de coisas como a privação do sono”, diz John Geddes, professor de psiquiatria epidemiológica na Universidade de Oxford.

Mesmo assim, o interesse nos processos que sustentam a cronoterapia está começando a se espalhar. “Insights sobre a biologia do sono e os sistemas circadianos agora estão fornecendo alvos promissores para o desenvolvimento do tratamento”, diz Geddes. “Isso vai além dos produtos farmacêuticos – visando o sono com tratamentos psicológicos também podem ajudar ou até mesmo evitar transtornos mentais”.

No Reino Unido, nos EUA, na Dinamarca e na Suécia, os psiquiatras estão investigando a cronoterapia como tratamento para a depressão geral. “Muitos dos estudos realizados até agora foram muito pequenos”, diz Veale, que atualmente está planejando um estudo de viabilidade no Hospital Maudsley em Londres. “Precisamos demonstrar que é viável e que as pessoas podem aderir a ele”.

Até agora, os estudos que produziram produziram resultados mistos. Klaus Martiny, que pesquisa métodos não farmacológicos para o tratamento da depressão na Universidade de Copenhague, na Dinamarca, publicou dois ensaios que analisam os efeitos da privação do sono, juntamente com luz diurna diária e horas de sono regulares, na depressão geral. No primeiro estudo, 75 pacientes receberam dodoxetina antidepressiva, em combinação com cronoterapia ou exercício diário. Após a primeira semana, 41 por cento do grupo de cronometria sofreram uma redução de metade dos sintomas, em comparação com 13 por cento do grupo de exercícios. E às 29 semanas, 62 por cento dos pacientes de terapia de esqui estavam sem sintomas, em comparação com 38 por cento dos que estavam no grupo de exercícios.

No segundo estudo de Martiny, hospitais hospitalar severamente deprimidos que não responderam aos antidepressivos receberam o mesmo pacote de cronoterapia que um complemento para as drogas e a psicoterapia em que estavam passando. Após uma semana, aqueles no grupo de cronoterapia melhoraram significativamente mais do que o grupo que recebeu tratamento padrão, embora nas semanas subsequentes o grupo controle apanhado.

Ninguém já comparou a terapia de vigília de cabeça a cabeça com antidepressivos;nem foi testado contra terapia de luz brilhante e lítio sozinho. Mas, mesmo que seja eficaz apenas para uma minoria, muitas pessoas com depressão – e mesmo psiquiatras – podem achar atraente a idéia de um tratamento sem drogas.

“Eu sou um empurrador de pílula para viver e ainda me agrada fazer algo que não implique pílulas”, diz Jonathan Stewart, professor de psiquiatria clínica da Universidade de Columbia, em Nova York, que atualmente está realizando um despertar julgamento de terapia no Instituto de Psiquiatria do Estado de Nova York.

Ao contrário de Benedetti, Stewart só mantém os pacientes acordados por uma noite: “Não vi muitas pessoas concordando em ficar no hospital por três noites, e também requer muita enfermagem e recursos”, diz ele. Em vez disso, ele usa algo chamado avanço de fase de sono, onde nos dias após uma noite de privação de sono, o tempo que o paciente vai dormir e acorda é sistematicamente adiantado. Até agora, Stewart tratou cerca de 20 pacientes com este protocolo, e 12 mostraram uma resposta – a maioria deles durante a primeira semana.

Também pode funcionar como profilática: estudos recentes sugerem que os adolescentes cujos pais estabelecem – e conseguem reforçar – as horas de sono anteriores são menores em risco de depressão e de pensamento suicida. Como terapia de luz e privação de sono, o mecanismo preciso não é claro, mas os pesquisadores suspeitam que um ajuste mais íntimo entre o tempo de sono e o ciclo luz-luz natural é importante.

Mas o avanço da fase do sono até agora não atingiu o mainstream. E, Stewart aceita, não é para todos. “Para aqueles para quem trabalha, é uma cura milagrosa. Mas, assim como o Prozac não faz com que todos melhorem, isso também não o faz “, diz ele.“Meu problema é que eu não tenho idéia antes do tempo, que vai ajudar”.

A depressão pode afetar qualquer um, mas há evidências crescentes de que as variações genéticas podem perturbar o sistema circadiano para tornar certas pessoas mais vulneráveis. Várias variações de genes do relógio foram associadas a um risco elevado de desenvolver distúrbios de humor.

O estresse pode então agravar o problema. Nossa resposta a ele é amplamente mediada pelo hormônio cortisol, que está sob forte controle circadiano, mas o próprio cortisol também influencia diretamente o timing de nossos relógios circadianos. Então, se você tiver um relógio fraco, a carga adicional de estresse pode ser suficiente para inclinar seu sistema ao longo da borda.

Na verdade, você pode desencadear sintomas depressivos em camundongos, expondo-os repetidamente a um estímulo nocivo, como um choque elétrico, do qual eles não podem escapar – um fenômeno chamado de desamparo aprendido. Em face desse estresse contínuo, os animais eventualmente acabam de desistir e exibem comportamentos semelhantes a depressão. Quando David Welsh, um psiquiatra da Universidade da Califórnia, em San Diego, analisou os cérebros de ratos com sintomas depressivos, ele encontrou ritmos circadianos interrompidos em duas áreas críticas do circuito de recompensas do cérebro – um sistema fortemente implicado na depressão.

© Eva Bee for Mosaic

Mas Welsh também mostrou que um sistema circadiano perturbado em si pode causar sintomas semelhantes a depressão. Quando ele pegou ratos saudáveis ​​e eliminou um gene do relógio chave no relógio principal do cérebro, eles pareciam com os ratos deprimidos que ele estudava anteriormente. “Eles não precisam aprender a ser indefesos, eles já estão desamparados”, diz Welsh.

Então, se os ritmos circadianos interrompidos são uma causa provável de depressão, o que pode ser feito para prevenir em vez de tratá-los? É possível fortalecer o seu relógio circadiano para aumentar a resiliência psicológica, em vez de remediar os sintomas depressivos por abandono do sono?

Martiny pensa assim. Atualmente, ele está testando se manter um horário diário mais regular pode impedir que seus pacientes deprimidos se recatem uma vez que eles se recuperaram e são liberados da enfermaria psiquiátrica. “É aí que o problema geralmente vem”, diz ele. “Uma vez que eles saem de alta, sua depressão piora novamente”.

Peter é um assistente de cuidados de 45 anos de Copenhague que lutou com a depressão desde o início da adolescência. Como Angelina e muitos outros com depressão, seu primeiro episódio seguiu um período de intenso estresse e agitação.Sua irmã, que mais ou menos o criou, saiu de casa quando tinha 13 anos, deixando-o com uma mãe desinteressada e um pai que também sofria de depressão severa. Logo depois disso, seu pai morreu de câncer – outro choque, como ele manteve seu prognóstico escondido até a semana anterior à sua morte.

A depressão de Peter o viu hospitalizado seis vezes, inclusive por um mês em abril passado. “De certa forma, estar no hospital é um alívio”, diz ele. No entanto, ele se sente culpado pelo efeito que tem sobre seus filhos, com sete e nove anos. “Meu filho mais novo disse que chorava todas as noites que estava no hospital, porque não estava lá para abraçá-lo”.

Então, quando Martiny disse a Peter sobre o estudo que ele acabara de começar a recrutar, ele aceitou concordar em participar. Apontada “terapia de reforço circadiano”, a idéia é fortalecer os ritmos circadianos das pessoas, incentivando a regularidade em seus tempos de sono, sono, refeição e exercício, e empurrando-os para passar mais tempo ao ar livre, expostos à luz do dia.

Durante quatro semanas depois de deixar a enfermaria psiquiátrica em maio, Peter usou um dispositivo que acompanhava sua atividade e dormia, e ele completou questionários de humor regulares. Se houvesse algum desvio na rotina dele, ele receberia um telefonema para descobrir o que aconteceu.

Quando eu conheço Peter, brincamos sobre as linhas de bronzeamento ao redor de seus olhos; obviamente, ele está levando o conselho sério. Ele ri: “Sim, estou ficando ao ar livre para o parque, e se for bom tempo, eu levanto meus filhos para a praia, para caminhadas ou para o campo de jogos, porque então eu farei um pouco de luz e isso melhora meu humor “.

Essas não são as únicas mudanças que ele fez. Ele agora se levanta às 6 horas da manhã para ajudar sua esposa com as crianças. Mesmo que ele não fome, ele come o café da manhã: tipicamente, iogurte com muesli. Ele não toma soneca e tenta ficar na cama às 10h. Se Peter acorda à noite, ele toma consciência – uma técnica que ele pegou no hospital.

Martiny puxa os dados de Peter em seu computador. Isso confirma a mudança para tempos anteriores de sono e vigília, e mostra uma melhora na qualidade de seu sono, o que é refletido por suas pontuações de humor. Imediatamente após a sua libertação do hospital, estes em média 6 em 10. Mas depois de duas semanas eles aumentaram para 8s ou 9s consistentes, e um dia ele conseguiu um 10. No início de junho, ele voltou ao trabalho dele na casa de cuidados, onde trabalha 35 horas por semana. “Fazer uma rotina realmente me ajudou”, diz ele.

© Eva Bee for Mosaic

Até agora, Martiny recrutou 20 pacientes para o seu julgamento, mas seu alvo é de 120; Portanto, é muito cedo para saber quantos responderão da mesma maneira que Peter, ou mesmo, se sua saúde psicológica for mantida. Mesmo assim, há evidências crescentes de que uma boa rotina de sono pode ajudar nosso bem-estar mental. De acordo com um estudo publicado em Lancet Psychiatry em setembro de 2017 – o maior julgamento randomizado de uma intervenção psicológica até o momento – insomniacs que passaram por um curso de terapia cognitivo-comportamental de dez semanas para resolver seus problemas de sono apresentaram reduções sustentadas na paranóia e experiências alucinantes como um resultado. Eles também experimentaram melhorias nos sintomas de depressão e ansiedade, menos pesadelos, melhor bem-estar psicológico e funcionamento do dia-a-dia, e eles eram menos propensos a experimentar um episódio depressivo ou transtorno de ansiedade durante o experimento.

Dormir, rotina e luz do dia. É uma fórmula simples, e fácil de dar por certo. Mas imagine se realmente poderia reduzir a incidência de depressão e ajudar as pessoas a se recuperar com mais rapidez. Não só melhoraria a qualidade de inúmeras vidas, isso salvaria o dinheiro dos sistemas de saúde.

No caso da terapia de vigília, Benedetti adverte que não é algo que as pessoas devem tentar administrar a si mesmas em casa. Particularmente para quem tem transtorno bipolar, existe o risco de desencadear uma mudança na mania – embora, na sua experiência, o risco seja menor do que o que se coloca ao tomar antidepressivos.Manter-se acordado da noite para a noite também é difícil, e alguns pacientes deslizam temporariamente para a depressão ou entram em um estado de humor misto, o que pode ser perigoso. “Eu quero estar lá para falar sobre isso quando acontece”, diz Benedetti. Os estados mistos muitas vezes precedem as tentativas de suicídio.

Uma semana depois de passar a noite acordada com Angelina, eu chamo Benedetti para verificar seu progresso. Ele me diz que após a terceira privação de sono, ela experimentou uma remissão completa em seus sintomas e voltou para a Sicília com o marido. Naquela semana, eles deveriam marcar seu 50º aniversário de casamento.Quando eu perguntei a ela se achava que seu marido notaria qualquer alteração em seus sintomas, ela disse que esperava que ele notasse a mudança na aparência física.

Esperança. Depois que ela passou mais de metade de sua vida sem isso, eu suspeito que seu retorno é o mais precioso presente de aniversário de ouro de todos.

Fonte: https://mosaicscience.com/story/staying-awake-surprisingly-effective-way-treat-depression/

Continuar lendo

Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , | Deixe um comentário

MUDANÇA CLIMÁTICA ESTÁ TRANSFORMANDO 99% DAS TARTARUGAS MARINHAS EM FÊMEAS – CLIMATE CHANGE IS TURNING 99% OF THESE BABY SEA TURTLES FEMALE

MUDANÇA CLIMÁTICA ESTÁ TRANSFORMANDO 99% DAS TARTARUGAS MARINHAS EM FÊMEAS – CLIMATE CHANGE IS TURNING 99% OF THESE BABY SEA TURTLES FEMALE

 

(FamVeld / Shutterstock.com)

Isso é loucura.

As tartarugas marinhas verdes não se desenvolvem em machos ou fêmeas devido a cromossomos sexuais, como os humanos e a maioria dos outros mamíferos. Em vez disso, a temperatura fora de um ovo de tartaruga influencia o sexo do embrião em crescimento.

E essa peculiaridade biológica incomum, dizem cientistas, põe em perigo seu futuro em um mundo mais quente.

Já algumas populações de tartarugas marinhas são tão distorcidas pelo calor que os jovens répteis são quase inteiramente femininos, de acordo com um novo relatório na revista Current Biology .

“Este é um dos papéis de conservação mais importantes da década”, disse o biólogo David Owens , um professor emérito no Colégio de Charleston que não fazia parte desta pesquisa.

Não demorará, talvez dentro de algumas décadas até um século, até “não haverá machos suficientes em populações de tartarugas marinhas”, advertiu.

O sexo de uma tartaruga verde é um resultado do seu ambiente.

“Eles têm determinação do sexo dependente da temperatura”, disse Camryn Allen, pesquisadora de endocrinologia da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional e co-autora do novo estudo. “Não é genética. Na verdade, é a temperatura”.

No que os biólogos chamam de temperatura de articulação, as tartarugas eclodem como uma mistura de machos e fêmeas.

Para as tartarugas marinhas verdes, esta temperatura é de 29,3 graus Celsius (85 Fahrenheit). Alguns graus abaixo de 29.3 C, todas as tartarugas marinhas nascem masculinas. Aquecer os ovos e apenas as fêmeas nascem.

“Essa faixa de transição, de 100 por cento dos homens a 100 por cento das mulheres, abrange uma faixa muito estreita de apenas alguns graus”, disse o biólogo marinho da NOAA e estuda o co-autor Michael Jensen .

Dirija-se ao equador ao longo da costa leste da Austrália e, perto da ponta do continente, você chegará aos locais de amendoim da tartaruga principal.

Cerca de 200 mil tartarugas colocam seus ovos nas praias da Ilha Raine e cays próximos. É um dos maiores encontros de tartarugas marinhas verdes do mundo.

As tartarugas marinhas verdes desempenham papéis críticos em seus ecossistemas. Eles pastoreiam os bermandes marinhos como o gado no pasto, e os nibbles das tartarugas parecem manter as plantas saudáveis .

Onde as tartarugas se alimentam é intocada, Jensen disse, intocado pela civilização humana. Dugongs e tubarões tigre cruzam por. E há cargas e muitas tartarugas.

“É realmente o lugar ideal para estudar tartarugas”, disse ele. “Há 30 anos de conhecimento sobre essa população ao longo da costa leste da Austrália”.

Foi aí que os autores do estudo estavam aguardando. Durante várias semanas, os cientistas coletaram tartarugas, tomaram amostras de plasma e liberaram os animais.

É difícil distinguir as jovens tartarugas masculinas das fêmeas. Seus recursos externos não são úteis – você não pode simplesmente virar uma tartaruga sub-adulta e inspecionar o trem de pouso.

No passado, os pesquisadores cortaram as tartarugas juvenis abertas para inspecionar suas gônadas. Mas os pesquisadores querem minimizar seu impacto sobre a população; A União Internacional para a Conservação da Natureza lista esses animais como ameaçados de extinção .

E a cirurgia de tartaruga laparoscópica é uma proposição insustentável em escala.

Allen trabalhou em uma nova técnica para revelar o sexo das tartarugas através de seus hormônios. Os cientistas examinaram as amostras de plasma em um laboratório da Califórnia.

“Você não pode usar testes genéticos”, disse Allen, porque “eles não têm cromossomos sexuais como os humanos”.

Os biólogos descobriram o primeiro gene do termômetro de tartaruga em tartarugas em 2016. Nem todas as tartarugas regulam seus sexos dessa maneira, mas as tartarugas são como tartarugas marinhas verdes a este respeito.

Por que o sexo das tartarugas está ligado à temperatura ainda não está claro, embora alguns biólogos tenham uma hipótese: as tartarugas que se desenvolvem em condições mais frias crescem, e isso pode beneficiar uma espécie de tartaruga se as maiores forem machos.

Estudos anteriores predisseram que as tartarugas marinhas verdes e outros répteis dependentes da temperatura podem estar mudando em resposta a um clima mais quente.

As tartarugas em todo o mundo “estão absolutamente afetadas agora”, disse Owens, que colaborou com alguns dos autores do estudo no passado.

“Muitas das outras espécies e populações que meus colegas estão estudando já estão apresentando 90 por cento ou mais populações femininas”.

Mas ninguém tinha visto nada na medida certa. (“Holy moly” é como Allen descreveu sua reação inicial aos resultados dos testes de laboratório).

Se Raine Island é uma fábrica de bebês, o interruptor da linha de montagem foi jogado em uma direção. Ele produz tartaruga feminina depois da tartaruga feminina.

Mais de 99% das tartarugas jovens são femininas, descobriram os cientistas, e 87% das tartarugas maduras são femininas. Para cada homem juvenil, há 116 tartarugas femininas.

Doom não virá para essas tartarugas amanhã. Na verdade, a população geral de tartarugas pode aumentar brevemente, desde que as tartarugas femininas mais numerosas possam encontrar machos para fertilizar seus ovos.

As tartarugas não precisam de uma proporção de 50:50 entre machos e fêmeas.

“Alguns machos podem percorrer um caminho realmente longo”, disse Jensen.“As tartarugas masculinas se encaixam mais freqüentemente” do que as tartarugas femininas fazem.

“É difícil dizer se é bom ou ruim, mas é grande e pode ter muitas consequências em cascata”, disse Rory Telemeco , biólogo da Universidade Estadual da Califórnia, Fresno, não afiliado a esta pesquisa, que estuda o desenvolvimento de temperatura e répteis.

“Embora pareça um pouco assustador”.

Para estimar as temperaturas da areia, os autores do estudo usaram as temperaturas históricas do mar e do ar nos campos de reprodução entre 1960 e 2016. Na década de 1990, as estimativas de temperatura da areia foram consistentemente maiores do que a temperatura de pivô.

Os pesquisadores estavam convencidos de que a mudança climática era a mão na alavanca da fábrica. “Se não é mudança climática”, disse Allen, “então, o que é?”

Owens concordou. “A mudança climática é claramente o culpado”, disse ele.

Há outra região de nidificação, a mais de 1.000 milhas (1.600 km) ao sul da ilha de Raine, que permanece consistentemente mais fria. No sul da Austrália, a proporção de sexos é menos inclinada, com 1 tartaruga masculina para 2 tartarugas femininas. “Essas duas populações em extremidades opostas do recife têm relações de sexo massivamente diferentes”, disse Jensen.

Não parece provável, disseram os autores do estudo, que essas populações se cruzariam. Tartarugas, como o salmão, imprime nas áreas de nascimento. Os répteis retornam às suas costas para encontrar companheiros. “A criação ocorrerá nas proximidades dessas praias de nidificação”, disse Jensen.

Os pesquisadores estimam que as tartarugas marinhas verdes podem viver por 60 a 70 anos . “Ah, sim, alguns machos estão remanescentes, e haverá por décadas”, disse Owens.

“Mas eles acabarão por morrer. Eu prevejo que muito em breve a população do [Norte da Grande Barreira de Corais] começará a ver fertilidade reduzida na praia de nidificação, se isso ainda não estiver acontecendo”.

As boas notícias, de acordo com Jensen e Allen, são as estratégias de gerenciamento possíveis. Sombrear as praias ou derramar água na areia pode arrefecer as áreas de nidificação.

O governo australiano, através do Raine Island Recovery Project , está trabalhando para monitorar e proteger esses animais.

“Nós temos tempo em nossas mãos”, disse Allen. As tartarugas ainda têm maneiras de se adaptar, ela disse. É apenas uma questão de se adaptarem rapidamente.

2017 © The Washington Post

Continuar lendo

Publicado em Histórias de Tartarugas | Marcado com , , , | Deixe um comentário

MEL CRISTALIZADO, O QUE É ISTO?

MEL CRISTALIZADO, O QUE É ISTO?

 

Qual é a cristalização do mel?
O mel às vezes é um estado semi-sólido conhecido como cristalização ou mel granulado. Esse fenômeno natural acontece quando a glicose, um dos três principais açúcares no mel, precipita espontaneamente da solução de mel sobre saturada.
MIEL CRISTALIZADA, QUE ES ESTO??? - CRYSTALLIZED HONEY, WHAT IS THIS ???
A glicose perde água (tornando-se monohidrato de glicose) e assume a forma de um cristal (corpo sólido com uma estrutura ordenada e precisa). Os cristais formam uma malha que imobiliza outros componentes em forma suspensa, criando o semi-sólido acima mencionado.
A água anteriormente associada à glicose já está disponível para outros fins. Isso aumenta o teor de umidade em algumas partes do recipiente de mel. Devido ao aumento da umidade, o mel torna-se mais suscetível à fermentação.

Embora a cristalização seja geralmente indesejada no mel líquido, a cristalização controlada pode ser utilizada para produzir um produto desejável. A cristalização pode ser intencionalmente induzida e, com controle, pode ser usada para criar um produto conhecido como Creme de Mel. Isso também é conhecido como Mel Cremado, Melido, Mel Espalhado, Mel Agitado.

A cristalização espontânea resulta em um produto grosso com grânulos. A cristalização controlada resulta em um produto com uma finura e consistência suave.

Por que o mel cristaliza?
O mel cristaliza porque é uma solução supersaturada. Este estado de supersaturação (ou supersaturação) ocorre porque há muito açúcar no mel (mais de 70%) em relação à quantidade de água (muitas vezes inferior a 20%). A glicose tende a precipitar a solução, e a solução muda para um estado supersaturado mais estável.

A forma monohidratada de glicose pode servir como uma semente ou núcleo, que são essenciais no ponto de partida para a formação de cristais. Outras partículas pequenas, ou mesmo bolhas de ar, também podem servir como sementes para o início da cristalização.
Quais fatores influenciam a cristalização?
Muitos fatores afetam a cristalização do mel. Alguns grupos de mel nunca cristalizam, enquanto outros o fazem em poucos dias após a extração. O mel removido do favo de mel, processado com extratores (chamados centrífugas de mel no Chile) e bombeado, provavelmente é mais rápido para cristalizar do que se fosse deixado no favo de mel. A maioria do mel líquido cristaliza dentro de algumas semanas após a extração.

A tendência do mel para cristalizar depende fundamentalmente do teor de glicose e do nível de umidade do mel. A composição global do mel, que inclui outros açúcares que a glicose, e outras 180 substâncias identificadas como minerais, ácidos e proteínas também influenciam a cristalização.

Além disso, a cristalização pode ser estimulada por qualquer pequena partícula de pó, pólen, pedaços de cera ou própolis, bolhas de ar, que estão presentes no mel. Esses fatores estão relacionados ao tipo de mel, bem como a forma como é tratada e processada. As condições de armazenamento, tais como: temperatura, umidade relativa e tipo de recipiente, também podem afetar a tendência do mel a cristalizar.
Como os açúcares no mel afetam a tendência de sua cristalização?
O mel é composto principalmente de açúcares, um dos principais sendo glicose e frutose (em proporções semelhantes, em geral), bem como maltose e sacarose.

Como a concentração de açúcar é alta, então os açúcares precipitam e servem como núcleo para os cristais. Quando o mel é aquecido, os cristais de açúcar se dissolvem em estado líquido.

Como a cristalização é utilizada para fazer o “Crema Honey”?
Com a textura da manteiga, o mel finamente granulado permite que seja um alimento excepcional para espalhar. Em todo Edmundo, de fato, o “mel creme” é mais consumido do que o mel líquido.

Para produzir cristais finos, muitas sementes ou núcleos de cristais (sólidos) devem estar presentes no mel. O Processo Dyce (termo em inglês) é freqüentemente usado para fazer mel de nata.

Este método envolve a adição de núcleos iniciados ao mel depois de ter sido aquecido duas vezes (a 49 ° C e 66 ° C) e depois foi filtrado. O resfriamento, a secagem e a rectificação fina de mel, servem de grão (semente ou semente, também) de iniciação, que é misturado com frio com mel líquido. Este produto é estável em três dias, e em seis dias é cremoso e consistente.

A cristalização pode ser evitada?
Espontaneamente, a cristalização é controlada principalmente através de armazenamento adequado, aplicação de temperatura e / ou filtração. A manutenção de mel a uma temperatura na faixa de 40-71ºC durante a embalagem também permite baixas taxas de cristalização.

Os tratamentos de temperatura delicada atrasam a cristalização, dissolvendo os cristais e aquecimento muito rápido a 60-71ºC. Eles dissolvem os cristais e expulsam o ar incorporado (o que também estimula a cristalização).

A filtração remove partículas que podem atuar como núcleos, que podem iniciar o processo de cristalização. O mel com uma proporção baixa de água-glicose provavelmente permanecerá líquido, impedindo sua cristalização.

Que tipos de mel cristalizam mais rapidamente do que outros?
Embora a maioria das variedades de mel cristalize após a extração, que contém menos de 30% de glicose, como o tupelo de mel (espécies de árvores agradáveis, que está presente na América do Norte, Ásia Oriental e Malásia Ocidental) ) e Salvia (Salvia officinalis), resistem à granulação. A Tabela 1 mostra algumas variedades de mel e sua tendência a granular.
Como a cristalização pode afetar a qualidade do mel?
Em termos de consumo, o mel granulado parece inaceitável. Quando a granulação está incompleta, a camada cristalina é coberta por uma camada líquida com maior teor de água do que o mel original. Isso cria um ambiente favorável para o crescimento de fungos e pode levar à fermentação.
Como o armazenamento pode afetar a cristalização?
À temperatura ambiente, a cristalização começa em semanas ou meses (mas raramente em dias). O processo de cristalização pode ser evitado com armazenamento adequado, com ênfase em uma temperatura de armazenamento apropriada. Para o armazenamento a longo prazo, recomenda-se o uso de tambores de aço e aço inoxidável fortes (aço de qualidade 304, para alimentos) resistente à umidade.
Temperaturas frias (menores de 10ºC) são ideais para evitar a cristalização. As temperaturas moderadas (10-21ºC) geralmente promovem a cristalização. Temperaturas elevadas (21-27ºC) desencorajam a cristalização, mas degradam o mel. Temperaturas muito altas (acima de 27ºC) impedem a cristalização, mas incentivam a putrefação por fermentação, bem como a degradação do mel.
O mel processado deve ser armazenado entre (18-24ºC). O mel não processado deve ser armazenado sob 10ºC.Alternativamente, um estudo mostrou que o mel pode ser preservado em estado líquido se armazenado a 0ºC durante pelo menos 5 semanas, seguido de armazenamento a 14ºC.
O recipiente em que o mel é armazenado afeta a cristalização?
O mel é sensível à umidade na atmosfera. Durante o armazenamento em recipientes de polietileno (vulgarmente conhecidos como plástico) de baixa densidade, pode deixar a umidade escapar, o que pode contribuir para o processo de cristalização.
Diferentes espécies de plantas têm diferentes tendências de cristalização.
O signo + significa que tem mais tendência do que a média e o sinal significa que tem menos tendência do que a média para cristalizar.
Fonte: La familia de la Apicultura
Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , | Deixe um comentário

ANAIS DE ENCONTROS SOBRE ABELHAS – USP SP

ANAIS ENCONTRO SOBRE ABELHAS – USP SP 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

BENEFÍCIOS DO MEL À SAÚDE

BENEFÍCIOS DO MEL À SAÚDE

Nos últimos 2.500 anos, o mel tem sido um ingrediente essencial, usado por inúmeras culturas em todo o mundo. Talvez uma das razões pelas quais, até hoje, o mel é tão consumido, é devido à variedade de maneiras que pode ser usado: você pode comer uma colher de mel puro, ou no pão como uma geleia, você pode misturá-lo com suco ou chá para adoçar, ou simplesmente adicioná-lo à água morna e beber. Não importa como você o use, o mel se tornou um ingrediente extremamente útil e versátil. Também está se tornando cada vez mais reconhecido, não só por seu sabor surpreendente, mas suas propriedades medicinais. Para colher seus benefícios, selecionar o tipo certo de mel é o segredo.
mel

Conheça a Diferença Entre Mel Natural e Artificial

Tenha em mente que o mel cru (mel na sua forma mais pura) é o melhor. O mel puro não é filtrado, coado ou aquecido acima de 46 graus, ao contrário de muitas das variedades comerciais que encontramos nas prateleiras dos mercados. Na verdade, a maioria dos tipos comerciais são processados de uma forma que muitas (se não todas) enzimas benéficas, nutrientes e antioxidantes são completamente destruídas.

Mas como identificar a diferença entre os dois? Esses 4 testes irão ajudá-lo a determinar se o mel que você comprou, é puro ou não:

1. Textura

Diferentemente do mel artificial, o mel puro é sólido. Se você colocar o mel em uma colher, ele não irá escorrer e não será fácil passá-lo no pão, por exemplo.

2. Teste da água

Mel artificial dissolve facilmente na água. Já o puro, em contrapartida, se instala no fundo do copo com água.

3. O teste do tempo

O mel puro tende a cristalizar com o passar do tempo, enquanto uma imitação continuará cremosa, independentemente do tempo que está guardado.

4. Teste do fogo
mel

Mergulhe a ponta de um algodão ou pavio de vela no mel e sacuda o excesso. Tente acender o pavio ou algodão. Se queimar, o mel não tem água e outros componentes. Caso não queime ou estale, o mel é puro.
Para tirar o máximo proveito deste alimento benéfico, compre um mel cru e orgânico em uma loja de produtos naturais.

Os Nutrientes Essenciais Encontrados no Mel Puro

O mel cru é cheio de vitaminas e minerais essenciais, vitaminas B, incluindo B1 (Tiamina), B2 (Riboflavina), B3 (Niacina), B5 (Ácido pantotênico) e B6 (Piridoxina), que funcionam como coenzimas que ajudam o corpo a obter energia de alimentos. As vitaminas B também são importantes para manter um apetite normal, boa visão, pele saudável e função do sistema nervoso, bem como a formação de glóbulos vermelhos. O mel também é uma boa fonte de vitamina C, que beneficia o corpo ao manter as células juntas através da síntese de colágeno (um tecido conjuntivo que mantém os músculos, ossos e outros tecidos juntos).

O mel também contém minerais como magnésio, potássio, cálcio, cloro de sódio, cobre, ferro, manganês, enxofre, zinco e fosfato – a maioria dos quais ajuda no metabolismo corporal, balanço hídrico e saúde óssea, entre muitas outras qualidades benéficas.

10 Benefícios Que o Mel Puro Traz à Sua Saúde

1. Uma excelente fonte de energia

Os carboidratos na forma de glicose e frutose fornecem energia ao corpo, aumentam a resistência e reduzem a fadiga muscular. Na verdade, o mel é usado por muitos atletas como uma fonte de energia instantânea.

2. Um ótimo fornecedor de antioxidantes

Além de conter um amplo espectro de vitaminas e minerais, o mel também contém pinocembrina –  que é um flavonoide exclusivo do mel. Isso mantém as atividades enzimáticas saudáveis.

3. Desacelera o processo de envelhecimento
mel

O lento esgotamento das enzimas no corpo contribui parcialmente para o processo de envelhecimento. O mel puro, no entanto, é um dos poucos alimentos que ajuda a diminuir a perda de enzimas através da ingestão de amilase – uma enzima que quebra açúcares e carboidratos. Esse processo tem a capacidade de restaurar a pele danificada, dando um visual mais suave e jovem.

4. Sustenta boas bactérias

O mel sustenta Bifidobactérias, que estão presentes no trato gastrointestinal, e são essenciais na digestão eficiente e boa saúde. O mel também contém probióticos, que ajudam na produção e atividade das Bifidobactérias. O mel não fermenta no estômago e pode ser usado para aliviar a indigestão.

5. Trata alergias e mantém um sistema imunológico forte

O mel contém propriedades antibacterianas e antifúngicas, que podem tratar alergias e manter o sistema imunológico forte. Consumir mel frequentemente também pode fortalecer os corpúsculos brancos de sangue, que ajudam a combater doenças bacterianas e viroses.

6. Controla o açúcar no sangue

Evidências experimentais sugerem que o consumo de mel pode melhorar o controle do açúcar no sangue e a sensibilidade à insulina, em comparação a outros adoçantes. A tolerância do corpo ao mel é significativamente melhor do que a reação à sacarose e à glicose proveniente de outros alimentos. Indivíduos com maior intolerância à glicose (aqueles com diabetes leve e diabetes tipo 1 – uma condição crônica em que o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina) apresentaram uma tolerância significativamente melhor ao mel do que a sacarose.

7. Ajuda a diminuir o colesterol
mel

Em uma série de experimentos envolvendo indivíduos saudáveis e aqueles com colesterol elevado, o mel foi considerado o adoçante mais saudável. No entanto, o mesmo estudo também descobriu que em pacientes com colesterol alto, o mel artificial aumentou o colesterol LDL (ruim), enquanto o mel puro e natural diminuiu o colesterol total em 8% e o colesterol LDL em 11%.

8. Reduz e elimina a tosse

Em crianças e adolescentes com idades entre 2 e 18 anos, o mel revelou-se mais eficaz do que o dextrometorfano, que é a droga antitussiva mais popular. O mel de trigo mourisco mostrou ser um remédio muito eficaz contra a tosse.

9. Cicatrizante natural

Foi revelado que o mel cru, quando aplicado topicamente na pele, contém uma série de benefícios na cicatrização de feridas. Como o mel é composto principalmente de glicose e frutose (dois açúcares que atraem fortemente a água), o mel absorve a água na ferida e seca-a, fazendo com que o crescimento de bactérias e fungos seja inibido. Estudos também descobriram que o mel de manuka diminui o nível de pH da superfície das feridas, de modo que os germes não podem mais sobreviver e as bactérias são destruídas.

10. Previne a redução de glóbulos brancos

O mel pode ser uma maneira eficaz e barata de prevenir o baixo número de glóbulos brancos causado pela quimioterapia. Em um pequeno estudo, 40% dos pacientes com câncer que sabiam estar em risco de neutropenia (hemograma muito baixo) tiveram essa condição revertida após tomarem 2 colheres de chá de mel terapêutico por dia durante o tratamento de quimioterapia.

Fonte: TudoPorEmail

Publicado em Cuide bem da Saúde, Geral | Marcado com , , | Deixe um comentário

COLETÂNEA DE LEIS SOBRE ABELHAS SEM FERRÃO

COLETÂNEA DE LEIS SOBRE ABELHAS SEM FERRÃO

 

Disponibilizou-se aqui uma coletânea de leis, federal, estadual e municipal sobre as abelhas sem ferrão.

 

MEMÓRIA DA REUNIÃO CONAMA ABRIL 2017 SOBRE A REFORMULAÇÃO DA RESOLUÇÃO 346 DE 2004

 

PROJETO DE LEI Nº 4.943/2014 – Dispõe sobre a criação, o comércio e o transporte de abelhas sem ferrão (meliponíneas) no Estado de Minas Gerais

 

PROJETO DE LEI Nº 225/2016 – Dispõe sobre a criação, o manejo, o comércio e o transporte de abelhas sociais nativas (MELIPONÍNEOS) no estado do Paraná

 

PROJETO DE LEI Nº 21.619/2015 – Dispõe sobre a criação, o comércio e o transporte de abelhas sociais sem ferrão (meliponíneos) no Estado da Bahia.

 

PROJETO DE LEI Nº 21.619/2015 – Dispõe sobre a criação, o comércio e o transporte de abelhas sociais sem ferrão (meliponíneos) no Estado da Bahia.

 

Meliponicultura, legislação – síntese

 

LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011

 

LEI Nº 16.171, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2013 – Dispõe sobre a criação, o comércio e o transporte de abelhas-sem-ferrão (meliponíneas) no Estado de Santa Catarina.

 

Lei Nº 14763 DE 23/11/2015 – Publicado no DOE em 24 nov 2015 – Dispõe sobre a criação, o comércio e o transporte de abelhas sem ferrão – meliponíneas – no Estado do Rio Grande do Sul.

 

L E I N° 7.565, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 – Dispõe sobre normas para licenciamento de estabelecimentos processadores, registro e comercialização de produtos artesanais comestíveis de origem animal e vegetal no Estado do Pará, e dá outras providências

 

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 07, DE 30 DE ABRIL DE 2015 – Institui e normatiza as categorias de uso e manejo da fauna silvestre em cativeiro, e define, no âmbito do IBAMA , os procedimentos autorizativos para as categorias estabelecidas

 

LEI Nº 3.465, DE 15 DE MAIO DE 2014 – Dispõe sobre o resgate, a captura e a remoção de abelhas silvestres nativas (meliponíneos) e da Apis mellifera (abelha doméstica com ferrão) no Município de Canela

 

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA Nº 03, de 29 de setembro de 2014- Institui e normatiza a criação e conservação de meliponíneos nativos (abelhas sem ferrão), no Estado do Rio Grande do Sul

 

RESOLUÇÃO CONAMA nº 346, de agosto de 2004  – Disciplina a utilização das abelhas silvestres nativas, bem como a implantação de meliponários.

 

Breve relato da reunião no Ministério do Meio Ambiente realizada no dia 27/04/2017 sobre possível mudança e reformulação da Resolução 346 de 2004

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

13 USOS SURPREENDENTES DO ARROZ – 13 SURPRISING USES FOR RICE

13 USOS SURPREENDENTES DO ARROZ – 13 SURPRISING USES FOR RICE

 

O arroz é um alimento básico, encontrado praticamente no mundo todo. O que muitos não sabem é que esse ingrediente tem outras fantásticas propriedades e pode ser usado para resolver diversos problemas domésticos do dia. Abaixo você encontra 14 formas de utilizar o arroz de forma eficiente e, o que é melhor, gastando muito pouco.

As Diversas Utilidades do Arroz

1. Alivia Dores Musculares

Se estiver com dores nos pés após um longo dia de trabalho, ou caso sofra com cãibras nessa região do corpo, o arroz pode ser seu aliado. Veja como é simples: pegue um par de meias e encha-os com arroz, mas deixando espaço suficiente para os pés. Feche as meias com um barbante e coloque-as no micro-ondas por 1 minuto (pode deixar por mais tempo caso queiram que estejam mais aquecidas). E sua compressa está pronta! Esta dica funciona muito bem porque o arroz mantém a temperatura por um bom tempo.

2. Limpar Vasos, Garrafas e Outros Recipientes de Vidro

Você tem aquele vaso de vidro super bonito em casa e, por mais que limpe, nunca parece estar totalmente limpo e transparente, principalmente o fundo. Limpar essa parte do vaso às vezes é um desafio. Mas o arroz pode ser a solução para resolver este problema! Despeje o equivalente a uma mão cheia de arroz no vaso, garrafa ou qualquer outro recipiente que queira limpar. Adicione água e um pouco de sabão e deixe ali por alguns minutos. Aquela sujeira persistente vai embora rapidinho.

3. Salvar Aparelhos Eletrônicos Molhados
As Diversas Utilidades do Arroz

Se o seu celular (ou outro aparelho eletrônico) caiu na água, ou alguém derramou bebida em cima dele, não entre em pânico. O arroz é uma boa saída para salvar seu aparelho. Desligue o seu dispositivo e remova a bateria ou outros partes que também estejam úmidas. Deixe tudo em um recipiente com arroz durante uma noite. Se o estrago não foi muito grande, você pode recuperar o seu aparelho com essa dica!

4. Entreter as Crianças

Filhos ou netos estão te levando à loucura com tanta agitação? Não se preocupe. Entretenha-as enquanto aguça a criatividade delas com essa simples dica. Pegue um recipiente qualquer, preferencialmente de plástico. Diga às crianças para decorá-lo do jeito que elas quiserem, de preferência bem coloridos. Depois, diga a elas para encher o recipiente com arroz, tampar e… pronto! Elas fizeram uma linda maraca! Isso vai mantê-las entretidas por um tempo.

5. Checar a Temperatura do Óleo

Para verificar se o óleo está quente o bastante para usá-lo – principalmente para frituras –, coloque alguns grão de arroz. Se o grão pular para a superfície do óleo e começar a fritar, então está pronto para uso. Esta dica é muito mais válida e confiável do que usar um termômetro de cozinha.

6. Amadurecer Frutas
As Diversas Utilidades do Arroz

Você foi ao supermercado ou à feira e comprou várias frutas, mas algumas delas ainda não estão boas o suficIente para consumo. Algumas demoram mais tempo para amadurecer. Para acelerar ese processo, deixe as frutas dentro de um recipiente com arroz. Esta dica funciona muito bem e o processo costuma ser rápido, então olhe com frequência antes que as frutes fiquem maduras e até estraguem.

7. Acabar Com a Umidade do Sal

Esta é uma boa dica para quem vive em um país úmido como o Brasil. Por causa da umidade do ar, o sal fica com um aspecto um pouco grudento, pegajoso. Isso dificulta o uso, pois muitas vezes o sal fica grudado nos dedos no momento de adicionar aquela pitadinha na comida. E é por isso que os restaurantes colocam grão de arroz no saleiro: os grãos sugam a umidade, evitando que o sal fique pegajoso e difícil de usar. É uma dica muito prática e com custo praticamente zero!

8. Brinquedo para o Gato de Estimação

Se o seu gato gosta de brincar com os objetos de decoração da sua casa, correndo o risco de quebrá-los, essa é uma boa dica para mantê-lo entretido com esse brinquedo de arroz. Faça um tipo de sachê ou uma pequena sacola com qualquer tipo de tecido, de preferência algum resistente às unhas do gato, e encha-o com arroz. Jogue para ele, que vai se divertir com o brinquedo novo!

9. Ferramentas Enferrujadas

Ferramentas podem enferrujar após um longo tempo expostas ao ar. A ferrugem resulta da oxidação do ferro. Para evitar que isso aconteça, basta colocar alguns punhados de arroz na caixa de ferramentas. Dessa forma, elas não ficarão enferrujadas.​

10. Limpar o Moedor de Café
As Diversas Utilidades do Arroz

Moedores de café ficam usualmente sujos e bem difíceis de limpar, com pó acumulado e até pedaços de grãos que grudam na superfície. Para limpá-lo completamente, basta seguir esta dica: coloque meio copo de arroz no moedor e ligue o processador. Deixe-o ligado até formar um pó, assim como o café. Não somente o moedor como as lâminas vão ficar limpinhas.

Muitos de nós normalmente colocamos mais água que o necessário ao preparar arroz (embora mais água é melhor que menos, pois assim não corre o risco de queimar!). Mas você não precisa jogar essa água fora, pois é bastante útil. Durante o cozimento, retire esse excesso de água e deixe esfriar. Deixe na geladeira. Você pude usar para lavar o rosto. A pele fica brilhante e saudável. O arroz integral é ainda mais vantajoso, pois é rico em vitamina E. O ideal é fazer esse procedimento a cada três dias.

12. Leite de Arroz

Esta é uma ótima alternativa ao leite comum. Tudo que você precisa é 1 copo de arroz, 4 copos de água mineral ou filtrada e poucas pitadas de sal. Bata no liquidificador por 1 minutos ou até os grãos dissolverem por completo. Leve à geladeira e você terá um leite natural, saboroso e, o que é melhor, livre de lactose.

13. Acessórios de Prata Brilhantes

Assim como as ferramentas, produtos de prata também passam pelo processo de oxidação. A prata fica fosca e manchada depois de um tempo. Para manter seus talheres e acessórios sempre brilhantes, siga essa dica: coloque um recipiente com arroz no lugar onde costuma guardar a prata. O arroz retarda esse processo de oxidação.

Fonte: Tudo por e-mail,  care2.com e Reader’s Digest

13 Surprising Uses for Rice

 

Rice isn’t just for dinner! This staple is a multi-purpose wonder: it keeps your feet warm, it rescues your fancy electronics, it does difficult cleaning jobs, and even keeps your pet entertained. Click through to read these and more clever ways to use rice.

 

 

Home & Pets.

1. Clean Dirty Vases and Other Unusually-Shaped Bottles. What’s that, you don’t have the world’s smallest hands? Cleaning vases and bottles with slender and unusually shaped necks is a total pain — until now. Drop in a couple tablespoons of rice, pour in some warm water, and let it soak for about 10 minutes. Then shake, shake, shake, pour it out, rinse, and marvel at your newly-cleaned vase.

2. Rescue Wet Electronics. As the ultimate klutz, I’ve had to use this trick more than once. When you drop your electronics in water, remove the battery if you can, and bury the phone in rice. Trust me, it works!

3. Make a Pet Toy. Make a small satchel, fill it with a combination of rice and catnip, sew it up, and watch your cat go nuts!

4. Clean Coffee and Spice Grinders. As much as we love them, keeping coffee and spice grinders clean can be a pain. Remedy that with rice: remove as much debris as you can, cover the area with rice, and run it through the grinder. The rice will magically absorb a lot of the buildup. Some of the country’s most prestigious roasters use this trick. It works especially well with instant rice!

 

 

Food.

5. Check if Oil is Hot Enough. Want to check the temperature of the oil you’re using to deep fry? All you need to do is drop a grain of rice into it. If the rice pops up to the surface of the oil and begins cooking, the oil is ready for frying. In my experience, it’s much more reliable than a deep fry thermometer.

6. Bake a Perfect Pie. Fancy stores sell $15 jars of pie weights, the little beads placed on unfilled crusts when you blind bake them. What a racket — rice works just as well. You wouldn’t want to cook with the rice afterward, but you can use them again as pie weights.

7. Keep Salt Separated. A classic restaurant trick: store a few grains of rice in your salt shaker to prevent that annoying clumping.

8. Ripen Fruit Faster. Just can’t wait for that fruit to ripe? Store fruit in a container of rice to speed up the ripening time. Just make sure to check on it twice a day so it doesn’t get too ripe. And yes, you can cook with the rice!

9. Make Rice Milk. DIY project alert! All it takes to make rice milk from scratch (other than rice, of course!) is water and salt. Click here for directions.

 

 

Health & Beauty.

10. Make a Heating Pad. Sew a little pouch with a natural fabric like cotton or wool. Fill the pouch up with some rice, sew it shut, and you’ve got yourself a heating pad. If you’re not feeling that ambitious, you can just fill an old sock with rice and tie the end close. When you’re ready to use the heating pad, heat it up in the microwave. It’ll stay warm for up to an hour.

11. Get Glowing Skin. If you’re like me, you just never get the amount of water right when you’re cooking rice. It always seems like there’s not enough water, and then you overcompensate and the rice is drowning. Don’t stress — save that leftover rice water and put it to use! Let it cool, refrigerate, and use to it wash your skin. For best results use brown rice water and use within 3 days. Apply it with a washcloth and rinse. Brown rice is high in vitamin E, and will give your skin that radiant glow it deserves.

12. Make Toasty Slippers for Cold Winter Nights. I once lived in a home with tile floors throughout. Nice in the summer, miserably cold in the winter. If only I knew about this great craft project then! Check out detailed instructions here.

13. Mittens, Too. Ooh! Best idea ever!

 

Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , , , | Deixe um comentário

GARRAFA DE ÁGUA ECOLÓGICA – ECOLOGICAL WATER BOTTLE

GARRAFA DE ÁGUA ECOLÓGICA – ECOLOGICAL WATER BOTTLE

Garrafa de água comestível que três estudantes de design  criaram!

Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , | Deixe um comentário

ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE ABELHAS NATIVAS – AMAMEL CONQUISTA CERTIFICAÇÃO FEDERAL

ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE ABELHAS NATIVAS – AMAMEL CONQUISTA CERTIFICAÇÃO FEDERAL

A Associação de Meliponicultores de Mandirituba (Amamel), Região Metropolitana de Curitiba, anunciou neste domingo (23), oficialmente, a obtenção da certificação do Serviço de Inspeção Federal (conhecida pela sigla S.I.F), que permitirá a comercialização, em locais públicos, do mel produzido pelas abelhas nativas sem ferrão. A conquista é resultado do trabalho conjunto de criadores e técnicos, com o apoio da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Continuar lendo

Publicado em Cuide bem da Saúde, Meliponíneos | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

MEDICINA E ESPIRITUALIDADE – ARTIGOS A LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA

MEDICINA E ESPIRITUALIDADE – ARTIGOS A LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA

 

Interessantes artigos do blog Medicina e espiritualidade 

182 artigos – 37 autores  + de 500.000 acessos  assuntos os mais variados e interessantes

Ao clicar no nome do artigo ele vai para a página com o texto na íntegra

n Tema Autor Ano Mês
1 Doenças mentais à luz do espiritismo – Dr. Ricardo… Ricardo Di Bernardi 2005 Dezembro
2 Mediunidade e a saúde Sérgio Vencio 2005 Dezembro
3 DIABETES NA VISÃO ESPÍRITA -DR. JORCE CECÍLIO DAHE… Jorge Cecílio 2006 janeiro
4 NOVA PERCEPÇÃO DO CÉREBRO – ANEUPLOIDIA Sérgio Vencio 2006 janeiro
5 TRATAMENTO COM PASSES MAGNÉTICOS Sérgio Vencio 2006 janeiro
6 QUAL O PAPEL DA DOENÇA ? Sérgio Vencio 2006 janeiro
7 Estar Reencarnado! Prova de Amor Divino. Sérgio Vencio 2006 Fevereiro
8 O Transtorno Bipolar na Visão Espírita – Dr Luiz P… Luiz Paiva 2006 Fevereiro
9 VIVENDO O PRESENTE ! Sérgio Vencio 2006 Fevereiro
10 Porque uns fumam e adoecem e outros não? Sérgio Vencio 2006 Março
11 No momento do desencarne Sérgio Vencio 2006 Março
12 O Que Imaginamos Ser a Reencarnação é, Apenas, Mem… Ricardo Di Bernardi 2006 Abril
13 INSÔNIA Sérgio Vencio 2006 Abril
14 Victor Hugo, o Brasil e o espiritismo. Sérgio Vencio 2006 Maio
15 A triste escolha Sérgio Vencio 2006 Maio
16 Gestantes preparadas espiritualmente para o parto Maria das Dores Sousa Nunes 2006 Junho
17 Brasil : O futuro só a nós pertence? — Ricar… Ricardo Di Bernardi 2006 Julho
18 VERTER PARA A CARNE Sérgio Vencio 2006 Julho
19 Desdobramento espiritual – O sonho é o aquário da noite Sérgio Vencio 2006 Julho
20 Plenitude e Equilíbrio: Sabedoria para a mulher vi…Primavera Dagmar Ramos 2006 Agosto
21 Plenitude e Equilíbrio: Sabedoria para a mulher vi… Verão Dagmar Ramos 2006 Agosto
22 Plenitude e Equilíbrio: Sabedoria para a mulher vi…Outono Dagmar Ramos 2006 Agosto
23 Plenitude e Equilíbrio: Sabedoria para a mulher vi…Inverno Dagmar Ramos 2006 Agosto
24 A VERDADEIRA PROPRIEDADE Sérgio Vencio 2006 Setembro
25 Alcoolismo: Enfoque Paranormal  Ricardo Di Bernardi 2006 Outubro
26 Visão espiritualista dos tiques nervosos Ricardo Di Bernardi 2006 Novembro
27 A homossexualidade analisada pela ótica de uma pessoa espírita. – Dra Giselle Fachetti Giselle Fachetti 2006 Dezembro
28 Homossexualidade – Hélcio José Hélcio José 2006 Dezembro
29 Homossexualismo – Dr. Ivan Hervé Ivan Hervé 2006 Dezembro
30 Espiritismo e Esoterismo – Dra Giselle Fachetti Giselle Fachetti 2007 janeiro
31 Você foi aliado ou inimigo do dia que acaba de pas… Sérgio Vencio 2007 janeiro
32 Mutiladores da nossa cultura – Alamar Régis Carval… Alamar Régis 2007 janeiro
33 É morrendo que se vive para a vida eterna. Enfrent… Sérgio Vencio 2007 janeiro
34 Respeitar a dor vivendo o luto. Dra Giselle Fachet… Giselle Fachetti 2007 janeiro
35 NASCIMENTO DAS RELIGIÕES – DR. IVAN HERVÉ Ivan Hervé 2007 Fevereiro
36 Religião. Há necessidade? Sérgio Vencio 2007 Fevereiro
37 Gemelaridade e espiritualidade. Dra Giselle Fachet… Giselle Fachetti 2007 Fevereiro
38 Abortos Aparentemente Espontâneos, Provocados Ment… Ricardo Di Bernardi 2007 Fevereiro
39 ALIMENTAÇÀO DOS ESPÍRITOS – Ricardo di Bernardi Ricardo Di Bernardi 2007 Fevereiro
40 ALIENAÇÃO MENTAL E OBSESSÃO – Vitor Ronaldo Costa Vitor Ronaldo 2007 Fevereiro
41 OBSESSÕES COMPLEXAS POR APARELHOS PARASITAS: CONSI… Vitor Ronaldo 2007 Março
42 AUTOCONHECIMENTO Wani Ribeiro 2007 Março
43 Corrente de bençãos – Formando uma rede intercessó… Sérgio Vencio 2007 Abril
44 Cura e doença espiritual. Entendendo o processo. Sérgio Vencio 2007 Abril
45 CONGRESSO MÉDICO ESPÍRITA DE 2007 Sérgio Vencio 2007 Abril
46 A RAZÃO DA REVELAÇÃO ESPIRITUAL  Giselle Fachetti 2007 Abril
47 O médico deve prescrever a prece como tratamento ? Sérgio Vencio 2007 Maio
48 Sempre é hora de relembrar o compromisso assumido … Sérgio Vencio 2007 Junho
49 Aborto – O outro lado da moeda Sérgio Vencio 2007 Junho
50 Enjôos e desejos da gestante na visão espírita  Ricardo Di Bernardi 2007 Agosto
51 Gravidez sem feto – Dra Giselle Fachetti Giselle Fachetti 2007 Setembro
52 Fecundação: início da formação de um novo ser – Dr… Cristiane Assis 2007 Setembro
53 Sobre a Legitimidade do aborto no estupro. Dra CEC… Cecília Alvarenga 2007 Setembro
54 A influência do corpo espiritual na formação do co… Giselle Fachetti 2007 Setembro
55 Preparando-se para a volta. Sérgio Vencio 2007 Setembro
56 Cuidados Periconcepcionais – Dra Cristiane Assis Cristiane Assis 2007 Setembro
57 Abortos Aparentemente Espontâneos Provocados Mentalmente pela Mãe Ricardo Di Bernardi 2007 Outubro
58 Reencarnação de suicidas Giselle Fachetti 2007 Dezembro
59 Há uma causa espiritual para o diabetes? Sérgio Vencio 2008 janeiro
60 Destino – Dr Ricardo Di Bernardi Ricardo Di Bernardi 2008 janeiro
61 Estresse e espiritualidade Marlene Nobre 2008 janeiro
62 Auto-obsessão. Porque insistimos em nos sabotar? Sérgio Vencio 2008 Fevereiro
63 Rituais e rotinas Giselle Fachetti 2008 Fevereiro
64 Cuidando de um filho com doença grave. Sérgio Vencio 2008 Março
65 O desdobramento espiritual coletivo. Giselle Fachetti 2008 Março
66 PORQUE O MAGNETISMO Dezir Vencio 2008 Abril
67 Bolsão do passado. Dra Giselle Fachetti Giselle Fachetti 2008 Agosto
68 Animismo e Mediunidade em Crianças – Ricardo Di Bernardi 2008 Agosto
69 A INTOLERÂNCIA Sérgio Vencio 2008 Outubro
70 XIFÓPAGOS E REENCARNAÇÃO – Dr. Ricardo Di Bernardi… Ricardo Di Bernardi 2008 Novembro
71 SER DOENTE OU ESTAR DOENTE? EIS A QUESTÃO Sérgio Vencio 2008 Novembro
72 JESUS PSICOTERAPEUTA. Luiz Paiva 2008 Dezembro
73 Jesus e os fluidos. Jacob Melo Jacob Melo 2009 janeiro
74 FAZENDO DE 2009 UM ANO DIFERENTE Sérgio Vencio 2009 janeiro
75 APOMETRIA É ESPIRITISMO? Vitor Ronaldo Vitor Ronaldo 2009 Fevereiro
76 Um médico no Além Luiz Paiva 2009 Fevereiro
77 Epilepsia – Dr. Ricardo Di Bernardi Ricardo Di Bernardi 2009 Abril
78 Perdas: luto, elaboração e sublimação Luiz Paiva 2009 Abril
79 DOENÇAS CRÔNICAS E O CONHECIMENTO DA CAUSA A LUZ D Vitor Ronaldo 2009 Maio
80 SUBJUGAÇÃO ESPIRITUAL UM SÉRIO DESAFIO ÀS CIÊNCIAS… Vitor Ronaldo 2009 Junho
81 Morte Prematura – Entender para aceitar. Sérgio Vencio 2009 Julho
82 OBSESSÃO ESPIRITUAL INFANTIL Vitor Ronaldo 2009 Agosto
83 A arte de não fazer nada. Sérgio Vencio 2009 Setembro
84 Pedofilia na visão espírita  Ricardo Di Bernardi 2009 Setembro
85 Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia Júlio Peres 2009 Outubro
86 A psicografia é válida? – Dr. Ivan Hervé Ivan Hervé 2009 Novembro
87 Educação Pré-Natal do Feto Ricardo Di Bernardi 2009 Novembro
88 CONSTRUINDO UM 2010 SAUDÁVEL Sérgio Vencio 2009 Dezembro
89 BEZERRA DE MENEZES: O APÓSTOLO DA CIÊNCIA ESPÍRITA. Vitor Ronaldo 2009 Dezembro
90 Visão energética e espiritual da gestação Ricardo Di Bernardi 2010 janeiro
91 DEUS Ivan Hervé 2010 Fevereiro
92 A saga heróica dos desbravadores do bem  Vitor Ronaldo 2010 Março
93 Jovens usuários de maconha tem maior chance de ter psicose Sérgio Vencio 2010 Março
94 ENDOMETRIOSE Giselle Fachetti 2010 Abril
95 XAMANISMO Ivan Hervé 2010 Abril
96 Espiritualidade no paciente em diálise: o nefrologista deve abordar Giancarlo Luchetti 2010 Maio
97 Homeopatia, o que é e como funciona? Ricardo Di Bernardi 2010 Maio
98 Gêmeos Univitelinos Ricardo Di Bernardi 2010 Julho
99 V Congresso de Saúde e Espiritualidade de MG Sérgio Vencio 2010 Julho
100 HPV – o que um olhar espiritualizado pode nos ensinar Giselle Fachetti 2010 Julho
101 A dor da perda. Sérgio Vencio 2010 Setembro
102 A proximidade do fim de ano trazendo esperanças renovadas Sérgio Vencio 2010 Novembro
103 Ter ou não ter filhos e Reencarnação  Ricardo Di Bernardi 2011 janeiro
104 Suicídio – Um problema sistêmico. Como quem fica deve agir? Sérgio Vencio 2011 Março
105 Jornada médico-espírita de Goiás – Dra Giselle Fac… Giselle Fachetti 2011 Abril
106 Chico Xavier fala sobre Mediunidade Sérgio Vencio 2011 Abril
107 1o Símpósio Goiano de Medicina e Espiritualidade Sérgio Vencio 2011 Abril
108 Existe matéria no mundo espiritual?  Ricardo Di Bernardi 2011 Abril
109 Questões sobre um Atentado Terrorista Ricardo Di Bernardi 2011 Maio
110 Tratamento espiritual das doenças físicas Sérgio Vencio 2011 Maio
111 Onívoros ou viciados em carne?  Giselle Fachetti 2011 Maio
112 Curas efetuadas por Jesus espirito.org.br 2011 Julho
113 Síndrome do Pânico na Visão Espírita – Entrevista … Jaider Rodrigues 2011 Agosto
114 Meu filho nasceu doente. Castigo ou oportunidade? Sérgio Vencio 2011 Agosto
115 A depressão é falta de Deus? – Dra Giselle Fachett… Giselle Fachetti 2011 Outubro
116 Mediunidade – Amor em serviço. Sérgio Vencio 2011 Outubro
117 “Ponto Deus” no cérebro Leonardo Boff 2011 Outubro
118 Estrutura do Corpo Espiritual em Espírito de Evolução mediana Ricardo Di Bernardi 2011 Dezembro
119 Porque as casas espíritas tem tantos problemas? Sérgio Vencio 2012 janeiro
120 OS AVANÇOS DA BIOLOGIA PERANTE O ESPIRITISMO Jorge Cecílio 2012 Fevereiro
121 NAS FRONTEIRAS DA EPILEPSIA Nubor Facure 2012 Fevereiro
122 Gratidão – Um novo olhar sobre a vida Geraldo Campetti 2012 Março
123 Oligofrenia – Dr. Ivan Hervé Ivan Hervé 2012 Abril
124 Aborto provocado – Consequência para o Abortado – … Ricardo Di Bernardi 2012 Abril
125 COMO SE DEVE ENTENDER A RELAÇÃO ENTRE O ESPIRITISM Ademir Xavier 2012 Abril
126 CONTÁGIO BIOENERGÉTICO  Dalton Andrea 2012 Maio
127 Assistência espiritual na Síndrome de Down. Dr. Iv… Ivan Hervé 2012 Junho
128 O cérebro não diferencia imaginação de realidade! … Milton Moura 2012 Junho
129 Terror Noturno  Ivan Hervé 2012 Junho
130 O planeta Arco-íris – Relato de uma viagem astral Giselle Fachetti 2012 Agosto
131 Entendendo os chacras – Parte II Sérgio Vencio 2012 Novembro
132 Entendendo os chakras – Parte I Sérgio Vencio 2012 Novembro
133 Ciência e espiritualidade Sérgio Vencio 2012 Novembro
134 Estudo apométrico de dez casos interessantes. Ivan Hervé 2012 Novembro
135 Entendendo os chacras. Parte V. O que significa al… Sérgio Vencio 2012 Dezembro
136 Entendendo os chacras – Parte IV. Como os chacras … Sérgio Vencio 2012 Dezembro
137 Entendendo os chacras – Parte III Sérgio Vencio 2012 Dezembro
138 Analisando se nossos conhecimentos nos ajudam a crescer Sérgio Vencio 2013 janeiro
139 2013, tempo de esperança e certeza. Sérgio Vencio 2013 janeiro
140 Mensagem às mães de Santa Maria Giselle Fachetti 2013 Fevereiro
141 Casos especiais. Dr. Ivan Herve Ivan Hervé 2013 Março
142 ENERGIA – A consciência escolhe! Milton Moura 2013 Março
143 Dinâmica Energética no Resgate coletivo Ricardo Di Bernardi 2013 Maio
144 “As Ordens da Ajuda”, segundo Bert Hellinger. Dagmar Ramos 2014 janeiro
145 Preparando crianças para o reencarne Sérgio Vencio 2014 Maio
146 Um novo ciclo Sérgio Vencio 2014 Junho
147 Energia Sexual – Origem do masculino e do feminino Ricardo Di Bernardi 2014 Agosto
148 Utilizando os nosso talentos Sérgio Vencio 2014 Agosto
149 Lançamento do livro – Os mensageiros da Esperança Sérgio Vencio 2015 Fevereiro
150 Mal de alzheimer na visão espírita – Dr. Inácio Fe… Inácio Ferreira 2015 Fevereiro
151 Doenças da alma Dezir Vencio 2015 Fevereiro
152 Perdão que alivia Sérgio Vencio 2015 Julho
153 O Perispírito e os Orgãos Psicossomáticos nenl.com.br 2015 Agosto
154 Os Planos Espirituais Ricardo Di Bernardi 2015 Agosto
155 Hábitos, porque mudá-los é tão difícil? Dr. Milton… Milton Moura 2015 Setembro
156 Conexão espirital entre os gêmeos – Dra Giselle Fa… Giselle Fachetti 2015 Setembro
157 PSEUDOHERMAFRODITISMO E REENCARNAÇÃO  Ricardo Di Bernardi 2015 Setembro
158 Pediatria, sensualidade e energias extrafísicas Ricardo Di Bernardi 2015 Outubro
159 A Obesidade mental – Ricardo Di Bernardi Ricardo Di Bernardi 2015 Novembro
160 Osho – A arte de Viver Osho 2015 Novembro
161 Médico ensina a praticar meditação pragmática sem Roberto Cardoso 2015 Novembro
162 SENTIR QUE ESTAMOS SENDO SENTIDOS. Dr. Milton Mour… Milton Moura 2015 Dezembro
163 Depressão uma visão Espiritual não ortodoxa Adilson Lorente 2015 Dezembro
164 Microcefalia, Zika Vírus e uma experiência espiritual Sérgio Vencio 2016 janeiro
165 Atitude é tudo. Dr. Milton Moura Milton Moura 2016 Fevereiro
166 Microcefalia – abordagem médico espírita – Dr. Ric… Ricardo Di Bernardi 2016 Fevereiro
167 Porque nos esquecemos das nossas vidas passadas? Regis Mesquita 2016 Fevereiro
168 Zika vírus, microcefalia e aborto. Devo praticar o… Sérgio Vencio 2016 Fevereiro
169 Guerreiros da fé Giselle Fachetti 2016 Fevereiro
170 Energia Sexual e Namoro  Ricardo Di Bernardi 2016 Junho
171 Fotografia do pensamento Allan Kardec 2016 Agosto
172 Decálogo para médiuns – André Luiz André Luiz 2016 Agosto
173 Energia sexual nas modalidades de relações íntimas Ricardo Di Bernardi 2016 Agosto
174 Mente – Cérebro em ação. Milton Moura 2016 Agosto
175 Energias extra físicas e Bioenergia Ricardo Di Bernardi 2016 Setembro
176 A escuta e a fala. Sérgio Vencio 2016 Outubro
177 Hipertensão: a causa está no espírito AME – Paraná 2016 Outubro
178 Nova escala de ‘comida para o cérebro’ destaca os melhores nutrientes para depressão American Psychiatric Association 2016 Dezembro
179 Deus e a Chapecoense Ricardo Di Bernardi 2016 Dezembro
180 Microcefalia e Aborto: a ligação do espírito Ricardo Di Bernardi 2017 janeiro
181 Casamentos Provacionais  Ricardo Di Bernardi 2017 Abril
182 Tratamento espiritual do câncer. O papel do Duplo etérico Sérgio Vencio 2017 Abril

Fonte: Blog Medicina e Espiritualidade

Publicado em Cuide bem da Saúde | Marcado com , , , | Deixe um comentário

ABELHA SEM FERRÃO

 

ABELHA SEM FERRÃO

Coletando o mel da flor da mostarda (fotografado de Areacode, Kerala, India)

As abelhas sem ferrão , às vezes chamadas abelhas melíferas ou simplesmente meliponinas , são um grande grupo de abelhas (cerca de 500 espécies), compreendendo a tribo Meliponini [1] (ou subtribo Meliponina de acordo com outros autores [2] ). Eles pertencem à família Apidae , e estão intimamente relacionados com abelhas comuns,abelhas de carpinteiro , abelhas de orquídeas e zangões . [3] Meliponines têm stingers, mas são altamente reduzidos e não podem ser usados ​​para a defesa. Meliponinas não são o único tipo de abelha “sem ferrão”; Todas as abelhas machos e muitas abelhas de várias outras famílias, como Andrenidae , também não pode picar. [1]

Localização

As abelhas Stingless podem ser encontradas na maioria das regiões tropicais ou subtropicais do mundo, como Austrália, África , Sudeste Asiático e América tropical. [1] [2] A maioria das abelhas eusocial nativas da América Central e do Sulsão abelhas sem ferrão, embora apenas alguns deles produzam mel em uma escala tal que são cultivadas por seres humanos. [4] [5] São igualmente completamente diferentes em África , including Madagascar , [6] e são cultivados lá também; Meliponina mel é estimado como um medicamento em muitas comunidades Africano, bem como na América do Sul. [7]

Comportamento 

Sendo tropical , as abelhas sem ferrão são ativas durante todo o ano, embora sejam menos ativas em climas mais frios, com algumas espécies apresentando diapausa . [8] [9] Ao contrário de outras abelhas eusocial, eles não picam, mas defenderão mordendo se seu ninho é perturbado. Além disso, alguns (no gênero Oxytrigona ) têm secreções mandibulares que causam bolhas dolorosas. Apesar de sua falta de picada , as abelhas sem ferrão, sendo eusocial, podem ter colônias muito grandes feitas formidáveis ​​pelo número de defensores. [10]

Colmeias [ editar ]

Colmeias contendo colôniasHeterotrigona itama .

As abelhas sem ferrugem geralmente aninham-se em troncos ocos, ramos de árvores, cavidades subterrâneas ou fendas de rochas, mas também foram encontradas em cavidades de parede, caixotes de lixo antigos, medidores de água e tambores de armazenamento. Muitos apicultores mantêm as abelhas em sua colméia de log original ou transferi-las para uma caixa de madeira, pois isso facilita o controle da colméia. Alguns apicultores colocá-los em bambus, vasos, conchas de coco e outros recipientes de reciclagem, como um jarro de água, uma guitarra quebrada e outros recipientes seguros e fechados. [11] [12] [13]

As abelhas armazenam pólen e mel em vasos grandes, em forma de ovo feitos de cera (tipicamente) misturados com vários tipos de resina vegetal; Esta combinação é por vezes referida como “cerumen” (que é, aliás, o termo médico paraearwax ). Estes vasos são frequentemente dispostos em torno de um conjunto central de favos de ninhada horizontais, onde as larvas são alojadas. Quando as abelhas operárias emergem de suas células, tendem a permanecer inicialmente dentro da colméia, desempenhando diferentes tarefas. Quando os trabalhadores envelhecem, eles se tornam guardas ou forrageiros. Ao contrário das larvas de abelhas e de muitas vespas sociais, as larvas de meliponina não são alimentadas ativamente por adultos ( aprovisionamento progressivo ). O pólen e o néctar são colocados numa célula, dentro da qual é colocado um ovo, e a célula é selada até que a abelha adulta emerge após a pupação (aprovisionamento em massa ). Em qualquer momento, as colmeias podem conter 300-80.000 trabalhadores, dependendo das espécies.

Castas

Em um sentido simplificado, o sexo de cada abelha depende do número de cromossomos que recebe. As abelhas fêmeas têm dois conjuntos de cromossomos ( diploid ) – um conjunto da rainha e outro de um dos machos abelhas ou drones . Drones têm apenas um conjunto de cromossomos ( haploid), e são o resultado de ovos não fertilizados, embora endogamia pode resultar em drones diploid.

Ao contrário das verdadeiras abelhas, cujas abelhas podem tornar-se trabalhadores ou rainhas dependendo estritamente do tipo de alimento que recebem como larvas (as rainhas são alimentadas com geléia real e os trabalhadores são alimentados com pólen), o sistema de castas em meliponinas é variável e comumente baseado simplesmente em A quantidade de pólen consumido; Maiores quantidades de pólen produzem rainhas no gênero Melipona .Também ocorre um componente genético, e até 25% [14] (tipicamente 5-14%) das fêmeas podem ser rainhas. As células da rainha no primeiro caso podem ser distinguidas de outras pelo seu tamanho maior, uma vez que são estocadas com mais pólen, mas neste último caso, as células são idênticas às células operárias e espalhadas entre a ninhada operária. Quando as rainhas novas emergem, deixam tipicamente para acoplar, ea maioria morre. [15] Novos ninhos não são estabelecidos por enxames, mas por uma procissão de trabalhadores que gradualmente construir um novo ninho em um local secundário. O ninho é então unido por uma rainha recém-acasalada, altura em que muitos trabalhadores ocupam residência permanente e ajudar a nova rainha a criar seus próprios trabalhadores.Se uma rainha governante é ela mesma fraca ou morrendo, então uma nova rainha pode substituí-la. Para Plebeia quadripunctata , embora menos de 1% das células operárias produzem rainhas anãs, elas compõem seis das sete abelhas rainhas, e uma de cinco procede a colônias de cabeça própria. Eles são reprodutivamente ativos, mas menos fecundos do que rainhas grandes. [15]

Abelhas sem ferrão da Austrália 

Das 1600 espécies de abelhas selvagens nativas da Austrália, cerca de 14 são stingless. [16] Estas espécies carregam uma variedade dos nomes, including abelhas nativas australianas, abelhas nativas, abelhas do sugar-bag, e abelhas do suor (porque aterrarão em uma pessoa sweaty para beber em épocas ou em áreas secas). Todos são pequenos e de cor preta, com pernas longas e peludas para transportar néctar e pólen ; Por causa do último, são confundidos às vezes paraabelhas . As várias espécies sem ferrão parecem bastante semelhantes, com as duas espécies mais comuns, Trigona carbonaria e Austroplebeia australis , apresentando a maior variação, pois esta é menor e menos ativa. Ambos habitam a área em torno de Brisbane .

Como abelhas sem ferrão são inofensivos para os seres humanos, eles se tornaram uma adição cada vez mais atraente para o quintal suburbano. A maioria meliponine apicultores não manter as abelhas para o mel , mas sim para o prazer de conservar uma espécie nativa cujo habitat original está a diminuir devido ao desenvolvimento humano. Em contrapartida , as abelhas polinizam culturas, flores de jardim e arbustos durante a busca de néctar e pólen. Enquanto um número de apicultores preenchem um nicho de mercado pequeno para o mel do arbusto, os meliponines nativos produzem somente quantidades pequenas ea estrutura de suas colmeias faz o mel difícil de extrair. Apenas em áreas quentes da Austrália, como Queensland e norte da Nova Gales do Sul pode as abelhas produzir mais mel do que eles precisam para sua própria sobrevivência. Colher mel de um ninho em uma área mais fria pode enfraquecer ou mesmo matar o ninho.

Produção de mel 

Em áreas quentes da Austrália, estas abelhas podem ser usadas para a produção de mel menor. Eles também podem ser mantidos com sucesso em caixas nessas áreas. Métodos especiais estão sendo desenvolvidos para colher quantidades moderadas de mel de abelhas sem ferrão nessas áreas sem causar danos.

Como a abelha mel europeia ( Apis mellifera ), que fornece a maior parte do mel comercialmente produzido na Austrália, as abelhas sem ferrão têm áreas ampliadas em suas patas traseiras para transportar o pólen de volta para a colméia. Após uma expedição foraging, estas cestas do pólen ou corbiculae podem ser consideradas enchidas completamente do pólen brilhante alaranjado ou amarelo. As abelhas sem ferrão também coletam o néctar, que armazenam em uma extensão de seu intestino chamado uma colheita . De volta à colmeia, as abelhas amadurecem ou desidratam as gotas de néctar, girando-as dentro de suas partes bucais até que o mel seja formado. A maturação concentra o néctar e aumenta o teor de açúcar, embora não seja tão concentrado quanto o mel das verdadeiras abelhas; É muito mais fino na consistência, e mais propenso a estragar.

As abelhas Stingless armazenam seu mel aromático em grupos de potenciômetros pequenos da resina perto das extremidades do ninho. Para a produção de mel, as abelhas precisam ser mantidas em uma caixa especialmente concebida para tornar as lojas de mel acessível sem danificar o resto da estrutura do ninho. Alguns projetos recentes da caixa para a produção do mel fornecem um compartimento separado para as lojas do mel assim que os potenciômetros do mel podem ser removidos sem derramar o mel em outras áreas do ninho. Ao contrário de uma colméia de abelhas comerciais, que pode produzir 75 kg de mel por ano, uma colméia de abelhas australianas sem ferrão produz menos de 1 kg. Stingless mel de abelha tem um distintivo “arbusto” gosto – uma mistura de doce e azedo com um toque de fruta. O sabor vem de resinas de plantas – que as abelhas usam para construir suas colmeias e potes de mel – e varia em diferentes épocas do ano, dependendo das flores e árvores visitadas.

Polinização 

Os agricultores australianos dependem fortemente da abelha de mel ocidental introduzida para polinizar as suas culturas. No entanto, para algumas culturas, as abelhas nativas podem ser melhores polinizadoras. As abelhas sem ferrão têm demonstrado ser valiosas polinizadoras de culturas como macadâmias e mangas .Eles também podem beneficiar morangos, melancias, citrinos, abacates, lichias e muitos outros. A pesquisa sobre o uso de abelhas sem ferrão para a polinização de culturas na Austrália ainda está em seus estágios iniciais, mas essas abelhas mostram grande potencial. Estudos da Universidade de Western Sydney [17]mostraram a capacidade dessas abelhas excelente para trabalhar em áreas confinadas, como estufas.

Abelhas sem ferrão do Brasil

Abelha Meliponini não identificada (provavelmente Trigona spinipes ), coberta de pólen , visitando uma flor da esponja vegetal ( Luffa cylindrica ) emCampinas , Brasil

O Brasil é o lar de várias espécies de abelhas sem ferrão pertencentes a Meliponini, com mais de 300 espécies já identificadas e provavelmente ainda mais a ser descoberto. Eles variam muito em forma, tamanho e hábitos, e 20 a 30 dessas espécies têm um bom potencial como produtores de mel. Embora eles ainda são bastante desconhecidos pela maioria das pessoas, um número crescente de apicultores foram dedicados a estas abelhas em todo o país. Esta atividade tem experimentado um crescimento significativo desde agosto de 2004, quando as leis nacionais foram alteradas para permitir que as colônias de abelhas nativas fossem comercializadas livremente, o que anteriormente era proibido em uma tentativa malsucedida de proteger essas espécies. Hoje em dia a captura ou destruição de colônias existentes na natureza ainda é proibida, e apenas novas colônias formadas pelas próprias abelhas em armadilhas artificiais podem ser coletadas da natureza. A maioria das colônias comercializadas é produzida artificialmente por apicultores autorizados, através da divisão de colônias cativas já existentes. Além da produção de mel, as abelhas sem ferrão brasileiras, como a irapuá (Trigona spinipes ), servem como grandes polinizadores de plantas tropicais e são consideradas o equivalente ecológico da abelha. [18]

Além disso, está sendo feito muito trabalho prático e acadêmico sobre as melhores maneiras de manter essas abelhas, multiplicando suas colônias e explorando o mel que produzem. Entre outras, espécies como jandaíra ( Melipona subnitida ) euruçu ( Melipona scutellaris ) no nordeste do país, mandaçaia ( Melipona quadrifasciata ) e uruçu amarelo ( Melipona rufiventris ) no sul-sudeste, tiúba ou jupará ( Melipona interrupta [19] ) e abelha de palha ( Scaptotrigona polysticta ) no norte e jataí ( Tetragonisca angustula ) em todo o país são cada vez mais mantidos por pequenos, médios e grandes produtores. Muitas outras espécies como o Mandaguari ( Scaptotrigona postica ), o Guaraipo ( Melipona bicolor ) eo Iraí ( Nannotrigona testaceicornis ), para mencionar alguns, também são criados em menor escala. Através do cultivo de mel ou venda de colônias, manter abelhas sem ferrão é uma atividade cada vez mais rentável. Uma única colônia de espécies como mandaçaia e uruçu verdadeiro pode ser dividida até quatro vezes por ano, e cada uma das novas colônias obtidas desta forma pode ser vendida por cerca de US $ 100.

Melipona capixaba é a única espécie de abelhas sem ferrão incluída na lista de espécies ameaçadas do Ministério do Meio Ambiente do Brasil.

Produção de mel

Embora as colônias da maioria dessas abelhas sejam muito menores do que as da abelha européia, a produtividade por abelha pode ser bastante alta, com colônias contendo menos de mil abelhas sendo capaz de produzir até 4 litros (um galão americano ) De mel todos os anos. Provavelmente, o campeão mundial na produtividade do mel, o Manduri ( Melipona marginata ), vive em enxames com apenas cerca de 300 indivíduos, mas mesmo assim, pode produzir até 3 litros de mel por ano nas condições certas. Uma das mais pequenas entre todas as abelhas do gênero Melipona , com comprimentos variando de 6 a 7 mm, está sendo usada em alguns países como o Japão ea Alemanha como polinizadora de estufas. Embora eles não tendem a atacar se não for molestado, quando sentem que o ninho está sob ameaça, a reação dessas minúsculas abelhas é violenta, e suas fortes mandíbulas podem penetrar a pele humana.

As espécies do gênero Scaptotrigona possuem colônias muito grandes, com até 20.000 indivíduos, podendo produzir de 8 a 12 litros de mel por ano, mas são um pouco agressivas e, portanto, pouco populares entre os apicultores meliponinos brasileiros. Alguns grandes criadores possuem mais de 3.000 colméias das espécies domesticas mas ainda altamente produtivas no gênero Melipona , como a tiúba , o verdadeiro uruçu ea jandaíra , cada uma com 3.000 ou mais abelhas por colônia. Eles podem produzir mais de 1,5 toneladas de mel a cada ano. Em grandes fazendas de abelhas, apenas a disponibilidade de flores limita a produção de mel por colônia. Seu mel é considerado mais saboroso porque não excessivamente doce, e também é pensado para ter propriedades medicinais mais pronunciadas do que mel de abelhas do gênero Apis devido ao maior nível de substâncias antimicrobianas. Como resultado, o mel de abelhas sem ferrão retorna lucros muito elevados, com preços tanto quanto 5-10 vezes maior do que aqueles para o mel mais comum produzido por abelhas européias ou africanizadas.Contudo, é necessário um número muito maior de colméias para produzir quantidades de mel comparáveis ​​às de abelhas europeias ou africanizadas. Além disso, devido ao fato de aquelas abelhas armazenar mel em vasos de cerume em vez de favos de mel padronizados como na criação de abelhas faz extração muito mais difícil e trabalhoso.

O mel das abelhas sem ferrão tem uma cor mais clara e um teor de água mais elevado, de 25% para 35%, em comparação com o mel do género Apis . Isso contribui para o seu gosto menos cloying, mas também faz com que ele estragar mais facilmente. Assim, para comercialização, este mel precisa ser processado por dessecação ou pasteurização. Em seu estado natural, ele deve ser mantido sob refrigeração.

Abelhas como animais de estimação  – Pets

Um enxame de abelhas mandaçaias ao redor de uma colmeiaartificial instalada no quintal de uma casa no Brasil

Devido à falta de um stinger funcional e comportamento não agressivo característico de muitas espécies brasileiras de abelhas sem ferrão, eles podem ser criados sem problemas em ambientes densamente povoados, como cidades, desde que flores suficientes estão à sua disposição nas proximidades. Alguns criadores (meliponicultors) podem produzir o mel mesmo nos apartamentos até o 12o assoalho. [20]

Apesar de serem em geral bastante pacíficas, com exceção de algumas espécies como a tubuna ( Scaptotrigona bipunctata), a maioria das meliponinas brasileiras reagirão se suas colmeias forem molestadas, mordendo com suas mandíbulas, enredando-se no cabelo, tentando entrar nos ouvidos Ou o nariz, e liberando a própolis ou mesmo o ácido sobre seus agressores.

Algumas espécies, no entanto, são mais adequadas para a criação em casa como animais de estimação. As mandaçaia são extremamente mansas, não atacando os humanos mesmo quando suas colméias são abertas para a extração de mel ou divisão de colônias. Eles formam colônias pequenas, gerenciáveis ​​de apenas 400-600 indivíduos. Ao mesmo tempo, uma única colmeia racional de mandaçaia pode produzir até 4 litros de mel por ano, tornando a espécie muito atraente para os proprietários de casa. São abelhas relativamente grandes, de até 11 mm de comprimento e, como resultado, têm um melhor controle do calor corporal, permitindo-lhes viver em regiões onde as temperaturas podem cair um pouco abaixo de 0 ° C. No entanto, eles são um pouco seletivo sobre quais as flores que irão visitar, preferindo a flora que ocorre em seu ambiente natural. Portanto, são difíceis de manter fora de sua região de origem, ao longo da costa leste do Brasil, a partir do estado da Bahia sul.

Outras espécies, como a tiúba eo uruçu verdadeiro , também são muito mansas e altamente produtivas. Suas colônias têm de 3000-5000 indivíduos (para comparação, a população de enxames de abelhas podem atingir 80000 indivíduos) e pode produzir até 10 litros de mel por ano. Eles podem ser facilmente mantidos em casa, mas só sobreviverá em regiões com clima quente, com suas larvas a morrer a temperaturas inferiores a 12 ° C. O uruçu amarelo, no entanto, pode sobreviver a temperaturas inferiores a 0 ° C, e suas colônias, com cerca de 3.500 indivíduos, podem produzir até 6 litros de mel por ano. Mas esta espécie reagirá com poderoso beliscando se seus ninhos forem molestados, e geralmente eles só são mantidos por meliponicultors profissionais.

Outra espécie adequada para se manter em casa é a guaraipo ( Melipona bicolor ). Também é bastante manso, nunca atacando o apicultor, e suas colônias têm menos de 600 indivíduos. Eles podem suportar temperaturas de até -10 ° C, e cada colônia pode produzir mais de 3 litros (0,79 US galões) de mel por ano. Suas colônias geralmente têm mais de uma rainha de cada vez (geralmente dois ou três, mas às vezes até cinco), um fenômeno chamado polygyne . Uma vez muito comum, o guaraipo é agora bastante raro na natureza, principalmente devido à destruição de suas florestas nativas no sudeste do Brasil.

Outros grupos de abelhas sem ferrão brasileiras, os gêneros Plebeia e Leurotrigona , são também muito mansos e muito menores, sendo que um deles ( Plebeia minima ) não atinge mais de 2,5 mm de comprimento , e os lambe -olhos, Leurotrigona muelleri , Sendo ainda menor, não superior a 1,5 mm. Muitas dessas espécies são conhecidas como mirim (miúdo), e podem ser mantidas em pequenas colméias artificiais, sendo assim de interesse para os detentores que os querem como polinizadores em estufas ou apenas por prazer de ter uma colônia de abelhas “brinquedo” em casa. Sendo tão pequenas, estas espécies produzem apenas uma quantidade muito pequena de mel, normalmente menos de 500 ml por ano, por isso não são interessantes para a produção comercial de mel.

Tubo de entrada da colônia dejataís : As abelhas jatai construir um tubo de cera na entrada de seu ninho.

Pertencendo ao mesmo grupo, os jatai ( Tetragonisca angustula ), a marmelada ( Frieseomelitta varia ) ea moça-branca (Frieseomelitta doederleini ) são de tamanho intermédio entre as espécies muito pequenas e a abelha europeia. São espécies muito adaptáveis; O jataí , e pode ser criado em muitas regiões e ambientes diferentes, sendo bastante comum na maioria das cidades brasileiras. O jataí pode morder quando molestado , mas suas mandíbulas são fracas, e na prática sãoinofensivas , enquanto a marmelada e moça-branca geralmente depositam própolis sobre seus agressores. Produzindo até 1,5 litros de mel por ano, seu mel é considerado entre os melhores de abelhas sem ferrão. Na verdade, o jataí foi uma dasprimeiras espécies a serem mantidas por apicultores em casa. Seus ninhos podem ser facilmente identificados em árvores ou cavidades de parede pelo tubo de cera que eles construem na entrada, geralmente guardado por algumas abelhas soldado, que são mais fortes do que abelhas operárias regulares. A marmelada e o moça-branca fazem um pouco menos de mel, mas é mais denso e mais doce que a maioria das outras abelhas sem ferrão e é considerado muito saboroso.

Abelhas sem ferrão maia da América Central 

Colmeia de abelhas sem ferrão: Um pedaço de tronco oco fornece um lar para abelhas meliponinas emBelize .

As abelhas sem ferrão Melipona beecheii e M. yucatanica são as únicas abelhas nativas cultivadas em qualquer grau na América Central. Eles eram extensivamente cultivados pela civilização maia para o mel, e considerados sagrados. Eles continuam a ser cultivados pelos povos maia modernos, embora essas abelhas estejam em perigo devido ao desmatamento maciço, práticas agrícolas alteradas (especialmente inseticidas ) e as práticas de apicultura em mudança com a chegada daabelha africanizada , que produz colheitas de mel muito maior.

História [ editar ]

Os meliponines nativos ( M. beecheii que é o favorito) foram mantidos pelo Maya da planície por milhares de anos. O nome da língua do Maya de Yucatec para esta abelha é kab do xunan , significando “a abelha da senhora (real, nobre)”. [21] As abelhas eram uma vez o assunto de cerimónias religiosas e eram um símbolo do abelha-deus Ah-Muzen-Cab , sabido do Codex de Madrid .

As abelhas eram, e ainda são, tratadas como animais de estimação. As famílias teriam uma ou várias colméias penduradas em suas casas. Embora sejam stingless, as abelhas mordem e podem deixar welts similar a uma mordida do mosquito. A maneira tradicional de coletar as abelhas, ainda privilegiada entre os habitantes locais, é encontrar uma colméia selvagem, em seguida, o ramo é cortado em torno da colméia para criar um log portátil, envolvendo a colônia. Este log é então tampado em ambas as extremidades com outro pedaço de madeira ou cerâmica e selado com lama. Este método inteligente mantém as abelhas melipina de misturar sua ninhada, pólen e mel no pente mesmo como fazem as abelhas europeus. A ninhada é mantida no meio da colmeia, eo mel é armazenado em “panelas” verticais nas bordas externas da colméia. Uma tampa temporária, substituível no final do registro permite o acesso fácil ao mel ao fazer o dano mínimo à colmeia.Entretanto, os manipuladores inexperientes podem ainda fazer dano irreversible a uma colmeia, fazendo com que a colmeia enxame e fuga do registro. Com a manutenção adequada, porém, colmeias foram registrados como duradouro mais de 80 anos, sendo transmitida através de gerações. No registro archaeological de Mesoamerica, os discos da pedra foram encontrados que são considerados geralmente ser os tampões dos registros long-desintegrados que abrigaram uma vez as colmeias.

Tulum 

Tulum , o local de uma cidade pre-Columbian do Maya na costa do Cararibe 130 quilômetros de sul de Cancun, tem um deus descrito repetidamente todo o local.De cabeça para baixo, ele aparece como uma figura pequena sobre muitas entradas e entradas. Um dos templos, o “Templo del Dios Descendente” ou o Templo do Deus Descendente, fica apenas à esquerda da praça central. A especulação é que ele pode ser o “Deus da Abelha”, Ah Muzen Cab, como visto no Codex Madrid.É possível que este fosse um centro religioso / comercial com ênfase em xunan kab , a “senhora real”.

Usos econômicos

O Balché , uma bebida alcoólica mesoamericana tradicional, semelhante ao hidromel , era feito de mel fermentado e da casca do legheiro ( Lonchocarpus violaceus), daí o nome. [22] Foi tradicionalmente fabricado em canoa. A bebida era conhecida por ter propriedades enteogênicas, isto é, para produzir experiências místicas, e era consumida em práticas medicinais e rituais. Os apicultores colocariam os ninhos perto da planta psicoativa Turbina corymbosa e possivelmente perto debalché , forçando as abelhas a usar o néctar dessas plantas para fazer seu mel. [22] Além disso, cervejeiros iria adicionar extratos da casca do balché árvore para a mistura de mel antes da fermentação. A bebida resultante é responsável pelos efeitos psicotrópicos quando consumida, devido aos compostos de ergolina no pólen do T. corymbosa , ao néctar de Melipona colhido das flores de balché ou aos compostos alucinógenos da casca de balche .

A fundição de cera perdida , um método de metal comum normalmente encontrado onde os habitantes mantêm abelhas, também foi usado pelos maias. A cera deMelipona é macia e fácil de trabalhar, especialmente na planície úmida úmida. Isso permitiu que os maias criassem pequenas obras de arte, jóias e outros metais que seriam difíceis de falsificar. Faz também uso das sobras da extração do mel. Se a colméia foi danificada além da reparação, o todo do pente poderia ser usado, usando assim toda a colmeia. Com os guardiões experientes, porém, apenas o pote de mel poderia ser removido, o mel extraído, ea cera usada para fundição ou outros fins.

Futuro

A perspectiva para meliponines em Mesoamerica é incerta. O número de apicultores ativos de Melipona está caindo rapidamente em favor dos Apis melliferaAfricanized, mais econômicos e não indígenas . O alto rendimento de mel, 100 kg ou mais anualmente, juntamente com a facilidade de cuidados de colméia e capacidade de criar novas colméias de estoque existente, geralmente supera as conseqüências negativas da manutenção da colméia “abelha assassina”. Além disso, as abelhas africanizadas não visitam alguma flora, como as da família dos tomates , e várias árvores e arbustos florestais, que dependem das abelhas nativas para a polinização. Um declínio nas populações de flora nativa já ocorreu em áreas onde as abelhas sem ferrão foram deslocadas por abelhas africanizadas. Um golpe adicional para a arte da apicultura meliponina é que muitos dos apicultores meliponina são agora idosos, e suas colmeias não podem ser cuidados uma vez que morrem. As colmeias são consideradas semelhantes a uma coleção antiga da família, para ser parted para fora uma vez que o coletor morre ou ser enterrado no todo ou em parte junto com o apicultor em cima da morte. Na verdade, um levantamento de uma vez popular área das planícies maias mostra o rápido declínio dos apicultores, para cerca de 70 em 2004 de milhares no final dos anos 1980. É tradicional nas planícies maias que a própria colméia ou partes da colméia ser enterrado junto com o apicultor para voar al cielo , “voar para o céu”. [ Carece de fontes? ] Esforços de conservação estão em andamento em várias partes da Mesoamérica. [23]

Abelhas sem ferrão principais espécies que produzem mel 

Fonte: Wikipédia

Referências 

  1. ^ A b c Michener, C D. As abelhas do mundo . Johns Hopkins University Press, 972 pp.
  2. ^ A b Silveira, FA; Melo, GAR; Almeida, EA B. 2002. Abelhas Brasileiras: Sistemática e Identificação . Fernando A. Silveira, 253 pp.
  3. ^ Roubik, D W. 1989. Ecologia e História Natural de Abelhas Tropicais.Cambridge Tropical Biology Series , 528 pp.
  4. ^ Cortopassi-Laurino, MC; Imperatriz-Fonseca, VL; Roubik, DW; Dollin, A.; Ouvi, T; Aguilar, eu; Venturieri, GC; Eardley, C; Nogueira-Neto, P .; Et ai. (2006).“Meliponicultura global: desafios e oportunidades”. Apidologie . 37 (2): 275-292.Doi : 10.1051 / apida: 2006027 .
  5. ^ Venturieri, GC; Raiol, VFO; Pareira, CAB (2003). “Avaliação da introdução da criação de Melipona fasciculata (Apidae: Meliponina), entre os agricultores familiares de Bragança – PA, Brasil”. Biota Neotropica . 3 (2): 1-7. Doi : 10.1590 / s1676-06032003000200003 .
  6. ^ Koch, H. (2010). “Combinando morfologia e código de barras de DNA resolve a taxonomia de Western Malagasy Liotrigona Moure”, 1961 “ (PDF) Invertebrados Africanos 51 (2): 413-421. Doi : 10.5733 / afin.051.0210 . ]
  7. ^ Souza, RCS; Yuyama, LKO; Aguiar, JPL; Oliveira, FP M. (2004). “Valor nutricional do mel e pólen de abelhas sem ferrão da região amazônica”. Acta Amazonica . 34 (2): 333-336. Doi : 10.1590 / s0044-59672004000200021 .
  8. ^ Ribeiro, M F. (2002). “A rainha da Plebeia remota (Hymenoptera, Apidae, Meliponini) estimula seus trabalhadores a iniciar a construção de células de ninhada após o inverno?”. Insetos Sociaux . 49 : 38-40. Doi : 10.1007 / s00040-002-8276-0 .
  9. ^ Alves, DA; Imperatriz-Fonseca, VL; Santos-Filho, P S. (2009). “Produção de trabalhadores, rainhas e machos em colonias de Plebeia remota (Hymenoptera, Apidae, Meliponini), uma abelha sem ferrão com diapausa reprodutiva”. Genética e Pesquisa Molecular . 8 (2): 672-683. Doi : 10,4238 / vol8-2kerr030 . PMID19554766 .
  10. ^ Roubik, D W. (2006). “Biologia de nidificação de abelhas Stingless”. Apidologie. 37 (2): 124-143. Doi : 10.1051 / apida: 2006026 .
  11. ^ Venturieri, G C. (2004). “Meliponicultura: Criação de Abelhas Indígenas Sem Ferrão”. Comunicado Técnico Embrapa Amazônia Oriental . 118 : 1-4.
  12. ^ Contrera, FAL; Venturieri, G C. (2008). “Vantagens e Limitações de Uso de Abrigos Individuais e Comuns para uma Abelha Indígena sem Ferrão Uruçu-Amarela ( Melipona flavolineata )”. ” Comunicado Técnico Embrapa Amazônia Oriental 211 : 1-6.
  13. ^ Villanueva-G, R; Roubik, DW; Colli-Ucán, W. (2005). “Extinção de Melipona beecheii e apicultura tradicional na península de Yucatán”. Mundo da abelha . 86: 35-41.
  14. ^ Kerr, W E. (1950). “Determinação genética de castas no gênero Melipona .Genética . 35 (2): 143-152. PMC 1209477 Freely accessible . PMID 17247339 .
  15. ^ A b Wenseleers, T .; Ratnieks, FLW; Ribeiro, MDF; Alves, DDA; Imperatriz-Fonseca, VL (junho de 2005). “Realeza da classe trabalhadora: as abelhas vencem o sistema de castas” . Letras de Biologia . 1 (2): 125-128. Doi :10.1098 / rsbl.2004.0281 . PMC 1626201 Freely accessible . PMID 17148145 . Publicação de acesso livre - livre para ler
  16. ^ Wendy Pyper (8 de maio de 2003). “Stingless abelha resgate” . Ciência ABC.
  17. ^ “Estudo novo da polinização da estufa com Trigona . Aussie Bee Bulletin(10). Maio de 1999. Pablo Occhiuzzi da Universidade de Western Sydney está estudando a polinização em estufa do capsicum com Trigona carbonaria .
  18. ^ Jaffé, Rodolfo; Pioker-Hara, Fabiana C .; Santos, Charles F. dos; Santiago, Leandro R .; Alves, Denise A .; Kleinert, Astrid de MP; Francoy, Tiago M .; Arias, Maria C .; Imperatriz-Fonseca, Vera L. (2014-01-26). “Monogamia em grandes sociedades de abelhas: um paradoxo sem ferrão” . Naturwissenschaften . 101(3): 261-264. Doi : 10.1007 / s00114-014-1149-3 . ISSN 0028-1042 .
  19. ^ [1]
  20. ^ João Luiz. “Meliponario Capixaba: É POSSÍVEL CRIAR ABELHAS EM APARTAMENTOS?” . Retirado em 12 de março de 2016 .
  21. ^ “Diccionario Introductorio” (PDF) . Uqroo.mx (em espanhol). Universidad De Quintana Roo . Retirado em 27 de março de 2014 .
  22. ^ A b Ott, Jonathan (1998). “A abelha Delphic: Abelhas e miúdos tóxicos como ponteiros para plantas psicoativas e outras plantas medicinais” . Botânica Econômica . 52 (3): 260-266. Doi : 10.1007 / BF02862143 .
  23. ^ Um guia de conservação abrangente pode ser encontrado na edição de junho de 2005 da Bee World .
  24. ^ Rasmussen, Claus (2013-05-10). “Abelhas sem ferrão (Hymenoptera: Apidae: Meliponini) do subcontinente indiano: diversidade, taxonomia e estado atual do conhecimento” . Zootaxa . 3647 (3): 401-428. Doi : 10.11646 / zootaxa.3647.3.1 . ISSN 1175-5334 .

Continuar lendo

Publicado em Meliponíneos | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

MELIPONICULTURA – 2017 – TÓPICOS INTERESSANTES

MELIPONICULTURA – 2017 – TÓPICOS INTERESSANTES

 

Abelhas sem ferrão guardas

http://conexaoto.com.br/2017/03/01/abelhas-sem-ferrao-passaram-por-processo-evolutivo-e-usam-guardas-especializadas-para-defender-as-colmeias-de-invasores

Cientistas ensinam abelhas nativas a marcar gol

http://www.bbc.com/portuguese/geral-39129078

Soldados da colmeia das abelhas sem ferrão

http://www.bbc.com/portuguese/geral-39129078

Mel de abelhas nativas de Alagoas

http://docplayer.com.br/43436855-Mel-de-abelhas-nativas-e-africanizadas-do-estado-de-alagoas-composicao-quimica-seguranca-microbiologica-e-atividade-terapeutica.html

Censo da Meliponicultura

http://sosabelhassemferrao.com.br/site/censo-da-meliponicultura/

Veneno das abelhas e o vírus que causa a AIDS

https://www.bebee.com/producer/@fabricadeideias/veneno-de-abelha-destroi-hiv-curiosidades-sobre-abelhas-bebee-2017

O LÉXICO DA APICULTURA E DA MELIPONICULTURA NO BRASIL: ESTUDOS INICIAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM DICIONÁRIO TERMINOLÓGICO

http://docplayer.com.br/43436187-O-lexico-da-apicultura-e-da-meliponicultura-no-brasil-estudos-iniciais-para-a-elaboracao-de-um-dicionario-terminologico.html

INVESTIGADORES DE UM INSTITUTO JAPONÊS ESTÃO A DESENVOLVER ABELHAS-ROBÔ CAPAZES DE FAZER A POLINIZAÇÃO.

https://shifter.pt/2017/02/cientistas-querem-tornar-real-a-parte-boa-do-episodio-das-abelhas-de-black-mirror/

Aplicativo para celular pode evitar a extinção de abelhas

http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/aplicativo-para-celular-pode-evitar-extincao-de-abelhas-20945626

Caracterização, Colheita, Conservação e Embalagem de Méis de Abelhas Indígenas Sem Ferrão

http://docplayer.com.br/41059634-Caracterizacao-colheita-conservacao-e-embalagem-de-meis-de-abelhas-indigenas-sem-ferrao.html

Diagnóstico da Meliponicultura no Brasil

http://docplayer.com.br/41546605-Diagnostico-da-meliponicultura-no-brasil.html

Bactérias simbiontes associadas à abelha sem ferrão Melipona scutellaris como fontes de produtos naturais bioativos (2016)

http://bdpi.usp.br/single.php?_id=002794634

Biologia e manejo de abelhas sem ferrão (1986)

http://bdpi.usp.br/single.php?_id=000758777

Curso de Criação de Abelhas Sem Ferrão para Crianças

http://apimeabelhanativa.blogspot.com.br/2017/01/curso-de-criacao-de-abelhas-sem-ferrao.html

Quem matou o polinizador

http://sfagro.uol.com.br/quem-matou-o-polinizador/

Por que as abelhas podem ser o segredo para a superinteligência humana?

https://zap.aeiou.pt/abelhas-podem-segredo-superinteligencia-humana-146776

Criação de abelhas muda vida de produtor rural em Cruzeiro do Sul

https://meliponariodamadecopas.blogspot.com.br/2017/01/criacao-de-abelhas-muda-vida-de.html

Abelhas removem larvas mortas para reduzir transmissão de doenças na colmeia

http://www.planetauniversitario.com/index.php/ciencia-e-tecnologia-mainmenu-75/37034-abelhas-removem-larvas-mortas-para-reduzir-transmissao-de-doencas-na-colmeia

EUA declaram espécie de abelhão “em perigo de extinção”

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2017-01-10-EUA-declaram-especie-de-abelhao-em-perigo-de-extincao

Mel de abelhas nativas produzido por índios de Aracruz é comercializado em mercado de São Paulo

http://jornalentrevista.com.br/v1/2017/01/04/mel-de-abelhas-nativas-produzido-por-indios-de-aracruz-e-comercializado-em-mercado-de-sao-paulo/

ABELHAS DO MAR – COMO SE POLINIZAM AS PLANTAS MARINHAS

https://www.greenme.com.br/informar-se/biodiversidade/4761-abelhas-mar-polinizar-plantas-marinhas

Publicado em Meliponíneos | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

COMO CONSTRUIR UM HOTEL PARA ABELHAS SOLITÁRIAS – HOW TO BUILD A HOTEL FOR WILD BEES

COMO CONSTRUIR UM HOTEL PARA ABELHAS SOLITÁRIAS – HOW TO BUILD A HOTEL FOR WILD BEES

Como construir um hotel para abelhas selvagens

Ajude a sua população de abelhas local, construindo-os um lugar para aninhar.

TOM ODER

16 de agosto de 2016, 7h32

 

Abelha, hotel, inseto, casa, jardim

Um hotel de abelhas é uma maneira divertida e familiar de atrair abelhas para o seu jardim. (Foto: MarjanCermelj / Shutterstock)

Quer uma atividade divertida que beneficia abelhas nativas e que toda a família pode fazer direito em seu quintal? Construir um hotel abelha.

Um hotel da abelha é um lugar que você cria para abelhas nativas – particularmente abelhas do pedreiro e abelhas do leafcutter – fazer um ninho. “A coisa sobre uma casa pedreiro abelha é que ele leva as pessoas a compreender que há muito mais abelhas lá fora do que apenas as abelhas”, disse Becky Griffin, da comunidade e coordenador jardim da escola no Centro de Agricultura Urbana e University of Georgia extensão para O Distrito Noroeste da Geórgia.

“Ouvimos muito sobre o declínio das abelhas (que não são nativas da América do Norte), mas precisamos também estar cientes de que há um declínio nas populações de abelhas nativas devido à perda de habitat”, disse Griffin. “Abelhas nativas aninham em troncos ocos, árvores mortas e no chão, e quando a floresta é limpa, as abelhas nativas têm cada vez menos lugares para aninhar”.

Os proprietários podem fazer algo para dar abelhas nativas, que estão entre os polinizadores mais importantes da natureza, uma mão amiga, criando locais especiais de nidificação. Hotéis Bee fazer sites ideais, porque eles são fáceis de construir e vai acomodar muitas espécies diferentes de abelhas. “Uma vez que você começa a notar abelhas nativas, atraindo-os e aprender sobre eles, você só quer sentar em seu banco em seu jardim e vê-los trabalhar”, entusiasmou Griffin. “Eles são criaturas incríveis!”

Aqui está um guia, com dicas e conselhos do Griffin, sobre que tipos de abelhas nativas esperam que o seu hotel abelha para atrair, como construir um hotel abelha, como medir o sucesso do seu hotel abelha, e que tipo de plantas para colocar Em seu jardim para atrair e manter abelhas nativas em seu jardim e retornar ao seu hotel abelha.

Se eu o construir, quem virá?


Um simples hotel abelhaOs hotéis da abelha atraem geralmente o que são chamados geralmente as abelhas do pedreiro, que como seu nome de sua prática de fazer compartimentos da lama em ninhos que constroem os juncos ocidentais ou nos furos na madeira feita por insetos furando madeira.
As abelhas do pomar e as abelhas do cortador da folha caem nesta categoria, demasiado. Estas abelhas nativas são chamadas de abelhas solitárias porque uma vez que as fêmeas, ela está sozinha. Ela não tem uma estrutura social como uma abelha de mel teria em uma colméia. Ela vai encontrar um buraco oco com um fim para ela e ela vai colocar um ovo e colocar algum alimento nele para as larvas e, em seguida, selá-lo com alguma lama ou alguns restos de folhas e ir sobre o seu negócio.

Quando pensamos em abelhas, geralmente pensamos em abelhas, que têm uma estrutura social muito complexa. Eles dependem uns dos outros; Eles têm uma colméia e viver em um cluster e fazer mel. Mas uma abelha solitária não trabalha como uma equipe com nenhuma outra abelha. Eles são totalmente por conta própria. Eles vão procurar material de nidificação, construir ninhos e recolher néctar e pólen por si só. Eles não fazem parte de uma rede social, e não fazem mel.

Posso construir?

A primeira pergunta que as pessoas que nunca viram um hotel abelha pode perguntar-se é se eles têm as habilidades para enfrentar o projeto. Se você pode martelar um prego e furar um buraco, então a resposta é: “Sim, você pode construir um hotel abelha.” Realmente pode ser assim tão simples. Na verdade, pode ser mais simples se você usar bambu, que já é oco, para o hotel.

O design perfeito


Um hotel de abelha fantasiaA primeira coisa que você tem a fazer é projetar o hotel.
Pode ser tão simples e rústico ou tão complexo e extravagante como você quer que seja.Uma casa simples poderia ser um bloco de 4 por 4 de madeira com furos perfurados nele e montado em um post ou mesmo pedaços de bambu que são fechados em uma extremidade e amarrado em um feixe ou colocado em um tubo, como uma peça De tubo de PVC e pendurado de uma árvore. Uma casa extravagante poderia ser um quadrado, retângulo ou outra forma com diferentes blocos de madeira de tamanho colocado no quadro em ângulos agradáveis. Tal casa poderia inclusive incluir um objeto de arte colocado entre os blocos de madeira. Embora não haja limites para o projeto, existem algumas regras básicas a seguir na construção da casa:

  • Utilize apenas madeira não tratada.
  • Certifique-se que a casa tem um telhado para manter a chuva e outros elementos meteorológicos para fora dos buracos.
  • A casa deve ser um mínimo de três metros do chão.
  • Para atrair tantas espécies de abelhas quanto possível, faça furos de tamanhos variados. Certifique-se de não perfurar todo o caminho através do bloco como os buracos devem ter um ponto de parada. Brocas de 2 a 10 mm de diâmetro são ideais. Iniciantes que podem querer manter as coisas realmente simples e que poderia ter uma quantidade limitada de ferramentas poderia simplesmente usar um broca 5/16 para todos os buracos em seu primeiro hotel.
  • Para um primeiro hotel, 12-18 buracos seria ideal.
  • Não há regras rígidas sobre o quão profundo os buracos devem ser – com a ressalva de que se você usar um grande pedaço de madeira ou criar um “grande” hotel emoldurado e os buracos são muito longos, a abelha não pode entrar nele . Mantendo furos de entrada não mais profundo do que o comprimento de uma broca padrão é uma boa regra de ouro.
  • Remova os estilhaços dos orifícios. Quando você perfura os buracos, pegue um pedaço de lixa e suavizar os buracos. Pequenos estilhaços podem não parecer muito para você, mas bordas ásperas nos buracos de entrada poderia ser um grande negócio e até mesmo fatal para uma abelha nativa, alguns dos quais são muito pequenas. As bordas ásperas podem mesmo impedir que as abelhas usem o furo.
  • Qualquer estilo de madeira que você está usando para o seu hotel abelha terá de ser substituído a cada dois anos ou mais porque as abelhas querem novos túneis em que eles podem colocar seus ovos.
  • Resistir ao desejo de pintar o hotel. A madeira natural é mais atraente para as abelhas.
  • Você pode ter vários hotéis abelha. Só não se esqueça de espaço-los em seu quintal e jardim para que eles não são agrupados juntos.

Quando e onde colocar o seu hotel abelha

Native abelhas ninho na primavera. Seu hotel abelha deve estar no lugar em fevereiro ou, em regiões do norte, assim que você pode cavar um buraco de poste na primavera.

Escolha um local ensolarado onde a frente da casa vai enfrentar o sol e que está longe de uma área altamente traficada. Isso é importante porque as abelhas precisam do sol para mantê-las quentes, e não é conveniente para abelhas ou apicultores ter o hotel em um local onde as abelhas têm de voar em uma calçada ou caminho do jardim. Vale a pena apontar que as abelhas solitárias não vai picar você, exceto no improvável mesmo que você fosse pisar em um descalço ou squish com os dedos.

O que observar

Abelha, rastejando, abelha, hotel, buracoÀs vezes um hotel da abelha não oferece muito na maneira da dignidade para as abelhas, mas fornece um lugar útil para que as abelhas reproduzam. (Foto: echoe69 / flickr)

Depois que você construiu o hotel, esperançosamente as abelhas virão! Assistindo para a sua chegada é uma parte divertida do projeto toda a família pode desfrutar.As fêmeas encontram o hotel na primavera ou no início do verão e entram em buracos que se encaixam no tamanho de suas espécies. Você pode dizer que tipo de abelha visitou o hotel porque as abelhas do mason selarão furos com a lama e as abelhas do cortador da folha selarão furos com folhas.

Você não será capaz de ver o que acontece depois, mas os ovos vão chocar e as larvas vão comer o alimento que a fêmea deixou para trás e, em seguida, girar um casulo. Uma abelha inteiramente formada desenvolver-se-á e mastigará sua maneira através do selo da lama ou da folha e voará para fora em seu mundo do jardim a mola seguinte. É importante que quando eles fazem que eles encontram plantas de pólen e néctar nas proximidades. Se não, eles vão voar para outro jardim, e você vai perder o prazer de assistir as novas vidas que você ajudou a iniciar seu ciclo de vida. Agentes de extensão pode fornecê-lo com uma boa lista de plantas para sua região para ajudar a garantir as abelhas ficar em seu quintal. O agente de extensão também pode ajudá-lo a entender que tipos de abelhas você pode esperar para atrair em sua região.

Outro recurso para encontrar as melhores plantas para sua região está em seu centro de jardinagem local. Tenha em mente que as plantas nativas são geralmente as melhores escolhas para jardins caseiros, porque eles são os mais fáceis de crescer e obter através de condições climáticas extremas e porque abelhas nativas evoluíram com plantas nativas. Outra parte divertida do projeto da ciência é colocar um notebook em um saco selável e anote os tipos de abelhas que você vê em seu jardim, as datas em que os vários buracos são selados e quando eles foram mastigados aberto. Ao longo do tempo, procure um padrão para as datas.

Como medir o sucesso

Um grande abelha hotelUma vez que você começa o cair de hotéis abelha e começar a atrair um monte de abelhas, talvez você pode construir um hotel abelha tão grande como este! (Foto: Ong-Mat / flickr)

Você será capaz de dizer se o hotel está sendo usado observando se os buracos são selados. Você também vai desenvolver uma compreensão das abelhas que estão visitando seu jardim e hotel pelos tamanhos dos buracos que estão sendo usados.À medida que você adiciona mais hotéis abelha, você pode querer aumentar o número de buracos daqueles tamanhos. Você vai saber se você tem o néctar certo e plantas de pólen em seu jardim, observando se as abelhas estão visitando-los.

Por outro lado, se você chegar ao final do verão o ano após buracos foram selado e ver que os buracos ainda estão mudded ou cheio de folhas, então você tem um problema com o hotel. Você terá que descobrir o que é isso. Por exemplo, um inseto parasita pode ter notado que o furo é selado e perfurado um furo pequeno através do selo e comido as larvas ou a abelha no casulo. Ou, se você não notar um buraco de entrada no selo, um fungo pode ter matado a abelha em um de seus estágios de crescimento. (Para mais informações sobre a importância da manutenção, consulte este túnel próximo explicador com uma seção extra em saneamento.) Não pulverizar o hotel para tentar evitar que isso aconteça novamente, porque você poderia prejudicar outras abelhas que você está tentando proteger. Pense nisso como apenas uma das duras lições da natureza no trabalho.

Para informações adicionais sobre abelhas nativas ea importância dos polinizadores, visite o Pollinator Partnership e a Sociedade Xerces .

Créditos da foto para imagens inseridas de casas de abelhas: Becky Griffin

Publicado em Meliponíneos | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

LISTA DE PAÍSES QUE JÁ VISITARAM ESTE BLOG – LIST OF COUNTRIES THAT HAVE VISITED THIS BLOG

 LISTA DE PAÍSES QUE JÁ VISITARAM ESTE BLOG – LIST OF COUNTRIES THAT HAVE VISITED THIS BLOG

 

Boa tarde,

 

Este blog surgiu em abril de 2009, a intenção era ter um local onde pudesse colocar informações de interesse próprio e sistematicamente pudéssemos consultar quando necessário.

No dia 29 foi postado o primeiro texto – http://wp.me/pWJiA-vc

Como no decorrer dos anos começou a ter vários acessos nas informações postadas, então houve incentivo para publicar mais sobre assuntos de conhecimento e hoje temos cerca de 1.400 posts no blog.

Os assuntos de mais interesse são: tartarugas e abelhas sem ferrão, o total de visitas atingiu hoje 213.068.

Os posts mais acessados são:

Título Visualizações
COMO É A REPRODUÇÃO DE CÁGADOS JABUTIS E TARTARUGAS? 38.228
O PÊNIS DAS TARTARUGAS – THE PENIS OF TURTLES 23.613
ABELHAS SEM FERRÃO, DESCRIÇÃO DAS ESPÉCIES, PLANTAS VISITADAS – STINGLESS BEES, DESCRIPTION OF SPECIES, PLANTS VISITED 18.277
CUIDADOS NECESSÁRIOS COM AS TARTARUGAS DE ÁGUA DOCE 8.108
16 CURIOSIDADES SOBRE JABUTIS 5.903
VÔMITO VERDE, PRETO E AMARELO 3.855
ORIENTAÇÕES DE HIBERNAÇÃO PARA TARTARUGAS E JABUTIS – HIBERNATION GUIDELINES FOR TURTLES AND TORTOISES 3.853
PLANTAS MEDICINAIS – SABEDORIA POPULAR 3.451
CÁGADO CABEÇA DE COBRA 3.091

Durante este período todo, pessoas de vários países também estiveram presentes e até hoje tivemos a visita de 134 países que estão abaixo relacionados e que ao clicar nos nomes pode-se ter um acesso das informações geográficas e econômicas – link

Atualmente temos atualizado os posts publicados e mais acessados em detrimento da publicação de novos textos, o objetivo é de concentrar mais as informações em um só lugar.

Muito obrigado a todos que visitaram hbjunior.tk e nos incentivaram a democratização do conhecimento.

 

Junior Continuar lendo

Publicado em Geral, Histórias do Maninho, Uncategorized | Deixe um comentário